Deus é negro, cego, e toca piano

Algumas pessoas religiosas escreveram coisas muito interessantes nos comentários dos meus textos.

Uma moça, ou senhora, argumentou que eu não deveria ser tão intolerante. Espero que ela procure no dicionário o significado da palavra “intolerante” e leia meus textos de novo. Aceitarei suas desculpas. Só que duvido muito que ela peça desculpa por isso: “eu sinceramente fico feliz com a inteligência de DEUS que vai permitir que vc apodreça no INFERNO”. Respondi a ela, também nos comentários, que talvez “o seu Deus Todo-Bondade tenha construído o Inferno na intenção de que eu fosse torturado lá durante toda a eternidade; portanto, não deverá permitir meu ‘apodrecimento’ como você tão alegremente sugeriu”.

Mas, parece, eu estava errado: “E vc vai apodrecer sim no INFERNO, mas vai continuar vivo não vai morrer lá. Essa é a punição que o Senhor meu DEUS vai dar a vc”. Acho muito interessante como uma “reles mortal” pode estar tão certa acerca das ações futuras de um ser tão poderoso e tão… ausente, digamos assim.

Outro leitor contestou minhas ideias de “dogma”:

O que você chama de dogmas religiosos, na verdade, são verdades que estão *acima*, isto mesmo, *acima* da ciência. Por exemplo: a ciência não conseguiu descobrir como, durante uma missa celebrada na cidade italiana de Lanciano, um pedaço de pão se tornou carne. Mas foi constatado pela NASA, a pedido da Igreja, que aquele pedaço de pão havia, de fato, se convertido em carne humana.

Bom, eu acredito — sim, ateus também têm fé — eu acredito que ele tenha lido isso na internet; talvez no mesmo site que apresenta as “provas” de que o homem não pisou na Lua. Em todo caso, é muito triste imaginar a sorte desperdiçada pela Igreja de ter um físico da NASA, ou um engenheiro encarregado de projetar os sistemas de propulsão dos foguetes, assistindo à missa no dia desse milagre, que pudesse tê-lo comprovado dizendo: “ — É, realmente, essa hóstia se transformou em carne. Um pouquinho sem tempero, é verdade, mas é carne, sim”, e não ter aproveitado a oportunidade e — já que estavam fazendo uma experiência tão importante dessas para a fé cristã, que tão certamente calaria a boca de ateus como eu — ninguém ter lembrado de, aproveitando-se a heresia do teste já começado nesse ritual canibalístico, fazer também um exame de DNA. Já pensou? Deixar a ciência anunciar que “aquele pedaço de carne humana” tinha uma dupla-hélice composta apenas pelos genes de uma mulher?! Que revolução!!! Como que os padres esqueceram de pedir à NASA para fazer isso também???!!! E, aproveitando, não se deveria supor que “toda” hóstia consagrada se transformasse no corpo de Cristo e não só, especificamente, aquela uma da cidade italiana de Lanciano?

Meu leitor continuou:

Normalmente eles [os ateus] pensam que a Igreja vive lançando dogmas na mesma velocidade que Paulo Coelho publicaria suas historietas. [Não é verdade, não pensamos isso. Paulo Coelho escreve infinitamente mais rápido] Não é verdade. Também não é verdade que os dogmas são “empurrados goela a baixo” no povo. [É verdade sim: eu fiz catecismo também] Muito pelo contrário: o dogma, muitas vezes, é tão somente o reconhecimento eclesiástico de crenças fundamentadas que já fazem parte da tradição popular religiosa (por exemplo: o dogma da Maternidade Divina de Nossa Senhora, reconhecido em 430 d.C.)

“Crenças fundamentadas”? Em quê? Hoje em dia, se meu pai quisesse ter a certeza de que eu sou, realmente, filho dele, poderia encomendar um teste de DNA. Agora: como é que 1.600 anos atrás, as pessoas fundamentaram o que quer que seja para dizer que um judeu, que viveu 4 séculos antes deles próprios, era filho de uma determinada mulher? E mais: que era filho “apenas” dela?

Meu leitor apelou para a “lógica”:

O dogma da Maternidade Divina procede de uma afirmação lógica:

Premissa 1 -Maria é mãe de Jesus.

Premissa 2 – Jesus é Deus.

Conclusão  – Maria é mãe de Deus.

Você, ao que me parece tão amante da ciência e da lógica, não deve ter dificuldade em entender o que expus acima.

Realmente: não tive dificuldade nenhuma. Isso se chama Sofisma.

Sofisma: Argumento ou raciocínio concebido com o objetivo de produzir a ilusão da verdade, que, embora simule um acordo com as regras da lógica, apresenta, na realidade, uma estrutura interna inconsistente, incorreta e deliberadamente enganosa. (dic. Huaiss)

Isso é Lógica:

1. O ser humano é mortal.

2. Eu sou um ser humano.

3. Logo, eu sou mortal.

Agora compare:

1. Maria é mãe de Jesus. [Suposição]

2. Jesus é Deus. [Suposição]

3. Maria é mãe de Deus. [A conclusão está correta, mas se baseia em premissas infundadas, não demonstráveis, ou, no mínimo, duvidosas.]

A valer a sua lógica cristã, você teria que aceitar essa:

1. Deus é amor.

2. O amor é cego.

3. Stevie Wonder é cego.

4. Logo, Stevie Wonder é Deus.


Anúncios

13 Respostas

  1. “Mas foi constatado pela NASA, a pedido da Igreja, que aquele pedaço de pão havia, de fato, se convertido em carne humana.”

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Faltou falar qual era o corte.. seria filé ou coxão duro?

    Vou passar o dia inteiro rindo disso…

  2. Tudo isto é perfeitamente racional e lógico. Eu não consigo pensar em outra maneira de deus demonstrar sua existência senão transformando pedaços de pãos em carne humana.

  3. Gosto da passagem de “Deus um delírio” que transcrevi aqui: http://coisafilosofica.blogspot.com/2010/02/ateu-gracas-deus.html

  4. Homens sem fé. Daqui há pouco também não vão acreditar que todos os dias acontece o milagre de os padrecos transformarem uma hóstia em um pedacinho de contra-filé do todo poderoso. A prova de que este mini bifinho é gostoso é só observar que os crentes chegam a fechar os olhos de tanta emoção.

  5. Carlos Mello: “A prova de que este mini bifinho é gostoso é só observar que os crentes chegam a fechar os olhos de tanta emoção.”

    De emoção ou de repulsa inconsciente?
    :p

  6. Lógica é isso:
    Premissa 1 – Maria é a mãe de Jesus
    Premissa 2 – Jesus é o filho de Deus
    Premissa 3 – Jesus é Deus (e vice-versa)

    Conclusão: Hmm…

  7. Coisa de bárbaro mesmo este Cristianismo. Só a anestesia da tradição faz alguém achar normal comer o corpo e beber o sangue do seu próprio Deus.

  8. Muito bem bolado. Parabéns.

  9. tudo isto é simbólico

  10. Claro que é simbólico, nada disso existe!

  11. Gostei do cara da Nasa… Deve ser o mesmo que falou que a áurea do Xico Xavier era a maioral, a mais fodona…
    Enfim, esse povo é cheio de lógicas sensasionalistas, que só fazem sentido na cabeça limitada deles…
    Eu queria saber, alguém enfiou o dedo na cavidade vaginal da Senhora Maria, para saber se o Hímem dela estava de fato intacto, comrpovando assim sua virgindade?
    Hoje em dia se uma pessoa sai por aí gritando que esta grávida de um espírito santo ela é tachada de louca, antigamente a pessoa era Santa…
    Que bom que evoluímos…

  12. Prova irrefutável da existência de Deus, em três passos:

    1) Deus, se você existe, não me dê absolutamente nenhum sinal.

    2)

    3) Portanto, Deus existe.

    Prova 139 em http://www.godlessgeeks.com/LINKS/GodProof.htm

  13. Engraçado como os crentes dizem que os dogmas são meio que “revelações divinas”. O dogma da Assunção de Maria advém de uma balela inventada mais de 600 anos depois de Cristo. No século passado é que o Papa, na década de 50, declarou que isso era um dogma. Excelente fundamento para uma verdade de Deus, não é mesmo?
    Meu blog: http://historiaereligionis.wordpress.com/

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: