TRATADO DAS ILUSÕES – O Deus impossível

Ilusão é “o engano dos sentidos; uma falsa ideia, ou uma falsa crença”. O carimbo de  “falso”,  entretanto, parece estar, necessariamente, vinculado a um conhecimento prévio do que seria “verdadeiro”. Será, então, que só a posse de uma determinada “verdade” poderia capacitar alguém a identificar uma ilusão, um engano? E ainda: o que é isso a que chamamos de “verdade”? 

Intuitivamente, consideramos algo “verdadeiro” ou “falso” baseados no nosso conhecimento, ou na confiança no conhecimento de outros. Mas essa confiança pode ser “traída”, e o nosso conhecimento depende dos nossos sentidos, que podem estar — e podem ser — enganados. (Logo, melhor ter cuidado ao empregar esses termos.) Tivesse eu nascido alguns séculos atrás, estaria andando sobre uma Terra plana, porque assim me iria parecer, e porque era assim que a todos parecia. 

Entretanto, para certas coisas, não há como não confiar nos nossos sentidos, aliados ao nosso conhecimento de mundo. Se alguém me mostra, por exemplo, uma caixa de sapatos e me diz que dentro dela há vários maços de notas, totalizando 5 mil reais, eu posso até duvidar, mas não posso descartar a afirmação como falsa, como poderia facilmente fazer se, em vez de 5 mil, a pessoa tivesse dito 5 milhões. Pelo meu conhecimento de mundo — as dimensões que têm uma cédula e uma caixa de sapatos; a certeza de que não existe uma nota de real com valor superior a 100 reais — e pela visualização mental do volume que teria uma pilha de 10 notas de 100: mil; um pacote com 10 pilhas de mil: 10 mil; 10 pacotes: 100 mil…, eu seguramente me permitiria concluir que, ali naquela caixa, não poderia caber 5 milhões de reais, e que, portanto, a afirmação seria falsa.

Um simples raciocínio (nesse caso, imune a qualquer falha dos sentidos) bastou para que eu identificasse a alegação feita como “falsa”, mesmo sem precisar conhecer a “verdade”: quanto havia na caixa, ou, até, se havia mesmo alguma coisa nela.

Portanto, a percepção de uma ilusão não está necessariamente vinculada ao conhecimento de uma determinada “verdade”, mas sim à sua possibilidade de “ser” verdade. Foi por isso que a Fé cristã, testada por milênios contra as investidas da razão, aprendeu a blindar sua ilusão da ação destruidora do raciocínio, e hoje adora o Deus do Impossível, que não faz o menor sentido, mas que, justamente por isso, é capaz de tudo.

Inclusive existir..


 

.

Anúncios

28 Respostas

  1. […] TRATADO DAS ILUSÕES … on TRATADO DAS ILUSÕES –…Valmidênio Barros on #6 Deus quer a […]

  2. Curioso isso: um sujeito NÃO acredita em Deus. Tudo bem, é uma posição DIGNA DE RESPEITO. Mas, voltando ao meu raciciocínio: é curioso que um ateu perca TANTO TEMPO tentando expor seus argumentos, a ponto de fazer um blog, abordando um tema sobre o qual ele NÃO crê…
    Cara, pare para pensar: você FALA mais em Deus do que muito padre, pastor, espírita, protestante etc…

    Um abraço,

    Raimundo Luís

  3. A descrença, filosoficamente falando, É UMA CRENÇA. Você CRÊ que não crê…
    Eu NÃO TENHO religião por considerar que NÃO NECESSITO dela para explicar o que sinto…. a fé, para mim, deve ser RACIOCINADA. É óbvio, a história mostra, que muitos usaram a religião com fins escusos… não cabe a mim discutir fundamentalismo…
    Eu NUNCA vi o ar, JAMAIS vi um perfume que exala uma flor. Nunca vi o amor, nem a raiva, nem a ternura, nem a amizade…
    E você, já sentiu ódio, amor? já sentiu uma bisa soprar? o odor de uma rosa? ou de um pum? já sentiu amizade? ou ternura?
    Certamente sim….

    Até o seu blog explica: você se preocupa tanto com o NÃO palpável, que até se dispõe a escrever diariamente sobre algo em que NÃO crê.

    PS: Eu GOSTO do seu blog exatamente pela CORAGEM de expor ideias contraditórias às minhas. O debate faz bem, não sou dono da verdade, nem pretendo ser.

    Um abraço.

  4. “A descrença, filosoficamente falando, É UMA CRENÇA. Você CRÊ que não crê…”
    Citando o Sr. K @nerdcast #263: “… Meu caro retardado.. Tu vai mal..”

    “a fé, para mim, deve ser RACIOCINADA”
    Se fosse racional, a fé deveria permitir questionar os dogmas. Sem questionamento, sem raciocínio.

    E sobre o assunto, poderia comentar ou veio só de verborragia?

  5. Vim debater em ALTO NÍVEL. Porém, como não encontrei nessa resposta tal nível, saio daqui dececpcionado como seu nível de debate…
    Por gentliza, SÓ RESPONDA a mim se for com EDUCAÇÃO, combinado?

  6. Eu vou comentar com o DONO do site, que me parece ser um cara EDUCADO, ao contrário de você…
    Aliás, eu lhe NÃO PROPUS debate algum, que nem coragem tem para se IDENTIFICAR, e precisa usar uma alcunha..

    NEM SE DÊ ao trabalho de replicar, ao menos que seja com EDUCAÇÃO e RESPEITO…

  7. “Por gentliza, SÓ RESPONDA a mim se for com EDUCAÇÃO, combinado?”
    E você só responda quando for relacionado ao tópico, que por sinal ainda não escreveu NADA sobre o assunto.

    Direitos de expressão para quem se expressa direito, EU apoio.

    Compre um cérebro antes de postar, alias…

  8. Crente é uma raça desgraçada mesmo. Faço uma citação ridícula, para combinar com versículos da bíblia ridículos que ele provavelmente vai usar, ficam logo putinhos…

    E EU vou falar sobre o ASSUNTO, o que me dá mais direito de comentar que você, crentinho:

    Caro Barros,

    Sobre o assunto, perceba que sua analogia da caixa tem uma deficiência: Ainda é sobre ‘A Verdade’. Por saber que uma parte da sentença não tem como ser verdadeira, utilizando simples questões de volume, você pôde então descartar a afirmação como um todo.

    Você não precisava daquela Verdade (os milhões), mas de alguma Verdade(o volume das notas de Real), para verificar que aquela primeira Verdade era uma grande Mentira.

    Assim sendo, se deuses operam milagres, mas nunca se viu um milagre, logo ou deuses nada operam ou deuses não existem…

  9. Caro Barros reflita sobre isso: A descrença não deixa de ser uma crença… você crê naquilo que descrê… rsrsrs
    Eu discordo das suas convicções e tenho certeza de que você recebe tal divergência com elegância.
    Um abraço.

  10. Zero_Anjo, pense (?) nisso: você NÃO está debatendo, você, na verdade, está dizendo AMÉM a tudo que o Barros escreve…

    Quando você pensar com a SUA CABEÇA, e não com a do Barros, sua diarreeia mental vai melhorar…
    Fique na paz, AME alguém e seja feliz.

  11. Por que um ateu escreve mais sobre Deus do que os próprios cristãos???

  12. BARROS CAMARADA EXCELENTE TEXTO.

    Ps: Não alimento os trolls .

  13. José escreveu:

    Por que um ateu escreve mais sobre Deus do que os próprios cristãos???

    Ah, essa é mole: porque os cristãos, como qualquer outro crente das inúmeras religiões que existem que adoram outros inúmeros deuses que também não existem, não se dão ao trabalho de raciocinar sobre esse Deus que eles juram que existe, embora nem eles mesmos acreditem piamente nisso. Já ouviu aquele ditado: “Confia em Deus, mas tranca o teu carro”??? rsrsrsss Pois é.

    Você confía em Deus, Deus te ama e te protege, mas, por algum motivo, você age como se ele não existisse, não te protegesse e não te amasse. Que ES-TRA-NHÔ!!!

  14. Raimundo Luís escreveu:

    A descrença não deixa de ser uma crença… você crê naquilo que descrê… rsrsrs

    Meu nobre, continue se valendo da sua verborragia, continue fazendo esses malabarismos com as palavras, porque é só mesmo no mundo das palavras que Deus existe.

  15. Raimundo Luís:

    Eu NÃO TENHO religião por considerar que NÃO NECESSITO dela para explicar o que sinto…. a fé, para mim, deve ser RACIOCINADA.

    Fé e raciocínio se excluem mutuamente. Se você se fiasse no seu raciocínio para “ACREDITAR” na existência de Deus, você não precisaria “ACREDITAR”, você, simplesmente SABERIA. Adeus, fé: eu sei que Deus existe.

    Eu NUNCA vi o ar, JAMAIS vi um perfume que exala uma flor. Nunca vi o amor, nem a raiva, nem a ternura, nem a amizade…

    Eu também nunca vi Saturno com meus próprios olhos, mas não preciso ter “fé” que Saturno existe. Eu sei que existe.

    Até o seu blog explica: você se preocupa tanto com o NÃO palpável, que até se dispõe a escrever diariamente sobre algo em que NÃO crê.

    Como todo religioso que eu conheço, você também tem um pequeno problema de interpretação de texto. Deus é uma ilusão. É sobre isso que eu escrevo.

    Agora veja: se eu soubesse de um blog em que um cara parece sugerir que a GRAVIDADE é uma ilusão, que não existe e que é fruto da minha imaginação, garanto a você que eu não perderia meu tempo indo lá pra tentar convencê-lo de que a GRAVIDADE existe, sim; e de que ele é um idiota que não raciocina porque a GRAVIDADE é onipresente, e porque eu sinto a força da GRAVIDADE, etc.

    O verdadeiro motivo que faz você e outros crentes virem aqui é — sente-se… É que você também não acredita nesse seu amigo imaginário. Só finge que acredita.

    Você não está aqui para me convencer de que eu estou errado sobre Deus. Você está aqui para SE convencer de que Deus existe.

  16. Ta bom, permaneça na sua ILUSÃO, meu caro, de CRER que drescê… isso é uma crença sim… e Freud explica sua obsessão de LUTAR contra sua PRÓPRIA conscicência…você CRÊ na descrença… é muito louco isso!
    Na verdade você é FRUTO de certas vertentes religiosas que, em tempos de outrora, usaram Deus para se locupletarem…
    Aí a sua cabeça tacanha simplemente absorveu isso e o tornou um ser que PENSA que NÃo acredita em Deus… Freu explica…

    Deus é MUITO MAIS do que elocubrações humano-filosóficas… mentes obtusas, como a sua, estão apenas adormecidas…. você vai evoluir um dia, essa é a lei.
    No fundo você é um bom rapaz…

  17. O cara nunca viu Saturno mas sabe que ele existe… quem falou par você que Saturno existe? ah, sim, foi um cientista da NASA… mas ele VIU Saturno? E Marte? e a mais longínqua estrela?
    Barros, você fala tanto em argumento e me vem com um desses, tosco…
    Tudo é uma questão de filosofia, meu caro…

  18. Você CRÊ na DRESCRENÇA, alguém escrreveu, não lembro quem, isso no seu blog…

    CRENÇA:

    SUBSTANTIVO FEMININO

    ato ou efeito de CRER

    1 estado, processo mental ou atitude de quem ACREDITA em pessoa ou COISA (no seu caso, a COISA é o ateísmo…)

    2 fé, em termos religiosos

    3 convicção profunda (no seu caso, a DESCRENÇA)

    4 opinião manifesta com fé e GRANDE SEGURANÇA (no seu caso, o ateísmo…)

    Ex.: nossa c. é de que venceremos

    5 Derivação: por metonímia.
    aquilo ou aquele em que se crê; o objeto ou alvo de uma crença

    6 Rubrica: filosofia.
    no pensamento medieval, fé religiosa, convicção na doutrina e nos ensinamento sagrados, considerados compatíveis e coerentes com a reflexão racional

    7 Rubrica: filosofia.
    no empirismo moderno, disposição subjetiva a considerar algo certo ou verdadeiro, por força do hábito ou das impressões sensíveis

    FONTE: Houaiis Eletrônico

    Meu bom Barros, você CRÊ na DESCRENÇA sim…

  19. , quando eu entro num avião certo de que ele vai levantar voo, não é uma questão de filosofia. É uma questão de confiança no sistema que — mesmo contra a vontade dos religiosos que praticamente governavam as sociedades até poucos séculos atrás — promove o progresso e me dá toda a informação de que eu preciso e todo o conforto de que eu me utilizo pra viver minha vida. Que você, apesar de tudo, utiliza também.

    E é muita hipocrisia sua confiar nesse sistema para certas coisas e para outras não…

    Não acredita que Saturno existe? Muito bem. Você está proibido, desde agora, de viajar de avião, de usar a internet, de ver tv por satélite… e quando adoecer, corra pro quarto e ore ao seu “Papi”-do-Céu pra lhe curar. Também tá proibido de tomar remédio e de ir pra emergência!

    Ai, ai, ai, ai, ai!!!! Não me desobedeça, viu???!!!!

  20. Barros, eu, no caso, disse:

    E é muita hipocrisia sua confiar nesse sistema para certas coisas e para outras não…

    Ora mas se não é isso mesmo que os crentes já estão acostumados a fazer com o seu próprio livro sagrado!!!

    Como dizia minha avó: “Costume de casa vai à praça”!!!!

    KKKKKkkkkkkkk

  21. Continue da nua CRENÇA na DESCRENÇA, na sua verborragia e argumentos toscos… o popular “hove não molha…”
    Eu NUNCA li nem sequer uma linha da Bíblia, e nem situo Deus com essa SIMPLICIDADE INFANTIL que você utiliza para, CONTRARIANDO aquilo que está DEBTRO DE VOCÊ.
    Você parece uma criança ao citar Deus, colocando num termo que, de fato, alguns fundamentalistas o fazem…
    Porém, desde o século 17 que não se usa mais essa definição BABACA que você faz uso…

    ESTUDE um pouco com ISENçÃO científica que MUITOS ateus cientistas, ou não, fazem e DEIXE DE LADO essa postura IINFANTIl de CRIANÇA que tem mEDO de olhar para DENTRO DE SI…

    Você é PATÉTICO ao colcar TODOS os cristãos no mesmo saco. A diversidade existe, e NEM TODOS os cristão têm essa postura que você tão TOSCA e INFANTILMENTE divulga nesse site.

    Eu conheço alguns ateus, uma dela é minha AMIGA. Ela é jovem, tem 20 anos apenas e tem uma visão MUITO MAIS extensa e FUNDAMENTADA do que a sua….

    Você é PATÉTICO, tem MEDO de OLHAR-SE internamente…

    Um abraço

  22. Meu bom Barros, seu site é interessante, embora seus textos se baseim em argumentações bastante ultrapassadas, há pelo menos 4 séculos!
    Parece-me, você, um fundamentalista ao contrário…
    há aqueles sujeitos que “encasquetam” numa visão obtusa da esperitualidade, em bases frágeis e arcaicas…

    Pois você faz isso, só que defendendo o ateísmo, perdoe-me a analogia…

    Fé e ciência andam JUNTAS… o seu embasamento chega às rais da infantilidade, quando você utiliza uma postura de achar que todo cristão age da mesma forma em relação a própria espiritualidade.

    Você incorre no MESMO equívoco de alguns cristãos que JUNTAM NO MESMO SACO ateus, situando-os como maus…

    Um abraço e cerque-se de argumentos mais sólidos para fundamentar suas ideias, e não apenas creia na descrença… isso é patético.

  23. Meus argumentos estão ultrapassados há 4 séculos? Mas que ótimo, porque eu achava que eles já estavam ultrapassados há, pelo menos, uns 4 mil anos. Kkkkkkkkk. O problema é que Deus é um adversário tão fraco que ninguém precisa se preocupar em criar armas novas para exterminá-lo, pois as antigas funcionam direitinho.

    E entendo quando vc diz que fé e ciência andam JUNTAS. Quando um cristão sofre um acidente grave, ou quando é acometido de uma enfermidade perigosa, ele corre para os hospitais, pedindo para que Deus o salve. Ao que parece, Deus mora nas igrejas e dá expediente nos hospitais.

    E já que vc mencionou que eu não uso nenhum “argumento sólido”, bem que podia aparecer por aqui com um, pra eu ter idéia de como é que eles se parecem.

    Um grande abraço, e que Deus te proteja. Mas, na dúvida, olhe sempre pros dois lados antes de atravessar uma rua. E faça um plano de saúde, que eu acho que Deus só cura quem tem convênio.

  24. O seu maior equívoco é achar que, devido a um pensamento MUUUIIIITO ultrapassado, de que somos bonecos sem livre arbírtrio. Nós somos sim, responsáveis, por nossos atos.

    Definitivamente NÃO somos meros bonecos

    Muitas vezes Deus PERMITE certos atos abomináveis, em nome de algo que não sabemos…

    Não termos explicação para tudo NÃO significa que NÃO haja explicação…

    Essa fonte na qual você bebe é simplista demais, infantil até, baseada na sua IMENSA dificulade de, repito, ENCARAR a sua PRÓPRIA essência, que é a MESMA de TODOS nós: essência divina.

    A existência de Deus NÃO nos livra de NOSSAS responsabilidades.

    Sua visão, repito, se baseia numa argumanto ULTRAPASSADÍSSIMO…

    è claro que, se eu me jogar do vigésimo andar, sofrerei as consequências: sofremos CONSEQUÊNCIAS de TUDO, e aí reside a grandeza de Deus: PERMITIR a nossa evolução baseada nos nossos tombos…
    Se você tivesse um MÍNIMO de vontade de ler algo contrário às suas convições, pelo menos para ENXERGAR que existe MUITO mais do que essa maneira simplista na qual você coloca as coisas, sugeriria a leitura de QUALUER obra do Chico Xavier. Você veria, até para DISCORDAR, que DEFINITAVENTE, a SUA visão de não crença (LEGÍTIMA, afinal, temos livre arbítrio) mas sua visão é ultrapassada, por situar todos os cristãos num mesmo balaio… isso equivaleria a uma analogia ERRÔNEA que, nós cristãos, poderíamos ter sobre o caráter dos ateus: (talvez alguns tenham, eu NÃO TENHO)
    Um abraço,

  25. escreveu:

    Eu NUNCA li nem sequer uma linha da Bíblia, e nem situo Deus com essa SIMPLICIDADE INFANTIL

    Eu estou até curioso pra saber como vc tomou conhecimento de Deus, se nunca leu nada da Bíblia. Você tem fé na fé que os outros têm em Deus? É o primeiro caso de fé ao quadrado com o que eu tenho contato. Fé x Fé. É estranho. É como você fosse um crente mutante: um X-Crente.

  26. Ia esquecendo de perguntar: como vc sabe o que Deus permite, se você nunca leu, segundo vc mesmo, uma única linha da Bíblia? Eu chamo isso como? Contradição ou mentira pura e simples? Eu perdoo você, porque você caiu de paraquedas no blog e, cetamente, não sabe como as coisas funcionam aqui. Mas eu devo dizer que vc não vai ficar muito tempo, porque vai perceber que essas suas declarações contraditórias e essa sua verborragia apoiada única e exclusivamente na vontade de estar dizendo alguma coisa não surte o menor efeito, e não faz a menor diferença, a não ser mostrar como os religiosos se desesperam quando suas ameaças de Inferno não amedrontam ninguém, e quando suas falas não são seguidas de uivos de “Aleluia”.

    Eu admiro vc, entretanto, no que diz respeito a essa sua comovente determinação em tentar defender seu Deus de papel. É claro que um Deus de papel precisa ser defendido, mas, aceite um conselho: tente, pelo menos, aparentar que tem algum motivo pra acreditar nisso. Assim, talvez, seu desespero fique menos evidente.

  27. Não estou nem nunca estive desesperado. Apenas não vejo nenhuma consitência nas suas convicções, tão frágeis como as de uma criança. Você continua confundindo religião com Deus… insiste em situar todas as vertentes religiosas como se fossem uma só…. Sugiro que você embase seus textos depois de ler, por exemplo, O Livro dos Espíritos, ou o O evengelho segundo o espiritismo. Mas o faça como eu faço com os seus textos: leio-os com atenção e respeito…
    Sugiro, também, que busque algo do Chico Xavier, um vídeo, por exemplo. Não estou fazendo proselitismo, só faço tais sugestões para ver se você para de generalizar….
    Você, se seghuir minhas sugestões, se manterá ateu, as pelo menos terá CONHECIMENTO DE CAUSA sobre as VÁRIAS visões acerca do mesmo tema.
    Você é um fundamentalisma às avessas, até agora só “choveu no molhado”. Fundamentalismo, não é nada bom, nem qualquer coisa em “ismo”.
    Eu não tenho medo de morrer, nem de inferno, nem de diabo etc… quanto a você, desconfio de que você MORRE DE MEDO de OLHAR DENTRO DE SI para se deparar com seus próprios temores…
    NÃO tenha medo,
    Um abraço e obrigado por MANTER nosso debate em ALTO NÍVEL, ao contrário de um tal de Seu_Anjo, para quem desisti de responder, tal o nível de grosseria dele…

  28. […] – O Deus impossível […]

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: