De olhos bem fechados (15ª parte)

 

Como se Deus não existisse – parte 3

Como eu disse, você  não vai lembrar de Deus se estiver se afogando; como também não vai lembrar dele em nenhuma outra situação em que você esteja correndo um risco iminente de morrer, mas ainda puder fazer alguma coisa para se salvar por conta própria.

Eu já ouvi várias gravações de caixas-pretas em que os pilotos clamam por Deus, segundos antes de uma colisão com o solo ou com outra aeronave em voo. Mas só depois que não há mais nada que se possa fazer, ou só depois que não há mais tempo para fazer nada. Não dá para executar os “drills” ou “checklists” — os procedimentos pré-determinados que identificam e corrigem panes — em apenas alguns segundos. Também não dá para desviar uma aeronave de grande porte, em voo, de um obstáculo muito próximo. O piloto sempre vai acionar as superfícies aerodinâmicas que são responsáveis pelas mudanças de direção e altitude, mas por puro reflexo. É preciso tempo para que esses comandos alterem a atitude de voo da aeronave. E quando há tempo, eles também não lembram de Deus.

E por quê? Por que um crente fervoroso, que pede a Deus tantas coisas fúteis durante o dia, durante todos os dias ao longo da sua vida, que ocupa um Deus tão poderoso com coisas tão mesquinhas, não haveria de pedir que ele lhe salvasse a vida, quando a percebe em perigo por uma ameaça iminente? Por que um evangélico, um católico, um judeu não se abandona à vontade do seu Deus, que sempre o protege de perigos — segundo suas próprias convicções — para saber se ele o quer morto ou vivo? Por que tanta falta de confiança nesse pai celestial de cuja existência não se duvida?

Alguém, obviamente, poderia dizer que Deus nos “projetou” com o instinto de autopreservação justamente para que não ficássemos tão dependentes dele. Mas esse é só o “Deus das Desculpas” do qual já falei, que se alterna com o “Deus-Que-Sempre-Ouve-Minhas-Preces”, orgulho dos cristãos, assim como o Clark Kent se alterna com o Super-Homem.

Mas o paradoxo do “crente que não acredita” permanece, pois ele não confia sua vida nas mãos do Senhor. Não enquanto puder usar suas próprias mãos para evitar a morte, que, supostamente, o levaria ao Paraíso. Vai entender…

Correndo o risco de ser chamado de presunçoso e arrogante, eu preciso dizer que tenho a resposta para aquelas perguntas. Eu sei por que os cristãos, em momentos cruciais da sua existência, quando poderiam e deveriam recorrer à sua divindade suprema, sagrada e multiuso, agem como se ela não existisse.


 

<< Início

Anúncios

6 Respostas

  1. […] This post was mentioned on Twitter by Mario Cesar, blog deusilusao. blog deusilusao said: De olhos bem fechados (15ª parte): http://t.co/2uVLzC9 […]

  2. Ei primo, vc não quer mais falar comigo?
    O que te fiz? Não precisa ser tão radical.
    Beijos!!!

    P.S.: Sonhei a noite inteira com vc.

  3. Hummmmmmm abre o jogo ai Érica.

    O amor é lindoooooo

  4. Ei primo, quem é esse cara aí heim. rsrsrsrsrsrsr

    O amor é lindo mesmo !!!!
    Vc retitou aquele comentário do ano passado sobre nós?

  5. realmente, recorremos à um ser invisível apenas qndo sabermos ser a ultima alternativa.. como se não tivessemos nada a perder…

  6. Em um acidente de avião famoso, a caixa-preta revelou que os pilotos apelaram mesmo foi para palavrões no final. Modeus e Nossinhora poderiam ter sido interjeições alternativas.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: