De olhos bem fechados (2ª parte)

Ajudando Deus a ser Deus

Se você é mesmo crente em Deus, é mais do que certo que se utilize daquele que é o mais requisitado serviço prestado por ele: o atendimento a orações. Eu acho que Deus, mesmo tendo construído o universo, não teria muito cartaz com o ser humano se não tirasse um tempinho do seu expediente de 24 horas para fazer seus favores divinos, que vão de tudo a qualquer coisa; do que há de mais básico ao que há de mais absurdo; do pedido mais nobre à mesquinhez pura e simples.

Você nem se toca, mas você pede, pede, pede, pede, pede o tempo todo. Pede tanto que se Deus tivesse um saco finito, pode apostar que já estaria cheio só com os seus pedidos. Você pede a Deus para que não chova; pede para que chova; pede para conseguir um emprego; pede para ser promovido; pede para ganhar na loteria; pede para o seu time ser campeão; pede para o avião não atrasar; pede para atrasar um pouco, para que dê tempo você embarcar; pede para passar no vestibular; pede para não ser assaltado; pede para não estar grávida; pede para estar grávida; pede para não adoecer; pede para se curar; pede para emagrecer; pede para parar de fumar; você pede tanto que chega a dar abuso!

Deus deve te achar tão dependente que deve ter se arrependido de ter te dado um cérebro tão grande, pois só a boca já seria o bastante. Eu só não consigo entender como você não enxerga o fato de que Deus não poderia atender às suas preces, mesmo se ele existisse. O que o coitado iria fazer se duas pessoas religiosíssimas estivessem pedindo coisas diferentes com relação a um mesmo objeto? Digamos, a mãe pedindo para a filha arrumar um marido rico e ser dona de casa, enquanto o pai ora para que ela o substitua à frente dos negócios da família. O que Deus deveria fazer? Tirar par ou ímpar? E se cinco rapazes pedissem para namorar a mesma garota? Fazer um sorteio? E se 70 candidatos orassem fervorosamente pela mesma vaga num concurso público? Deus deveria dar a vaga ao que tirasse a maior nota? Hehehehe… Eu acho graça… Você nunca parou pra pensar nisso, né? Claro que não. Não se pensa a respeito desse tipo de coisa. Não é assim que funciona. Eu vou dizer como funciona.

Você quer uma coisa. Você faz uma oração pedindo a Deus para que lhe dê essa coisa. Se você consegue, Deus atendeu à sua oração. Se não consegue, você inventa uma desculpa. Sempre foi assim e vai continuar sendo. É um jogo de faz de conta e, para acreditar em Deus, é preciso jogar.

Deus não atende às suas preces porque ele não existe. Como você quer (e quer muito) que ele exista, você faz de conta que ele atende. Você tanto pode agradecer a Deus pela sua mesa farta, pelo seu carro 0km, ou por ter saído ileso, junto com sua família, de uma favela perigosíssima na qual entrou por engano, em plena madrugada, com seu carro importado; como pode achar que Deus está lhe testando, se não tem o que comer, ou que tem outros planos para a sua vida se você só anda em ônibus lotado. E se não tivesse saído incólume daquela favela perigosa, se tivesse sido baleado, ou sua esposa morta, ou sua filha estuprada, antes que alguns traficantes o tivessem, enfim, liberado para ir embora a pé, você teria sempre como desculpar Deus por não ter feito a parte dele protegendo um crente tão fervoroso quanto você. Há, sim, sempre uma desculpa engatilhada: Deus escreve certo por linhas tortas, foi obra do “Inimigo”, foi o livre-arbítrio dos homens, foi uma provação como as de Jó, foi uma punição, foi o diabo a quatro, mas Deus ainda está lá no Céu.

Em contrapartida, você nunquinha vai dizer algo como: “Veja como o meu Deus não deixa nada de mau me acontecer: eu vou tomar esse veneno aqui e vai ser que nem tomar suco de uva”. Não, você não iria fazer isso… “Não porás teu Deus à prova” deveria ser um dos mandamentos.

Ah!, ok: tem gente que toma veneno e não morre por causa da fé. Tá bom. Mas você tomaria meia xícara de veneno? Não, eu sei que não tomaria. Mas tem gente que toma por você para provar que Deus protege os que — como você — têm fé, para mostrar que Deus é fiel e tal… Tem gente que faz isso mesmo. Mas você não. Ok. É a terceirização da fé. Acho que Deus entende. Pelo menos você deveria torcer para que ele entendesse, porque você mesmo nunca que vai beber veneno, nem se arriscar numa favela de madrugada contando apenas com a proteção divina. Isso porque você, no fundo no fundo, desconfia que Deus seja mesmo uma ilusão.

Mas você quer (e quer muito) que ele seja real. Assim, embora você nunca se atreva a “pôr o seu Deus à prova” — protegendo-se por conta própria de perigos e evitando atitudes suicidas como a de beber veneno, tal como qualquer ateu, ou como qualquer pessoa em seu juízo perfeito faria — , se nada de mau lhe ocorresse numa situação em que você não deveria esperar outra coisa, então você “sente” a proteção divina. Percebeu o jogo de faz de conta?

Pois eu percebi.



 

<< Início.

Anúncios

9 Respostas

  1. Gostei do texto. Há algum tempo atrás comeceu a fazer esses questionamentos sobre a veracidade das orações. Acontece que as pessoas tem medo de parar e pensar sobre esses assuntos temendo uma “punição divina”

  2. Aprendi com Jesus que Deus sempre responde orações:
    http://www.jesusandmo.net/2006/12/11/wait-2/

  3. […] 2ª parte – 3ª – 4ª – 5ª – 6ª – 7ª – 8ª – 9ª – 10ª – 11ª – 12ª – 13ª – 14ª – 15ª – 16ª – 17ª – 18ª – 19ª – 20ª – 21 ª – parte final […]

  4. Aqui, cabe repetir o que escrevi no outro comentário da parte 1:

    O fato de existir confusões no entendimento de Deus não é prova de sua inexistência. Nessa parte do texto, você pegou um amontoado de opiniões e atitudes despropositadas que alguns tem com relação a Deus, resultadas das interpretações erradas de crentes que, apesar de crentes, fazem uma ideia muito superficial do que seja Deus, e daí você acredita que com isso provou a inexistência de Deus e o despropósito da religião.

    Na verdade, o que você apresentou e rebateu é apenas a superfície do problema, que, de maneira alguma, refle a base filosófica que sustenta no pensamento humano a crença em Deus.

    É o mesmo que dizer que a matemática é um faz de conta e um mal que deve ser extirpado, só porque o açougueiro da esquina acha que a raiz quadrada de 36 é 12. Se você quer combater a matemática, não é com o açougueiro da esquina que você tem que discutir.

    Para combater a ideia da existência de Deus, você deve discutir com quem realmente estudou e meditou sobre o assunto: Sócrates; Platão; Aristóteles; São Tomás de Aquino; Santo Agostinho, Allan Kardec, entre outros.

  5. cara em uma coisa Jesus estava certo
    ‘conhecereis a verdade e a verdade o libertará’
    acho que vc me mostrou a verdade e eu me libertei de passar minha vida inteira acreditando em algo que não existe…. vc tem o meu muitíssimo obrigado
    pena que nem todos estão preparados para isso
    mas ainda imagino viver em um mundo sem religião
    seira o verdadeiro paraíso… :)

  6. Barros, parabéns, vc escreve muito bem!
    Sou cristão e em minha vida tive a oportunidade de conhecer boa parte dos seus argumentos. Sobrevivi a eles e continuo cristão.
    Talvez vc esteja dependendo demais dos seus sentidos, o que dificulta vc crer em algo “sobrenatural” ou “espiritual”!
    Espero que vc resolva isso um dia e possa conhecer e amar seu Criador.
    Abraços.

  7. Vcs acham q o mundo sem religiâo seria o paraíso? kkkkk Acho q não, viu, pq tem mt sangue ruim por aí q só nao sâo piores pq as crenças religiosas extirpam ou diminuem um poko o poder antissocial deles. Tem gente q só nao mata ou rouba pq teme o inferno. Eu tenho certeza q Deus existe, mas mesm q ficasse provado q ele é ilusao eu ainda defenderia religiao pq tem um lado útil de frear a malvadeza humana.

  8. Criaturo 2, você vai ao encontro do meu pensamento. O cristianismo tem um papel fundamental na regeneração do ser humano. Entendamos que na nossa época é mais fácil esse papel devido às mudanças dentro da igreja católica que, apesar de todas as outras denominações religiosas, ainda detém bastante influência. A aproximação do último papa ao povo torna a religião mais acessível, menos condensada nos dogmas e o amor que as pessoas têm a este líder nato (ainda bem que ele se tornou papa numa idade em que já não espera mais nada, em que as ambições na carreira se esfumaram por completo) pode conduzi-las a uma transformação radical. Através de um homem, neste caso, Francisco, há esperança para aqueles que já tinham desistido da ideia de Deus. Assim como Jesus tornou a ideia de Deus mais atrativa no seu tempo através do seu exemplo fraternal, assim o exemplo de Francisco poderá ajudar os casos mais desesperados a terem fé e a porem em prática uma alteração de conduta. Aliás, se todos os líderes das outras igrejas dessem o exemplo da caridade, do altruísmo, de uma vida sem ostentação tendo apenas o essencial para se viver com dignidade, haveria mais crentes não em milagres mas no poder de Deus.

  9. Tudo foi criado com um propósito, inclusive este texto. Qual propósito da sua vida? Analisar as coisas a partir de uma história e de um fato, saimos na vanguarda ricos em argumentos. O difícil é descrever a vida a partir do nada, a descrição mais sustentável e duradoura é a Bíblia. Logo o autor da mesma é um ser dotado de poderes.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: