DEUS – Manual do Usuário [Cap. 4]


.

Manutenção da Carga da Bateria

O processo de instalação automática de Deus numa criança que teve a sorte de nascer num país cristão (ou, pelo menos, no seio de uma família cristã) dura até à sua segunda infância, e é nesse período que a bateria recebe sua primeira carga, chamada de carga basal

A carga basal não chega nem a 5% do total da capacidade da bateria, pois serve apenas para manter Deus rodando no cérebro, num estado chamado de idle, termo técnico inglês que pode ser traduzido, mais ou menos, como em ponto morto. Como ninguém usa Deus para praticamente nada nessa fase da vida, a não ser para coisas como agradecer pelo almoço e por ter uma família feliz e saudável, essa carga inicial é o bastante nesse estágio.

Depois dos 5, 6 anos, a carga basal não é mais suficiente para manter Deus em operação. Nesse ponto, a família (e, na maioria das vezes, a sociedade em geral) se incumbe de completar a carga da bateria até os 100%, chamada de carga virgem. É a primeira e única vez em que a bateria é carregada na sua capacidade máxima. Até os dez anos, a criança tem certeza da existência de Deus (assim como tem certeza, também, da existência do Papai Noel); depois disso, em virtude da quantidade de informação e de todo o conhecimento científico danoso que lhe são inseridos no cérebro, pela nossa sociedade moderna, a bateria divina sofre um dano irreversível em algumas de suas células, não podendo mais ser completamente recarregada.

A quantidade de células danificadas é diretamente proporcional ao conhecimento adquirido, ao longo da vida, e à racionalização desse conhecimento, contraposta à doutrinação religiosa. Quanto mais instruída uma pessoa é, e quanto mais tenta racionalizar a sua religiosidade, menor será o percentual de carga máxima da sua bateria. Por exemplo, um agricultor analfabeto pode carregar sua bateria até cerca de 99%, enquanto uma pessoa com doutorado em biologia não consegue ir além de 60%.

Importante!

Para que Deus opere normalmente na sua vida, você precisará manter a carga da bateria acima de 90%.  

Esse percentual de manutenção da carga da bateria pode parecer alto, mas ele é facilmente mantido por um processo engenhoso chamado de autorrecarga induzida. Quando a carga da bateria atinge um percentual crítico (acima de 60%), basta que o usuário se certifique de estar sempre em contato com vários outros usuários, que sua bateria será mantida num nível de carga seguro para a operação do equipamento. Entretanto, a autorrecarga induzida só funcionará a contento se o usuário não intercalar entre elas um espaço de tempo superior a uma semana, donde o costume da missa dominical, tão arraigado nas sociedades cristãs.

No próximo capítulo, veremos que além da carga basal, da carga virgem e da autorrecarga induzida, existe ainda o carregamento autônomo, também chamado de fé, ao qual se pode recorrer a qualquer momento, individual ou coletivamente, para manter a carga da bateria num nível operacional ideal para o correto funcionamento de Deus.

.

Anúncios

Uma resposta

  1. […] automaticamente e já se encontra pronto para uso, mas é necessário ler, o quanto antes, o Cap. Manutenção da Carga da Beteria, ou você poderá estar correndo o risco de se tornar um ateu e, assim, poderá estar dando um […]

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: