Deus: a hipótese descartada

a hipótese falha

Deus:A Hipótese Descartada – como a ciência mostra que Deus não existe

Um livro imperdível, ainda não traduzido para o português. Victor Stenger é professor emérito de Física e Astronomia da Universidade do Havaí e professor adjunto de Filosofia da Universidade do Colorado, U.S.

Eu terminei de lê-lo há alguns dias e vou postar aqui, a partir da próxima segunda-feira, traduções que fiz de alguns trechos.

Numa linguagem simples e muito precisa, o autor nos leva para dentro do Método Científico: explica como a Ciência constrói suas hipóteses, as testa, as avalia, reavalia, as põe à prova, até que elas sejam aceitas como — não necessariamente “verdadeiras” — mas válidas e úteis à nossa espécie. Mostra também que — o que para muitos religiosos é motivo de escárnio —  o fato de uma teoria ( = conhecimento que se adquiriu após uma hipótese ter “sobrevivido” ao método científico) ter que ser, vez ou outra, revista e modificada, não a torna sem crédito, pois, ao contrário dos dogmas religiosos, uma teoria científica “dá a cara à tapa”, apresenta-se para os demais cientistas do mundo e diz: “Por favor, mostrem que isso não está correto”.  Se ninguém consegue, com o conhecimento então disponível, e a teoria se mostra útil, diz-se que ela é uma teoria válida, ou aceita. Se uma teoria se sustenta quando novos fatos são descobertos e quando é capaz de ser usada para fazer previsões seguras que podem ser comprovadas, ela vira Lei, como a lei da gravidade.

É assim que funciona e sempre funcionou. E é graças a isso que, hoje, voamos de avião, visitamos outros mundos, falamos em celulares, inundamos o mundo com informação que viaja na velocidade da luz, aumentamos a nossa longevidade em décadas, etc. Os dogmas religiosos, por sua vez, só trouxeram desgraça, culpa, guerras e sofrimento à humanidade. Mas teremos tempo para falar sobre isso. Abaixo, só para dar uma ideia do livro, a tradução do sumário.

Cap. 1.  Modelos e Métodos

Cap. 2.  A Ilusão do Desenho

Cap. 3.  Procurando por um Mundo além da Matéria

Cap. 4.  Evidência Cósmica

Cap. 5.  O Universo Incompatível

Cap. 6.  As Falhas da Revelação*

Cap. 7.  Nossos Valores Vêm de Deus?

Cap. 8.  A Discussão do Mal

Cap. 9.  Deuses Possíveis e Impossíveis

Cap. 10.  Vivendo num Universo sem Deus

*Aqui há um trocadilho, pois, em inglês, pode ser lido: “As Falhas do Apocalipse”. Mas é revelação mesmo. Esse capítulo avalia as chamadas experiências religiosas, milagres, profecias, etc., que as religiões consideram como “prova” da existência de Deus. O autor põe essas alegações sob análise, usando o método científico e acaba por concluir que elas também não se sustentam.

Óbvio que o crente irá argumentar que o método científico não é suficiente para achar Deus, que Deus está além da compreensão humana, etc., etc., etc.. Mas isso é levado em conta também…

Como o livro não foi ainda oficialmente traduzido, dei minha própria versão do título. Alguém pode contestar que a tradução de “failed” deveria ser “falha” ( = infinitivo do verbo falhar), mas “descartada” é a que mais se aproxima do contexto: quando uma hipótese é posta à prova pelo método científico e não se sustenta, não “passa”, ela é desconsiderada, posta de lado, arquivada como “passado científico”. É uma hipótese falha. Em português, acho que dizemos mais comumente: uma hipótese descartada.

Vendo-se dessa forma, já dá para perceber que Deus não passou no teste.

Anúncios

45 Respostas

  1. Como é que se pode descartar uma hipótese que está de acordo com as evidências?
    O livro deveria chamar-se:
    1. “Deus, a Hipótese Desconfortante”
    2. “Deus, a Hipótese Incomodativa”
    3. “Deus, a Hipótese Ofensiva”
    4. “Deus, a Hipótese Descartada Filosoficamente Apaser de Estar de Acordo com as Experiências Humanas”

  2. Vç devia era aprender a reispeitar a religião dos outros, a fe dos outros e não ser intolerante e ver aceitar que Deus é real SIM. Ninguém é obrigado a pensar o que voçê quer, nem a acreditar no que vç acredita e mesmo aceita ou duvida, vç não pode estar errado. A BÍBLIA nos ensina a viver em paz, e em um monte de outras coisas boas. Infelizmente a internet deixa que um bando de ignorantes e preconceituoso como vç publique esse tipo de ameaça a fe de DEUS e é o quetorna o mundo um inferno. Por falar nisso, a sua recompença está preparada. E eu sinseramente fico fezliz com a inteligência de DEUS que vai permitir que vç apodreça no INFERNO por fazer o que está fazendo. Tenha um bom dia!!!! E não precisa responder meu comentário que eu não vouto mais aqui.

  3. Fabiana, obrigado pelo seu comentário; pena que você não pretende mais voltar, pois eu iria pedir para você divulgar esse blog entre os seus contatos de e-mail e Orkut para eles exercitarem toda a tolerância que a Bíblia inspira, exatamente como você fez aqui.

    A propósito, sobre a minha recompensa, eu acredito que o seu Deus Todo-Bondade tenha construído o Inferno na intenção de que eu fosse torturado lá durante toda a eternidade; portanto, não deverá permitir meu “apodrecimento” como você tão alegremente sugeriu.

    Só não sei dizer se isso irá aumentar ou diminuir a sua felicidade cristã, pois, como bem disse Tertuliano, um dos muitos pais da Igreja, um dos prazeres mais intensos dos que serão salvos será contemplar, eternamente, as torturas dos que foram condenados ao Inferno.

  4. Triste este comentário da FAbiana(jan 08, 2009, 7:59). Simplesmente ela deseja o Inferno a quem não acredita. Isso é contraproducente. A ignorância de achar que seu Deus é maior ou é dono dos seres humanos torna seus seguidores em intolerantes criaturas. Temos que entender que ser Ateu é uma prerrogativa do ser humano, que vê nesta crença uma aberração filosófica principalmente porque este Deus é muito vingativo, intolerante, racista, rancoroso, cruel e muito mais….Algumas guerras ocorrem por esta causa ruim….pode-se ser ateu e ser humanista..abraço

  5. Mats: é “descartada” mesmo. O livro é muito bem feito, muito bem estruturado, e com uma argumentação que, progressivamente, desbanca essas chamadas “evidências”, mostrando que tudo isso é, enfim, fruto da superstição, da doutrinação a que as pessoas são submetidas na infância, da auto-sugestão, da ignorância e do desejo de que Deus seja mesmo real.

    Saracura: assino embaixo.

  6. Até parece, meu DEUS, q eu vou fazer propaganda de vç pra alguém!!!! É isso que vç quer mesmo, não é? porpaganda?? Ah-ahaha!!! vai sonhando qeu eu vou divulgar uma imundície dessas pra alguém q eu conheça. Eu so tenho muita é pena de vç!! Pena. por que vç não conhece a condenação que nos ensinam na igreja, o que é reservado para pessoas como vç no INFERNO. Mas ainda é tempo se vç aceitasse de coração o SERNHOR JESUS COMO SEU SALVADOR!!!!!! Ele e so Ele pode te livra desse fim. E Ele é tão bom que é até capaz de perdoá-Lo. E vç vai apodrecer sim no INFERNO, mas vai continuar vivo não vai morrer lá. Essa é apunição que o Senhor meu DEUS vai dar a vç.

  7. “Numa linguagem simples e muito precisa, o autor nos leva para dentro do Método Científico: explica como a Ciência constrói suas hipóteses, as testa, as avalia, reavalia, as põe à prova, até que elas sejam aceitas como — não necessariamente “verdadeiras” — mas válidas e úteis à nossa espécie. Mostra também que — o que para muitos religiosos é motivo de escárnio – o fato de uma teoria (= conhecimento que se adquiriu após uma hipótese ter “sobrevivido” ao método científico) ter que ser, vez ou outra, revista e modificada, não a torna sem crédito, pois, ao contrário dos dogmas religiosos, uma teoria científica “dá a cara à tapa”, apresenta-se para os demais cientistas do mundo e diz: “Por favor, mostrem que isso não está correto”. Se ninguém consegue, com o conhecimento então disponível, e a teoria se mostra útil, diz-se que ela é uma teoria válida, ou aceita. Se uma teoria se sustenta quando novos fatos são descobertos e quando é capaz de ser usada para fazer previsões seguras que podem ser comprovadas, ela vira Lei, como a lei da gravidade.”

    Caro,
    O método científico usado atualmente deriva, em essência, do método escolástico, desenvolvido na Idade Média (sim, ela mesma: a que alguns apelidam de Idade das Trevas). Esse método foi usado por São Tomás de Aquino. A filosofia tomista, ao contrário da moderna, não se presta a aceitar verdades “úteis à nossa espécie”. Ela busca e acolhe a verdade tal como ela é. O *modo de filosofar* de outrora tinha um fim explícito: a busca da verdade objetiva. Esse conceito, porém, se perdeu na filosofia moderna. Mas ele é de fácil percepção. Veja: água molha. Mesmo que você discorde (subjetivismo resultante da *sua opinião*), a verdade permanece imutável, procedente e efetiva. A água continua molhando, quer você acredite ou não! Seja na China ou na África! A ditadura do “depende” institucionalizou o relativismo filosófico, que desembocou no relativismo moral (que é bem pior)! Os relativistas perguntariam: “Ora, mas o que é molhar pra você?” Francamente! Como você consegue ler e recomendar esses prostitutos da filosofia?

  8. O que você chama de dogmas religiosos, na verdade, são verdades que estão *acima*, isto mesmo, *acima* da ciência. Por exemplo: a ciência não conseguiu descobrir como, durante uma missa celebrada na cidade italiana de Lanciano, um pedaço de pão se tornou carne. Mas foi constatado pela NASA, a pedido da Igreja, que aquele pedaço de pão havia, de fato, se convertido em carne humana. Os cientistas acharam a verdade, o fato em si. Mas não conseguiram explicá-lo. Porque isso transcende a “alçada” da ciência. Ateus sempre têm idéias toscas a respeito do conceito de ‘”dogma”. Por isso, já virou clichê dos “neoconvertidos” ao ateísmo o uso indiscriminado desse termo. Normalmente eles pensam que a Igreja vive lançando dogmas na mesma velocidade que Paulo Coelho publicaria suas historietas. Não é verdade. Também não é verdade que os dogmas são “empurrados goela a baixo” no povo. Muito pelo contrário: o dogma, muitas vezes, é tão somente o reconhecimento eclesiástico de crenças fundamentadas que já fazem parte da tradição popular religiosa (por exemplo: o dogma da Maternidade Divina de Nossa Senhora, reconhecido em 430 d.C.)
    Vou te recomendar um livro que, salvo engano, fez 100 anos no ano passado: Ortodoxia, de G. K. Chesterton. Chesterton foi ateu. Há um outro livro dele, cujo nome eu esqueci, que conta a história de sua conversão. Recomendo fortemente a leitura. Você precisa entender que crer é uma atitude inteligente! Conheço um doutor em física que é religioso. Isso mostra que ninguém precisa abdicar de sua fé porque está encantado com a ciência – seus métodos e descobertas. Se você puder ler um pouco do Aquinate (S. Tomás), e também de Santo Agostinho, vai ser muito proveitoso. E não se esqueça: os mosteiros produziram, na Idade Média, grande parte do conhecimento científico que chegou até nós. A ciência deve muito à Igreja… E, o mais importante: não é impossível conciliar fé e razão (recomendo a leitura da Encíclica Fides et Ratio, de João Paulo II).

    Forte abraço,
    Gustavo Souza

  9. Uma pergunta capciosa: como Deus, tendo sido hipótese descartada, “sobreviveu” a tantos ataques e contestações que vêm sendo feitos desde que o mundo é mundo? Como a hipótese falha segue incólume, perpassando os séculos, presente na história da humanidade? Pela sua lógica essa hipótese já deveria ter virado lei, não? Garoto, presta atenção no que diz!

  10. Olá, Gustavo Souza!! Muito obrigado pelos seus comentários. Muito interessantes e muito bem escritos.

    Espero que continue lendo o blog, pois eu vou, como disse no post, publicar alguns trechos do livro que fala que Deus é uma hipótese descartada.

    Infelizmente, o livro não é de minha autoria, mas, sim, do professor e cientista Victor Stenger: físico, astrônomo e filósofo. Portanto — infelizmente, de novo! — a lógica que descarta Deus é toda dele, não minha. Queria ter a capacidade que ele tem para discorrer com tanta precisão sobre um tema tão impreciso…

    A propósito: eu espero que você também saiba como é que “foi reconhecida” a Maternidade Divina. Eu, particularmente, confesso que não sei, mas acredito que, numa bela manhã de domingo, um papa deva ter aparecido naquela janelinha do palácio dele e dito: “Gente, a Maternidade Divina é, agora, oficialmente reconhecida pela Igreja.” E aí entrou pra tomar um chazinho. Simples assim…

    Sobre a sua pergunta capciosa, asseguro que você terá sua resposta no livro “O Gene Egoísta”, de Richard Dawkins (o mesmo autor de “Deus, um Delírio”), que foi quem cunhou o termo “meme”, que explica porque a ilusão de Deus, assim como muitas outras, sobreviveu através das gerações, e vai ainda continuar…

    Tenho certeza de que, um dia, você também acreditou em Papai Noel, em lobisomem e na Cuca… Só que nenhuma dessas ilusões te apresentavam a promessa de que você vai continuar existindo depois que seus olhos se fecharem pela última vez.

    Como explicou Freud, um ponto indiscutivelmente óbvio sobre religião é que ela sofre de uma deficiência incurável: “é excessivamente fruto de nosso próprio desejo de fugir da morte ou de sobreviver a ela.”

    Grande abraço.

  11. Vamos por partes como o esquartejador:

    Primum – “A propósito: eu espero que você também saiba como é que “foi reconhecida” a Maternidade Divina. Eu, particularmente, confesso que não sei, mas acredito que, numa bela manhã de domingo, um papa deva ter aparecido naquela janelinha do palácio dele e dito: “Gente, a Maternidade Divina é, agora, oficialmente reconhecida pela Igreja.” E aí entrou pra tomar um chazinho. Simples assim…”

    Ledo engano da sua parte. Houve um *Concílio* focado nessa questão. O tema foi amplamente estudado e debatido. A Igreja tem responsabilidade com aquilo que declara. Nessa época não havia a janelinha do palácio…

    Secundum – Richard Dawkins é um completo maluco. Lembro-me agora de um trecho do livro “Deus, um delírio”, no qual ele tenta contradizer as 5 provas da existência de Deus (segundo Tomás de Aquino), e acaba ratificando o raciocínio do santo. É hilário. Trata-se de um filósofo vendido, cujas idéias são as mesmices que todo ateu teima em repetir.

    Tertium – “Tenho certeza de que, um dia, você também acreditou em Papai Noel, em lobisomem e na Cuca”. Engano seu. Nunca acreditei neles.

    E, por fim, a *definição* Freudiana de religião é totalmente irrelevante. Trata-se dos achismos dele: opinião totalmente parcial, asbolutamente não-científica.

    Reitero: você precisa – com um pouco de honestidade intelectual – ler o outro lado das coisas…

  12. Gustavo Souza: gostei da enumeração em latim… Dá um certo ar de imponência, né? De autoridade… mas tenho certeza de que você não estava querendo passar isso.

    Bom, muito grato pelas informações históricas, mas tendo sido o papa ou um Concílio, dá na mesma: não dá para imaginar como — há quase 1600 anos — um grupo de homens reunidos numa sala saberia que um determinado judeu, que viveu 4 séculos antes deles, era filho de determinada mulher, e só dela. Seria, também, preciso um pouco de honestidade intelectual para admitir isso.

    É uma pena que você nunca tenha acreditado em Papai Noel, nem no lobisomem, nem na Cuca. Nem todas as coisas que os adultos fazem as crianças acreditarem que existe são tão degradantemente prejudiciais quanto, por exemplo, o Inferno.

    E a sua proposição de que Richard Dawkins é um completo maluco — para usar seus próprios termos: — é apenas um “achismo”, uma opinião totalmente parcial, absolutamente não-científica.

  13. Gente… gente…calma. Não vamos esquentar o cu com rola fina.

  14. Caro Barros,

    O dogma da Maternidade Divina procede de uma afirmação lógica:

    Premissa 1 – Maria é mãe de Jesus.
    Premissa 2 – Jesus é Deus.
    Conclusão – Maria é mãe de Deus.

    Você, ao que me parece tão amante da ciência e da lógica, não deve ter dificuldade em entender o que expus acima.

    Pensando bem, talvez você sinta mesmo um pouco de dificuldade porque é preciso, por exemplo, acreditar no testemunho bíblico (ou pelo menos nos escritos de historiadores como Flávio Josefo e Eusébio de Cesaréia) para admitir que Maria foi [e é] a mãe de Jesus; e que este é Deus (como o atestam as obras que realizou, e que – até hoje – são realizadas em seu nome). Isso deriva do fato de que o dogma não é formulado nem reconhecido para ateus, mas sim para crentes. Paciência. Pelo menos mostrei a você que, partindo de premissa e seguindo um raciocínio lógico, é que os dogmas são definidos.

    Você acha que o inferno é *degradantemente prejudicial*. Vou usar a argumentação atéia para te fazer uma pergunta: Será que você não pensa dessa forma porque o ser humano tem *necessidade* de manter-se livre do sentimento de culpa? Será que não é o medo daquilo que está para além do seu conhecimento presente que faz com que você queira fugir da realidade e rejeite a idéia (altamente lógica e justa, diga-se de passagem) de que “para os culpados, a condenação”?

    O que faz ateus não mudarem de opinião, na maioria da vezes, não é o fato de estarem convicctos de suas “crenças”. É o *orgulho* de não querer se desapegar do raciocínio que tão laboriosamente construiram que os amarra ao ateísmo. Isso é triste!

  15. Quanto a Richard Dawkins é o seguinte:
    Lembro de uma passagem do livro em que ele apresenta o raciocínio de São Tomás de Aquino da seguinte maneira (não literal):

    “São Tomás diz: Deus é o padrão de comparação entre os entes. Se podemos dizer que isto ou aquilo é belo, é porque existe a Suprema Beleza, que é Deus. Ora, seguindo o raciocínio de São Tomás, se existem coisas mais fedorentas, ou menos fedorentas, é porque Deus é o Fedor Supremo”.

    Quando li isto morri de rir. O tapado do Dawkins provou (às avessas, é verdade) que são Tomás estava certo! Ele usou um exemplo negativo, para conservar o carater de deboche, mas conservou a essência da argumentação!

    Se um sujeito que se considera (ou é considerado) filósofo, comete um erro crasso desse, e não pode ser chamado de completo maluco então não sei mais o que é maluquice. Pobre Nero, acusado de loucura só porque queira fazer um fogueirinha em Roma…

    Forte Abraço,
    Gustavo Souza

  16. Gustavo Souza, meu nobre, eu gosto muito dos seus comentários!!! Sério. Gosto mesmo. Dá pano pras mangas.

    Você me traz a visão do devoto sagaz e erudito, que sabe muito bem como usar a linguagem escrita para defender seu próprio ponto de vista e, obviamente, minar o de um adversário ideológico. Isso poderia, alguém poderia pensar, surtir algum efeito, ao contrário das ameaças da ira de Deus e de uma estadia eterna no Inferno, que, para mim, são tão aterradoras quanto a ideia de ser atacado pelo conde Drácula.

    Estarei postando, muito em breve, uma resposta para os seus comentários como um tópico do blog, em vez de colocar aqui nos comentários. Afinal, a quantidade de leitores de blog que leem comentários ainda consegue ser menor do que a dos que os escrevem.

    Fique de olho.
    Tudo de bom!

  17. SOBRE DAWKINS:

    Bom, aqui, só pra nós, sobre o trecho que você citou do livro de Richard Dawkins, o original diz o seguinte: (Eita pau! eu tô parecendo um crente falando assim, né? Será que Dawkins é o meu Deus? heheheh… pelo menos ele é real.)

    “That’s an argument? You might as well say, people vary in smelliness but we can make the comparison only by reference to a perfect maximum of conceivable smelliness. Therefore there must exist a pre-eminently peerless stinker, and we call him God. Or substitute any dimension of comparison you like, and derive an equivalently fatuous conclusion.”

    Minha tradução:

    “Isso é um argumento? Você poderia, da mesma forma, dizer que as pessoas variam em matéria de fedor, mas que nós só poderíamos fazer a comparação em referência a um máximo perfeito de fedor concebível. Portanto, tem que haver um notavelmente fedorento sem igual, e nós o chamamos de Deus. Ou substituir qualquer dimensão de comparação que você queira, e chegar à mesma conclusão tola.”

    Perceba que Dawkins, como você equivocadamente afirmou, não está avaliando se Aquino estava certo ou errado. Ele só estava mostrando que isso não é, de fato, um argumento, pois, afinal, por que só poderíamos comparar valores se admitirmos, primeiro, que TEM QUE HAVER algo que represente o MÁXIMO daquele valor em comparação? Esse “tem que haver” fomos nós, seres humanos, que colocamos lá. A realidade não precisa desse “add-on”. É isso.

  18. Será que Dawkins é o meu Deus? heheheh… pelo menos ele é real.) KKKKKKKK Eguá Gustavo… chamou pro pau agora!

  19. O ser humano é maior que qualquer Deus. Parece que deuses estão sempre preocupados com o que acontece aos homens…hahaha! Parece que sem os homens, Deuses nada são.

    Já pensaram que em muitas atitudes divinas Ele sempre usa a contribuição humana!!! Ele manda matar, esfolar, esquartejar…assassinar…isso mesmo a mando de Deus….

    Ainda bem que não tenho deus…nenhum..senão iria matar, se não matar, converter, se não converter, não aceitar novas idéias…
    abraço

  20. Meu caro,

    Você disse:

    “Perceba que Dawkins, como você equivocadamente afirmou, não está avaliando se Aquino estava certo ou errado. Ele só estava mostrando que isso não é, de fato, um argumento, pois, afinal, por que só poderíamos comparar valores se admitirmos, primeiro, que TEM QUE HAVER algo que represente o MÁXIMO daquele valor em comparação? Esse “tem que haver” fomos nós, seres humanos, que colocamos lá. A realidade não precisa desse “add-on”. É isso.”

    Se Dawkins, como você afirma, estava *apenas* querendo mostrar que o argumento de São Tomás *não era argumento*, não estava ele querendo apontar um *erro de consistência* no raciocínio do Aquinate? Ele estava ou não avaliando se Aquino estava certo ou errado?
    Entendi perfeitamente a questão do “add-on”. Mas Dawkins me parece muito mais preocupado em satirizar, em ridicularizar, São Tomás do que em provar que o “add-on” não existe (mesmo porque ele não pode provar isso).
    Reitero: seja quais foram as conclusões a que Richard Dawkins quis chegar, usar exemplos esdrúxulos para desconstruir a idéia de Tomás de Aquino foi altamente insensato da parte dele.

    Abraço,
    Gustavo Souza

  21. Filhos não discutam. Eu sou tudo que existe e como tal, sou cada um de vocês, até mesmo os excrementos de vocês.

  22. Por que discutir mitologia judaico-cristã, em vez de assuntos científicos?

  23. Deus,

    o senhor é o excremento? eu já sabia, desconfiava. Mas em vez de escrever algo aqui, acaba com a fome!

    Aqui foi aberto espaço pra discutir questões controversas sobre religião e dogmas aceitos como verdade, mas que ninguém consegue entender…Se tem algo científico, acho válido! pode discorrer sobre isso….estando no tema…é válido.

  24. É tão engraçado quando esses fanaticos religiosos começam a se questionar
    e não querem mudar de opnião
    e vem aqui nesse blog [/que é o melhor blog ateu que eu ja vi] e fazem comentarios do tipo
    “Anônimo, em Agosto 30th, 2009 às 10:38 Diz:

    e a mãe de vcs éuma puta velha toda flácidas miseráveis”

    Quando não tem argumentos partem para a agressão

    Pergunta aos religiosos
    – Por que vocês creem em um zumbi de mais de 2000 anos que nunca ajudou ninguem, em um deus ausente?!

    Update: Não ta enviando meu coment no post certo T.T [que eh “deus é negro, cego e toca piano] entao resolvi colocar aqui, Desculpa >.<

  25. Irei esperar ansiosamente pela tradução do livro. Possivelmente se for a Editora companhia das Letras, esta editora mais uma vez mostra que não tem medo ou receios de editar livros polêmicos como ´A Morte da Fé de Harris, Sam´; e ´Deus, Um Delírio de Dawkins, Richard´. Precisamos de mais livros assim em língua portuguesa para contrastar com a imensa religiosidade de nossa gente ignorante.

  26. A posição de Victor Stenger, no mundo cientifico pode ter as suas aplicações, mas eu perguntaria ao mestre Victor de que Deus se tratra? aos dos mestres da suspeitas? qual? será que o mestre já paraou e pensou se ele pensa o pensado é porque esse pensado é fruto de uma inteligência superior a sua própria razão? todavia não descarto o seu pensamento pois o mundo é feito de especulações, indagações e respostas das mesmas….

  27. Uau! Esse é o blog mais religioso que eu já visitei!
    Deus me livre!

  28. Chacon, esse livro é um dos melhores que eu já li sobre ateísmo. Não dá para um “crente”, por mais religioso que seja, contestar que 2 + 2 não dá 4. Ele pode espernear, xingar você, chorar feito uma criança, mas o resultado está lá, na cara dele, dizendo que o Deus que ele diz amar tanto é simplesmente um sonho tolo.

    Marcelino, meu filho, então se eu penso é porque existe uma inteligência superior à minha? E, por acaso, essa inteligência vem do “seu” Deus e não, digamos, dos deuses nórdicos, ou de um deus hindu, ou de um deus desconhecido? O que o crente não entende é que ele é totalmente ignorante, às vezes por vontade própria, diga-se, em matéria de deuses alheios. Ele parece querer acreditar que ninguém mais tem, ou nunca teve, deuses inventados, iguaizinhos ao Deus dele. Eu até poderia aceitar essa sua teoria se você conseguisse me mostrar como chegou à conclusão de que essa inteligência superior aí não vem de Odin.

    Alex, contar com Deus para lhe livrar de alguma coisa surte tanto efeito quanto contar com o Pica-Pau.

  29. acorda Barros!
    voce acha que o Marcelino pão e vinho ia ficar esperando por sua resposta quase um ano…hhehehehe! tá caducando?véio?
    então ja que endoidou naõ deixe de avisar o Chalon que ja pode ir ver se saiu a tradução do livro.kkkkkkkkkk!

  30. Deuses, entidades e divindades são meras invenções humanas. As religiões então servem-lhe de conforto, consolo e ilusão para fuga da realidade e transportar-se para o mundo irreal. O homem não admite ser apenas mais um animal no mundo natural, e , então se exclui do reino animal para se achar superior. Para a natureza o homem não passa de mais uma matéria viva que perecerá e será decomposta por microorganismos como qualquer outro ser vivo. A pior das religiões é a de origem africana pois pregam a maldade e submetem os animais que nada tem a ver com suas crenças à crueldades. O sacrifício tem de ser do crente covarde e não dos animais.

  31. Porra, queria muito ler esse livro. Maldito inglês meia boca! Se alguém souber que ele foi traduzido, queira por gentileza informar:
    pedro_abreu23@hotmail.com

  32. Se não existe o sobre natural, então como explicar algumas coincidências que aconteceram comigo? Um dia falei com Deus e disse a Ele: Deus, o senhor não existe coisa nenhuma. Se o senhor existe mesmo, quando eu chegar em casa, a noite, depois do trabalho, quero olhar para o céu e ver muitas estrelas cadentes passando. Caso contrário não existe Deus coisa nenhuma. Gente, é verdade, quando cheguei minha irmã esta em casa de visita. Cumprimentei ela e ela já foi falando, – Rique, olha pro céu hoje a noite porque acabaram de anunciar no jornal nacional que vão passar várias estrelas cadentes no céu. Me arrepiei. Fiquei sem palavras. Sai no quintal muito emocionado e pedi perdão, quase chorando. Outra vez fiquei mais de um mês me interessando pela história da França, assistindo o canal françes, filmes, etc. Num dia quando estava trabalhando, atendi o telefone e alguém me ligou falando só em françes. Foi uma ligação errada para o Brasil. Outro dia quando comprei minha geladeira Eletrolux , daquelas caras sabe? Depois de 2 dias fui ao centro de São Paulo e quando entrei no elevador tinham 3 pessoas que nunca vi na minha vida e nem eu as conhecia. Elas estavam comentando: – você viu a geladeira que ele comprou? branca, eletrolux, último tipo, muito linda, etc. etc….E também outras coincidências muito fortes que já me aconteceram. EXISTE SIM ALGO SOBRENATURAL ENTRE O CÉU E A TERRA.
    E digo mais, quero ver provar que o diabo não existe , quando você vê um médico fumando. Quando você vê uma pessoa falar alguma palavra positiva ou negativa e depois acontecer. No you tube mesmo tem muita coisa desse tipo e filmada. Pessoas que anteviram a própria morte.

  33. Correção de texto: ” e nem elas me conheciam”. ( Já percebi que existe sim algo sobrenatural parecido com “a lei da atração”. O que você fala, você atrai, o que você pensa você atrai. Estou pesquisando.

  34. A explicação para coincidências é só esta mesmo. Coincidência.

  35. Um dia eu fui fazer compras no Extra para a ceia de Natal.

    Como eu tinha acabado de sacar o 13°, resolvi fazer logo as compras para as comemorações do Ano Novo, junto com as compras do mês e de começo de ano. Comprei muita coisa!

    Quando estava pagando as compras, a moça do caixa, toda vestida de Mamãe Noel, me desejou um Feliz Natal e que eu “fosse com Deus”, ao que eu, sendo um ateu filho da puta, respondi muito grosseiramente:

    Só se ele for no porta-malas, espremido entre a ração dos gatos e a bandeja de ovos.

    Então!

    No caminho de volta pra casa, eu me envolvi num acidente feio em alta velocidade. O carro capotou várias vezes e colidiu com um ônibus.

    Eu fui levado para o pronto-socorro, mas não resisti aos ferimentos e acabei morrendo.

    Dizem que meu carro foi saqueado, e as compras estavam todas destroçadas no porta-malas, exceto um pacote de 10 kg de Wiskas e uma bandeja de ovos, que estavam intactos.

  36. Barros haha… Então voce conseguiu voltar dos mortos? Chupa essa lazaro!

  37. Na verdade, eu não voltei. Sou um “Espírito Santo”.

  38. Henrique lemos de caravalho disse:

    Outra vez fiquei mais de um mês me interessando pela história da França, assistindo o canal françes, filmes, etc. Num dia quando estava trabalhando, atendi o telefone e alguém me ligou falando só em françes.

    Eu pergunto: Voce fala Frances?! ( fala que não por favor que eu quero me matar de rir)

  39. Nossa outro dia eu pensei na palavra noite , não é que eu ouvi falar esta palavra no elevador na televisão etc!! isto tb é prova que Deus existe!!
    Esta provada a existência de Deus.

  40. como disse o filho de Deus, o nosso Salvador: é mais fácil passar o céu e a terra do que um til na palavra de Deus. quando estamos sem saída de algo na vida, quando si perde toda esperança clame a Jesus por Salvação, e saberás que o Todo-Poderoso existe e que ele ti aceita como filho. Não é uma honra sobretudo ?
    abraço meus irmãos amados!

  41. também irmãos diz a palavra de Deus que o Senhor terá mais alegria por vocês quando si arrependem à Ele ( leiam lucas 15:3 ao 32 ) Jesus veio mais por causa de vocês do que aqueles que o buscam e dizem ser “evangélicos” como eu.

    lucas 15:3,4 Então, lhes propôs Jesus esta parábola:
    Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontra-la?
    Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo.

    só tem que aceitar a sua ajuda, pois ele veio pra salvar e ensinar a sua verdade Ele revela os seus mistérios aqueles que o aceitam e creem na sua palavra que é a sua vontade.

  42. como disse o filho de Deus, o nosso Salvador: é mais fácil passar o céu e a terra do que um til na palavra de Deus

    Primeiro que Jesus não disse isso. Você se confundiu com aqueloutra do camelo e o buraco da agulha. O que está nos evangelhos é que Jesus teria dito que haveria de passar céus e terras, mas não se omitirá um jota ou til da Lei.

    Mais uma bola fora do filho de Deus, porque os céus e as terras estão aí e a Lei já virou coisa do passado. Inclusive e para você, que quis dar a entender que leva essa lei a sério.

  43. não confundi irmão. O modo como ele falou importa sim, mas maior importância é, si nós entendemos a mensagem que ele nos quis transmitir não concorda? sim a lei virou coisa do passado pois Jesus a cumpriu, e agora para sermos salvos basta crer nele como filho de Deus e fazermos o que Ele nos pediu em joão 15, permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. eu por mim mesmo não sou santo, mas quem guarda suas palavras ele o santifica cada vez mais, então nós somos santificados todos os dias não para sermos melhores até o ponto de ser perfeito, é para que possamos continuar nEle (João 15:5 porque sem mim nada podeis fazer;).

    e não foi o que queria fazer dizer que levo a sério a lei… porque ainda que pratiquemos tudo da sua palavra não é o suficiente pra mostrar que somos justificados com um Deus que é Santíssimo você não acha? como está escrito em (Isaías 64:6 Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia;) porque si fosse pela lei para sermos salvos, então porque jesus veio ao mundo? praticar a palavra não salva ninguém, só demonstra que o amamos e somos obediente ao Pai. e Deus bem sabe como somos fracos e tentados por isso Ele não desiste de mim e de você, e é isso que mi leva a Ele cada vez mais. Você querendo ou não é filho dEle e como pai Ele aguarda você! mas antes de você toma sua atitude com Ele, Ele toma a dEle que é estar com você e com todos não é maravilhoso irmão? Jesus disse em Mateus 7:11 Ora se vós que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso pai que está nos céus,dará boas coisas aos que lhe pedirem ?

    faz como Jesus falou si não for para o mal Ele fará! você que não acredita põe-o a prova! só não pode por a prova aqueles que o conhecem.

  44. Barros

    Muito bom, voltarei aqui para ler toda postagem de grande valor.

    Como vou encontrar as traduções que você fez dos textos?
    Bem, é claro que nunca li este livro e quando o Andre Ruela me deixou o link eu já fiquei esperta imaginando “tem coelho atrás da moita” e que ele nem percebeu, hehehe

  45. Quis dizer que, quando o André me deixou alguns links que direcionavam a críticas sobre o livro The Fallacy of Fine Tuning”, fiquei com a pulga trás da orelha e ele me fez entrar num site religioso que combatia os argumentos de Victor J. Stenger.

    Foi uma arapuca e não é a primeira vez que ele fez isso.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: