Um texto ateu

Link para o texto original: http://ateusnarede.blogspot.com/2010/09/um-texto-ateu.html?spref=t

Autor:  LC ROCHA

1 – Não diria que sou ateu, nem agnóstico. Apenas isso: Deus não me importa. O que me importa é o planeta e os habitantes da terra – os seres humanos inclusive, mas não apenas.

2 – Dito isso, é interessante lembrar que aqueles que acreditam em Deus não são citados pela história como seres humanos pacíficos, tolerantes e bondosos. Muito ao contrário: sempre que surge uma idade da fé, a morte se espalha pelo mundo. A Guerra Santa é uma criação dos teístas-Judeus, cristãos, islamitas, comunistas e não dos ateus: ateus não costumam fazer guerras santas.

3 – Quando afirmo que Deus não me importa, não nego de forma alguma a existência do Invisível. Não diria que sou materialista. O que reafirmo é que não existe qualquer ligação entre uma possível divindade ou a religião e o Invisível que nos cerca e que não conhecemos ainda. Não diria, por exemplo, que as fadas são cristãs. Ou que os átomos são judeus. Ou que a kundalini é islamita ou, quem sabe budista. Ou seja: o Invisível existe, mas não há nele nada de religioso. Pretender associar o Invisível ao religioso é repetir um comportamento pré-histórico. Feliz ou infelizmente, estamos no final do século 20.

4 – Ao contrário do que pretende os teístas, a história fala de ateus pacíficos, grandes estudiosos e amantes da humanidade. E mostra que os crentes persseguiram, prenderam, torturaram e mataram milhões de pessoas, em todo o mundo e em todas as épocas. Pergunta-se: a religiosidade e a crença em Deus torna os seres humanos mais pacíficos, justos e tolerantes?

5 – Nos países onde o Estado e a Igreja não se separaram como o Brasil e toda a América Latina os políticos chegam ao poder ou lá permanecem quando se mostram piedosos, quando contribuem para instituições de caridade e, especialmente, quando se afirmam tementes a Deus. Ora, a história também mostra que o administrador ou político teísta não é necessariamente melhor do que aquele que não crê. Pode-se perfeitamente crer em Deus e ser um péssimo político, um corrupto, um autoritário. Mas é verdade que se tem mais espaço, mais poder e conquista-se mais simpatia quando se é teísta. E, em países de mentalidade medieval como o Brasil, ganha-se até mais votos. No sacro Império Brasileiro é preciso ter boas relações com a Igreja (e com Deus) para ser politicamente vitorioso.

6 – Alguém pode ingenuamente dizer que países comunistas não são religiosos e, ainda assim, fizeram e fazem perseguições contra aqueles que discordam de suas regras. Eu responderia afirmando que a União Soviética nunca deixou de ser religiosa: é que lá a religião mudou de endereço e o Estado substituiu a Igreja. Exemplo disso é o que o comunismo adotou o “culto da personalidade” e mantém a múmia do santo Lenin em Moscou, para ser devidamente adorada. O comunismo é tão religioso que está cheio de dogmas. E, até prova em contrário, não existem dogmas para os ateus: o dogmatismo é uma das características básicas de toda religiosidade.

7 – O fanatismo é outra característica daqueles que têm fé e não dos ateus.

8 – Afirmo que a crença em Deus é interesseira. Ora, quem acreditaria em Deus se essa crença não lhe fosse útil? Todas as religiões dizem algo que pode ser resumido assim: “Comporte-se bem agora e mais tarde sua recompensa virá em dobro”. Pergunto: por que tratar com reverência uma divindade que trabalha com juros? Os banqueiros também trabalham dessa forma e não são bem vistos.

9 – Um argumento muito utilizado pelos teístas especialmente aqueles que pretendem participar da Era de Aquário é a afirmação de que a religião é a forma pela qual o homem se “religa” com a divindade superior. Ora, a palavra religião, originalmente não tem qualquer relação com religar: “religo” é o culto prestado aos deuses, religo é ligar, atar. Os teístas,  sabiamente, quiseram unir os dois conceitos. Têm todo o direito, é claro. Mas estão enganados.

10 -Estamos nos preocupando há milênios toda a Era de Peixes, no mínimo – com um Deus único, misto de general, juiz e censor. O resultado ai está, à nossa volta: alguns religiosos afirmam conhecer a vontade divina nos seus mínimos detalhes e exigem ser ouvidos, por bem ou por mal. Enquanto isso, não conhecemos o bastante a nós mesmos e essa ignorância tem causado sofrimentos terríveis a toda humanidade. Proposta: que no próximo século a humanidade cuide da humanidade e tente se conhecer mais profundamente. E que Deus permaneça por um tempo no almoxarifado das crenças, preconceitos e medos humanos.

11 – A fé não quer evolução, a liberdade e o companheirismo entre os homens. A fé é reacionária: os fiéis pretendem conhecer a resposta para todas as dúvidas que temos na vida. A utopia não: quer a fantasia, busca as respostas, as possibilidades. O utópico quer um tempo novo e busca criar condições para que este tempo surja, agora ou no futuro.

12 – O homem não é o centro do sistema solar ou do Universo e não interessa se existe qualquer divindade olhando por nós. A questão é uma só: reduzir o homem a sua mínima grandeza.


Anúncios

12 Respostas

  1. Concordo plenamente com o autor do texto ; muito bom este texto.

  2. Neste mundo, precisamos de certas coisas. Possuímos muitos desejos. Somos expostos a muitos perigos. Precisamos de alimento, combustível, vestimentas e abrigo; além desses desejos, há o que poderíamos denominar nossa “fome mental”.

    Somos seres condicionados e, por isso, nossa felicidade depende de condições. Há coisas que reduzem e há coisas que aumentam nosso bem-estar. Há certas coisas que o destroem e outras que o preservam.

    A felicidade — também em suas formas mais elevadas — é, em última instância, a única coisa boa. Portanto, todas as coisas cujo objetivo é produzir ou assegurar a felicidade são boas, ou seja, morais. Tudo que destrói ou diminui o bem-estar é ruim, ou seja, imoral. Em suma, tudo que é bom é moral, tudo que é ruim é imoral.

    Então o que é — ou poderia ser denominado — um guia moral?
    A resposta mais curta possível consiste de apenas uma palavra: inteligência.
    Queremos a experiência da humanidade, a verdadeira história de nossa raça. Queremos a história do desenvolvimento intelectual, do fortalecimento da ética, da ideia de justiça, da consciência, da caridade, do altruísmo. Almejamos conhecer as estradas e os caminhos que foram percorridos pela mente humana.
    Esses fatos em geral, o esboço dessas histórias, os resultados obtidos, as conclusões alcançadas, os princípios envolvidos — tudo isso, tomado em conjunto, consistiria no melhor guia moral concebível.
    Não podemos nos apoiar nos assim chamados “livros inspirados” ou nas religiões do mundo. Estas religiões são fundamentadas no sobrenatural e, de acordo com elas, estamos obrigados a adorar e a obedecer algum ser ou seres sobrenaturais. Todas essas religiões são incompatíveis com a liberdade intelectual. São inimigas do pensamento, da investigação, da honestidade intelectual. Elas despojam do homem sua própria humanidade. Prometem recompensas eternas para a crença, para credulidade — para aquilo que denominam “fé”.
    Essas religiões ensinam virtudes que escravizam. Transformam coisas inanimadas em coisas sagradas e falsidades em dogmas sacrossantos. Criam crimes artificiais: comer carne na sexta-feira, divertir-se aos sábados, comer nos dias de jejum, ser feliz na Quaresma, debater com um sacerdote, buscar evidências, rejeitar uma crença, expressar seu pensamento honestamente — todos esses atos são pecados, são crimes contra algum deus. Emitir sua opinião sincera sobre Jeová, Maomé ou Cristo é muito pior do que caluniar maliciosamente seu próximo. Questionar ou duvidar de milagres é muito pior do que rejeitar fatos conhecidos.
    Somente os obedientes, os crédulos, os bajuladores, os ajoelhadores, os submissos, os que não questionam — os verdadeiros crentes —, são considerados morais, virtuosos. Não basta ser honesto, generoso e prestativo; não basta seguir as evidências, os fatos. Além disso, é necessário crer. Essas doutrinas são inimigas da moralidade, elas subvertem todas as concepções naturais de virtude.
    Todos os “livros inspirados”, ensinando que os mandamentos sobrenaturais são corretos — corretos porque foram ordenados —, ensinando que aquilo que o sobrenatural proíbe é errado — errado porque foi proibido —, são absurdamente antifilosóficos.
    E todos os “livros inspirados”, ensinando que somente aqueles que obedecem aos mandamentos sobrenaturais são — ou podem ser — verdadeiramente virtuosos, e que uma fé inquestionada será recompensada com a eterna bem-aventurança, são grosseiramente imorais.

    Declaro novamente:

    a iINTELIGÊNCIA É O ÚNICO GUIA MORAL.

    • Autor: Robert G. Ingersoll
    • tradução:Diego Barreto Haddad
    fonte: The Secular Web

  3. Sra Luciana por favor leia este comentário aqui em baixo do Oiced Mocam.

  4. ”Mas é verdade que se tem mais espaço, mais poder e conquista-se mais simpatia quando se é teísta. E, em países de mentalidade medieval como o Brasil, ganha-se até mais votos.”

    Muito bom!
    Adorei esse texto!

    \o/

  5. oiced diz:

    Então o que é — ou poderia ser denominado — um guia moral?
    A resposta mais curta possível consiste de apenas uma palavra: inteligência

    R: Negativo inteligência e julgamento da moralidade baseada em apenas nos falhos 05 sentidos humanos é o resultado de uma falsa e equivocada moral humana.

    A verdadeira moral que conduz a felicidade é: “ Ame a todos sem distinção, amigos e inimigos, simpatizantes afins ou divergentes, faça a eles apenas o que desejar que eles te retribuam.”

    Almejamos conhecer as estradas e os caminhos que foram percorridos pela mente humana

    R: poderia começar conhecendo e corrigindo os seus próprio erros, assim já estará contribuindo muito com um mundo melhor!

    Todas essas religiões são incompatíveis com a liberdade intelectual

    R: se voce liberta um burro do seu julgo ele deixará de ser um burro? E pelo seu desejo expontaneo não voltara ao seu cativeiro, se la ele se sente bem e se sente alimentado, cada um tem na vida o que faz por merecer.

    Emitir sua opinião sincera sobre Jeová, Maomé ou Cristo é muito pior do que caluniar maliciosamente seu próximo. Questionar ou duvidar de milagres é muito pior do que rejeitar fatos conhecidos.

    R: voce tem todo o direito de questionar a procura da sua verdade, porem não pode querer construir a sua verdade falando mentiras , levantando falsos testemunhos. Desvirtuando ensinamentos cristãos muito acima daquilo que voce considera como sendo um exemplo para a moralidade humana, nem tem o direito de denegrir quem quer que seja apenas baseado na fé do seu achismo pessoal.

    Não basta ser honesto, generoso e prestativo; não basta seguir as evidências, os fatos. Além disso, é necessário crer. Essas doutrinas são inimigas da moralidade, elas subvertem todas as concepções naturais de virtude.

    R: Nisto eu concordo com você! Só acrescento que mais importante que crer para algumas religiões é mais importante contribuir financeiramente. Antigamente o ceu era conquistado ataves da força da espada, hoje é através da força do dinheiro.

    Somente os obedientes, os crédulos, os bajuladores, os ajoelhadores, os submissos, os que não questionam — os verdadeiros crentes —, são considerados morais, virtuosos.

    R: Isto é um pensamento humano e não divino. Deus olha o que você faz e não o que você acredita!

    , e que uma fé inquestionada será recompensada com a eterna bem-aventurança

    R: eu tenho fé em tudo aquilo que Deus já me deu e continuará pela minha fé me dará muito mais.

  6. Sensacional texto…Esclarecedor! Os comentários também muito bons..valeu

  7. Voce vai prestar contas dos teus artigos e das tuas palavras, pois das suas obras serás julgado!

    Deus é vivo, sobrenatural, o mundo apenas não o aceita pois não quer! Muito alem da tua compreensão!

    A escuridão não existe, é ausencia de Luz!

    A ciencia explica, que o mal é ausencia do Bem!!!

    Amigo, se Eintein acreditou em Deus, porque voce um retardado espiritual não cre?

  8. Para, Demis. Você está me assustando.

  9. A escuridão não existe, é ausencia de Luz!

    sério?????

    A ciencia explica, que o mal é ausencia do Bem!!!

    explica??? onde???

    Amigo, se Eintein acreditou em Deus, porque voce um retardado espiritual não cre?

    se a Madre Teresa morreu virgem porque todos nós não devemos morrer virgens???

    totalmente nonsense essa sua afirmação … tão quanto a minha,,,

  10. Demis, se Einstein comesse cocô de cochorro, a gente deveria comer também? Einstein chegou a acreditar num deus, mas esse deus não tinha nada a ver com o seu. Só que depois ele escreveu uma carta dizendo

    “A palavra Deus é para mim nada mais do que expressão e produto da fraqueza humana”

    Ele achava que a bíblia seria “uma coleção de lendas honoráveis, ainda que primitivas”. Crentes gostam de usar Einstein pra justificar a idéia de que as pessoas deveriam acreditar em deus. Deviam adquirir o hábito de se informar antes de usar um argumento. Caso contrário, dá merda.

  11. Apelo à autoridade Fail.

  12. Demis se um cientista acredita em Shiva vai acreditar nele ?

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: