Notícias sobre o LHC

Nesta terça feira, 30 de março de 2010, foi realizada a primeira experiência relevante com o polêmico LHC na busca pelo Bóson de Higgs, em Genebra, na Suiça. Segue abaixo a reprodução da entrevista realizada pelo site http://www.swissinfo.ch em cobertura a este fato histórico.

Colisão de partículas é “uma bomba nuclear ao contrário”

É assim que o professor Ignácio Bediaga, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, descreve a colisão de partículas realizada nesta terça-feira (30/3) no Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern), em Genebra.

Bediaga acompanhou a colisão inédita de prótons no LHCb, um dos quatro grandes detectores do Grande Acelerador de Hádrons. Em entrevista à swissinfo.ch, ele explica o significado desse experimento científico.

swissinfo.ch: Como o senhor descreveria para um público leigo o que aconteceu no Cern hoje?
Aconteceu aquele fenômeno que seria uma bomba nuclear ao contrário. Ou seja, uma bomba nuclear transforma massa em energia. O que a gente viu agora no Cern foi transformar energia, a partir dos prótons no acelerador, em massa, ou seja, novas partículas – partículas que foram criadas no início do nosso universo.

A gente acelera as partículas, as coloca para colidir e nesta colisão pega a energia dada e a transforma em novas partículas, usando a equação de Einstein, segundo a qual a energia está relacionada à massa vezes a velocidade da luz ao quadrado.

swissinfo.ch: O senhor não teve medo de que o mundo pudesse sumir num buraco negro?
Em nenhum momento, porque foi feito um estudo bastante profundo das energias que a gente têm aqui no acelerador e das energias que a Terra recebe do universo todos os dias. Devido às explosões de estrelas, a buracos negros etc., a Terra é bombardeada constantemente por partículas mais energéticas do que as partículas do LHC. Se a gente pensar toda a história da Terra, já tivemos vários e vários aceleradores de LHC ocorrendo e nunca teve um buraco negro. Não seria aqui que isso iria acontecer.

swissinfo.ch: Qual é a importância desse experimento para comunidade científica?
É de importância crucial porque, a partir de agora, nós vamos começar a olhar para novos fenômenos que observamos no universo, mas que não conseguimos entender a nível de conhecimento nosso na Terra. Por exemplo, no universo estamos observando a existência de matéria escura. Infelizmente não temos nem ideia de qual é a origem dessa matéria escura. Só com energias muito maiores, como é o caso no LHC, é que podemos começar a vislumbrar, a entender por que a grande parte do universo é feita dessa matéria que a gente não chegou a observar aqui na Terra.

swissinfo.ch: Por que se fala de uma nova era da Física?
Porque até o momento nós conseguimos entender muito bem o funcionamento de várias forças: o eletromagnetismo, a gravitação, nós entendemos o problema das forças nucleares fortes e fracas. Agora nós estamos tendo que entrar numa nova escala de energia. Toda esta compreensão é limitada àqueles fenômenos que temos observado na Terra. Mas, quando vamos para o universo, estão faltando novos conhecimentos. E para entender melhor o universo, nós temos de ter energia equivalente àquelas que são produzidas nas grandes explosões. É a isso que a gente imagina que o LHC possa chegar.

swissinfo.ch: Qual é a utilidade prática da pesquisa de partículas para a humanidade?
Eu diria que há pelo menos dois aspectos: um é o aspecto científico, que é a curiosidade humana, que é a cultura, que é tentar entender o mundo que nos cerca. Isso para mim é uma questão fundamental, que é fácil de entender. A outra, que é relacionada a um dispêndio de dinheiro tão grande, da ordem de 10 bilhões de francos, está relacionada ao próprio desenvolvimento tecnológico. Para chegar ao limite do conhecimento, você tem que ter uma máquina no limite do conhecimento tecnológico. Isso empura a tecnologia a limites antes desconhecidos.

swissinfo.ch: Quais serão os próximos passos da pesquisa no Cern, depois deste dia histórico?
O próximo passo é viver bem com essa máquina, ou seja, desenvolvê-la mais e melhorá-la. Hoje foi um dia histórico, mas nós estamos ainda a cinquenta colisões por segundo. Nós queremos chegar a um bilhão de colisões por segundo. Chegamos a três e meio trilhões de elétrons-volts. Queremos chegar a sete por beam. Então, muita coisa ainda vai ter que ser feita nos próximos anos, para melhorar a máquina e principalmente para desenvolver todo o conhecimento, entender todo o mecanismo de funcionamento dessa máquina e dos detectores envolvidos nessa experiência.

swissinfo.ch: Quanto tempo vai demorar a avaliação dos dados gerados que foram gerados hoje?
A avaliação é relativamente rápida. Só que esses dados não vão trazer grandes novidades na Física. Praticamente o que vamos ter é que, com esses dados, vamos reproduzir tudo o que já é conhecido na Física. No próximo ano, nós vamos tentar reproduzir tudo o que foi feito em partículas nos últimos setenta anos. A partir do ano que vem, nós vamos começar a descobrir coisas realmente novas na natureza.

Geraldo Hoffmann, swissinfo.ch

Fonte: http://www.swissinfo.ch/por/ciencia_tecnologia/Colisao_de_particulas_e_uma_bomba_nuclear_ao_contrario.html?cid=8586158&rss=true

http://despindomitos.blogspot.com

Anúncios

6 Respostas

  1. Olá,

    Uma correcção: é bosão de Higgs

  2. Obrigado Dário. Já havia corrigido o Higgs quando vi seu comentário.

    Quanto ao bosão, aqui no Brasil se usa bóson mesmo.

    Mas a sua correcção não está correta. Agora é correção em qualquer lugar do mundo, assim como aqui no Brasil. Português unificado hehehe.

  3. LOL, agora é que me lixaste.

    Eu sei que aí é bóson, mas estou habituado a escrever bósão. Correcção também estou habituado e não sei se algum dia irei escrever correção. O meu corrector do Office ainda é de 2007.

    Olha, podes passar pelo meu blog e ver notícias sobre o LHC,

    Um abraço

  4. Um cara num cargo pomposo, político, e hoje também submisso aos parasitas mandantes das crenças, pegou um resumo da Lógica Espacial escrito para divulgação informal não-específica, e em três dias vaticinou “tá tudo errado!”.
    Um pesquisador do CBPF que há mais de dezoito anos vem se informando com o Pensador e trocando debatendo a epistemologia e argumentos que corroboram a Lógica Nuclear na Lógica Espacial, certo dia chateado porque não conseguia entender o que o Pensador Haddamman explicava, mandou-o sair da sala. O Pensador foi ao quadro e riscou o que dizia em vetores. E conseguiu continuar sua dissertação. Existe a geometria e os conceitos, só não existe espaço para cientistas livres que façam Ciência em favor da vida humana e da Terra e do Meio Ambiente (sem precisar terem receio sobre o que poderiam os subservientes ao Sistema fazer com os amigos e famílias e próximos aos cientistas livres).

  5. Saddam – Man,

    Realmente tu tens falado a língua árabe.

    Fique com Alá.

  6. A maior prova de que esse inventado deuszinho mixuruco não existe são as anomalias como esse tipo aí em cima. Mas também, por outra aberração psicológica (a dos ‘esprítus’ ) que “voejam” ‘entrando’ em corpos — Ih! Ali vai um! Será que vai entrar num cachorrinho e começar a imitar bebê para o dono todo emocionadinho levá-lo à Feira de Cães em São Paulo?), acredita que “ninguém volta pior”. Assim o Maicu (será que é um ‘mico’ cultural — Não seria Míchaél?) poderá até ficar ‘feliz’ porque, quem sabe(?) ele seja ‘glorificado’ como verme, ou só mais um pouquinho importante: venha como um vírus H1N1, pra continuar sua gloriosa missão de dominar o mundo? Nesse reimno nada é impossível. Até o sol gira em torno da Terra (maldito Galileu, por que teve que falar? Desgraçado. Nem perseguindo e espremendo-o ele fechou aquela boca de cientista; agora temos que aguentar também esse Haddammann com essa Lógica Espacial).

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: