Racionalizando a Eternidade – parte III

Depois do Juízo Final, as pessoas ainda terão livre-arbítrio?adao-e-eva-1

Foi por ter livre-arbítrio que Eva resolveu dar ouvidos a Satanás e não a Deus acerca de provar do fruto proibido. Foi por ter livre-arbítrio que Adão resolveu dar ouvidos a Eva e não a Deus sobre o mesmo assunto. Essa desobediência em série deixou Deus tão contrariado que os dois foram expulsos do Éden. Veja você: os primeiros seres humanos, recém-saídos do forno, com o barro ainda quentinho, já usaram a prerrogativa do livre-arbítrio para fazer bobagem, causando problemas a si próprios e deixando Deus estressado. Ele deve ter, já por essa época, visto isso como um mau presságio.

Foi se valendo do livre-arbítrio que os humanos que vieram depois de Adão e Eva cometeram e acumularam tantos pecados que Deus achou por bem recomeçar a humanidade praticamente do zero e inundou toda a Terra com o dilúvio. Mas não adiantou nada. As pessoas continuaram a usar seu livre-arbítrio para cometerem mais e mais pecados a tal ponto que Deus — já percebendo que teria que continuar, talvez para sempre, com esse negócio de genocídio (o que não seria nada bom para a sua reputação) — acabou por bolar um plano maluco pelo qual, gerando um filho numa mortal para que fosse barbaramente torturado e morto depois que sua paternidade divina fosse revelada, todo mundo tivesse um tipo de salvo-conduto contra despejos e dilúvios até o dia do Juízo Final.

Mas e depois?

Porque, se você pensar direito, um ser humano com livre-arbítrio no Paraíso não seria em nada diferente de um ser humano (ou dois) com livre-arbítrio no Jardim do Éden. Essa concessão divina não deu certo lá, não deu certo na Terra e nada garante que vá dar certo no Paraíso. Será que Deus insistiria em deixar sua obra-prima com esse privilégio e correria o risco de, depois, precisar inundar o Céu, ou fazer um “Juízo Final 2 — A Missão” ?

Então ficamos com isso: ou os habitantes do Paraíso terão ainda a prerrogativa do livre-arbítrio ou não terão.

Se não tiverem, você terá que concordar comigo que o Céu não é lugar para seres humanos; no máximo, versões robotizadas daquilo que nos acostumamos a chamar de pessoas. Se você se considera um dos que serão salvos, o que quer que chegue de você lá para lhe representar como membro da Eternidade, seja o que for essa nova criatura, meu amigo, minha amiga, ela não será você.

Se sim, se todos os salvos que habitarão o Céu puderem decidir o que fazer e o que não fazer, você vai precisar mudar a sua ideia do que seja Paraíso porque, muito provavelmente, será um lugar propenso a conflitos, intrigas, delitos, dissidências e tudo o mais com que estamos acostumados por aqui. E não adianta querer me lembrar que Deus estará no comando porque serei obrigado a lembrá-lo de que ele também estava no comando no Jardim do Éden…

E olha que lá eram só dois para ele tomar conta.

42-15819061

Anúncios

15 Respostas

  1. Segunda-feira, continuo a série com a parte IV: você vai ser convidado a fazer uma viagem no tempo até um segundo antes daquele momento em que Deus estalou seus dedos. Eu vou escrever o versículo 0 do Gênesis.

  2. Ola

    Vai ver o meu ultimo post sobre a eternidade e a aposta de Pascal :)

  3. Barros… primeiramente eu me perguntei porque tanto esforço em fazer as pessoas acreditarem que Deus não existe.. mas tudo bem, não pretendia chegar a uma resposta plausível.
    Pra sua questão nesse post, as informações retiradas da Bíblia acerca da salvação de nossas almas por meio da fé na Pessoa do Senhor Jesus é que, após o julgamento divino, os perdidos serão lançados no lago de fogo e enxofre juntamente com o diabo e seus demônios, e os salvos terão um novo corpo, incorruptível, não tendencioso ao pecado, e um novo nome (na lei as pessoas recebiam os nomes de acordo com sua personalidade ou de acordo com o que seus pais gostariam que eles recebessem, porque o nome tinha forte influência na personalidade do indivíduo).
    Sugiro que vc crie um post relatando seu ponto de vista do motivo de estarmos aqui, sabe aquela velha questão: “quem somos, de onde viemos, pra onde vamos???”, então, seria interessante o debate! []´s

  4. Isso, de novo, acaba excluindo algumas religiões com pontos de vista(leia-se: interpretações) diferentes sobre o tal do além vida. Ainda voto no paraíso pastafariano, com um vulcão de cerveja e uma fábrica de strippers.

  5. @Andréa Duarte

    Andrea, sugiro q leia as postagens anteriores juntamente com os comentários, antes d vir no blog, ler 2 linhas e ir falando asneira.

    O próprio autor , Barros, diz q ninguem pode provar q deus (com D pra vc) não existe.

    O q tu escreveu logo abaixo não é novidade pra ninguém, palavras repetidas.

    Se tivesse uma religião que condenasse ao inferno por ignorância, ela ia se auto-destruir (dentro de suas próprias crenças).

  6. João Melo de Souza: já passei por lá e deixei meu comentário. Concordamos em algumas coisas, não é?

    Andréa Duarte: seja bem-vinda. Como já adiantou meu leitor Spy, logo aí acima, você se fez a pergunta errada, portanto, seja qual for a resposta implausível em que tenha pensado, será uma resposta equivocada: eu não estou fazendo nenhum esforço para convencer ninguém de nada.

    Como Spy já mencionou, eu já disse algumas vezes que estou apenas tornando públicas as minhas impressões sobre Deus, religião e fé. Se há uma coisa pela qual eu me esforço sim, é por tentar conseguir que as pessoas discutam o assunto usando seu próprio cérebro, sem recorrer à Bíblia, pois a Bíblia para mim é um livro de ficção. Se sempre que entrar numa discussão, o crente só puder dispor da Bíblia para sustentar o que diz, então, eu passaria a ter a certeza de que o seu Deus estaria mesmo dentro dela e só ali.

    Acho válida a sua sugestão; vou pensar a respeito. Só que já adianto: discordo da sua ideia de “motivo”.

    Larissa: concordo com você que as minhas ideias não abrangem todas as religiões do mundo, mas eu nunca tive essa intenção. Claro que aqueles que oram sobre o pênis de Shiva iriam se sentir excluídos da minha visão das coisas, e talvez nunca mais visitassem meu blog, mas acho que eu não me importaria muito com isso.

    Spy: já fui criticado sobre meu blog ser muito subjetivo, ao que respondi que concordava. Tudo que tenho para analisar Deus é a minha subjetividade. Posso não fazer isso de uma forma brilhante e filosófica como poderia fazê-lo Bertand Russell, mas me conformo com isso. Russell também nunca teve um blog, portanto, sinto-me vingado.

  7. Andréa Duarte:

    os perdidos serão lançados no lago de fogo e enxofre juntamente com o diabo e seus demônios, e os salvos terão um novo corpo, incorruptível, não tendencioso ao pecado, e um novo nome

    Não sei se você leu meus textos anteriores onde eu comento justamente afirmações como essa que só fazem o mínimo de sentido se você não pensar muito sobre elas. E é justamente o tema dessa série: eu estou racionalizando. Quando se afirma algo sem se preocupar em pensar a respeito, é possível dizer qualquer coisa, até que dá para segurar um elefante num penhasco preso pelo rabo a um ramo de uma flor.

    E já que a “palavra” é vista com tanta importância pelos religiosos de uma forma geral, eu gostaria de observar uma coisa: dizer que os salvos teriam um corpo “não tendencioso ao pecado” não significa dizer que os salvos nunca pecariam… Se você concordar comigo nesse ponto, dou-me por satisfeito; senão, teríamos que começar a discutir semântica.

  8. Barros,

    É crescente o número de vezes que o pessoal, ou você mesmo cita que seus
    textos sobre a visão de certas coisas acabam atingindo apenas alguns
    tipos de religião.
    Se possível, faça futuramente uma série sobre o espiritismo, seria bem
    interessante visto que o número de espíritas tem aumentado.

    Abraços!

  9. Lucas: seria interessante mesmo, mas eu não teria competência para tal empreitada, mesmo sabendo que, como disse lá o outro, eu seria ateu em qualquer religião.

  10. Vou avisar Meu Paaaaaaaaaai, que este blog existe e ele com o seu poder divino vai deleta-lo!

  11. Deus não pode ter bichinhos de estimação, ele não tem responsabilidade para isso.

  12. […] Racionalizando a Eternidade – parte 3 […]

  13. […]    Parte II  –  Parte III  –  Parte IV  –  Parte V  –  Parte VI  –  Parte […]

  14. é triste ver que pessoas como vcs estão perdendo tanto tempo, com discussões quando existe pessoas que querem ser salvas,e não pessoas que querem apenas mostrar que pode ser mais que Deus, ou ser mais inteligente. isso pra mim não importa pois sei quem vive em mim.é uma pena que só saberão da verdade quando a vê-la boa sorte.mas acho que lá pra onde vcs vão não precisarão de sorte. pois já escolherão seu destino. que Deus tenha piedade de vos.

  15. IIt,

    Fazendo um desconto pelos erros da escrita, sua mensagem não nos abala, a desgraça do inferno só existe pros crentes. Quando discutimos sobre as impropriedades da sua religião, estamos justamente, dando a oportunidade de as pessoas refletirem sobre seus dogmas absurdos.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: