Racionalizando a Eternidade – parte final

lamb-w-lion

Felizmente, para mim, a ameaça divina que paira sobre a minha cabeça me causa tanto terror quanto a ideia de ser mordido por um vampiro. A Eternidade, no Inferno ou no Paraíso, é, assim como Deus, uma invenção humana e só sobrevive por causa da fé, da vontade de querer acreditar.

As pessoas de fé acham que entendem tudo sobre Deus e sobre a Eternidade, mas somente enquanto não fazem (ou enquanto ninguém faz) perguntas a respeito. Porque, então, tudo se apresentaria como um grande absurdo. E quando surgem respostas, ou não respondem nada, ou tornam apenas o absurdo ainda mais evidente.

Para manterem sua fé, elas precisam, a todo custo, evitar tais ponderações. Por isso a conveniência de acreditar cegamente e essa cegueira as impede de admitir que o seu Deus, o Paraíso, a Eternidade, anjos, demônios, milagres e tudo o mais, só existem nas páginas de um livro antigo. Mas é graças a essa cegueira intelectual que elas podem continuar acreditando e, em fazendo isso, continuar a manter Deus vivo em suas mentes e em suas vidas, e, com ele, a esperança de viver para sempre num mundo encantado, num País das Maravilhas, numa outra dimensão, repleta de tudo que se possa imaginar de bom e com infinitas possibilidades, desde poderem pisar num chão de nuvem até a chance de terem um leão no jardim para brincar com as crianças.

A alternativa ao sonho encantado da Eternidade seria se render à possibilidade sem graça de que um dia, simplesmente, vão deixar de existir.

.

Anúncios

37 Respostas

  1. VOOCEEEEEÊ , você, você, praticameente é um herege. E todos vocês que veem aqui e não acreditam no inferno fica a minha praga. A PRAGA DO DIIIIIIIIIA! Que vocês praticameente durante toda a eternidade defequem pela boca ;pelo simples fato de o seu ânus estar tapado.

  2. kkkkkkkk
    cine trash!

  3. Parabens, como sempre ^^
    Como disse meu namorado esses dias (que também tem acompanhado seu blog): “Me sinto cada dia mais ateu e mais feliz por isso!”

  4. Lly: olha, esse blog tem só um mês e meio de vida e só recebe umas 150 visitas por dia. E desses, poucos deixam comentário. Eu sei como é. Os minutos na Internet são muito longos. Em vez de deixar um comentário, ou ler os que já existem, as pessoas vão navegar em outros mares: compreensível. Mas assim, não tem debate. Parece que no Orkut a coisa muda um pouquinho e, se achar que vale a pena perder uns minutinhos, dê uma lida nesse debate que eu comecei numa comunidade religiosa:

    http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=1314355&tid=5301237614855765822&na=4

  5. Otimo post , excelente blog.

  6. “Pois é: não acredito na Bíblia. E acho bastante revelador o fato de que praticamente todas as pessoas de fé não conseguem manter um debate sem citar versículos bíblicos como esteio do seu argumento. Ora, seria de se esperar que Deus estivesse fora da Bíblia também. Mas ao que parece, não é o caso.”

    Essa foi a melhor resposta, sem dúvidas. E da mesmo pra notar uma diferença enorme, nem em comunidades de ateus achamos discussoes assim! Ah, chorei de rir ao ver um “OUtro ateu que se converterá no tempo certo. Como qualquer outra pessoa.”, e que usa como avatar o personagem House, do seriado “House M.D.”, que é ateu…

  7. Cara vc está de parabéns !!!!

    Muito bom o seu blog.

  8. execelente blog
    tratou o assunto da maneira como eu sempre imaginei

  9. Augusto Shwager & Douglas: Obrigado pelos elogios e pela participação. Se acharem válido, convidem seus amigos religiosos para lerem os textos sobre as contradições bíblicas a partir de amanhã. Eu tenho curiosidade de saber o que os religiosos pensam a respeito.

  10. Ygor & Lly: obrigado e continuem participando.

  11. Ninguém tem culpa se vc n entende o q está na bíblia. Tudo está lá bonitinho preto no branco. Se vc n consegue entender n significa q Deus n existe. Entendeu?

  12. Ok! Comentário ^^

    Se já escreveu um livro? Qualquer tipo de livro? Se escreve muito bem, seus textos são interessantes e da cada vez mais vontade de ler ^^

  13. Este post é mais auto-biográfico do que evidencialista. A maior parte das coisas que foram ditas são na verdade crenças do que factos. Senão vejamos:

    Felizmente, para mim, a ameaça divina que paira sobre a minha cabeça me causa tanto terror quanto a ideia de ser mordido por um vampiro.

    Pois. Para ti.

    A Eternidade, no Inferno ou no Paraíso, é, para mim, assim como Deus, uma invenção humana e só sobrevive por causa da fé, da vontade de querer acreditar.

    PAra ti.

    As pessoas de fé acham que entendem tudo sobre Deus e sobre a Eternidade, mas somente enquanto não fazem (ou enquanto ninguém faz) perguntas a respeito.

    Eu não conhêço nenhuma “pessoa de fé” (seja lá o que isso fôr) que ache que “sabe tudo sobre Deus”.
    Podes me indicar alguém neste mundo que diga que sabe tudo</i< sobre Deus? Só uma pessoa seria o suficiente.

    Porque, então, tudo se apresentaria como um grande absurdo. E quando surgem respostas, ou não respondem nada, ou tornam apenas o absurdo ainda mais evidente.

    Ou então dão respostas que, <b<para ti, não interessam.

    Para manterem sua fé, elas precisam, a todo custo, evitar tais ponderações. Por

    Ou então fazem ponderações, só que as conclusões não estão de acordo cmo o ateismo, e como tal são ideologicamente classificadas de “não respostas”. Muitas vezes dar respostas a um ateu é como dar medicamento a um morto.

    isso a conveniência de acreditar cegamente e essa cegueira as impede de admitir que o seu Deus, o Paraíso, a Eternidade, anjos, demônios, milagres e tudo o mais, só existem nas páginas de um livro antigo.

    A implicação implícita é a de que “antigo = falso”. Obviamente, isto é totalmente falso. Uma coisa pode ser antiga e verdadeira, certo? Mas claro, para o ateu tudo o que é “antigo” é falso, porque ele acredita que estamos a “evoluir” e a “melhorar” à medida que o tempo passa.

    Mas é graças a essa cegueira intelectual

    Correcção: graças aquilo que tu chamas de “cegueira”. É a tua opinião.

    que elas podem continuar acreditando e, em fazendo isso, continuar a manter Deus vivo em suas mentes e em suas vidas, e, com ele, a esperança de viver para sempre num mundo encantado, num País das Maravilhas, numa outra dimensão, repleta de tudo que se possa imaginar de bom e com infinitas possibilidades,

    Ahhh…. mal posso esperar!

    desde poderem pisar num chão de nuvem até a chance de terem um leão no jardim para brincar com as crianças.

    Amen!

    A alternativa ao sonho encantado da Eternidade seria se render à possibilidade sem graça de que um dia, simplesmente, vão deixar de existir.

    O problema (para ti) é que ninguém vai deixar de existir. Todos nós vamos viver para sempre. A diferença é que uns vão viver em paz e outros em……………………….. :-|

    Arquivado em: Série | Tagged: Vida Eterna
    « Racionalizando a Eternidade – parte VII

  14. Além disso, toda a gente sabe que Deus existe. Eu sei disso porque toda a gente age assumindo coisas que só fazem sentido se Deus existe.
    Vejam estes 3 posts:
    (1) – Soltem os prisioneiros

    (2) – Tudo Menos Deus, Por favor!

    (3) – Toda a Gente Age Como seDeus Existisse

  15. Ops. O segundo link não funcionou.
    Eis o mesmo aqui:
    (2) – Tudo Menos Deus, Por favor!

  16. Mats: meu velho, você me fez rir muito com essa: “Muitas vezes dar respostas a um ateu é como dar medicamento a um morto.”

    Sério. Achei engraçado, só isso. Não estou desmerecendo seu comentário. É que essa é nova pra mim. Só queria comentar duas coisas.

    1. Quando chamei a Bíblia de “livro antigo” quis dizer o que disse, que é um livro antigo e, quanto a isso, você não pode discordar. Quem associou o “antigo” a “falso” foi você, não eu. Eu não considero a Bíblia “falsa” do mesmo modo como não considero o livro “Alice através do espelho” falso.

    2. Quanto aos meus textos, vale lembrar que estou escrevendo um blog, não um tratado científico. Não espere encontrar fatos aqui. Estou apenas escrevendo sobre as minhas impressões e convicções.

    Sei que você tem dúvidas sobre a sua divindade, daí a necessidade da fé, que é crer sem saber se realmente é, crer sem saber se realmente há. Tudo em que você acredita sobre Deus advém daquele livro antigo e é sobre ele minha próxima série. Gostaria muito de saber sua opinião. Abraço e Saudações do Brasil.

  17. Vou ver os posts sim.

  18. Bem, mostrei os textos para um religioso e ele simplesmente falou que isso é blasfemia, e que para deus nada é impossivel.Engraçado que sempre quando você mostra algo para um crente essa é a resposta.Porém eu tenho a maxima certeza que todo religioso se sentiu ridiculo em alguma epoca de sua vida por ter uma crença tão infantil.

  19. Douglas: antigamente era mais fácil. Era só mandar para a fogueira o dissidente. Simples assim. Gostaria muito de que você mostrasse também os próximos textos sobre as contradições bíblicas. Eu queria muito saber quais são as respostas para esse tipo de incoerência que a “palavra de Deus” apresenta. Curiosidade mesmo, pois eu não teria (eu suponho) argumentos para rebater numa tréplica. Infelizmente eu sou muito ignorante sobre história, filosofia e tal; mas existe quem não seja, a quem eu possa repassar as justificativas apresentadas.

  20. Barros,

    1. Quando chamei a Bíblia de “livro antigo” quis dizer o que disse, que é um livro antigo e, quanto a isso, você não pode discordar. Quem associou o “antigo” a “falso” foi você, não eu. Eu não considero a Bíblia “falsa” do mesmo modo como não considero o livro “Alice através do espelho” falso.

    É uma má comparação, uma vez que o autor do livro “Alice” não queria declarar factos reais e eventos futuros, mas sim uma história para crianças. Agora que tu consideres um ao mesmo nível do outro é uma crença que assume o que tem que ser comprovado.
    Por outras palavras, ao pôres ambos os livros como “verdadeiros”, rejeitando o que os autores intentavam, não é lógico.
    Por exempl, consideras os livros históricos de Tácito como verdadeiros ou falsos? Estão eles ao mesmo nível do livro “Alice”?

    Sei que você tem dúvidas sobre a sua divindade, daí a necessidade da fé, que é crer sem saber se realmente é, crer sem saber se realmente há.

    1. Como é que sabes que “eu tenho dúvidas”? Tens poderes sobrenaturais?

    2. Quem é que disse que a fé e “dúvida”?

    3. Quem é que disse que fé “é crer sem saber se realmente é, crer sem saber se realmente há”? Será isto mais um anúncio filosófico dito em nome dos cristãos?

    Deixa-me dar um exemplo:
    Tu és uma pessoa de fé. Tu acordas todos os dias, vais trabalhar, poupas dinheiro para um hipotético futuro. Mas não sabes se vais chegar a esse futuro. Tu tens fé que vais chegar lá. Será a tua fé ilógica?
    Segundo, quando vais almoçar num restaurante, tu tens fé que a comida que te servem está saudável. Tu não experimentaste o que lá está, nem sabes o que é que fizeram na cozinha, mas, pela fé, tu pões no teu corpo comida que nem sabes donde vem.
    Será a tua fé irrazoável, ou é uma fé jsutificada?

    Muito cuidado com a palavra fé, porque sem ela, nem poderíamos sair da cama (afinal, podemos ser atropelados maal saímos de casa, mas pela fé, continuamos a nossa visa.)

    Tudo em que você acredita sobre Deus advém daquele livro antigo e é sobre ele minha próxima série.

    Como é que sabes que tudo o que eu acredito sobre Deus vem “daquele Livro antigo”?
    Repito, tens poderes sobrenaturais? lol

  21. (visa = vida!)
    Douglas:

    Bem, mostrei os textos para um religioso

    Religiosos de que rleigião? Ateísmo, cristianismo, islão, judaísmo, etc, etc..? Tens que ser específico.

    e ele simplesmente falou que isso é blasfemia, e que para deus nada é impossivel. Engraçado que sempre quando você mostra algo para um crente essa é a resposta..

    SEMPRE? Foi essa a resposta que eu dei? Mas eu sou crente :-)

    Mas olha, o facto de se dizer que é uma blasfémia, não invalida que não se possa desenvolver a resposta. Do mesmo modo, quando um ateu rejeita as respostas do cristão como “cegueira intelectual”, e não fornece resposta, ele está a ser tão religioso como o cristão.
    Crentes todos somos. A diferença é que temos crenças diferentes.

    Porém eu tenho a maxima certeza que todo religioso se sentiu ridiculo em alguma epoca de sua vida por ter uma crença tão infantil..

    Para me sentir ridículo ao acreditar em Deus, eu teria que têr uma crença que melhor explicasse o mundo a minha volta. Quando olho à volta, e reparo nas religiões alternativas (islão, ateísmo, evolucionismo) nenhuma se compara com a verdade da Bíblia.
    Portanto, não há razões para se sentir ridículo em estar do lado dos factos.

    Agora, se eu acreditasse que o mundo criou-se a si próprio, e que os animais criaram-se a si próprios, e que a vida foi-se tornando mais complexa, mais organizada, mais estruturada por si própria, durante os milhões de anos de mutações, morte, e selecção natural, aí, sim, eu sentiria-me ridículo.

  22. Mats: Vamos lá.

    1. Ter fé é ter dúvida, é não saber. Você não sabe se Deus realmente existe, logo você precisa “acreditar” que ele exista. Eu não preciso acreditar que minha mãe existe. Eu sei. Se alguém fizesse um blog tentando argumentar que minha mãe é só uma ilusão, eu não me importaria e procuraria ficar o bastante longe possível dessa pessoa, pois estaria ela com problemas. Não é o seu caso com relação a Deus, pois, ao tentar “convencer” a mim que seus argumentos são corretos e os meus, falsos, ou seja, que Deus existe, você está tentando convencer a si mesmo dizendo: ora, aquele cara não conseguiu me convencer que Deus não existe, então posso continuar acreditando. Isso é ter dúvida.

    2. Eu tenho também que ter fé em todas aquelas coisas que você mencionou: sair da cama, ir para a rua, comer em restaurante… eu não sei se vou chegar ao fim do dia vivo, mas me programo como se fosse, pois tenho fé que chegarei; eu não sei se a comida que me servem está saudável ou envenenada, mas tenho fé que não seja assim e que nada de mau me aconteça; e assim por diante. É o mesmo caso com Deus: não se sabe, apenas se espera que ele exista.

    3. Por que dar tanta ênfase a esse livro de Tácito? Não o li. Mas, supondo que a Bíblia inteira seja a palavra de Deus, acho que posso escolher um que eu tenha lido, Gênesis, e dizer que não o ponho no mesmo nível de Alice, porque este foi escrito para divertir as crianças, ao passo que o outro ou foi escrito com o propósito de enganar as pessoas, ou, o que acho mais provável, foi escrito por pessoas que estavam elas próprias enganadas.

    4. Me diga uma única coisa que você saiba sobre Deus que a) não vem da Bíblia; b) não vem da sua doutrinção religiosa, que, obviamente, foi imposta por pessoas religiosas que impuseram tal doutrinação a você porque acreditam na Bíblia; c) não vem de alguém que se enquadre nos itens b e c acima.

    5. Quanto ao fato de eu rejeitar as “respostas” dos cristãos sem dar resposta, não me torna “tão religioso quanto o cristão”. Isso é um erro de interpretação bem comum entre as pessoas religiosas. Ora, se você me propõe que “sabe” a resposta de algo e eu, usando meu próprio intelecto, avalio que sua resposta não é, efetivamente, uma resposta, eu posso rejeitá-la mesmo sem a obrigação de fornecer uma outra como alternativa. O fato de eu não saber a resposta, nem aceitar a sua, não significa de forma alguma que eu seja “tão religioso quanto você”. Isso é um argumento tolo, infundado.

    6. E, até onde eu sei, você tem todo o direito de discordar da teoria da evolução, embora, pelo que você descreveu dela aí acima, demonstre que não a compreendeu muito bem. Mas, em contrapartida, você não deve esperar que todo mundo acredite no que você acredita, ou seja, que tudo que existe passou a existir num passe de mágica.

  23. Barros,

    1. Ter fé é ter dúvida, é não saber.

    Quem disse isso? É essa a tua definição de fé? E se eu te disser que a definição da fé cristã não é essa, acreditas? Ou vais cotinuar a cair no mesmo erro?

    Você não sabe se Deus realmente existe,

    Como é que tu sabes aquilo qeu eu não sei? lolll
    Impressionante :-)

    logo você precisa “acreditar” que ele exista.

    Amigo Barros, o “acreditar que Ele existe” não o mesmo que “ter fé em Deus”.

    2. Eu tenho também que ter fé em todas aquelas coisas que você mencionou: sair da cama, ir para a rua, comer em restaurante… eu não sei se vou chegar ao fim do dia vivo, mas me programo como se fosse, pois tenho fé que chegarei; eu não sei se a comida que me servem está saudável ou envenenada, mas tenho fé que não seja assim e que nada de mau me aconteça; e assim por diante. É o mesmo caso com Deus: não se sabe, apenas se espera que ele exista.

    Barros, tu não sabes se a comida está boa, mas pões bocados dela no estômago?!! Isso não é fé: isso é correr riscos com a vida.
    Tu TENS FÉ que a comida está boa, e AGES de acordo com a tua fé. Se tu nãoi considerasses a comida como sã, não haverias de comê-la.

    3. Por que dar tanta ênfase a esse livro de Tácito? Não o li. Mas, supondo que a Bíblia inteira seja a palavra de Deus, acho que posso escolher um que eu tenha lido, Gênesis, e dizer que não o ponho no mesmo nível de Alice, porque este foi escrito para divertir as crianças, ao passo que o outro ou foi escrito com o propósito de enganar as pessoas, ou, o que acho mais provável, foi escrito por pessoas que estavam elas próprias enganadas.

    Ou então foi revelado por Deus. Não excluas essa possibilidade.

    4. Me diga uma única coisa que você saiba sobre Deus que a) não vem da Bíblia; b) não vem da sua doutrinção religiosa, que, obviamente, foi imposta por pessoas religiosas que impuseram tal doutrinação a você porque acreditam na Bíblia; c) não vem de alguém que se enquadre nos itens b e c acima.

    Diz-me alguma coisa sobre o passado dos teus pais que 1) Não te tenha sido dito por alguém, 2) ou que tu tenhas lido em algum lugar.
    Vês como é fácil jogar esse jogo?
    Respondendo à tua pergunta: a esmagadora maioria das coisas que eu sei de Deus enquadra-se nas opções que puseste em cima. Será que isso as torna falsas?
    Segundo, eu por acaso cresci na igreja católica, mas já não sou católico.

    5. Quanto ao fato de eu rejeitar as “respostas” dos cristãos sem dar resposta, não me torna “tão religioso quanto o cristão”. Isso é um erro de interpretação bem comum entre as pessoas religiosas. Ora, se você me propõe que “sabe” a resposta de algo e eu, usando meu próprio intelecto, avalio que sua resposta não é, efetivamente, uma resposta, eu posso rejeitá-la mesmo sem a obrigação de fornecer uma outra como alternativa. O fato de eu não saber a resposta, nem aceitar a sua, não significa de forma alguma que eu seja “tão religioso quanto você”. Isso é um argumento tolo, infundado.

    O mesmo se aplica quando o cristão rejeita as alegações do ateu como infundadas, mesmo sem ter uma resposta ou alternativa.

    6. E, até onde eu sei, você tem todo o direito de discordar da teoria da evolução, embora, pelo que você descreveu dela aí acima, demonstre que não a compreendeu muito bem.

    Claro. Quem não acredita na teoria da evolução é sempre porque não a compreende. É o mesmo que os muçulmanos dizem do Alcorão, os Hindus do Gita, etc, etc. Nós os cristãos não dizêmos os mesmo em relação à Bíblia. Há muitas pessoas que compreendem bem a Bíblia mas não são cristãs.
    Já puseste a hipótese de que se calhar eu rejeito a teoria da evolução precisamente por a “entender bem”?

    Mas, em contrapartida, você não deve esperar que todo mundo acredite no que você acredita, ou seja, que tudo que existe passou a existir num passe de mágica.

    Mas eu não acredito que tudo passou a existir “por um passe de mágica”. Aliás, magia é contra a Bíblia.
    Mas tu já sabias isso, certo?

  24. Mats:

    E se eu te disser que a definição da fé cristã não é essa, acreditas? “

    Eu prefiro saber do que acreditar. Qual a definição de fé cristã?

    Como que eu sei que você não sabe que Deus existe? Porque você tem fé em Deus. Ou seja: você acredita nele. Logo, você não sabe. Eu não preciso acreditar que minha mãe existe.

    Barros, tu não sabes se a comida está boa, mas pões bocados dela no estômago?!! Isso não é fé: isso é correr riscos com a vida.
    Tu TENS FÉ que a comida está boa, e AGES de acordo com a tua fé. Se tu nãoi considerasses a comida como sã, não haverias de comê-la.”

    “…Isso não é fé: isso é correr riscos com a vida.” E, depois: “Tu TENS FÉ que a comida está boa, e AGES de acordo com a tua fé.” Foi exatamente o que eu disse. Você tá usando o mesmo estilo que Deus usou pra escrever a Bíblia?

    Respondendo à tua pergunta: a esmagadora maioria das coisas que eu sei de Deus enquadra-se nas opções que puseste em cima. Será que isso as torna falsas?”

    Não era essa a questão. Eu havia dito que tudo o que você sabe sobre Deus vinha da Bíblia, ao que você contestou. Eu, então, propus que você me dissesse algo que sabia sobre Deus que não viesse da Bíblia. Você disse que não saberia dizer, justamente como eu havia proposto e justamente com o que você não havia concordado a princípio.

    O mesmo se aplica quando o cristão rejeita as alegações do ateu como infundadas, mesmo sem ter uma resposta ou alternativa.”

    Não concordo. O cristão tem Deus como resposta para tudo.

    Não importa o que você acha da teoria da evolução; o fato é que se tudo surgiu como está na Bíblia, surgiu por mágica. Não inventaram outro nome ainda. Chame de intervenção divina, milagre, etc.; dá no mesmo: MÁGICA.

  25. E se eu te disser que a definição da fé cristã não é essa, acreditas? “

    Eu prefiro saber do que acreditar. Qual a definição de fé cristã?

    Fé cristã não é “eu acredito que Deus existe” mas sim “eu acredito NO QUE DEUS diz”. que Deus existe ou não existe está fora de consideração. Toda a gente sabe que Deus existe, mas nem toda a gente acredita no que Ele diz.
    Portanto a fé cristã é acreditar na Palavra de Deus e não só “acreditar que Ele existe”.
    Vês a diferença que isso faz?

    Como que eu sei que você não sabe que Deus existe? Porque você tem fé em Deus. Ou seja: você acredita nele. Logo, você não sabe. Eu não preciso acreditar que minha mãe existe.

    Como já foi visto em cima, isto é um non sequitur.

    Toda a gente sabe que Deus existe, mas nem toda a gente tem fé no que Ele diz.

    Barros, tu não sabes se a comida está boa, mas pões bocados dela no estômago?!! Isso não é fé: isso é correr riscos com a vida.
    Tu TENS FÉ que a comida está boa, e AGES de acordo com a tua fé. Se tu nãoi considerasses a comida como sã, não haverias de comê-la.”

    “…Isso não é fé: isso é correr riscos com a vida.” E, depois: “Tu TENS FÉ que a comida está boa, e AGES de acordo com a tua fé.” Foi exatamente o que eu disse. Você tá usando o mesmo estilo que Deus usou pra escrever a Bíblia?

    Acho que não me entendeste. Tu tens fé que a comida está boa, e por isso ages em conformidade. Tu ao comeres a comida que te dão não estás a fazê-lo aceitando apossibilidade que ela pode estar má, mas acreditand (pela fé) que ela está boa.

    Respondendo à tua pergunta: a esmagadora maioria das coisas que eu sei de Deus enquadra-se nas opções que puseste em cima. Será que isso as torna falsas?”

    Não era essa a questão. Eu havia dito que tudo o que você sabe sobre Deus vinha da Bíblia, ao que você contestou.

    Eu não contestei: eu preguntei-te como é que tu sabes que tudo o que eu sei de Deus vem da Bíblia”. Repara que no post seguinte já incluiste familiares na equação. Portanto já não é “tudo o que eu sei que vem da Bíblia” mas também familiares.
    Ou seja, mudaste um pouco a frase para ser mais abrangente.
    Repito a pergunta inicial: como é que tu sabes que <i<tudo o que eu sei de Deus vem da Bíblia? Se Deus existe, até pode ser que Ele me revela coisas de outra forma.
    Como é que sabes aquilo que tu julgas que sabes sobre mim?

    Eu, então, propus que você me dissesse algo que sabia sobre Deus que não viesse da Bíblia.

    Muitas coisas. Por exemplo, a Justiça de Deus eu aprendi ANTES de lêr a Bíblia. Antes de eu lÊr a Bíblia (e estando ainda no catolicismo) eu já sabia que depois da morte haveria de haver um julgamento sobre a nossa vida. Isso foi confirmado ao lÊr a Bíblia.

    Portanto, aí está uma coisa que Deus revelou mesmo antes de eu lÊr a Bìblia.

    Precisas de mais?

    O mesmo se aplica quando o cristão rejeita as alegações do ateu como infundadas, mesmo sem ter uma resposta ou alternativa.”

    Não concordo. O cristão tem Deus como resposta para tudo.

    Mais uma vez pergunto: quem é que disse que o cristão tem Deus como resposta a tudo?
    Continuas a fazer anuncios no nome dos cristãos mas não ofereces a minina evidência.
    Eu não tenho Deus como resposta para a existência de blogs ateus. Não foi Deus que fêz isso.

    Não importa o que você acha da teoria da evolução;

    Importa sim senhor, uma vez que pessoas que acreditam que a vida surgiu por acaso julgam que quem acredita que a vida foi criada por eus estã a ser “ridiculos”.

    o fato é que se tudo surgiu como está na Bíblia, surgiu por mágica.

    Ah, então tu qualificas de “magia” tudo aquilo que Deus faz, embora Deus seja contra a magia. Ok.
    Por isso é que eu disse que oferecer evidências aos ateus é como dar medicamento a mortos. Vocês já fizeram a vossa mente, e nenhuma evidência em contrário vos vai fazer mudar.
    Repito, a “magia” tal como é entendida por Deus, é contra a Sua Moralidade. No entanto, se tu quaificas de “magia” o Poder Criador de Deus, então entendo que penses que nós acreditêmos que “tudo surgiu por magia”. Lembra-te que o problema não é com o que Deus fÊz, mas com a tua definição de “magia”.

    Não inventaram outro nome ainda. Chame de intervenção divina, milagre, etc.; dá no mesmo: MÁGICA.

    É atua definição.

    A propósito, ainda não disseste qual é a pessoa que afirmou que sabe tudo sobre Deus. Tu disseste:

    As pessoas de fé acham que entendem tudo sobre Deus e sobre a Eternidade, mas somente enquanto não fazem (ou enquanto ninguém faz) perguntas a respeito.

  26. Mats:

    Fé cristã não é “eu acredito que Deus existe” mas sim “eu acredito NO QUE DEUS diz”. que Deus existe ou não existe está fora de consideração. Toda a gente sabe que Deus existe, mas nem toda a gente acredita no que Ele diz. Portanto a fé cristã é acreditar na Palavra de Deus e não só “acreditar que Ele existe”. Vês a diferença que isso faz?”

    Toda a gente sabe que Deus existe… um argumento que começa assim já é fadado ao fracasso…

  27. Só um comentário…a sua foto não se refere a eternidade, mas ao milênio. Que durará apenas 1000 anos :)

  28. Believer: é mesmo? Só no milênio — o que vai durar apenas 1000 anos (ah! deve ser por isso que chamam de milênio! Legal.) — é que as crianças poderão brincar no jardim com leões e com Jesus? Na Eterndade não? Como que você sabe disso?

  29. Barros,

    Toda a gente sabe que Deus existe… um argumento que começa assim já é fadado ao fracasso…

    Mas é verdade, uma vez que toda a gente vive como se Ele existisse.

  30. Parabéns pela sua série. A profundidade da sua análise lógica das possibilidades de uma suposta eternidade só contribuiu para a diversão que eu tiv ao ler as postagens.

    Teria sido ainda melhor se você tivesse abordado um pouco o poderoso processo do duplipensar com o qual os crentes se agarram a perspectiva de um além-túmulo melhor, e que se expressa em frases perlíticas como: “Eu não tenho como conceber nada do que será a eternidade mas tenho certeza de que será maravilhoso.”

    Abraços. Determinação em seu bom trabalho.

  31. Obrigado pelos elogios. Espero que leia, também, os textos atuais sobre o Inferno.

  32. […] Racionalizando a Eternidade – final […]

  33. Vc detestou?

  34. […]    Parte II  –  Parte III  –  Parte IV  –  Parte V  –  Parte VI  –  Parte VII  –  Parte final  Divulgue:EmailTwitterFacebookOrkutPrintLike this:LikeBe the first to like this […]

  35. Tem um comentário meu bem antigo na parte 7, não tinha lido as outras partes, muito boa esta série de textos.

  36. Olá Barros! como a maioria esmagadora da população, fui criada acreditando nessas fantasias ridículas..há um tempão vinha desacreditando a granel…quase no fim da crença, afirmava que a bíblia sozinha não explicava tudo, como costumava acreditar e que nem tudo que estava escrito nela, era verdadeiro…depois q li seu blog, toda a culpa foi dissipada e sinto um alívio enorme que todo esse absurdo seja mentira…imagina, mulher, filha de evangélicos fervorosos…tava ferrada…obrigada por abrir ainda mais minha mente.
    abraço!

  37. Soraia, eu me sinto imensamente recompensado por saber disso. Sério. Muito obrigado a você também.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: