Jesus, o Charlatão [3]

JESUS TENTA CONVENCER João Batista de que ele (Jesus) é o Messias fazendo vários elogios a João e falando muito bem dele para a multidão, apesar de que, em algumas passagens dos Evangelhos, João Batista pareça aceitar isso sem nenhuma contestação, especialmente quando uma pomba (o Espírito Santo) pousa na cabeça de Jesus (Mateus 3:16 e João 1:32-34). João poderia reconhecer o Messias facilmente, uma vez que a ele era atribuído o privilégio de anunciar o tão esperado Redentor. Mas Jesus distribui elogios: “Em verdade vos digo que, entre os que de mulher têm nascido, não apareceu alguém maior do que João Batista” (Mateus 11:11). Ele diz que João Batista é um profeta ressuscitado (a forma como os judeus esperavam que os profetas reaparecessem), mas João nega que ele próprio seja um profeta ou o Messias, como muitos pensam. 

É possível que Jesus veja João como um rival; pelo menos, ele não fica muito contrariado quando sabe que o outro foi decapitado. Em algumas passagens, João não está totalmente convencido de que Jesus é realmente o Messias, uma vez que, da prisão, ele manda perguntar se Jesus “é”. Jesus instrui o mensageiro a dizer a João todos os seus grandes feitos realizados: “Respondendo, então, Jesus, disse-lhes: Ide, e anunciai a João o que tendes visto e ouvido: que os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e aos pobres anuncia-se o evangelho” (Lucas 7:22, Mateus 11). 

Jesus parece não saber se vai conseguir mais seguidores pregando o Paraíso ou o Inferno. Ele não é muito específico sobre nenhum dos dois. O Paraíso é um lugar extremamente desejável, com prazeres inimagináveis, e onde haverá várias mansões que o próprio Jesus irá preparar. (Este projeto em conclusão deverá assegurar que pedreiros e construtores passem mais cedo pelos portões do Paraíso.) Quando Jesus é questionado sobre as relações humanas que prevalecerão no Céu, ele se sai com a explicação de que os corpos serão angelicais: “Porque na ressurreição nem casam nem são dados em casamento; mas serão como os anjos de Deus no céu” (Mateus 22:30). Uma vez que os anjos podem funcionar como seres humanos e são, algumas vezes, confundidos com eles, os salvos podem esperar que vão ter uma aparência bem parecida à que tinham na Terra, com a possibilidade da adição de um halo e um par de asas, mas se estarão pelados ou vestindo uma túnica branca não está claro. 

Os cristãos fingem ter pouco interesse nos detalhes de seu destino eterno, mas todos devem ter uma pequena lista de questões bastante frívolas, na sua própria concepção, para admitir isso. Jesus diz que todos se reconhecerão, mas eles terão algum tipo de relação ou parentesco? (Ninguém casará, ou será dado em casamento.) Se não, qual o apelo do Paraíso e, se sim, os salvos esquecerão seus entes queridos que foram mandados para o Inferno? (Não haverá tristeza.) Eles terão a idade em que morreram? recém-nascidos, velhinhos de 95 anos? Terão necessidades fisiológicas? (Eles viverão em mansões e comerão em mesas.) 

Eles terão um aspecto e forma? (De outro modo, como ser reconhecido?) Os rostos terão rugas e linhas? os corpos serão gordinhos, magrelos, baixos, altos, machos, fêmeas, de diferentes raças? (Todos os anjos da Bíblia são machos.) Membros perdidos serão repostos? enfermidades apagadas? os feios embelezados? corpos definhados serão restaurados? Jesus diz que os ocupantes do Paraíso podem conversar com os ocupantes do Inferno (Lucas 16:19-25), mas Paulo tornou isso impossível dizendo que Jesus desceu até “às partes mais baixas da terra” (Inferno) antes de ascender “acima de todos os céus” (Efésios 4:9-10). As crianças irão para o Inferno, como os primeiros pais da Igreja ensinavam? Se não, qual a idade limite? qual o ponto de corte? 

Com tão pouco conhecimento da morada celestial, cristãos ainda fazem sacrifícios (não mais literalmente) na intenção de ir morar lá. Das torturas do Inferno, Jesus é bem mais informado, e ele regularmente prevê choro, ganido e ranger de dentes esperando por todos aqueles que o negarem como Salvador, mesmo João Batista não tendo tanta certeza se realmente ele era. 

5 Respostas

  1. Parabéns pelo texto.

  2. Cara, essa autora pega os crentes pelo pé, porque usa a própria Bíblia contra eles. Mas é incrível: eu mostrei a uma amiga extremamente religiosa e ela, obviamente, não aceitou:

    — Nããão!!! Não é isso!

    Mas ora! Como é que “não é isso”? Tá lá escrito preto no branco: a autora dá o livro, capítulo e versículo. Como é algo totalmente contraditório e como, de fato, sustentam o argumento da autora, eles, os crentes, não querem acreditar nos próprios olhos e aquela frase, pra mim, soa mais como:

    — Não pode ser!!!

  3. Quando nada resta de argumento, cria-se um subterfúgio, uma interpretação “maluca”. È sempre assim os “crentes” não aceitam suas “impossibilidades”. Muitos até vêem, mas não podem admitir, a esta altura algo que está incrustrado no cerne de suas consciências deturpadas.

  4. RESPONDENDO A PARTE 3

    O que os ouvindo não ouviram e os olhos não viram são as coisas qeu o Senhor preparou para seu povo.
    Em outras palavras Deus é tão grandioso que não temos noção do que nos esta preparado.

  5. […] 2 – parte 3 – parte 4 – parte 5 – parte 6 – parte 7 – parte 8 – parte 9 […]

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: