O Deus que não estava lá – parte 2

O vento também não pode ser visto, mas pode ser sentido, e suas manifestações são claramente percebidas. Isso é prova suficiente de que o vento existe. Dá-se o mesmo com Deus.

Eu concordo em parte com essa proposição. E é a parte sobre o vento. Este sim é fiel: produz sempre os mesmos efeitos e tem sempre a mesma explicação. Com Deus a história é bem outra.

Seu Josias era um vigoroso senhor, apesar dos 87 anos de idade: um crente fervoroso, um cristão praticante, temente a Deus, devoto desde a mais tenra idade, leitor e estudioso da Bíblia, enfim: você já entendeu. Ele teve a bisnetinha de 8 anos sequestrada, arrancada das mãos dos próprios pais. Ao saber disso, seu Josias imediatamente passou a orar a Deus para que protegesse sua bisneta e para que a devolvesse sã e salva ao seu lar. Ele clamou a Deus para que interviesse em seu favor e, fora o susto da ação dos bandidos, para que tudo voltasse a ser exatamente como antes.

Seu Josias (coitado do velhinho) chorou escondido, sofreu calado, mas ele tinha fé em Deus; tinha tanta confiança em que tudo iria acabar bem que se tornou até o mais apto para lidar com a situação. Toda a família estava desesperada, mas seu Josias se manteve forte e seguro de que nada de mal iria acontecer, e a sua certeza era contagiante e confortou a todos.

Felizmente, algumas horas depois do sequestro, a família recebeu um telefonema de uma outra família dizendo que a menina havia sido deixada à sua porta e passava bem, e, então, eles todos foram buscá-la, em carreata, e se inteiraram, pelo próprio relato da criança, de que os sequestradores a haviam deixado ali, sem mais nem menos, e ido embora. Ela estava assustada, mas nada de mal lhe havia acontecido.

Enquanto seu Josias voltava para casa com seu clã e com sua bisnetinha bem apertada nos braços, ele não parava de agradecer a Deus por ter ouvido suas orações.

Ora, que outra explicação haveria para isso? Viu só como Deus existe e atende às preces dos seus filhos? Que pai vai dar pedra a um filho que lhe pede pão, não é?

É. Pois é.

Só que não foi isso o que aconteceu. Na verdade, um policial havia presenciado o sequestro e acionou, de imediato, uma patrulha motorizada que estava nas redondezas, que saiu na perseguição do carro descrito pelo policial informante. O carro foi interceptado, os bandidos reagiram à bala, houve troca de tiros, e eles foram mortos e a menina resgatada com vida, mas, tendo sido alvejada, acabou ficando tetraplégica.

Dias depois do ocorrido, seu Josias contemplava sua bisneta na cama da sua casa. Oito anos de idade, uma vida toda pela frente e ela iria ter que vivê-la assim: deitadinha numa cama ou sentada numa cadeira de rodas, mexendo só a cabecinha, dependendo dos outros para tudo e qualquer coisa. A sua princesinha.

“Por que, meu Deus?”

Seu Josias, eu sinceramente não sei, embora desconfie que Deus tenha ouvido suas preces pela metade. Mas alguém terá uma explicação sim. Não tenha dúvida. Talvez Deus esteja só “testando” a sua fé e tenha usado a criança para isso (que, diga-se de passagem, não teria nada a ver com o peixe). Talvez Deus esteja punindo o senhor por alguma coisa, ou punindo os pais da menina, ou punindo a menina, ou sei lá quem. Talvez isso faça parte dos planos de Deus, que, obviamente, ninguém sabe quais são, nem por que diabos teria que envolver, obrigatoriamente, o sofrimento de uma criancinha por toda sua vida. Talvez um monte de coisa que não vem ao caso agora, porque não foi isso o que ocorreu de verdade.

O que houve, de fato, foi que o seu Josias só soube de novo de sua bisneta quando a polícia encontrou o corpo dela, alguns dias depois, num terreno abandonado a dezenas de quilômetros de distância da sua casa. Os exames iniciais, ainda no local, indicavam que a criança havia sofrido várias formas de violência sexual e que fora morta por espancamento, como atestavam os vários hematomas, dedos e dentes quebrados.

Ao saber, enfim, do paradeiro da bisneta e das condições em que o corpo dela fora encontrado, um velhinho vigoroso, apesar dos seus 87 anos, não aguentou mais ficar de pé e sentou-se, silenciosamente, no chão. Dos seus olhos arregalados, fixos no nada à sua frente, escorriam filetes contínuos de lágrimas grossas. Ele estava como que anestesiado pela dor e pelo desespero, e não conseguia parar de imaginar sua bebezinha, sua bisnetinha de 8 anos sendo estuprada por vários homens, sendo sodomizada, pervertida, humilhada… Nem conseguia se livrar da visão da morte terrível que havia sido reservada à criança: apartada da família, desorientada, sozinha em meio a estranhos, indefesa, inutilmente encolhida enquanto era chutada repetidas vezes por animais em forma humana.

Mas o que mais o atormentava, o que mais lhe doía no peito e mais lhe apertava a garganta era imaginar em que a sua bonequinha deveria estar pensando enquanto recebia os golpes repetidos, enquanto chorava seu último choro, enquanto sangrava seu sangue inocente e experimentava, na agonia dos momentos finais, toda a brutalidade do mundo e toda a dor de uma vida de uma só vez.

A sua criança, seu Josias, que sempre corria pros seus braços antes que alguém a alcançasse para lhe dar umas palmadas…

 

[Continua]

Anúncios

22 Respostas

  1. Putz! Essa foi pesada, Barros. Deu um nó na minha garganta aqui lendo isso…

  2. [Modo Crente ON] Se isso realmente acontecesse, seria culpa do homem, não de Deus, pois Ele nos deu livre arbitrio…. Seu Josias não teve fé suficiente…. A garotinha será recompensada no paraíso…. Alguém da família era ateu… :o& Isso foi obra de Satanás…. bla bla bla… [Modo Crente OFF]

  3. Barros, mas…. há algum problema com a morte de crianças inocentes dentro da visão ateísta? Elas são mais uma competição para o alimento e para o espaço. A morte de crianças, segundo o ateísmo, é uma coisa boa porque liberta mais recursos para os outros.

    Vive de acordo com as tuas crenças, Barros. Continuas a fazer imposições morais aos outros quando o teu ateísmo diz que isso é ilógico.

    Se Deus não existe, a morte de crianças não é nem bom nem mau.

    O sr Josias há-de voltar a ver a sua preciosa netinha.

    O ateu que vê a morte dos filhos, e ele mesmo morre sem Deus, nunca mais as vai vêr.

  4. Leandro, é triste mesmo, mas foi necessário contar essa história para seguir com o meu argumento. Amanhã sigo com o desfecho e você vai entender.

    Rafael Romão: na mosca. É isso que eu acho também.

    Mats, meu nobre, as tuas interpretações equivocadas não são culpa tua, e sim da tua visão equivocada da Teoria da Evolução. Já faz alguns bons milênios que não seguimos à risca os princípios dela, como espécie. Cada vez que uma pessoa usa um contraceptivo, cada vez que alguém começa uma dieta, bem como quando procuramos ajudar as outras pessoas a sobreviverem a doenças congênitas que as deixaram incapacitadas, é uma prova mais que contundente de que não estamos mais escravizados às leis da Evolução. E isso graças aos nossos cérebros.

    Então, respondendo a tua pergunta, há sim problema quanto à morte de inocentes dentro da minha visão ateísta. Porque já não somos animais irracionais, não estamos mais competindo por comida, nem espaço, como foi o teu argumento. Somos uma espécie liberta das leis da evolução. E, só pra constar, ateísmo é uma coisa, evolução é outra. Se amanhã se provasse que a teoria de Darwin está errada, nem por isso eu iria deixar de ser ateu.

    E para finalizar, releia, por favor, isso que você escreveu:

    Se Deus não existe, a morte de crianças não é nem bom nem mau.

    O sr Josias há-de voltar a ver a sua preciosa netinha.”

    São proposições embasadas na fé. Nada mais as suporta a não ser o desejo de muitos de que sejam verdadeiras. Mas as coisas não funcionam assim.

  5. São proposições embasadas na fé. Nada mais as suporta a não ser o desejo de muitos de que sejam verdadeiras

    Mais ou menos o que se passa com aqueles que acreditam (segundo a fé) o mundo criou-se a si próprio?

  6. […] O Deus que não estava lá – parte 2 […]

  7. […] O Deus que não estava lá – parte 2 […]

  8. como pode alguém pensar que um deus pode deixar ver, deixar matar, assistir a tudo sem nada fazer?
    prova: sua inexistência!

    Incrível, Mats, achar que a criança tinha que sofrer isto mesmo! não era sua filha….E os relatos da bíblia devem tê-lo tirado a consciência, porque devemos considerar, as historias da biblia, mitos, como sendo catastófricos, absurdos…

    Se algum dia alguém achar linda a história de um deus mandar matar crianças indefesas, isso continurará sendo uma estupidez, psicopata, absurda, leviana, monstruosa!

    na natureza vemos isso! mas não somos homens das cavernas e se pudéssemos pensar melhor veríamos que a irracionalidade humana causa mortes….

    ainda bem que não acredito em deus….imagina colocar culpa neste ser fantasmagórico em tudo!!

    prefiro entender que a sociedade têm seres com desvios mentais, que não merecem a convivencia com outros…

  9. Nádia Jung escreveu:

    Ou seja, não existindo Deus, é permitido o estupro, o roubo, a agressão, o homicídio, enfim todas as calamidades da conduta humana.”

    Nádia, meu anjo { (?) — como se eu acreditasse em anjos…}, me responda essa: porque eu, sendo ateu, não saio por aí estuprando, roubando, matando? Hein? Eu temo tanto a Deus e ao seu Inferno quanto temo a faca afiada do Jason da Sexta-Feira 13. Que estranho, não é? Nunca matei, nem estuprei ninguém, mesmo sem nenhum temor ao Lago de Fogo Eterno.

    Segundo essa assertiva aí acima, “Deus existindo” é fator suficiente para que tais coisas não sejam permitidas, mas quão interessante é notar que nações inteiras que amam esse Deus e temem seu Inferno estão bem mais propensas a permiti-las.

  10. Nadia, guria,

    A religião utiliza vários argumentos falsos para tentar domar o “rebanho”. Um deles é colocar o ateísmono mesmo patamar de “assassinos cruéis”.

    Você me conhece e sabe que não sou marginal…e que sou humanista…do lado do homem…e contra espíritos…deuses….charlatões….

    Existe até estatística no livro que tá lendo, “deus, um delírio” sobre o qual fala o autor de uma greve da polícia…..no final os delinquentes eram “crentes”…

    temos que desmistificar esses mitos, perigosos com quem “brindam” os religiosos…
    até..

  11. Religião não é norma de conduta….veja os “crentes” e entenda…..eu quis falar que não ando na contravenção, nem procuro o errado…..ser ateu, não supõe agir errado,e sim ter a convicção que nenhum deus existe…ou se obtenha alguma prova de existência….

  12. Vixe, Nádia!!! POLÊMICO SEM UTILIDADE? Agora tu pegou pesado com o Saracura!! KKKKKkkkkk

    Te prepara! rsrsrsrs

  13. Na verdade, levando em consideração a relatividade da justiça, direito, certo ou errado, deve ser determinada pela sociedade com base nos seus princípios normalmente aceitos…….o que não vale é a religião entrar neste assunto, porque não teria respostas, ou seriam preconceituosas…..enquanto a humanidade evolui, algumas vezes mais lenta, outras não….mas de qualquer forma, quando começamos a nos desvencilhar dos dogmas, mais evoluimos…

    A ética cristã, copiou alguma coisa de boa….mas não pode ser a ideal……quem decide sobre os anseios é a sociedade…..o homem para o homem….e não deus acima de todos…

  14. Sim guria……..o ser humano tem que estar no centro de tudo…..porque somos nós que vivemos…..que sofremos…..que sentimos….e não um deus…..

  15. Opiniões devem ser imparciais,mas parece que o bam bam bam da verdade aqui é o Barros,quanta merda,pára de querer ser o dono da verdade que vc acredita ou que outro acredita,vamos todos comer capim pela raiz um dia mesmo.ão arrumar o que fazer e parem de ser desocupados…quanta merda.

  16. KKKKKkkkk

    Adilson, eu espero que você continue sem ter o que fazer e volte aqui mais vezes pra dar essas suas opiniões tão imparciais e inteligentes…

    Eu me divirto!

  17. Imagine voce,que Adilson é um exemplo clássico da espécie humana, e que se registra culturalmente como BRASILEIRO,anotaram essa?

    Como leio e adoro Arnaldo Jabor,ja dizia o próprio :

    *(resumirei as prévias da sua extensa crõnica em subtítulos,apenas pra imaginarem oque me fez lembrar,lendo essa espécie ”nao-extinta” nao só do país,mas do planeta : Adilson )

    “” Brasileiro é um povo solidário.
    Mentira. Brasileiro é babaca.
    ”” Brasileiro é um povo alegre.
    Mentira.Brasileiro é bobalhão.
    ”” Brasileiro é um povo trabalhador.
    Mentira. Brasileiro é vagabundo por excelência
    ”” Brasileiro é um povo honesto.
    Mentira. Já foi; hoje é uma qualidade em baixa.
    ”” 90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora.
    Mentira. Já foi.
    ”” O Brasil é um pais democrático.
    Mentira. Num país democrático a vontade da maioria é Lei.
    ””’ Deus é brasileiro.
    O brasileiro merece!

    Imagine o ”desenvolvimento” , a ”sinopse”? Passa um filme!!! *Arnaldinho mandou bem,beijo pra ele. Mas oque eu acho desse camarada
    ”Adilson” ao dizer: …
    ” Barros,quanta merda,pára de querer ser o dono da verdade que vc acredita ou que outro acredita,vamos todos comer capim pela raiz um dia mesmo.ão arrumar o que fazer e parem de ser desocupados…quanta merda.” …

    é que,em absoluto Ele é um fracasso como cidadao brasileiro,e mesmo que Arnaldo venha explicar em suas crônicas a razao de SER, ainda vejo, que nao tem BOA VONTADE inserida nesse ”cogumelo”

    *cogumelo por ser um fungo,com muitas funcionalidades,seja na culinaria,seja na farmaceutica,….mas também como nenhuma.

    MEU QUERIDAO, talvez aproveitar a vida é ser GENEROSO,voce é generoso ? Voce troca? Voce doa algum conhecimento? Voce….FAZ ALGUMA COISA? ou só dá conselhos de como as pessoas devem fazer usufruto de suas vidas,pois o tempo seria curto, e nao teriamos tempo a perder ?
    Olha, você vai mesmo comer capim,como eu,como o Barros,como os Bovinos,rsr…como todo e qualquer ser vivo …. mas com uma diferença,queridao,voce vai como um funguinho que passa a vida toda se alimentando as custas de coisas mortas…sabe?aqueles detritos orgânicos deixados pelos outros seres no solo.Pois é….Acho que voce entendeu a analogia.

    Infelizmente isso é cultural,Arnaldo tem razao.

  18. […] O Deus que não estava lá – parte 2 […]

  19. […] Parte 2 –  Parte final […]

  20. O problema é que os homens insistem em ver Deus agindo como pessoa, corrrendo de um lado para o outro para consertar o mal feito de todos. Deus aparecerá quando TODOS cumprirem o seu Mandamento: “Amar a Deus sobre todoas as coisas ao próximo como a ti mesmo”… aí não haverá corrupção, sequestros, mentiras…. então você me dirá… isso nunca vai acontecer! Talvez, não com todos, mas muitos, uma multidão que não se podia contar… isso vai. Deus não é apenas uma historinha… transformar pedras em pão para mostrar que existe foi a proposta do Diabo para Ele, mas Ele a recusou…

  21. “Deus não é apenas uma historinha… transformar pedras em pão para mostrar que existe foi a proposta do Diabo para Ele, mas Ele a recusou…”

    Claro que ele recusou! E recusa até hoje, pois só os seus fiéis seguidores não percebem o padrão de nunca acontecer nada. Mas, infelizmente para a nossa irmã, seu deus não passa de mais uma historinha (de terror).

  22. (…) só os seus fiéis seguidores não percebem o padrão de nunca acontecer nada (…)

    Concordo em número, gênero e grau e ainda assino embaixo.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: