Deus, um acessório.

Image

(Parte 1)

Por Shirley S. Rodrigues

Qualquer um que afirme saber que Deus existe está mentindo. Conscientemente. Há um abismo intransponível entre tudo que sabemos que existe, por aferição direta ou indireta, e a intangibilidade completa e total de Deus. Qualquer um que, admitindo não saber, diga que acredita que Deus existe, está trapaceando. Consciente da impossibilidade de provar a existência de Deus, o crente propõe trocar o conhecimento pela , como se equivalentes fossem.

Tanto quem apregoa saber que Deus existe quanto quem diz acreditar na sua existência afirmam, também, que Deus é essencial à condição humana. Devido a essa qualidade, Deus deve ser amado e/ou temido, o que por sua vez implica que ele deve ser levado a sério. Para efeito de comparação, vejamos algumas coisas que todos sabemos essenciais à existência humana.

Alimento é essencial para vivermos. Sabemos que, privados dele por tempo suficiente, morreremos. Por essa razão, levamos o alimento muito a sério.

Água é essencial. Sem água, morreríamos por desidratação em poucos dias. Levamos a água muito a sério.

Oxigênio é essencial para nos mantermos vivos. É tão essencial que nem mesmo conseguimos voluntariamente deixar de respirar por mais que alguns poucos minutos. Nós levamos o oxigênio muito a sério.

Não há, entretanto, em lugar algum do planeta, um único indivíduo que se diga sabedor ou crente de Deus que o leve a sério.

Por sabermos que alimentos são essenciais para vivermos, seguimos os princípios básicos a eles relacionados: plantamos, cuidamos, colhemos, processamos.

Seguimos o princípio básico da água: procuramos as fontes, purificamos, sabemos que temos de deixá-la em condições de consumo.

Respeitamos também o princípio básico do oxigênio: não nos expondo a situações em que possamos ficar privados dele.

Quem, dentre os autoalegados sabedores ou crentes de Deus, sequer respeita o que supostamente é seu princípio básico?

Não há, em lugar algum do planeta, um único indivíduo que ame a seu Deus acima de todas as coisas.

O mais ortodoxo dos judeus segue os ritos não por amor incondicional a Javé. Ele o faz pelo temor do que lhe possa acontecer por desobediência a esses ritos. Em suma, um judeu segue os ritos por amor a si mesmo.

Os católicos nem mesmo levam em consideração a ordem de não fazer para si ou adorar ídolos outros. O que é o velório do “representante de Deus na Terra” além do ritual de adoração a um defunto? E seus infindáveis santos e santas, alguns deles cadáveres insepultos há anos, objetos de adoração, juntamente com suas imagens em gesso, ferro, ouro, etc.?

Image

Os evangélicos se pretendem mais puristas e, por isso mesmo, dão prova de não levar Deus a sério. A bem da verdade, quem eles não levam a sério é o “filho” de Deus, Jesus, que seria o próprio Deus para efeitos práticos. Pois não disse Jesus que seria mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus? Em face da operosidade dos membros das seitas protestantes e de sua determinação em acumular bens, até parece que eles estão decididos à desobediência aberta. Não que se os possa criticar. Como, para viver, o bom-senso é essencial, pragmaticamente ignoram os lírios do campo e adaptaram para si a máxima de dar a César o que é de César, ou seja, fiam e tecem para si, que Deus veste os lírios, mas não os humanos.

As testemunhas de Jeová dispõem-se a testemunhar umas coisas, mas não outras. Abstêm-se de votar, de participar de guerras, pois essas coisas são deste mundo e elas pertencem a outro, o Reino de Deus. Enquanto esperam o Dia do Julgamento Final, que de alguma maneira confusa parece ter-se iniciado em 1914, elas vão vivendo substancialmente com as coisas deste mundo mesmo. Recusam tratamentos que envolvam transfusão de sangue, baseando-se em alguma interpretação bíblica datada de milênios, mas aceitam os demais. Se coerência fosse o fiel da balança, deveriam abster-se de tudo do “mundo” e confiar na intervenção divina somente. Algo na linha “Olhai os lírios do campo”.

Anúncios

243 Respostas

  1. Barros, você está precisando de colaboradores, ainda que ateus, mais eruditos.

    Shirley,

    O seu texto está totalmente arraigado na unilateridade, além de demonstrar raso conhecimento dos fatos. Está como que uma salada mista, um amontoado de falso conhecimento teológico, filosófico e religioso.

    Você escreve bem, mas raciocina com um único olhar. Nenhum texto que se propõe reflexivo, abandona o dom de causar dúvidas, portanto, considero seu texto um simples comentário exatamente igual a tudo que você fala todos os dias aqui no blog. Nada de novo, nada de mais profundo ou pesquisado. E pouco criativo, além de sem referências e sem sal.

    Entretanto, como gosto de analisar textos, vou comentá-lo mais tarde e mostrar como você se saiu mal dessa vez,

    Um abraço..

  2. Eu achei o texto dela “irrespondível”.

    Se você tem os argumentos certos para desbancar esses, Day, por favor, espere ela publicar os dois textos que faltam, escreva o seu, ponha um pouquinho de sal e mande pra mim, que eu publico também.

  3. Sobre as “referências”… ora… eu acho que eu posso “avacalhar” Deus, Jesus, o Espírito Santo, a Virgem Maria e todos esses outros personagens ridículos sem precisar recorrer a nenhum filósofo grego, nem a nenhum cientista contemporâneo. Obrigado.

  4. Analisando o texto “Nada de novo”:

    “Qualquer um que afirme saber que Deus existe está mentindo.”

    R – Qualquer um que afirmar que Deus não existe, pode também estar mentindo. Fato: nenhum ser humano, até hoje, teve tecnologia ou sabedoria suficientes para neutralizar a ideia de Deus.

    “Consciente da impossibilidade de provar a existência de Deus, o crente propõe trocar o conhecimento pela fé, como se equivalentes fossem.”

    R – Da mesma forma, o ateu não tem possibilidade de provar que Deus não existe, ora. O crente não quer trocar a fé por conhecimento. Ele apenas pode e deve estudar as coisas. E, de longe, um crente sério tem mais bagagem que um neoateu, já que, livre de ideais radicais, o crente acumula fé, conhecimento e sabedoria. E isso significa que há mais conteúdo em um que no outro. Sejamos sinceros e respeitemos os fatos. Enquanto o neoateu só olha em uma direção, os outros homens estudam, leem, e apreciam toda a Filosofia disponível, sem precisar da religiosidade perniciosa, e sem perder a fé.

    “Tanto quem apregoa saber que Deus existe quanto quem diz acreditar na sua existência afirmam, também, que Deus é essencial à condição humana.”

    R – Não sei de onde você tirou essa ideia. Na verdade é uma conclusão que saiu de sua cabeça, a menos que houvesse uma fonte de pesquisa; mas não há, pelo simples fato de que isso é mentira. Deus não é essencial, tanto que existem ateus em toda parte. O crente que afirmar isso toma chibatada filosófica até de mim mesma, pois, ao contrário de você, eu tenho a capacidade de olhar para todos os lados. Não tolero burrice e nem hipocrisia, seja de quem for. Crente ou ateu.

    “Água é essencial. Sem água, morreríamos por desidratação em poucos dias. Levamos a água muito a sério.”

    R – Todo ser humano leva a água e tudo mais que é necessário à sua sobrevivência, muito a sério. Esse argumento destoa de qualquer intenção sua em ‘desmascarar’ o crente. Mas se a intenção era ‘provar’ que Deus deveria ser como o oxigênio, a água e o alimento para o crente, Ele, de fato o é. As pessoas que vivem pela fé, acreditam em duas vertentes: Uma, que Deus criou a natureza, logo a natureza, o ar, o alimento e a água são de Sua propriedade; e segundo, acreditam que Deus, dando tais condições de vida, torna-se essencial, mas de uma forma absoluta, pois o crente praticante e sincero, tende a agradecer pela vida.

    “Não há, em lugar algum do planeta, um único indivíduo que ame a seu Deus acima de todas as coisas.”

    R – Está mentindo, porque não sabe do que fala. Por isso, antes de produzirmos um texto pretensamente filosófico (reflexivo), é preciso que nos atenhamos a fatos. Dentre bilhões de religiosos, eu garanto que há um número significativo de gente que põe Deus em primeiro plano, e nem estou falando de fanatismo. E mesmo que usasse esse argumento, ainda assim deveríamos levar em consideração que o indivíduo, mesmo fanático, põe Deus acima de tudo. Se ele está certo ou errado, não importa, o que vale é aceitar honestamente que há quem leve Deus s sério e que O coloca acima de tudo sim. (Esqueci que você não respeita a Estatística).

    “O mais ortodoxo dos judeus segue os ritos não por amor incondicional a Javé. Ele o faz pelo temor do que lhe possa acontecer por desobediência a esses ritos. O faz, em suma, por amor a si mesmo.”

    R – Nota-se que você, mais uma vez, não pesquisou. Conheço judeus praticantes; garanto que não existe esse temor todo aí. nem dá para comentar tamanho disparate. Quando a Madonna quis praticar o Judaísmo, ela descobriu que este era algo especial e que não estava disponível para qualquer um, muito menos um neoateu. Por isso, aconselho a se aprofundar um pouquinho mais nos estudos da Torá, para não falar tolices. O judeu é um povo altruísta entre si, até mesmo financeiramente. e até mesmo para quem não é judeu. Na faculdade 4 deles pagaram o semestre de uma pessoa que estava em dificuldades. Portanto, ele não pensa só em si, de forma alguma é correto afirmar tal coisa.

    “Os católicos nem mesmo levam em consideração a ordem de não fazer para si ou adorar ídolos outros. O que é o velório do “representante de Deus na Terra” além do ritual de adoração a um defunto? E seus infindáveis santos e santas, alguns deles cadáveres insepultos há anos, objetos de adoração, juntamente com suas imagens em gesso, ferro, ouro, etc.?”

    R – De novo, a falta de conhecimento teológico. Apesar das divergências entre católicos e outros cristãos, devo salientar que rituais de velório sempre fizeram parte da jornada humana. Povos antigos punham seus mortos em fogueiras e os levavam ao mar; outros incineravam em terra; outros davam lugar de honra por saber que seriam seus antepassados. Sem falar nas Tumbas de Faraó. Por isso, usar desse argumento para desmentir a Igreja, não é válido, se formos levar a sério. Melhor buscar fatos mais contundentes, estudar mais a fundo e poderá voltar com argumentos bem mais difíceis de refutar.

    “Os evangélicos se pretendem mais puristas e, por isso mesmo, dão prova de não levar Deus a sério. A bem da verdade, quem eles não levam a sério é o “filho” de Deus, Jesus, que seria o próprio Deus para efeitos práticos. Pois não disse Jesus que seria mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha…”

    R – “Evangélicos”? Filha, os ‘evangélicos’ são apenas e tão-somente desdobramento de Lutero que causou dissidências na Igreja Romana, por não aceitar, dentre tantos equívocos, a venda de indulgências, crematório de ‘bruxas’ e hereges, etc. Você querer incendiar uma dissidência, não ajuda em nada em suas argumentações, até porque, mesmo no meio evangélico há diferenciações. Esses aí citados (neopentecostais), que só pensam em dinheiro (segundo você), são fruto de uma sociedade pós-moderna e altamente voltada ao consumismo imediato, portanto, é um fenômeno muito mais antropológico que religioso.

    Quando Jesus fez a analogia do buraco da agulha, Ele estava se referindo às seitas da época, aos judeus afastados da Torá e voltados ao capitalismo desonesto, por influência de outros povos, principalmente os Romanos. E “agulha” eram fendas que existiam nos muros da cidade, para que os camelos passassem sem alforges de riquezas e mercadorias, em direção ao Templo. (Só para ilustrar).

    “Em face da operosidade dos membros das seitas protestantes e de sua determinação em acumular bens, até parece que eles estão decididos à desobediência aberta.”

    R – Se queres se expressar em um nível mais inteligente, é necessário saber que o Protestantismo não é “seita”, uma vez que foi oficializado na época de Lutero. Para escrever textos alusivos à fé e religião, ainda mais as abraãnicas, é essencial ter um mínimo de conhecimento. Por isso digo sempre que a pesquisa é fundamental para se escrever qualquer artigo, ainda mais desse peso. Talvez você não tenha a pretensão de se tornar escritora – mesmo de crônicas ou rápidos artigos na internet -, mas fica a dica: pesquisar sempre!

    Quanto à seita (esta sim, uma seita) Testemunhas de Jeová, vou me abster de comentar, por hora. Não são cristãos, portanto fogem ao meu interesse.

    Continue escrevendo, mas com menos parcialidade, pois a repetição, no indivíduo, é prova irrefutável de tolice, o que não é o seu caso.

    Abraço..

    .

  5. “Sobre as “referências”… ora… eu acho que eu posso “avacalhar” Deus, Jesus, o Espírito Santo, a Virgem Maria e todos esses outros personagens ridículos sem precisar recorrer a nenhum filósofo grego, nem a nenhum cientista contemporâneo. Obrigado.”

    Se é só para avacalhar, ok. Então não diga que quer um blog sério.

  6. Correção: “AbraâMicas”

  7. Barros, a questão não é precisar de filósofo grego ou cientista, mas a questão é a mentira e omissão de dados corretos. Em outras palavras: desonestidade intelectual. truques baratos para seduzir incautos. Por isso comento, se alguém não tiver opinião formada, ao menos poderá apreciar duas alternativas de pensamento e ter ferramentas para detectar mentiras.

    Abraço..

  8. “Se você tem os argumentos certos para desbancar esses, Day, por favor, espere ela publicar os dois textos que faltam, escreva o seu, ponha um pouquinho de sal e mande pra mim, que eu publico também.”

    Desculpe, só vi agora. E desculpe, Shirley, eu não percebi que o texto teria continuação. De qualquer forma já está comentado, mesmo que preciptadamente.

    Barros, obrigada pela sugestão. :)

    Bom sábado a todos!

  9. Só mais uma coisa, querido. Não quero ‘desbancar’ nada, apenas criar uma pequena dialética para que possamos seguir pensando… ou avacalhando, não sou nenhuma santa. ;)

  10. Day

    Não se precipite em pedir desculpas, o texto continuará seguindo a mesma linha de argumentação.

    No mais, agradeço seus comentários; inadvertidamente você corrobora a minha “reflexão”, ponto a ponto.
    Eu quis exatamente demonstrar que todo crente está voltado às coisas práticas, em primeiríssimo lugar.
    Depois vem Deus. Apenas duas reparações: crentes dos mais diversos naipes dizem sim que Deus é essencial à vida; padres/pastores tomam isso ao pé da letra e nessa afirmação baseiam suas pregações.
    E não havia capitalismo na época em que se pretende que Jesus viveu; nem como sistema econômico nem sequer como conceito.

    P.S.: as Testemunhas de Jeová pulariam desta altura vendo você dizer que eles não são cristãos…

  11. Day

    Todos os que afirmam que Deus (ou similar), não existe, tem muito mais segurança para afirmar isso do que quem diz o contrário.
    A ausência total de quaisquer indicadores dessa existência é que nos dão tal segurança.
    Não por outra razão se faz a distinção entre fé e conhecimento.
    Veja um exemplo do pragmatismo de quem crê.
    Você escreveu:

    “…o Protestantismo não é “seita”, uma vez que foi oficializado na época de Lutero.”

    Quem oficializou isso? Deus? E note que foi preciso “oficializar” a coisa, foi preciso agir de acordo com as nada sacras relações de poder instituídas não por Deus, por óbvio, mas pelos seres humanos.

    Eu não disse que evangélicos só pensam em dinheiro. E muito menos dei a entender algum tipo de reprovação em acumular bens; expus um fato, nada mais.
    Basta observar que sociedades com preponderância de evangélicos, ou protestantes, (não apenas neopentescostais) têm em geral um nível econômico melhor que as católicas.

    E eu reafirmo que não há um único ser humano no mundo que ame a seu Deus acima de tudo.
    Tudo que qualquer crente faça, relativamente a isso, seja aautoflagelação, autoimolação, renúncia, prática de obras benemerentes etc., tudo está relacionado à visão que o indivíduo tem de si mesmo.
    Quando faz qualquer dessas coisas, o tal amor a Deus vem embalado na consciência de, para falar prosaicamente, como o individuo “vai ficar bem na foto”. De quanto ele está acumulando na milhagem para o Paraíso.

  12. Shirley,

    Sei que nessa época não era chamado de Capitalismo, mas certamente os impostos cobrados pelos romanos era a mais pura versão antiga do nosso atual sistema econômico que, como sabemos, esfola nossa pele com tantos impostos e tantos apelos consumistas. Não havia o papel moeda, claro, mas havia poder de compra pelas moedas de ouro e prata. Ou permutas. Inclusive nessa era a riqueza era a finalidade das guerras.

    E não, os Testemunhas não são, definitivamente, cristão. São ligados a seu líder, Charles Taze Russel, que nasceu em 1852, na Pensilvânea. Ele era de origem presbiteriana, depois largou o tradicionalismo cristão e migrou para a seita dos adventistas do sétimo dia. Discordando de muitos pontos, não ficou muito tempo em tal seita. Então, em 1872, reuniu simpatizantes de suas ideias e começou a organizar o movimento que, hoje, é conhecido com esse nome de Testemunhas de Jeová. (Escola de Teologia AGRADE).

    Em sua doutrina, que não vou explanar aqui, há apenas contradições às Escrituras originais dos hebreus. Sua ‘Bíblia’ tem várias modificações, adaptadas à seita. Quando digo que não são cristãos, não sou eu quem o diz, mas a Teologia Cristã.

    São muito espertos, decoram os versículos fundamentais para confundir até mesmo um cristão. Mas você insiste em dizer que são cristãos para ter base em seu texto, mas saiba que essa citação dos T.J. escangalhou seu texto, do ponto de vista teológico. Qualquer um que tenha um pouco de informação poderá desmascarar seu argumento de usar Testemunhas de Jeová num discurso crítico, mesmo sendo um discurso anticristão. Aliás, por isso mesmo não deveriam ser citados os Testemunhas de Jeová. Você tem muito que ler, Shirley, e estudar, para fazer reflexões anticristãs. Na boa…

    Se você não sabe NADA de Luteranismo e Protestantismo, assuma, em lugar de usar cinismo. As questões litúrgicas são tão sérias quanto quaisquer assuntos políticos do homem organizado. Deus nada tem a ver com essas questões, o homem tem consciência e inteligência para se organizar, sem falar do livre arbítrio. Entretanto, uma pessoa ateia escrever merda, coisas que não são verdadeiras, nem na História e nem na Teologia pode e tem que ser desmascarada. Não tente sair pela tangente!, em vários argumentos você usou de mentira e desinformação, levando o texto para seu lado pessoal, o que significa que não serve como exposição para o público. Mas aqui no Barros hehehe..

    Por isso, lidar com o neoateísmo demanda prática. É tanta falácia e desonestidade intelectual que chega a dar vontade de desistir. Pode até ser que você não entenda nada de religião abraâmica, mas parece ser o cúmulo da hipocrisia ousar escrever a respeito, se bem que aqui no Barros vale tudo.

    Eu vou adorar saber o que mais você tem a dizer em mais dois textos (!). Se falar mentira estarei aqui, calçada, não em mim, e nem na minha visão pessoal, mas na Teologia e na História das Religiões. Não estudei a toa, para ouvir tanta sandice e ficar calada. ;)

    “E eu reafirmo que não há um único ser humano no mundo que ame a seu Deus acima de tudo.”

    Você é muito revoltada mesmo. E acaba sendo burra em público. Não existe nenhuma tecnologia para sabermos os reais pensamentos do outro. Mal podemos administrar o nosso. E isso também é fato.

  13. “Basta observar que sociedades com preponderância de evangélicos, ou protestantes, (não apenas neopentescostais) têm em geral um nível econômico melhor que as católicas.”

    Aqui no Rio de Janeiro, na zona sul principalmente, está pau a pau a classe média alta e rica de protestantes e católicos. KD a Estatística, Shirley?!!!

    É tão fácil entender, mas a tacanha e pervertida posição neoateísta não se permite.

    Em todas as comunidades o fenômeno capitalista de enriquecimento pelo consumismo está estabelecido como a pós-moderna situação do homem, sociologicamente falando. Não só nas igrejas, mas em todas as comunidades. Advogados, contadores, médicos, filósofos, historiadores, doutores, pedreiros, arquitetos, vendedores ambulantes, enfim. Querer erradicar tal fenômeno capitalista e empurrar goela abaixo dos crentes é sacanagem.

    Por que você não escreve seus textos baseado-se no que você estudou e sabe? Melhor que falar de Teologia e Filosofia sem conhecimento. Se eu fosse atéia, ou neoateia, eu estudaria algo que me beneficiasse.

  14. Espero que não se sinta ofendida. Não é pessoal, são apenas análises frias do seu texto.

  15. Day

    Estude sistemas econômicos e seus fundamentos.
    Não sou eu quem diz que Testemunhas de Jeová são cristãs, mas elas mesmas; se você quer contraditar isso vai ter que se dirigir a elas, eu é que não vou me meter nisso, o Deus é de vocês, vocês que se entendam.
    Me atrevo a dizer que sei um pouquinho mais sobre luteranismo e protestantismo que você, mas não é esse o ponto; você novamente valida minha “reflexão”, demonstrando na prática como é que funciona a coisa toda. Todo mundo, católicos, protestantes, judeus, adventistas, batistas, testemunhas, etc.,etc.,etc., deveria se denominar apenas, sei lá, “Deusistas”. E praticar tudo que manda o manual, você sabe, apedrejar, guardar o sábado, largar pai e mãe, não roubar, não matar, não cobiçar a mulher do próximo, não adorar outros ídolos, não fazer imagens para si, ser manso, (se bem que esse último item entra em conflito direto com alguns dos outros) enfim, obedecer, levar Deus a sério.

    Sou eu quem pergunto cadê a estatística. Você seleciona um dado discrepante e quer fazer com que ele se torne média ou mediana?

    A propósito de Teologia , você não está falando sério, certo?
    Porque seria no mínimo bizarro eu considerar o argumento teológico.
    Sobre História e História das Religiões, sei o suficiente para estar segura do que falo.

    Eu não preciso ler pensamentos, só é necessario observar os fatos históricos e comportamentais.

    Ah sim, como não estou querendo converter ninguém, “aqui no Barros” já está de bom tamanho…

  16. Se é só para avacalhar, ok. Então não diga que quer um blog sério.

    Eu nunca disse, em lugar algum, que meu blog era um blog “sério”. Como alguém poderia chamar de “sério” um espaço que se dedica a analisar, discutir, ponderar e rebater as argumentações em favor do pulo que uma lenda quer dar para o mundo real?

    E outra. Eu acho comovente o esforço que o religioso faz para tentar se convencer (mais do que convencer aos outros) de que aquela lenda não é uma lenda… Porra, uma criatura onipresente e superpoderosa deveria ser uma coisa bem fácil de se encontrar! Mas vocês continuam apelando para as fontes mais improváveis; apontando para os argumentos mais sutis; revirando os campos mais longínquos da “psiquê” humana para encontrá-lo. É estatística pra cá; é lei da termodinâmica pra lá… Puta que pariu. Se Deus existisse, os crentes precisariam apenas de um delicado “Deus, aparece aí, porra!”, que o bichinho viria correndo, com o rabinho balançando. Afinal, Deus é ou não é um animalzinho de estimação de vocês?

    Pois eu acho que é.

    E quando um crente vem com esse papo de lei da termodinâmica pra me convencer da existência de Deus, eu mando logo se fuder! “Vá se fuder, rapá!!! Que porra de lei de termodinâmica!!! O Deus bíblico faz e acontece; manda anjo, manda dilúvio, manda praga; fala das nuvens, faz milagres, o caralho a quatro, e agora tu vem com essa de lei da termodinâmica!! Vá se fuder!”.

    KKkkkkk Tem horas que eu perco a compostura. É o estresse. Deus, faz um milagre aí, caralho.

  17. “Deusistas”, “neocrente”… Adoro neologismos! kkkkkkk

  18. Desculpa se eu for rude por esses dias, mas é que eu estou me curando de um baita de um FORA!! E tenho andando meio que… digamos… alto. Eu não sou de beber e, assim, quando bebo, já me altero muito.

    Por um lado foi bom porque ela é casada e uns 15 anos mais nova do que eu… Foi bom enquanto durou, e acabou tudo bem, sem ninguém chorando pelos cantos (no caso eu) e sem atitudes impensadas de marido ciumento (o que poderia acabar resultando no meu velório). Mas enfim. Um dia passa.

  19. Shirley,

    Se você sabe tanto sobre protestantismo e religião, exponha isso de forma clara e imparcial. Porque me pareceu bem contraditório você achar que deveríamos nos unir e sermos iguais (“Deusistas”). É IMPOSSÍVEL sermos iguais. Cada homem, cada digital, são únicos. Isso não é razoável numa discussão teológica, convenhamos.

    Honestamente, parece que você não sabe nada. Os rudimentos do nosso capitalismo atual não estão lá, nos tempos antigos? Quer dizer que inventamos o capitalismo a partir da revolução industrial? O que é o capitalismo senão “um sistema econômico em que os meios de produção e distribuição são de propriedade privada e com fins lucrativos; decisões sobre oferta, demanda, preço, distribuição e investimentos não são feitos pelo governo, os lucros são distribuídos para os proprietários que investem em empresas e os salários são pagos aos trabalhadores pelas empresas”?

    Esse conceito está em qualquer página do Google. Estudei administração no ensino médio, e o professor dizia que se há produção agrícola, oferta e procura, lucro e perdas e impostos a pagar, é capitalismo. Na antiguidade havia agricultores (empresários), venda e compra. Troque os escravos por empregados de carteira assinada de hoje. Ainda vejo escravidão… Portanto… a interligação é inegável, mas aceito sua visão se tiver.

    Tudo bem. Não é essa a questão principal em seu texto. Quanto à Estatística a mim cobrada, digo que não precisa nem ser Estatística, minha querida. Apenas o bom senso de uma criança bastaria para saber que não podemos afirmar que TODO MUNDO é assim ou assado. Isso é pobreza de argumento. Muito infantil, ainda mais quando você reitera a argumentação de que nenhum homem leva Deus a sério ou O eleva acima de tudo. Essa não é uma refutação de ‘crente’, mas do bom senso, o problema é que você só pensa haver dois caminhos: o famigerado neoateísmo e o igualmente famigerado ‘crentismo’. Que pena, há tanta coisa a mais entre o céu e seu cérebro…

    Quando o neoateu apela para coisas do tipo “Eu não preciso ler pensamentos, só é necessario observar os fatos históricos e comportamentais.”, ele está sendo tosquíssimo no seu pensamento. Fatos históricos que registraram fanatismos, equívocos, rudimentos e primitividades não lhe dão legalidade moral para generalizar a raça humana em seus costumes e idiossincrasias. O homem é um bicho que varia em suas classificações comportamentais. E que evolui também. Querer falar de religião, colocando todos ‘num saco’ é tão mentiroso quanto ímprobo; é torpe. É fanático aos olhos da Filosofia.

    Contudo, volto a repetir que você me faz pensar, ao menos parece ser mesmo séria quando diz essas coisas estranhas ao mundo intelectual.

    Abraço..

  20. Barros,

    “Eu nunca disse, em lugar algum, que meu blog era um blog “sério””

    Certa vez, quando coloquei ‘judeu ateu’ você riu e disse: “Assim não adianta querer ter um blog sério”. Eu acreditei, mas devia ser avacalhação. ;)

    Quanto a beber e ser rude, acho que você nem precisa beber kkkkk!

    Se a garota era mais nova 15 anos, deveria ser desses casos de homem amoral que pega ‘di menor’. Melhor procurar alguém de sua idade, Você me parece um bom rapaz. Já eu, se tivesse bebendo hoje, aff.

    E outra, só para registro: sinto muito, mas me recuso a fazer parte desse clube de crente o qual você esculhacha. Comigo o bicho pega, acho que por isso não sou religiosa. Nem santa, nem nada. Apenas quero a liberdade para pensar. Se a figura chega e me diz: “Otária, para de pensar, Deus não existe e a nossa origem não importa, bora gozar a vida e seus prazeres materiais!” Sei lá, acho muito pobre para meu gosto.

    Fica na boa.

  21. Assim não adianta querer ter um blog sério.

    Eu estava sendo irônico… rsrsss

    Otária, para de pensar, Deus não existe e a nossa origem não importa, bora gozar a vida e seus prazeres materiais!

    Bom… hoje não tô fazendo nada mesmo e estou me sentindo muito sozinho. Daí que vou discorrer um pouquinho sobre essa… como é o nome? Admoestação. Não gosto de palavras difíceis, mas, às vezes, são inevitáveis.

    Vamos lá. Primeiro de tudo: “Deus não existe” é um truísmo; tanto é que o crente precisa de sua fé para se ver livre dessa pulga intelectual; um incômodo inevitável, com os cumprimentos de nosso cérebro pensante.

    A nossa origem importa sim. E importa tanto que, mesmo milhões e milhões de pessoas ao redor do mundo alegando de pé junto “saber” a resposta, ninguém de juízo dá bola pra elas e continua-se investindo pesado em pesquisas.

    Gozar a vida é a única coisa inteligente que temos pra fazer enquanto estamos vivos. Bom, claro, alguém pode querer passar 40 anos sem abaixar o braço direito como uma prova de fé e amor a uma divindade, como é o caso de um “guru” na Índia, mas aí… cada um sabe de si…

  22. Vocês também podem ser curados dessa DOENÇA chamada ATEÍSMO …

  23. Eu não sei o que é pior: A DAy escrevendo o seu Evangelho ou
    ela supostamente refutando textos das outras pessoas.
    Só sei que não consigo ler mais de 5 linhas destas proezas intelectuais
    Sobre Teologia – ainda tem gente que tenta empurrar isso nos outros como sendo ciência (coisa séria) – Poderiamos também fazer teologia sobre Zeus, Shiva ou os Xmen, dá no mesmo, o que muda é a lenda
    TEo = NADA;,Coisa alguma ¨& logia = lorota, falácia, paoo furado
    = Porra Nenhuma sobre NADA

  24. O Barros , qual é aquele seu texto mesmo que um cara é torturado do lado de fora de um restaurante ou bar, nao sei! jogam óleo quente nele ,deus assiti a tudo. Tava querendo ler de novo – fala ai

  25. Day

    “Se você sabe tanto sobre protestantismo e religião, exponha isso de forma clara e imparcial. Porque me pareceu bem contraditório você achar que deveríamos nos unir e sermos iguais (“Deusistas”). ”

    O que tem a ver uma coisa com outra?
    Sobre o “Deusismo”, seria a coisa mais coerente, se Deus, existindo, fosse um só; vocês não precisariam destrinchá-lo como um peru gordo de natal, cada um escolhendo um pedaço e brandindo na cara do outro: “ó, esse aqui é que é o Deus verdadeiro!”
    É apenas razoavel esperar coerência numa coisa que vocês dizem que levam tão a sério, mas quê!
    Como “cada homem é único”, quer um Deus para chamar de seu.
    Muito bem, vamos considerar a diversidade humana.
    Me diga, Day, por que um Deus só não serve para vocês?
    E por favor, não tente fugir á questão com a conversa de que não é crente. Quem usa o artigo ‘o’ em maiúscula para se referir a Deus é crente sim.
    E também deixe um pouco de lado as alturas filosóficas e intelectuais que você vive querendo alcançar, apenas responda diretamente, sem enrolação.

    “Quer dizer que inventamos o capitalismo a partir da revolução industrial? ”

    Na verdade o capitalismo derivou do mercantilismo e se fortaleceu com a primeira Revolução Industrial. Não saia por aí recolhendo retalhos de informação e tentando fazer uma colcha mal ajambrada deles.
    Mas chega de academicismos.

  26. Oi Shirley ; belo texto, obrigado pelo seu trabalho intelectual – ele é NeoOrgásmico.
    Você pode interpretar esse silogismo como normalmente se interpretam Deus; do jeito que você quiser e entender!!! – com algo “foda”
    sobre as colocaçoes da erudita Day na área econômica, nem quis comentar, se ela acha que um sujeito comprando pão com moedas de prata é capitalismo, beleza, então é! O Capital vai muito além disso. Mas deixa pra lá, teologia é que é serio! O estudo do nada com coisa alguma! Vamo que vamo Brasil com perspectiva negativa!! Seria bom se você só perspectiva, não achas???

  27. Greg, esse texto é “A divina tragédia”. Abraço

  28. Shirley,

    ““Se você sabe tanto sobre protestantismo e religião, exponha isso de forma clara e imparcial. Porque me pareceu bem contraditório você achar que deveríamos nos unir e sermos iguais (“Deusistas”). ”

    O que tem a ver uma coisa com outra?”

    – É que acho devemos levar em conta e respeitar as diversidades culturais. Somos uma raça única, mas com costumes diferenciados. O homem, por sua diversidade cultural, refletiu Deus de várias formas, concebendo-O segundo vários fatores influenciáveis, até mesmo pelo clima, atividades sexuais, carências naturais, tempo de existência (ancestrais), etc., Então, você sugerir que o homem – esse monstro pensador – deveria fazer um acordo mundial, desde milênios a.C para proclamar um ‘único Deus’ é uma ideia hedionda, de embrulhar o estômago dos desavisados. É uma jogada presunçosa, mas, felizmente, só encontra eco e aplausos entre os igualmente pretenciosos neoateus virtuais.

    “É apenas razoavel esperar coerência numa coisa que vocês dizem que levam tão a sério, mas quê!
    Como “cada homem é único”, quer um Deus para chamar de seu.
    Muito bem, vamos considerar a diversidade humana.”

    Quanta estupidez você fala, em nome de seus ideais e de suas crenças, Shirley! Por que negar as coisas só para pretender massacrar o crente e matar Deus? Mais digno aceitar as diversidades, aceitar e ser respeitoso com a fé alheia, mais fácil assumir que é minoria. E que não existe base para exercermos o ateísmo.

    De novo você se acha muito esperta, usando esse código único do neoateísmo para distorcer o que as pessoas falam. Isso é ridículo. Sei o que é capitalismo, mas dizer que ele tem rudimentos é tão racional quanto qualquer outra prática do homem, por isso temos algo chamado ‘antepassados’.

    “o artigo ‘o’ em maiúscula para se referir a Deus é crente sim.”

    kkkkkk! Mas é claro que eu acredito em Deus! Quando foi que disse aqui que não cria n’Ele? Que bobeira é essa de ‘o’ maiúsculo? Deus é nome próprio, mas é nome atribuído a um Criador. Portanto, sinto-me confortável em usar os pronomes e artigos assim, e se isso denota minha fé, tanto melhor. Antes de ser fiel a qualquer coisa, eu sou fiel a mim. Jamais me posicionaria uma cética ou neoateia só para estar na modinha intelectual. Sei que vc sempre foi ateia (segundo seu depoimento), mas duvido que tinha esse discurso ferrenho há uns 10 ou 15 anos. Sem internet então, nem existiam diálogos fervorosos a respeito. Por isso são alcunhados ‘neoateus’, uma religião xiita, que não abre brecha para discussões saudáveis, esfregando em nossa cara que não existe um Criador, mas sem usar de lógica ou provas ou argumentos convincentes. O crente sempre existiu, desde a primitividade, então não deveria ser ele a ter que provar algo que sempre existiu na raça humana: a Fé.

    “E também deixe um pouco de lado as alturas filosóficas e intelectuais que você vive querendo alcançar, apenas responda diretamente, sem enrolação.”

    Agora Filosofia é “enrolação”! Ainda bem que assumiu. Eu já escrevi aqui que o ser humano que ignora Filosofia e Teologia é propenso à ignorância numa discussão. Eu não quero alcançar nada na Filosofia, sabe por quê? Porque – santa ignorância! – nada há para ser alcançado! A Filosofia desconfia, faz propostas, expões alternativas, volta ao começo, dispara, e jamais tem… fim (conclusões)! Não há pódium de chegada para a Filosofia; o objetivo não é alcançar nada nas alturas. Inacreditável você escrever coisas tão fáceis de refutar hehehe..

    “Na verdade o capitalismo derivou do mercantilismo e se fortaleceu com a primeira Revolução Industrial. Não saia por aí recolhendo retalhos de informação e tentando fazer uma colcha mal ajambrada deles.”

    Como uma criança você ainda não entendeu que eu não quis fazer exposição do Capitalismo, foi apenas uma ilustração. Se não gostou da tese do rudimento das políticas aí, é só refutar com educação e bom senso. Shirley, eu estudo vários temas o tempo todo, preciso sempre expandir minha mente para entrar mais coisa; e isso não é um orgulho para mim, mas apenas testemunho de minha criatividade que trago desde a infância, quando escrevi meu primeiro conto. Você deve ser mais feliz do que eu, já que pensa em um assunto apenas: “Deus não existe!”. Ô loko!

    Seu mal é ser ranheta (ranzinza) nos discursos. Não a chamo de velha, mas sua postura tão “séria”, mas cômica nas entrelinhas me lembra minha avó.

    Mas o que estou dizendo! O próprio Barros defendeu que o blog não é sério, mas “avacalhador de crente”, portanto, você não pode ser diferente estando, indiscutivelmente, sob o jugo da filosofia do blog. Nada mais sensato agir como uma perfeita neoateia. Mas não a critico, de forma nenhuma, até entendo que na sua mocidade não havia isso, internet, rebelião ateísta, enfim. Entendo que você quer ir às forras agora, só não espere encontrar em mim alguém que possa, verdadeiramente, levá-la tão a sério, a menos que você melhore, cresça e venha com textos mais brilhantes e imparciais, o que acho difícil.

    Buenos días, señora..

  29. kkkkkk! Mas é claro que eu acredito em Deus! Quando foi que disse aqui que não cria n’Ele?

    Na verdade, como todo neocrente, você “montou” um Deus só pra você, juntando as peças disponíveis na Bíblia. Como uma neocrente, você crê no Deus que você julga mais conveniente. Esse Deus, pessoal e intransferível, como um cartão de crédito, não é o mesmo Deus inventado na Bíblia, mas é um Deus inventado a partir dele.

    Deus é nome próprio, mas é nome atribuído a um Criador.

    É como se você ganhasse um cachorro e alguém perguntasse: “Que nome você vai dar a ele?”. E você respondesse:

    — Ele vai se chamar… Cachorro.

  30. Barros,

    “Vamos lá. Primeiro de tudo: “Deus não existe” é um truísmo; tanto é que o crente precisa de sua fé para se ver livre dessa pulga intelectual; um incômodo inevitável, com os cumprimentos de nosso cérebro pensante.”

    – Se Deus é apenas uma evidência (se entendi o que quis dizer), essa condição serve para nós dois. O homem crê, muito mais pela Intuição, o ateu não crê, pela mesma razão, talvez. Mas não me venha dizer que não existe radicalismo no neoateu. Vocês berram sim: “Deus não existe!” Se investigassem, apenas, as Escrituras e as doutrinas de todas as religiões (o que eu faço), certamente o nível dos diálogos seria mais fluente.

    Quanto aos ivestimentos pesados na ciência, isso é algo bom para todos nós. Se for um ‘game’, alguém perderá um dia. E se for eu, ao menos exerci meu direito de pensar e acreditar, o que não faz de mim um ser inferior, apenas me deixa em atividade cerebral; tanto quanto a ciência, eu também quero entender o Universo, mas na prática.

    Quanto a seu blog não ser sério, acho que você está maltratando sua autoestima. Você se esforça para escrever bem, tem vontade de ser escritor conhecido, mas se deixa seduzir pela religiosidade, no sentido de só focar uma ideia, um assunto. Claro que o autor influencia seus escritos com sua pessoalidade, entretanto, não se levar a sério, é um erro.

    Bom dia.

  31. “Na verdade, como todo neocrente, você “montou” um Deus só pra você, juntando as peças disponíveis na Bíblia. Como uma neocrente, você crê no Deus que você julga mais conveniente. Esse Deus, pessoal e intransferível, como um cartão de crédito, não é o mesmo Deus inventado na Bíblia, mas é um Deus inventado a partir dele.”

    Na Bíblia que eu li, Deus tem vários nomes, mas lá está escrito que o nome real do Criador ninguém conhece, não há como traduzir. Para mim parece razoável, independente de sua visão de nome próprio.

    PS – Assim como mergulho no odioso neoateísmo, eu mergulho na Bíblia, perscrutando toda ela, nos mínimos detalhes. E não me canso, não paro. Busco comparar traduções, linko com a História de Israel e adjacências; comparo com outras filosofias teistas; não vou à igreja, não confio no homem, oro e sou respondida, mesmo sendo errada diante dos ‘irmãos’. Escrevo sobre o que quero, leio o que desejo, sinto-me livre. Se ser ‘neocrente’ for isso, as coisas irão melhorar.

  32. Mais uma coisa:

    Não existe isso de ‘criar’ um Deus através da Bíblia, cara. Caso você não tenha ainda pensado a respeito, com a evolução do intelecto humano, a tendência é a revisão de todas as coisas (evolução); e com a religião não é diferente. Hoje em dia vemos muitos cristãos afastados da igreja, exatamente por essa razão. É preciso analisar todos os conceitos litúrgicos, e todos os dogmas. O fato de o cristão se afastar para ‘respirar’ e tentar se encontrar no contexto ‘Deus” é muito natural Contudo, chegar um ateu e dizer que reiventamos Deus, é mentira fanática. É abobrinha argumentativa neoateísta. Você pode pensar melhor que isso. ;)

  33. Você mesma deu a resposta de que precisa: Deus é uma invenção do intelecto humano; com a evolução desse intelecto, Deus precisou ser reinventado.

    E Contexto é uma palavra mágica que o neocrente usa pra fazer de conta que seu delírio não é um delírio. É quase como o Pirlimpimpim da Emília do Sítio.

    A maior prova da reinvenção de Deus está no Novo Testamento. Chama-se Jesus Cristo.

  34. Barros,

    Acho que podemos parar por aqui. Você não conhece a Bíblia, a não ser pela ótica xiita e superficial. Só em dizer que Jesus é uma reivenção, você está longe até do judeu ortodoxo que não crê n’Ele como o Messias. Neste caso, fique com sua ideia e eu com a minha. Se um dia eu for mais inteligente, mais eforçada, quem sabe eu não ajude a matar Deus e libertar a raça huma? ;) Como Nietzsche não pode estar aqui, sugiro que leia alguns livros dele e verá a diferença entre um ateu verdadeiro e um modista revoltadinho com a igreja (não com Deus, pois jamais O conheceu).

    Ósculos..

  35. Barreto:

    ” Deus é nome próprio, mas é nome atribuído a um Criador.

    É como se você ganhasse um cachorro e alguém perguntasse: “Que nome você vai dar a ele?”. E você respondesse:

    – Ele vai se chamar… Cachorro”

    Veja bem:

    ‘”DEUS” é, desde a sua origem, a divindade central na mitologia monoteísta abraâmica’, Essa é uma perspectiva teológica sem vínculo com a fé. Quando Abraão instutuiu esse ‘nome próprio’, não existia no mundo nada parecido – todos os povos daquela época cultuavam ‘deuses’. Inclusive, sendo Abraão de Ur, era um caldeu descendente de Sem, filho de Noé, inconformado com aquela cultura de “deuses”. Como foi Abraão que fundou o Monoteísmo, com este veio o substantivo próprio “Deus”, com ‘d’ maiúsculo. Essas informações servem para crentes, tanto quanto para ateus, porque na hora das discussões, é chato ver um neoateu perdido na História e na Teologia. Podem chamar de mitologia, mas ainda assim, há que se ter um mínimo de conhecimento de todas as coisas. Nada mais vergonhoso que contemplar um neoateu escrevendo Deus com ‘d’ minúsculo, achando que está negativando Sua existência.

  36. Day

    Pedi uma coisa simples, que você respondesse diretamente por que cada um precisa de um Deus particular, se supostamente ele é um só para todos.
    Do cipoal aí da sua falação, que como sempre é entremeada de xingamento e ofensa, consegui entender que você NÃO tem resposta nenhuma . Ou pelo menos nenhuma que seja coerente com sua tão séria crença de que Deus existe.
    Há 10 ou 15 anos não tinha internet, mas já tinha gente que usava o cérebro para pensar, não vá ficar chocada com essa novidade, hein? Sempre sustentei que não há Deus, já tentei raciocinar de forma razoável, já quase apanhei por isso, já fui xingada, já me disseram até mesmo que sou possuída pelo demo, que fala por minha boca sem eu saber.Coisa típica de gente estúpida, que não consegue sair do cercadinho mental da crença.
    Com tudo isso descobri que as pessoas não querem pensar, são como você.
    Moldam um Deus que sempre sai a cara da pessoa, se enganam e tentam enganar os outros com esse Deus. Se se veem na situação de ter que pensar a respeito de como essa crença aparece aos olhos de quem não pensa com viseiras, partem para a ignorância literal e figurada. Muitos, como você, tentam aparentar uma cultura, umas tintas de conhecimento e articulação intelectual. Tudo que conseguem é praticar uma especialidade muito do seu gosto, a hipocrisia e dissimulação. Mas eu entendo. É isso que acontece com quem estupra o próprio cérebro com crenças absurdas.
    Eu sou minoria sim, Day; a minoria que não precisa de muletas emocionais para lidar com a vida.

  37. sugiro que leia alguns livros dele e verá a diferença entre um ateu verdadeiro e um modista revoltadinho com a igreja (não com Deus, pois jamais O conheceu)

    Ô, já que você O conhece, me apresenta Ele.

    E eu acho essa questão do Deus com “D” e com “d” muito importante, porque, como Deus só existe no papel, como personagem de uma coletânea de fábulas, é preciso respeitar a nomenclatura dos nomes dos personagens, senão vira zona.

    Quanto à Bíblia, eu só posso dar conta do que está escrito, preto no branco, afinal, supõe-se que ela seja a palavra perfeita e imutável que o Criador mandou escrever pra nós. Como o que está lá não tem nada de perfeito, e como a moral de Deus parece mudar mais do que circo ruim de cidade, só me resta sentir pena de quem não consegue enxergar isso, e fica procurando um contexto pra justificar o injustificável.

    Em tempo: a ideia de Deus é ridícula em si mesma. Independe de mim.

  38. “Deus é um amuleto, ou Deus é uma muleta.”

    Twitei… kkkkkkk

  39. Uma vez um neocrente me perguntou que milagre Deus precisaria “operar” na minha vida para eu passar a acreditar nele. Aí eu disse que seria ganhar sozinho uma Mega Sena da Virada. Uns 100 milhões de reais…

    Ele fez uma cara de dor de barriga e perguntou, desnecessariamente: “Aí você passaria a acreditar nele; de coração?”

    Eu disse: “Claro. Mas só depois de ter gasto todo o dinheiro e ter pecado bastante…”

  40. E GREG, finalmente:

    Vou passar mais uma lição de casa, mas não sei se terá condições de desenvolver, como outras que já sugeri:

    Os Lobinhos, para não perdê-lo da alcateia, o fazem se sentir alguém, o que é normal em todo tratamento com os filhotes, eles dão apoio, ensinando-os a caçarem e a se defenderem. Não pense que é especial, mas é que, como em todo bando, os erros dos recém-nascidos são ignorados.

    Vamos à questão. Você não refutou minha reflexão sobre o “neoateísmo”, no entanto, acha ser de alta credibilidade o termo supostamente criado por você, ou seja, “neocrentismo”. Vamos lá:

    Eu o desafio a me explicar o que significa esse neologismo de sua autoria.

    Deixa eu te dar argumentos para ajudá-lo.

    O neoateísmo é uma carcaterística da pós-modernidade, pois ele é dissidente do ateísmo original e tradicional. Com seus autores renomados, tais como o biólogo Richard Dawkins e sua obra prima “Deus, um delírio”, bem como o escritor estadunidense Sam Harris, ou o jornalista britânico Christopher Hitchens, o neoateísmo tem ganhado força mundo a fora, não posso negá-lo, e nem quero.

    Contudo, quero que você perceba uma realidade: a conduta desses autores e de seus seguidores nada tem a ver com o ateismo propriamente dito. Dentre tantas diferenças, o neoateísmo se destaca pelo desejo insaciado de provar, seja pela ciência, seja pela lógica, ou por suas fracassadas experiências pessoais, que Deus não existe. Esse afobamento nas conclusões das quesatões mais antigas do ser humano (“Quem é Deus?” “De onde viemos?” “Para onde iremos?”), faz de tal movimento, uma bandeira bélica. Esses autores aí usam, não raro, um linguajar vulgar ao se referirem aos crentes, o que faz com que a sociedade madura e séria os repudiem. Então, entendemos que o neoateísmo, verdadeiramente, surgiu de uma dissidência, prova disso é que em todo o mundo, as sociedades ateístas originais não compactuam com o discurso neoateísta. Estou falndo de fatos.

    Agora, gostaria que você me dissesse, honestamente:

    Se, desde sempre, existiram cristãos filósofos, como Kant, Hegel, Agostinho, e tantos outros; se sempre existiram cristãos acadêmicos, sérios, democratas, pacíficos e estudiosos, por que, diabos, haveria uma dissidência entre cristãos, criando um novo cristão, o “neocrente”?

    Meus sentidos apontam tratar-se de uma ‘resposta à altura’, ou seja, ao virem seu Deus ser tratado sem o menor respeito, vitimando-se crentes inocentes, ofendendo-os por usarem saias longas ou professarem sua fé na sociedade (ruas, ônibus, etc.), alguns se levantaram em defesa dessa aviltante postura anti-democrática e talvez até ilegal, uma vez que é direito constituído ao homem de exercer sua fé, em público ou não.

    Então, me diga: Você criou esse neologismo “neocrente” só para fazer os lobos adultos rirem, tipo: “que gracinha, já sabe atacar!”, ou tem mesmo uma explicação, uma visão filosófica sobre essas “mudanças” entre os crentes?

    Gostaria que respondesse seriamente, caso contrário, dispenso dentadas de filhotes, aí então você poderá chamar um adulto.

    ps – Antes que questione “alcateia”, “lobinhos”, “lobo”, digo que, assim como você, eu também posso criar novos termos, desde que eu possa explicá-los.

    Abraço..

  41. Dentre tantas diferenças, o neoateísmo se destaca pelo desejo insaciado de provar, seja pela ciência, seja pela lógica, ou por suas fracassadas experiências pessoais, que Deus não existe.

    “Eles têm olhos, mas não veem?”

    Errado:

    Eles têm olhos, mas só enxergam o que querem ver.

  42. Agora dá licença, que hoje é domingo, e como sou um neoateu, preciso bater minha meta semanal de percorrer 5% das ruas do meu bairro, indo de porta em porta, tentar convencer as pessoas de que Deus não existe.

  43. É… continue querendo confundir as pessoas, mesmo depois de eu ter ensinado quem são os Testemunhas de Jeová hehe. Quanto a enxergar, concordo. Cego é cego, por isso podemos ver qualquer coisa, até o vazio, como você, garotão!

    Desfrute seu domingo em paz..

  44. Shirley, não a xinguei, não tenho vontade de fazê-lo. O que não sabe é que nem sempre defendi o Cristianismo. Você não tem condições (mesmo) de me entender hehe. Sinto mais prazer em desmascará-la do que professar minha fé. No fundo nem ligo para esse debate, no sentido de defender a Bíblia, hajavista que, se for Deus falando, alguns de nós estaremos fodidos, entretanto, tenho verdadeiros orgasmos emocionais, quando vejo que tiro do sério pessoas como você, que se acham donas da verdade. Isso é de uma pobreza que vai além da pobreza ‘real’.

    Sua mente é bitolada e eu posso ver isso, porque NÃO sou a crentinha que você queria que eu fosse para poder mandar suas letras de 171, achando que estaria sendo a inteligência suprema na Terra. Ao desrespeitar o outro, você, nada mais é do que um ser humano, como diria o carioca, uma paraíba sem noção.

    E tem mais: ainda que eu fosse ateia, ainda assim eu perseguiria gente como você, porque gente assim não sabe o que é o Amor, no máximo finge que tem uma família feliz, finge que é boa de coração, mas são lixo quando o assunto é paz mundial ou amor ao próximo.

    Poupe-me de suas inverdades. Pregue para seu povo aí, porque aqui existe uma verdadeira defensora dos direitos humanos. Para mim, há idiotas em todas as ‘raças’, seja crente ou ateu. Você não me conhece e não tem cacife para perscrutar meu cérebro, ainda mais virtualmente. Cérebro todos temos, e uma ‘coisa’ que há nele é chamada de consciência. Eu jamais defendi Deus, Ele não precisa. O que faço é desmascarar sua corja neoateísta.

    Alguns até tentam parecer razoáveis e gentis, mas se perdem num ego revoltado e revolto em complexos pessoais. Sabe qual é seu grande equívoco? É que não me enquadro em nenhuma religião, porém amo mostrar os erros dos que acham que podem afirmar que “isso é” e “isso não é”. Essa estupidez me dá forças para melhorar enquanto ser humano. Você pode odiar o Cristo, a Filsofia, e toda noção de amor ao próximo, mas não pode esperar ser uma pessoa digna, porque você mente, e a mentira é o fel da humanidade. Gente como você, Shirley, envelhe sem saborear a liberdade ou um simples pôr de sol. Gente que leva para os outros o amargo de suas vidas, é gente falida emocionalmente.

    Comigo, já disse, é porrada! Mas a que mais dói: a intelectual. Tire Deus do assunto, veja-me como uma pessoa simples que quer debater, só isso. Tire Deus de suas frustrações, tire-O de seus pesadelos. Experimente conversar sobre outras coisas, tente ter compaixão, enfim, ainda estou curiosa para ler a continuidade ‘reflexiva’ dos próximos textos.

    E, se tiver caridade, diga-me onde ainda não respondi suas solicitações, não faz meu estilo não responder. A réplica é a melhor parte num debate. É um gozo para a alma, e um descanso para a mente que não precisa provar nada a ninguém. ;)

    Bom domingo!

  45. Greg

    Valeu pela força. Esse negócio aí de teologia, eu topava se fosse sobre os X Man. Com certeza dá uma coisa muito mais criativa e interessante.
    E sobre o seu neologismo “neocrentes”, vou contribuir com uma definição.
    Neocrente é aquele que deu uma olhada na sua crendice, viu que a coisa não se aguentava em pé diante dos fatos da vida e resolveu dar uma escorada.
    No geral se dividem em dois tipos. Tem aqueles que torturam os fatos para que confessem o que querem ouvir; fazem isso surrupiando conhecimentos adquiridos com o trabalho duro de quem não se limitou a ficar “acreditando”. Criaram um monstrengo, um Frankenstein.
    E tem a turma mais new age, esse pessoal que se dedica a ter uma crença mais “ampla”, que não quer se apegar ao Deus tradicional, vivem pendurados no contexto e coisa e tal.
    Todos tem duas coisas em comum: querem escrever seu próprio evangelho e ficam aturdidos por perceber que tem que lidar com um tipo de ateu que não se limita a ficar quietinho no seu canto, mas põe o dedo na ferida. Daí se saíram com essa de neoateus.

  46. Day

    Hãhã. Tá.

  47. Shirley:

    Tá, também. Gosto de você, e nem mesmo sei por quê. Espero que o GREG não me ‘acuse’ de lésbica. Mas algo que amo nesse blog, é termos você, Shirley, aqui, caso contrário, sem dúvida, a Day não estaria aqui. A Shirley, como já disee, é uma pessoa mui especial. Gostaria de conhecê-la pessoalmente. Quanto aos bobocas de plantão, não me importo mesmo. Essa garora, a Shirley, é melhor do que todos ‘ocês’ juntos. Éeee! Uma coisa que aprendi, é reconhecer um ser humano mais capaz que nós. A Shirley é um doce. Ela é, para mim, meu lado ‘sarará’ hehehe.. Saibam todos que eu, a Day, amo essa Shirley. Porque ela consegue algo difícil para um humano: Ela, a Lobinha bahiana, é uma coisa linda. Não quero debater com essa loba. Ela é muito especial, Porém, estarei aqui, gata (ops! loba), servindo a todos. Shirley é uma super gata! Amo esse jeito dela em manter uma posição. Certamente, essa garota, com certa intimidade, falaria coisas de sua vida que nos faria ficar mais apaixonados ainda! :) É sério, Loba, você é demais!!!! :) Beijo..

  48. kkkkkkkkkkk! Li agora:

    “Todos tem duas coisas em comum: querem escrever seu próprio evangelho e ficam aturdidos por perceber que tem que lidar com um tipo de ateu que não se limita a ficar quietinho no seu canto, mas põe o dedo na ferida.”

    – Todos queremos escrever nosso próprio evangelho é muita putaria neoateísta! Eu estava certa. Shirley: nem fodendo você dará credibilidade a esse GREG. Ele fala merda demais, mas é um garoto ainda. Se você, mulher, assina embaixo dessas baboseiras greguianas, certamente, estás com muito tesão. E eu compreendo, claro, afinal, seu esposo é um chato como a Day. :P

  49. Lembrei daquele filme nacional: “E aí, comeu?”

  50. Eu já me envolvi com uma leitora do blog. Foi a melhor e a pior coisa que me aconteceu nesse mundico virtual. Foi “a melhor” coisa porque, se não fosse pelo blog, ela não teria se interessado por mim, nem teria corrido o risco que correu pra ter um encontro comigo (aliás, foram dois). Foi “a pior” coisa que me ocorreu, porque eu não pude ser pra ela o que ela queria, o que ela imaginava. As lembranças das horas que passei com ela vão me acompanhar até o fim da minha vida. E, até hoje, não sei se devo encarar isso como uma bênção, ou como uma maldição.

  51. kkkkkkkkkkk!

  52. kkkkkkkkkkkkkkkkk!

  53. Muito bom!!!!! kkkkkkkkkkkk!

  54. Se eu marcasse um encontro contigo, tenho certeza de que você voltaria mudado para casa hehehehe…

  55. Eehehehehhehe comeu hein Barros – sempre achei que a Day queria dar o rabicó pra você! ela tá aqui no blog te paquerando,, toda molhadinha! — por isso mesmo que você tem razão em pensar que ela é ateia! — ela se faz de crente, só por puro fetiche! —- imagina a cena, ela no motel vestida como crente e com aquele jeitinho acanhado!! NAO, não quero; não pode, não, assim não! desse jeito não!! ahahhaa
    Amor platonico!!! srrsrsrs!!
    Se eu marcasse um encontro contigo, tenho certeza de que você voltaria mudado para casa hehehehe…
    talvez cansado de tanto foiá, fuc-fuc ou talvez sem um rim, quem sabe?

  56. Day — Não vou te acusar de Lesbica não!!!,,,,,,,,,,,,,,,,………………….
    Mas de BISexual – so isso! ——- ta querendo pegar o Barros & agora a Shirley, ninfomaníaca hein!!! O teu garanhao europeu nao ta te pegando de jeito não/???
    Vc viu que a Shirley disse não gostar de xaninha não! viu!
    Agora; uma coisa é vc estar molhadinha com a mao na sua preciosa e outra no teclado – outra coisa é vc insinuar sobre a vida ´pessoal da Shirley e seu esposo! Pega leve – não mistura as coisas!!
    Mantenha o seu dedinho no seu clitóris!!! Talvez a Shirley não esteja precisando do seu para ficar molhada. Deixa o lado pessoal de lado, blz! e olha que ela mostrou ´-se do seu lado, naquele episodio com o Fernando que te ofendeu! (merecido por sinal)
    ps – continuo a não ler os seus evangelhos – so li as putarias mesmo!

  57. Valeu pelo Link do filme! tava pensando em ver mesmo! depois te mando uns link com brigas de aranha ! blz!!! srsrrsrsrsrrsrsr! UIIIIII

  58. Escroto.

  59. Moro perto de sua cidade, tenho muito conhecimento. Prometo mostrar para seu filho, um dia, o babaca que é o pai dele. Juro!

  60. Vai um link legalziho ai


    como é bom ser burro

  61. kkkkkkkkkkkk Filho de Deus !! o que tem a ver uma menina cantando bonito com prova de Deus etc?
    Te mostro um bando de crianças cantando muito bonito no youtube sem ser musica evangélica.
    E ai parou de vender Deus?! me parece que da ultima vez eram 3 por um né?!

  62. E pra fechar a saga –

  63. Acha difícil catar um peão e obra que mora em Petrópolis, tem um filho de 4 anos, uma avó católica? O seu amigo, ao menos, mais inteligente, não deixou pistas, mas você mora muito perto. Conhece Praia de Mauá? Então, lá tem muito cliente do meu marido que conhece geral Petrópolis. É o que sempre digo: o virtual pode virar real.

  64. Greg,

    Você servirá de exemplo: terei sua foto em uma matéria sobre os escrotos filhotes do neoateísmo! Peão de obra… quer alguns nomes de pessoas que moram aí em Petrópolis, tipo o delegado? hehehe Te peguei!!! Lugar de lobinho neoateu desbocado é na cadeia ou na vala! ;)

  65. Pérolas de uma ‘mulher’:

    “Valeu pela força. Esse negócio aí de teologia, eu topava se fosse sobre os X Man. Com certeza dá uma coisa muito mais criativa e interessante.”

    Hipócrida de esquerda! Imagina gente assim no Brasil, ensinando essas coisas pela internet! Uma coisa é não acreditar na Bíblia, outra é sair, irresponsavelmente, berrando como vaca que Teologia só se for dos X-Men!!! Com gente assim fico tentada a acreditar no que dizem por aí: Mentira é do Mal; pessoas que mentem inescrupulosamente assim, só podem ser do Mal. E pior é que essa ‘mãe’ e ‘esposa’ tem mãe e marido cristãos. Se eu pudesse, eu provaria a vida que ela leva… Mas, como todo covarde, é mais uma figura virtual que se aproveita da internet para destilar veneno. Cara a cara faz xixi na roupa e pede perdão.

  66. E Greg,

    Já estou encaminhando uma denúncia para a delegacia de crimes virtuais. Depois, imprimindo tudo que você falou de mim, e para mim, vou, pessoalmente à delegacia de Petrópolis. Você pode ser peão de obra na boa, pode ser burro, só não pode frequentar espaços públicos e tratar as pessoas assim. Com um nível intelectual tão baixo deveria pegar mais leve. Sua burrice é tão grande que será enquadrado e vou postar em toda parte como que se pega um neoateu de merda. Mas é tão burro que não pensa antes de falar. Acha que pode sair impune da ‘brincadeira’. Pegando você, eu estarei ajudando toda uma comunidade. Você é tã burro que não percebe quem sou, porque, analfabeto não entende o que lê. Mais tarde vou postar minha conversa com o delegado de sua cidade. Mas é tão burro que vai aparecer no Wagner Montes. Com foto e tudo!

    Barros, por favor não apague os comentários, pois só vou imprimir mais tarde.

    Até para ser neoateu, tem que ter nível de respeito, real ou virtualmente.

  67. “Neocrente é aquele que deu uma olhada na sua crendice, viu que a coisa não se aguentava em pé diante dos fatos da vida e resolveu dar uma escorada.”

    Pena de morte é pouco… Será que você REALMENTE se acredita inteligente? Ontem eu brinquei contigo para relaxar e porque bebera vinho, mas me arrependi: você é falsa como uma cobra; supõe ser ‘a cabeça’, mas sua amargura, seu pessimismo e sua presunção provocam nojo. Falta muito pouco para eu sair do blog, mas antes, preciso realizar uma ‘grande obra’. Bota sua mão podre na consciência, e saiba que se acontecer algo com o Greg, você é a responsável direta, por induzir um menino a ser como você. Sei sua idade, a do Greg não, mas certamente é um garoto, portanto, em todo e qualquer relatório, Shirley Rodrigues, seu nome será mencionado. Não vejo ninguém no blog dar tanta ‘força’ ao Greg, nem mesmo o Barros como dono do espaço. Você, louca de pedra, faz com o garoto o que não pode fazer com seus filhos, e isso é notório. Como já é uma senhora e o Greg um menino, sinto-me totalmente no direito de escrever essa matéria e seu nome estará lá. Pena que não gravei sua foto no começo. É, eu me lembro da sua cara, mas você, astutamente, a retirou. Meu marido disse que o garoto pode ser até inocente, pois sua atitude em induzí-lo ao desrespeito é fato. De qualquer forma, o Greg eu vou pegar (legalmente), mas saiba que sua culpa no comportamento dele será sugerida.

    Agora vou vomitar (é sério).

  68. “Segundo o IBGE, os sem religião, que inclui também os agnósticos, representam somente 6,7% da população brasileira, uma minoria em uma cultura predominantemente cristã.”

    http://www.midiagospel.com.br/noticia/religiao/ateus-no-brasil-estao-formando-nova-religiao

  69. Do Encontro de Si Mesmo

    Nesse encontro de neoateus, a organizadora (tão inteligente quanto a Shirley) disse que os ateus resolveram “sair do armário” (!). A revista ‘Isto é’ publicou uma matéria questionando, pois ‘sair do armário’ é uma expressão usada pelos homossexuais. Um estudo está sendo feito por profissionais da sociologia, no intuito de entender essa ligação neoateu/sexualidade. Para mim não resta-me dúvidas: Esse movimento antissocial tem a ver com sexualidade, e muito. Dentre os sub-grupos, destaca-se o movimento “Gayzista”.

    Ontem, eu apenas brincava e o jovem cidadão levantou questões sexuais sobre minha pessoa. Isso é mais do que intrigante. Tem gente que odeia estatísticas, porém estudiosos, juntos ao IBGE, tentarão concluir a associação do neoateísmo com a perversão sexual. (Sou uma das idealizadoras).

    Todo mundo está propenso a praticar sexo fora do casamento, com pessoas do mesmo sexo, com grupos, sozinhas, ménage à trois, e tudo mais que sua fantasia lhe sugerir. Entretanto, nenhum indivíduo, grupo social ou religioso (que sejam portadores de boa sanidade), credita tanta importância assim ao sexo.

    Muito fácil é mostrar no outro seus defeitos, claro. O discurso neoateísta, por exemplo, é (quase) sempre ligado à pornografia, a ofensas, e a palavras de baixo calão. Sabemos que no Brasil a educação pública é precária, no entanto, na maioria dos casos, encontramos neoateus de boa escrita, com entendimento suficiente do mundo em que vivemos. Muitos são mesmo intelectuais, mas desconcertam as pessoas com essa atitude ‘suja’ ao tratarem os outros com tanto desafeto, despudor, ignorando completamente o senso de autocrítica, o amor ao próximo, e a gentileza.

    Aqui no Rio, temos uma memória de um poeta de rua, o “Gentileza” que eternizou sua máxima “Gentileza gera gentileza”. Essa frase está escrita nos muros da cidade.

    Sinceramente, não guardo rancores de nada ou ninguém. Contudo, e isso é meu, coisas que me chamam a atenção eu as estudo até o fim, não para contestá-las (condená-las), mas para saber um pouco mais sobre o ser humano e suas facetas.

    Eu tenho mil defeitos, mas dispenso a falsidade, a ignorância, a falta de amor e respeito.

    O homem deve ser livre, é seu direito constituído, e a liberdade só está abaixo da vida como direito nosso. Todavia, me causa curiosidade ver tanta gente dispensando a beleza da liberdade de expressão – principalmente via internet – para angariar desafetos com pessoas que nem conhece direito. A virtualidade suscita muitas emoções ao homem; ele, inadvertidamente, sente-se livre, mas é quando a impunidade, de fato, torna-se atraente, porém, atraente em que sentido; atraente para quem?

    Conheço muita gente que se comporta na internet e nas redes sociais exatamente como se comporta em casa, com os vizinhos, no trabalho, e à mesa; por isso fico mesmo intrigada ao ver pessoas virtualizando sua moral, criando novas personagens para si, expondo o esgoto de suas almas, achando, creio eu, que estão impunes e invisíveis. Mas não estão. Exemplo disso é que já há pessoas competentes estudando (investigando) esse fenômeno virtual.

    O Neoateísmo (agora com ‘n’ maiúsculo), como comportamento sociológico, ocupará, ao que tudo indica, a mídia em geral. Mas não será de forma positiva, e a mídia é terrível. A sociedade logo logo discutirá o Neoateísmo Virtual, assim como discutiu a pedofilia internauta. Contudo, não saberia dizer que efeitos causará nos neoateus, já que, dentre algumas características desse grupo, nota-se, claramente, a ausência de uma consciência produtiva. Em outras palavras, eles fazem questão de exibir a falta de respeito mútuo e o desamor.

    A maoria parece ser jovem. Isso será bom? Não! Quando um movimento arrecada almas jovens para si, de fato, há os mais velhos por trás. Uma sociedade justa é aquela que respeita o próximo como um cidadão vivo. Essa sociedade não pode vituperar a moral do outro, e nem pode julgá-lo, seja por sua orientação sexual, sua fé, a condição social, financeira e intelectual.

    Digo sempre para minha filha: “Cuidado com quem se relaciona: algumas pessoas têm o dom ou prazer em nos fazer mal, e tirar de nós o nosso pior.”

    E é assim que me sinto ao me relacionar com alguns neoateus. Deus existir ou não, não significa que não tenhamos consciência do bem e do mal. E se uma pessoa faz mal à outra, essa pessoa deveria reavaliar suas posturas morais. Tudo bem se em casa, no seio da família, a pessoa divide seu mal com seus familiares e amigos (se tiver), entretanto, em espaço público, principalmente o virtual, a indecência grita tão alto que quase podemos descobrir o timbre das vozes dessas pessoas. (!)

    É lamentável constatar que tanta gente, escrava de ideais vazios, faz do progresso e da evolução (internet) um parque de diversões, onde o único brinquedo que funciona é o “trem dos horrores”…

    E, enquanto isso, os palhaços (nós) choram de tristeza.

  70. Nesse artigo acima, até mesmo ateus criticaram o tal encontro, dizendo – eles mesmos – que ‘isso’ está virando religião. (!!!)

    Barros, desculpe o ‘desabafo’, só tentei responder a provocação.

  71. Ah, meu Cristo…

  72. Barros,

    Não havia visto seu comentário a respeito d’eu conhecer Deus. Não, não conheço, a Bíblia mesmo diz que ninguém viu a Deus. Eu não reivento nada, eu leio, e eu sinto, e eu SEI, racionalmente, que existe um controle no Universo, mas até agora só conseguimos chamar de “Deus”, não quer dizer que Ele seja evangélico, católico ou se lá mais quê. De uma coisa estou certa: O ‘nada’ não pode, fisicamente, gerar tudo.

    Também não vi direito o comentário de Shirley, com quem nem quero mais debater. Só fala as mesmas coisas e não expõe um único indício de suas convicções. Neste blog, e em todos do tipo, deveria haver um mediador, mas quem disse que ele seria respeitado? hehehe!

    Olha isso:

    “Pedi uma coisa simples, que você respondesse diretamente por que cada um precisa de um Deus particular, se supostamente ele é um só para todos.
    Do cipoal aí da sua falação, que como sempre é entremeada de xingamento e ofensa, consegui entender que você NÃO tem resposta nenhuma . Ou pelo menos nenhuma que seja coerente com sua tão séria crença de que Deus existe.
    Há 10 ou 15 anos não tinha internet, mas já tinha gente que usava o cérebro para pensar, não vá ficar chocada com essa novidade, hein? Sempre sustentei que não há Deus, já tentei raciocinar de forma razoável, já quase apanhei por isso, já fui xingada, já me disseram até mesmo que sou possuída pelo demo, que fala por minha boca sem eu saber.Coisa típica de gente estúpida, que não consegue sair do cercadinho mental da crença.
    Com tudo isso descobri que as pessoas não querem pensar, são como você.
    Moldam um Deus que sempre sai a cara da pessoa, se enganam e tentam enganar os outros com esse Deus. Se se veem na situação de ter que pensar a respeito de como essa crença aparece aos olhos de quem não pensa com viseiras, partem para a ignorância literal e figurada. Muitos, como você, tentam aparentar uma cultura, umas tintas de conhecimento e articulação intelectual. Tudo que conseguem é praticar uma especialidade muito do seu gosto, a hipocrisia e dissimulação. Mas eu entendo. É isso que acontece com quem estupra o próprio cérebro com crenças absurdas.
    Eu sou minoria sim, Day; a minoria que não precisa de muletas emocionais para lidar com a vida.”

    ————–Por mais que fosse como você diz (mentindo como sempre), que cada homem tem um deus particular, isso na prática seria impossível. Nem juntando todos os deuses da Índia chegaríamos a um número tão grande de deuses (bilhões!!!)

    O que existem, de fato, são guetos e grupos de religião. E em TODAS elas, o homem nãose amolda totalmente, porque, aí sim, suas idiossincrasias não permitem que sejam tão coletivos assim.

    Como aprendiz de falcratuas intelectuais, você usa um método estúpido para tentar confundir o outro, atribuindo autoria de coisas que o outro não falou. Por exemplo, eu não disse jamais que tinha um “séria crença” em Deus; o que faço sempre é investigar com meu tão pequeno cérebro.

    Você “afirmar” que eu não penso, é o mesmo que olhar uma pessoa e dizer que ela não respira. Você é burrinha mesmo, isso aí é só casca. O cérebro humano funciona 24 horas por dia. O fato de a pessoa acreditar ou não em Deus não é fator indicativo de inteligência, ô sabichona do mato. Como você se dá ao ridículo sem percebê-lo, hein!

    Você diz que eu ficaria chocada (?) em saber que, mesmo sem internet, as pessoas ‘como você’ usavam o cérebro e não criam em Deus. Mais uma tentativa inútil de me envergonhar. Nessa época EU era cética e muito bem relacionada com intelectuais ateus. Dãrr

    Nós partimos para a ignorância até física?!!! Em qual planeta você vive? sei que não é uma pessoa viajada, mas daí a radicalizar o homem dessa forma, é lamentável. O mundo não está ao redor do seu umbigo, e nem precisa de mullerzinha briguenta e intolerante como você.

    Não há NADA que você escreva nesse blog que não denote a pessoalidade, que não denuncie suas encrencas pessoais, seus dissabores. Sua arrogância é apenas uma forma que encontrou para se defender da vida. Você tem problemas mentais e espirituais sérios.

    Ainda por cima questiona minha cultura! (Típica terceiromundista) O que é cultura? É ler e escrever? Querida néscia, eu leio desde criança, sou de família abastada intelectualmente, mas não sou orgulhosa por isso, por outro lado, sua estupidez é gritante e já sei por que é tão metida a besta.

    Como mora numa cidadezinha perdida, tipo ‘Lost’, é quele caso: “Em terra de cego quem tem um olho é Rei”. Nem adianta se exibir que aí tem muitas faculdades, porque hoje em dia, faculdade, estadual ou particular não dá status de inteligência e nem de cultura. Isso é Brasil, ôxe!

    Aceito sua visão de mim, de que sou dissimulada e hipócrita, desde que você o comprove, e estarei aqui para me defender “hehehe”…

    “Estuprar o próprio cérebro”?!!! É muito ignorante mesmo, e sem nehuma refinaria. Mulher, “estupro” só serve para questões físicas e sexuais. Não serve nem como metáfora ou qualquer figura de linguagem conhecida da Língua Poruguesa. E, mesmo se assiim fosse, NÃO existe AUTOESTUPRO kkkkkkk!

    E com relação á minha verborragia, sinto muito, mas nasci com esse dom: eu escrevo o tempo todo! Sou escritora e com muito prazer e gosto.

    “Os incomodados que se mudem”.

    Mas pode ficar tranquila, o poleiro voltará a ser só seu, quando eu voltar a trabalhar, mas não se iluda, eu partirei, mas enviarei outro em meu lugar. “Hehehe!”

  73. “falcatruas” merd!

  74. Eita nois

  75. a Bíblia mesmo diz que ninguém viu a Deus.

    em Gênesis 18:1 Deus apareceu a Abraão.

    em Gênesis 32:24-30 Jacó (Israel) viu e lutou com Deus.

    em Êxodo 24:9-11 Moisés e 73 anciãos viram Deus.

    em Êxodo 33:11 Deus falou com Moisés cara a cara.

    em Êxodo 33:22-23 Deus permitiu que Moisés visse suas “partes de trás”.

    em Deuteronômio 34:10 Deus falou com Moisés cara a cara.

    em Isaías 6:1-13 Isaías postou-se diante de Deus e o viu.

    em Ezequiel 1:27-28 Ezequiel descreve Deus em detalhes.

    em Amós 7:7 Amós viu Deus.

  76. Como vivemos numa Jesuscracia as pessoias ficam indignadas quando um grupo que representa 5% da populçao se reune para trocar ideas, mas não tem problema quando o papa vem e reúne mihoes na rua causando um alvoroço gastando dinheiro publico sem falar n as pastoradas sangue-sugas!!!

    A Day aloprou de novo, sempre achei que ela escreve de um hospício qualquer,cada vez mais acho que tenho razao

  77. Greg

    Quando a gente pensa que desses 5% só uma ínfima parcela se manifesta, fica bem interessante pensar no poder que temos de incomodar. Por que será?

  78. Barros, tenta outra. Eram, supostamente, ‘aparições’, e os homens rudimentares tendiam a chamar tudo que era incompreensível de Deus. Muitas vezes até mesmo a força maligna (Diabo) era confundida. Hoje em dia podemos entender claramente isso. Moisés viu ‘alguém’ pelas costas e ficou com o rosto resplandecente por dias. Não posso entender Deus dessa forma. Se eu visse um extraterrestre brilhante e ele falasse que é Deus e fizesse algum ‘milagre’ ou ‘maravilha’, a tendência seria acreditar, porque o homem sempre se sentiu limitado. Mas isso é hipotético. Pela hermenêutica você encontrará muitas interpretações. Para mim eram enviados da Grande Força, mas não a Força em si. A Bíblia não são dois papos, dois pesos, duas medidas. É um Livro por demais complexo, e não por acaso sempre foi o mais vendido e lido no mundo e em todos os tempos. O maior best seller da humanidade, o Livro número1. Assim como você, fio, eu A lia sem nada entender; apenas tirava de lá inspiração para meus projetos literários. Hoje, eu começo a entender muitas coisas, principalmente quando oro antes, e quando não estou assim, digamos, no ‘pecado’. Eu amo Jesus, acima de tudo, pelas coisas que Ele falou. Ainda que fosse ‘apenas’ um homem, ainda assim seria amado pela maioria das pessoas. ^^

  79. A pergunta da Shirley é tão ingênua quanto óbvia na resposta: Não é o neoateísmo que incomoda, mas a forma como ele se apresenta, ou seja, sem escrúpulo algum, e sem respeito ao próximo, além de ser ilegal quando propõe que o crente é um imbecil, etc., ferindo os direitos constitucionais de exercermos a fé, livremente. Claro está que o neoateu também tem seus direitos, como o de se expressar livremente, mas ele vai além disso, ‘estuprando’ o amor próprio do outro. As pessoas (sociedade) se incomodam justamente para que a praga não prolifere. Como estaria o mundo, se cada um xingasse aquele que não pensa como ele? E só para constar, eu devolvo as patadas porque descobri que é a única forma de diálogo na maioria das vezes. Aqui em casa minha filha e meu marido se espantam quando (por acidente) deixo a tela aberta no blog e eles leem alguma coisa. Conclusão: Luz e trevas jamais se entenderão ou entrarão em harmonia.

  80. Shirley, leiga Shirley,

    Esses 5% incomodam por causa da internet. Antes nem se falava em ateísmo; e quando se encontrava um ateu, era, geralmente, gente de bom senso que não punha a crença em primeiro lugar. Quantos professores, amigos e artistas conheci que eram ateus, e nem de longe criava-se tamanho conflito. A internet é a maior invenção para se expandir ideias. Então, guria, 5% significam um estrago nas relações humanas, principalmente porque o neoateísmo usa as mesmas ferramentas da religião, ‘evangelizando’ os indecisos. Fato.

  81. Só numa Jesuscracia é ilegal chamar alguém de imbecil…

    E aí a pessoa diz: “ninguém viu Deus”; diante das “provas” Deus se transforma em ‘aparições”.
    Pqp, haja hermenêutica! Deus agora é uma aparição.
    Isso é que é levar Deus a sério.

    Ainda que fossem 5%, e eu disse “infíma parcela”, significando que uma muito pequena parte desses 5% se manifestam, com ou sem internet, ter o potencial de incomodar tanto diz muito sobre a solidez da fé do povo.

    E eu bem queria saber quem está “evangelizando” aqui.

  82. Acho lindo quando vejo um neoateu representando o “gênio” Dawkins, Pode me chamar de imbecil, não ligo mesmo “hehehe”. Até acho que você está no seu direito, depois que a joguei na fogueira.

  83. “em Ezequiel 1:27-28 Ezequiel descreve Deus em detalhes.”

    ————————————————————————————-

    “Como o aspecto do arco que aparece na nuvem no dia da chuva, assim era o aspecto do resplendor em redor: Este era o aspecto da semelhança da glória do Senhor; e, vendo isto, caí sobre meu rosto, e ouvi a voz de quem falava ”

    Qualquer imbecil sem estudo ou neoateu pode entender essas palavras, são em português e muito bem traduzidas. Qualquer imbecil entende que que ‘isso’ foi uma aparição.

  84. “Esses 5% incomodam por causa da internet…”

    Eu não disse “esses 5% que ‘estão’ na internet”. Aff! Não tenho sossego, cara! Essa Shirley é carne de pescoço, tiro meu chapéu. Se eu bobear ela consegue realizar seu sonho: me fazer parecer idiota e ignorante. Comigo não, violão!

  85. Moisés falou com uma “aparição”, Abraão viu uma “aparição”, Isaías postou-se diante de Deus mas viu uma “aparição”, Jacó lutou com uma “aparição”…

    Enquanto isso tem “trocentos” padres e pastores mundo afora afirmando que todos os fulanos acima “viram” Deus.
    Sem contar com os tantos que “viram’ Jesus, que era Deus encarnado.

    Será que foi isso que Jesus/Deus quis dizer com “eu não vim para explicar, mas para confundir”?
    Ou esse foi o Chacrinha?

  86. Como todo neocrente, você não aceita admitir que a palavra sagrada de seu Deus pode conter inúmeras incorreções, contradições, idiotices e coisas do tipo.

    Ora, você cita a Biblia dizendo que lá está escrito que ninguém nunca viu Deus. Eu cito 9 versículos em que essa sua afirmação é posta em xeque. Aí você encontra uma maneira um tanto quanto esquisita de mostrar que 1 versículo não deve ser entendido como Deus tendo sido visto, uma vez que o que se viu foi uma “aparição” de Deus e não Deus mesmo (???????). Incrível.

    Mas, digamos que eu tivesse entendido como Deus apareceu numa aparição, de forma a poder ser descrito em detalhes, mas sem ser visto… Faz de conta que essa passa… Mas não sobraram 8 versículos que continuam a contradizer sua afirmação inicial?

    O que você vai fazer? Pegar essa interpretação maluca da aparição e aplicar — por padrão — a todas as outras afirmações que dão a entender que Deus pôde ser visto?

  87. Na verdade, Jesus veio trazer a guerra, não a paz. Talvez ele queira alcançar esse objetivo confundindo os seus fiéis.

  88. E por falar em contradição, tem pelo menos uns três textos aqui no blog que tratam do assunto. É só digitar na ferramenta de busca lá em cima contradições bíblicas

  89. Barros, eu só pus esse versículo porque tenho vida normal e estou assistindo filmes com meu gatão. Mas posso discorrer amanhã. E em tempo: “Você” não pode dizer “seu Deus”, uma vez que creu nele, deixa de ser bobo!!

  90. Conheço as supostas contradições bíblicas, foi o que estudei primeiro, mas amanhã dou uma olhada se estiver de bom humor. ;)

  91. em Êxodo 20:5, Deus culpa as crianças pelas iniquidades dos pais por até quatro gerações.

    em Deuteronômio 24:16, diz-se que o filho não deve ser punido pelos pecados do pai.

    Adorei o “supostas”… Rsrsrsr

  92. Se forem desse nível aí, vai ficar fácil para mim hehe, mas se tiver algo que eu não compreenda, prometo assumir em público. ;) ^^

  93. Já viram esse filme “O Preço do Amanhã”? Não é religião não (pelo contrário). É ficção científica com drama. Vale a pena.. Boa noite, pessoal.

    http://www.adorocinema.com/filmes/filme-180314/

  94. Mentirosa do carai!!!
    Uma hora o Barros vai fazer uma enquete: quem escreveu mais bobagens aqui?? Hagnus, Deus ¨& ciência, Sabino e sua ilógica ou a Day??? Mas talvez a Day não deva participar deste concurso, afinal ela é comprovadamente uma NeoLesbicacrazyBisexualnewagemadcrentedeprograma. são tantas qualidades que é desleal ela concorrer nesta categoria com pessoas comuns.
    So o:::: OniscientePOTENTeONICOISENTEdEUSiNTERGALATICOdoUNIVERSo SERIA A ALTURA DO DESAFIO!!! Ou Chuck Norris!!

  95. Onicoisente, Greg, de onde você tira essas coisas? Tô me acabando de rir!
    E cuidado, não use o nome de Chuck Norris em vão.

  96. Posso imaginá-la aí, solitária no computador, rindo feito louca, tendo altos orgasmos ao se sentir vingada por um anjo pornográfico. Eu sabia que sua máscara cairia nesse poço sem fundo chamado hipocrisia. Lembra que eu disse que vc era farinha do mesmo saco? Sua tara a denuncia, só não vê quem é cego mesmo, ou quem finge ser. Eis a diferença crucial entre nós, que nem é a questão da fé, mas, enquanto eu repudio pornografia, você se derrete toda. É uma questão de moral, independente de se ter fé ou não.

  97. Já tinha inventado esse termo faz tempo!!
    Sempre achei bacana porque não diz nada com coisa alguma
    Vou registrar = NeoCrente & Onicoisente – rsrsrsrsrrsrsrsr
    Eu sei, Chuk Norris não pode saber disso!! Esse existe mesmo!!
    2 coisas para provar poder de Norris =
    Ele fez roleta russa com uma arma totalmnte carregada ,………. venceu
    Chuck Norris fala Braile. Depois dessas ele merece todo o nosso respeito!!!

  98. Greg

    Não podemos nos esquecer que quando Deus disse “Que se faça a luz”, Chuck Norris respondeu “Diga ‘por favor'”.
    E que Deus precisava de dez dias para fazer o mundo e Chuck Norris concedeu 6 e olhe lá.

  99. Barros,

    Realmente está escrito que Ele disse que viera a fim de trazer a espada… Que coisa triste contemplar tanta cegueira espiritual. “Espada”, e isso ficou bem claro como sempre, significa a Palavra (Revelações que nenhum homem já havia escutado). E por acaso não é isso que acontece? Se não fosse verdade não estaríamos vivenciando tantos conflitos, mesmo no meio cristão. Se até para mim que levo os estudos a sério fica difícil, imagino vocês que nem sabiam que Testemunhas de Jeová era uma seita fundada no séc. XIX d.C, longe de ser cristã. De qualquer forma todos estamos falando de Deus, mesmo negando a fé ou a não possuindo. Ou alguém, em seu juízo perfeito, falaria do que não existe? Por isso não falo de fadas e sacis; não falo de entidades poderosas; anjos de luz; Zé Pelintra. Igualmente, neoateus em geral só falam de Deus e de Jesus. Ninguém é louco, certo? Nem mesmo vocês.

    ps – Estou tentada a continuar com o debate teológico, mas sei que serei vítima de escárnios, até porque você mesmo abriu precedentes para a galera pobre de intelecto invadir e tomar conta do seu blog. Existem muitos blogs com esse tema, mas, que pena, raramente se vê autores escritores por aí. Mas sei que você gosta desse estilo, é direito seu.

  100. Barros,

    vou fazer uma pergunta meio esquisita mas é interessante que você responda. Você e qualquer descrente frequentador do blog.

    Em função das circunstâncias é bastante comum, nós falarmos mal, mas muito mal mesmo dos crentes em geral. Eventualmente ( ? ) a gente abre um parêntese e deixa claro que todas as ofensas, insultos e palavrões se destinam à crença e ao modo de pensar delas ou aos objetos de adoração; Deus, Jesus, Bílbia, santos, etc, e não exatamente às pessoas propriamente ditas . Se por um acaso, se é que já não aconteceu, um parente ou amigo cristão muito querido seu, sua mãe por exemplo, ler seus textos mais tenebrosos e te perguntar se você pensa tudo aquilo mesmo dela. O que você responde ?

  101. Foi mal, quem fez a pergunta acima fui eu, Fernando. O sádico “estrupador” da imoralidade, como deve pensar a Day…

  102. Mas esse cara sádico estupra a imoralidade, e portanto ele é ‘bom’ ? Ou ele é um só mais um sádico imoral que estupra qualquer um ?
    Ele não podia ser somente sádico e ficar na dele ?

    Day,

    tá vendo a confusão que se pode criar quando se defende posições voláteis ?

  103. Comente Lucas 22, onde Jesus pede para comprar 2 espadas e com a mesma um dos apóstolos fere um soldado romano. Era apenas uma metáfora, significando a Palavra (Revelações que nenhum homem já havia escutado)?

  104. Fernando

    Minha mãe já me perguntou se eu a “considero menos” porque ela acredita em Deus. Eu respondi que não, pois não considero, mas disse também que acho que ela usa a ideia de Deus para tentar resolver um monte de coisas que ela poderia resolver sozinha de forma eficiente.
    Se algum dos meus parentes ler o que escrevo aqui não vai ficar nada espantado, pois já estão acostumados.

  105. Gentio

    Os crentes sempre vão dizer que você precisa “contextualizar”, fazer uma hermeneuticazinha básica.
    Veja aí no link uma demonstraçao disso.

    http://verboeterno.wordpress.com/2007/05/10/as-duas-espadas/

  106. Prova, isso sim, de inteligência. Um ex-ateu (não neoateu), o filósofoTassos Lycurgo, professor universitário, advogado e filósofo, faz palestra em todo o mundo, mostrando como deixou de ser ateu (não neoateu), por pura racionalidade. Esse é o ponto. A inteligência humana está ligada à racionalidade.

    Não me preocupo com a fé, mas sim com a razão. Seja qual for a posição do homem, ele precisa ter a capacidade para defender seus ideais e suas convicções. Mas de forma inteligente, para poder ser ouvido e respeitado. O que nos diferencia dos demais animais é a nossa capacidade de raciocinar, então, tenho certeza, o homem jamais deixará de buscar respostas.

    http://jornaldehoje.com.br/ex-ateu-palestra-mundo-afora-sobre-a-conversao-que-o-levou-ao-cristianismo/

  107. Fernando,

    “Foi mal, quem fez a pergunta acima fui eu, Fernando. O sádico “estrupador” da imoralidade, como deve pensar a Day…”

    Não, não. Eu não penso assim, absolutamente, por isso mesmo falo com todos aqui, e frequento aqui, certo?

    Porém, continuo batendo na mesma tecla: não suporto a ‘bandeira’ bélica e debochada do Neoateísmo. Prefiro conversar mais sério, principalmente porque, quando brinco, sou mal interpretada e/ou judiada (isso vem de Judas?).

    Você enrolou aí, mas não me disse se acha correto o neoateu usar essa máxima: “crente estupra o próprio cérebro”. Eu, de forma esclarecida e racional, provei que não é correta essa sentença, tanto do ponto de vista da Linguística, quanto da impossibilidade do sujeito se autoestuprar. Sei que esse assunto de Língua Portuguesa é chato, mas se você escreve mal, tudo indica que deve pensar ou ler pouco. Outro exemplo da Shirley, é começar uma frase com pronome oblíquo – Ex “Me posiciono”, no lugar de “Posiciono-me”. Um regra bem básica em discussões filosóficas, é nos expressarmos o melhor possível, seja na fala, seja na escrita. E esse é um dos maiores problemas no Neoateísmo.

    E gostei dessa questão levantada por ti sobre a família saber ou não sobre as coisas que neoateus escrevem na internet. Garanto que a maioria se esconde nesse mundão virtual. Normalmente a família aceita o cético, como eu era, mas essa xingação, essas humilhações, acho difícil a família engolir, principalmente uma mãe cristã. Mais um exemplo: A mãe da Shirley pode até estar acostumada com o jeitão da filha, mas acho pouco provável que ela (a mãe) saiba, dentre outras coisas, que Shirley encoraja um garoto a se expressar em tão vulgar linguajar. Isso é, no mínimo, amoral. É coisa de “grupelho”, de “ajuntamento”. Entro e saio daqui sozinha, jamais precisei de “muleta” para dizer o que penso. Mas tudo bem…

    Abraço..

    Bom dia..

  108. Gentio,

    “Comente Lucas 22, onde Jesus pede para comprar 2 espadas e com a mesma um dos apóstolos fere um soldado romano. Era apenas uma metáfora, significando a Palavra (Revelações que nenhum homem já havia escutado)?”

    ‘Comente!’ é uma ordem? hehe

    Não o conheço, não sei da sua bagagem, e não sei se quero continuar falando de teologia e hermenêutica. Ando cansada de lidar com o xucro. Mas o dia é longo, quem sabe eu fale mais.

    Bom dia.

  109. Olha a correção: “chucro” – É disso que estou falando: a Língua é fundamental. Não errei de propósito, foi descuido mesmo.

    Mas nada é regra geral. Há pessoas sem nenhum estudo que são muito educadas. O importante é se comunicar, e saber o que está passando para o interlecutor.

    ps – podem me corrigir à vontade também.

  110. “interlocutor” afff!

  111. Fernando, eu respondo que a crença em Deus é apenas uma droga na qual a pessoa foi viciada por seus pais, por sua família, por sua sociedade. Ela não teria culpa por ser viciada, nem por ter tentado me viciar também, já que achava que estaria fazendo a coisa certa. Mas, ao fim e ao cabo, é como se um alcoólatra administrasse pequenas doses de uísque na mamadeira de seu filhinho para torná-lo igual ao pai, achando que viver a vida de porre é a melhor maneira de aproveitar a vida.

    Deus é uma droga. Não comparo mais com o crack, porque essa é uma droga bem barata, e Deus é caro.

  112. Mas não respondeu: sua família lê o blog ou não?

  113. Minha família não lê, não. O negócio deles é um tal de Face, onde o povo tira foto do prato do almoço e publica pra todo mundo ver o que ele vai comer.

  114. hehehe… melhor assim.

  115. Day,
    Frases imperativas — São utilizadas para exprimir ordens, PEDIDOS, conselhos, exortações. Relacionam-se com a função apelativa da linguagem.

    É difícil caracterizar a entoação da frase imperativa: por vezes, tem uma entoação mais ou menos neutra, semelhante à das frases declarativas (“Entre.”, quando reagimos ao toque dos nós dos dedos na nossa porta); mas, se a intenção apelativa se associa à expressão de emoções, é normal marcar intensamente uma das sílabas (“Sai daííí, rapaz!”).

    O que parece caracterizar, sobretudo, este tipo de frase é o uso de formas verbais do imperativo, ou do conjuntivo com valor imperativo (“Entre.”, “Entrem.”), ou até do infinitivo (“Contra os canhões, marchar, marchar!”).

    Na escrita, as frases imperativas são sinalizadas por ponto final ou ponto de exclamação e pelo uso das formas verbais indicadas (imperativo, conjuntivo, infinitivo). No entanto, uma frase pode nem sequer ter o verbo expresso (“Fora!”, significando “Sai para fora!”).

    Passa-me o sal, por favor.
    fonte: http://www.oocities.org/fernandoflores.geo/tipos.htm

    Então, Day, perdão se me expressei mal, portanto:
    Comente Lucas 22, onde Jesus pede para comprar 2 espadas e com a mesma um dos apóstolos fere um soldado romano. Era apenas uma metáfora, significando a Palavra (Revelações que nenhum homem já havia escutado), POR GENTILEZA?

  116. Olá, SSRodrigues.

    “Os crentes sempre vão dizer que você precisa “contextualizar”, fazer uma hermeneuticazinha básica.
    Veja aí no link uma demonstraçao disso.
    http://verboeterno.wordpress.com/2007/05/10/as-duas-espadas/

    Ok, li o texto do site referido, o Pastor falou muito, mas não compreendi onde ele explicou TODO o capítulo de Lucas 22, apenas uma passagem. Ele diz que o “basta” de Jesus foi porque os discípulos não entenderam o que o Rabi quis dizer, mas ele não explica o porquê das palavras serem um ensinamento e Jesus mesmo assim permitiu que seus discípulos portassem espadas materiais. Ele mesmo não disse para livrar-se da aparência do mal? Um pacifista nunca permitiria isso(vide Gandhi), a menos que ele não fosse um pacifista e sim um rebelde contra o Estado Romano e o farisaísmo dos Judeus locais(já que Jesus era um Judeu palestino, não ortodoxo, pelo visto) ou alguma outra opção que não vislumbro no momento.
    Alguns defendem que Jesus só falava metáforas nas parábolas, no resto, seria no sentido denotativo, não vou entrar nesse mérito.
    Pelo que já pesquisei, é muito difícil tentar entender a Bíblia em si, ela parece ter sido “montada” e interpretada para querer dizer algo, as vezes penso que os verdadeiros registros de Jesus foram os gnósticos(fico na dúvida se aqui se referem ao Chrestus dos Essênios ou ao Cristo do conhecido hoje) e até mesmo o que estão na Bíblia(os que não foram modificados), ratificam isso, com Jesus transmutando matéria, dominando os elementos naturais, transfigurando, curando mazelas do corpo e da mente(espírito)… Coisas do tipo. Realmente é uma lástima a ICAR ter destruído diversos registros históricos para que apenas os dela pudessem ser consultados.
    Com todo o respeito ao Pastor do site posto, não fui convencido da explicação dele.

  117. Gentio,

    Obrigada pelos comentários e questinamentos. Mais tarde falo um pouco, pois tenho que falar também sobre os versículos sugeridos pelo Barros.

    Té já. :)

  118. Gentio,

    Confesso que hesitei em voltar a fazer comentários ou dissertações teológicas nesse espaço, não pelo espaço ser desqualificado, mas por não ser de interesse neoateísta tal explanação. Entretanto, como você parece interessado num bom debate, vamos lá.

    Uma coisa que penso é que, ainda que existam assuntos complexos na Bíblia, de forma geral, Ela é um Livro simples de entender, desde que você, ao contrário do que muitos pensam, possa desenvolver a análise das contextualizações. Por exemplo, Deus é acusado e condenado por crimes cometidos contra povos, incluindo crianças. mas o que o leitor não entende é que o contexto social era bélico. O mundo começou com guerras, viveu em guerras, e acabará em guerras. Eu, pessoalmente, não tenho a menor dúvida disso. Mas o assunto é outro.

    Os apóstolos de Jesus possuírem espadas não significa nada de suma importância para aquele momento crucial, onde Jesus, finalmente, seria preso e condenado à morte. Talvez Ele ter permitido a espada nada mais seja que um ato natural, pois o que não faltava eram espadas nesses tempos. Poderia ser para a defesa dos apóstolos, para mais uma lição (admoestação a Pedro para a não violência) ou mesmo para que eles se sentissem seguros, como hoje, quando muitos de nós compramos armas para defender nossa família e o nosso lar, o que não é o meu caso.

    Um grande equívoco do incauto, do desavisado, é tentar contestar a Bíblia através da Homilética (pregação) de outrem. Muitos homens têm, verdadeiramente, o dom de profetizar (pregar o Evangelho), entretanto, nem todos são agraciados com tal dom. O homem é finito, portanto sempre estará sujeito a prática de erros. E na religião não é diferente.

    Quando eu frequentava a Igreja Protestante – fui seminarista -, descobri que sem a devida espiritualização não se pode entender a Deus com êxito. A “conexão” com Este Ser só se dá, primeiro, pela boa vontade, e segundo, pelo amor a Ele. Mas se a Bíblia diz que Jesus nos amou primeiro, significa que está disponível a todos, portanto a responsabilidade é nossa em querer ou não alcançar a Verdade.

    Como dizia, quando ainda ia à Igreja, certafeita disse ao meu marido, antes de sairmos de casa para assistirmos a uma reunião, eu disse-lhe: “Querido, Deus me disse qual será a Palavra (assunto da pregação) de hoje!”

    Ele sorriu e nada disse. Mas eu fiz questão de citar capítulo e versículo, a fim de não restarem dúvidas. Era o Evangelho de Marcos, capítulo 4, versículo 35, onde Jesus exorta aos apóstolos a passarem para a outra banda do mar.

    Quando chegamos à Igreja, o pastor mandou que abríssemos exatamente em Marcos 4.35! Isso poderia ser algo comum se a Bíblia não tivesse 1.189 capítulos e 31.101 versículos. A probalbilidade de um acerto desses é inexistente. Nem “chutando” por cem anos eu conseguiria. Disse-o para o sério Pastor e regozijamo-nos, contudo, ainda que ele não sirva como minha testemunha, ainda resta meu marido que, mesmo “cético quase ateu”, admitiu que havia algo de sobrenatural, afinal, contra fatos não há argumentos. Seria matematicamente impossível eu “adivinhar” tal coisa.

    Fugi do assunto de novo, mas precisava contar esse enigmático evento, e embora eu tenha vivido centenas deles, esse citado desafia a lógica e a matemática, por isso achei oportuno para o espaço tão radicalmente cético. E é por isso que levo os estudos a sério, e a Bíblia a sério.

    Jesus usava muito as figuras de linguagem, as alegorias e as parábolas para ensinar. Vemos muito isso quando Ele diz que é a “água viva”, “pão vivo”, “o vinho”, etc. Assim, Sua Palavra é “espada”, aquela que fere o Mal. A Espada do Espírito. Daí não podermos tentar descontextualizar a Bíblia ao nosso bel prazer. Assim como existiam pães ‘reais’, a água ‘real’, assim existiam, também, as espadas.

    Essa era a forma de Jesus ensinar, muito mais eficaz que a Filosofia Grega Socrática com sua maiêutica (troca de ideias pelo diálogo, a dialética infinita).

    Não sei se ajudei – estou muito ocupada -, mas podemos continuar, caso queiras.

    Abraços..

  119. Barreto,

    Vou refutar com o maior prazer aquela ideia de que há contadições em o homem ter ou não visto a Deus. ;)

  120. É por isso que eu sou ateu.

    Teve uma vez que eu pedi Senhor Deus, me diga quais serão os próximos cinco números da Mega-Sena da virada, e Deus cagou mole…

    Talvez ele só dê bizu de sermão.

  121. Olá, Day. Agradeço seu esforço e tempo cedido.
    Entendo que o contexto da época era mergulhado em guerras, afinal, os Judeus estavam cansados de Roma e as profecias de um Messias não se concretizavam, desolação era a palavra reinante, acredito.
    Mesmo assim, ainda me intriga que Jesus tenha ordenado a compra de armas, explico dentro das opções que você deu:
    1-Talvez Ele ter permitido a espada nada mais seja que um ato natural, pois o que não faltava eram espadas nesses tempos.
    R- Poderia ser natural para o Messias guerreiro que o povo Judeu esperava, mas não para o Príncipe da Paz. Não seria natural – na minha opinião- ele ordenar algo feito para guerrear. A não ser como eu já disse antes: Um pacifista nunca permitiria isso(vide Gandhi, poderia ter feito o mesmo e retribuiu a violência contra ele o povo com amor e sabedoria, não pediu para seguidor algum comprar armas), a menos que ele não fosse um pacifista e sim um rebelde contra o Estado Romano e o farisaísmo dos Judeus locais(já que Jesus era um Judeu palestino, não ortodoxo, pelo visto) ou então como também já comentei, a Bíblia parece ter sido montada dentre vários manuscritos, descartando ou alterando ao passar dos tempos para um propósito, escuso ou não, isso não entra na discussão no momento.
    2- Poderia ser para a defesa dos apóstolos,
    R-Se Jesus ensina a não violência e dá exemplos em toda sua vida de não resistência(exceto a expulsão dos vendilhões no templo,o que me parece um outro Jesus), deixou mudos os sábios da época apenas com metáforas e respostas certeiras, os apóstolos não precisaríam disso para se defender, Jesus debatia e quando a situação no lugar onde estava fica tribulada, ele saia de lá. Não lutava. Ele nunca ensinaria a defesa pela espada(arma de corte), nem se sua vida dependesse disso.
    3-para mais uma lição (admoestação a Pedro para a não violência)
    R- Pois é, interessante e intrigante eu montar um ensinamento em um momento crítico como esse, onde Jesus sabia que seria entregue a cúria romana(se sabia por ter combinado com Judas como diz os Evangelhos Gnósticos ou por ser Deus ou por abrigar o Cristo em si, não cabe aqui), eu não consigo ver Jesus planejando ensinar seus apóstolos com isso, só me passa a visão de montagem de textos parecidos para montar uma história, mas é apenas um pensamento meu e nada mais.
    4- ou mesmo para que eles se sentissem seguros, como hoje, quando muitos de nós compramos armas para defender nossa família e o nosso lar,
    R- Continuo estranhando um pacificador que diz para dar a outra face se lhe agredirem mandar seus discípulos comprarem armas! Pra mim soa contraditório! Se comprar armas para me defender fosse o certo, o próprio Jesus teria feito o que disse em Mateus 26: 52 Disse-lhe Jesus: “Guarde a espada! Pois todos os que empunham a espada, pela espada morrerão.
    53 Você acha que eu não posso pedir a meu Pai, e ele não colocaria imediatamente à minha disposição mais de doze legiões de anjos?
    54 Como então se cumpririam as Escrituras que dizem que as coisas deveriam acontecer desta forma?”
    55 Naquela hora, Jesus disse à multidão: “Estou eu chefiando alguma rebelião, para que vocês venham prender-me com espadas e varas? Todos os dias eu estive ensinando no templo, e vocês não me prenderam!
    56 Mas tudo isso aconteceu para que se cumprissem as Escrituras dos profetas”. Então todos os discípulos o abandonaram e fugiram.
    E se lermos esses versículos, em minha opinião, o 55 parece ter sido colocado ali justamente para combater alguns escritos gnósticos, leia sem o 55 e verá que o texto segue com mais fluidez, mas isso é divagação minha.
    Quanto a suas experiências, bem, são suas e não cabe a mim discorrer sobre, eu tive e tenho as minhas, assim como o Barros teve a dele e assim por diante, cada um atribui ao que deseja.
    Agradeço novamente suas explanações.

  122. Barros,

    A proposta é espiritual, para questões materiais há outros deuses e o ateísmo, claro.

  123. Gentio,

    Compreendo essas dúvidas. De fato existem os “evangelhos apócrifos”, os que ficaram de fora da Bíblia. Na Bíblia católica, por exemplo, existem alguns livros que não estão na Bíblia protestante de Lutero, como o Livro dos Macabeus, dentre outros.

    Não sei até que ponto fariam diferença esses outros livros, a não ser pelo estudo – e são mais de 50!

    Para o cristão, os Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João são suficientes, até mesmo por serem consequência de um consenso; nem sempre consensos são mostra de positividade, mas neste caso creio que sim.

    Quanto a Jesus ter tido momentos de fúria, também nada vejo de contraditório. O filósofo ex-ateu e agora cristão,Tassos Lycurg demonstra como é fácil entender a Trindade (que compõe Deus, que se chama “Senhor dos Exércitos”, e que diz ter seus momentos de ira, ainda que dure pouco):

    “Deus é único e são três seres, o Pai, Jesus e o Espírito Santo, formando uma trindade única. Muita gente não entende isto, então cito o exemplo. Você junta à melodia, a harmonia e o ritmo e tem uma única música, com três elementos. O elétron, o neutro e o próton, formam o átomo, três elementos formando um só, assim se entende o Deus”.

    Quando Jesus veio, não existiam apenas os fariseus, mas várias seitas político-religiosas, todas voltadas para interesses próprios e afastadas da Torá, tais como os Escribas, Saduceus, Essênios, Herodianos, os Zelotes (fanáticos), Publicanos (mexiam com impostos), e os Samaritanos. Não foi nada fácil para Jesus ‘enfrentar’ essa massa rebelada; então, se pensarmos que eram muitos inimigos, sem contar com os Romanos, dá para vislumbrar um Jesus pacífico.

    Quanto a ser chamado de Príncipe da Paz, creio que seja uma paz mais profunda, não a circunstancial, a paz do mundo que entendemos como ausência de guerra.

    Mas veja bem: não tenho a menor intenção de “evangelizar” ninguém aqui, até porque o blog é ateu hehe.

    Foi só mesmo para responder a ti. Depois vou ler com mais calma suas colocações. :)

  124. E Gentio,

    Certamente as experiências são individuais; essa que exemplifiquei é chamada de “Rhema”, ou seja, existe o “Logos” que é a Palavra em si, já escrita para todos. E “Rhema” são palavras repetidas que são enviadas individualmente a cada cristão. E quando isso acontece, entende-se que é Deus falando particularmente com a pessoa. Mas não vou me aprofundar nessa minha experiência, não vem ao caso.

    Abraço..

  125. Day, vou comentar por partes. Você disse:
    “Não sei até que ponto fariam diferença esses outros livros, a não ser pelo estudo – e são mais de 50! Para o cristão, os Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João são suficientes, até mesmo por serem consequência de um consenso;”
    R- Se Deus quis dizer algo, como posso saber que não estava em um ou alguns desses 50? Só porque a ICAR escolheu que deveriam ser apenas 4 evangelhos!? Se eu levar em conta apenas argumentos teológicos, entraremos no campo subjetivo da fé e isso eu não discuto. Lendo um pouco sobre a tradição artístico-teológica envolvida nos evangelhos, ela representou sempre os quatro evangelhos com o desenho de quatro animais, devido a cada uma das quatro peculiaridades evangelísticas, assim como passagens bíblicas vetero e neotestamentárias. As gravuras são respectivamente um homem, um touro, um leão e uma águia. A representação de temas em quatro é conhecida por tetramorfo. Tanto em Ezequiel como no livro das Revelações são usadas essa mesma imagem do tetramorfo. A seguir:
    Eze 1:5 “E, do meio dela, saía a semelhança de quatro animais; e esta era a sua aparência: tinham a semelhança de um homem.”
    Eze 1:6 “ E cada um tinha quatro rostos, como também cada um deles, quatro asas.”
    Eze 1:8 “E tinham mãos de homem debaixo das suas asas, aos quatro lados; e assim todos quatro tinham seus rostos e suas asas.”
    Eze 1:10 “E a semelhança do seu rosto era como o rosto de homem; e, à mão direita, todos os quatro tinham rosto de leão, e, à mão esquerda, todos os quatro tinham rosto de boi, e também rosto de águia, todos os quatro.”
    Eze 1:15 “E vi os animais; e eis que havia uma roda na terra junto aos animais, para cada um dos seus quatro rostos.”
    Ap 4:6 E havia diante do trono um como mar de vidro, semelhante ao cristal, e, no meio do trono e ao redor do trono, quatro animais cheios de olhos por diante e por detrás.
    Ap 4:8 “E os quatro animais tinham, cada um, respectivamente, seis asas e, ao redor e por dentro, estavam cheios de olhos; e não descansam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-poderoso, que era, e que é, e que há de vir.”
    Ap 5:6 “E olhei, e eis que estava no meio do trono e dos quatro animais viventes e entre os anciãos um Cordeiro, como havendo sido morto, e tinha sete pontas e sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados a toda a terra.”
    Ap 5:8 E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos.”
    Ap 5:14 “E os quatro animais diziam: Amém! E os vinte e quatro anciãos prostraram-se e adoraram ao que vive para todo o sempre.”
    Ap 7:1 “E, depois destas coisas, vi quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma.”
    Ap 7:2 “E vi outro anjo subir da banda do sol nascente, e que tinha o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar,”
    Ap 7:4 “E ouvi o número dos assinalados, e eram cento e quarenta e quatro mil assinalados, de todas as tribos dos filhos de Israel.”
    Ap 7:11 “E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seu rosto e adoraram a Deus,”
    Ap 9:13 “E tocou o sexto anjo a trombeta, e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro que estava diante de Deus,”
    Ap 9:14 “a qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos que estão presos junto ao grande rio Eufrates.”
    Ap 9:15 “E foram soltos os quatro anjos que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens.”
    Percebe-se que a figura de quatro seres angelicais era bastante presente no Judaísmo e no Cristianismo a posteriori. Já nos primórdios da Igreja Cristã, os Pais da Igreja procuraram dar inúmeras interpretações para os mesmos seres: o homem, o leão, o touro e a águia. Para estes, cada um desses símbolos representava um evangelho. Todavia a identificação com os Evangelhos mude de interprete para interprete, fiquemos com uma delas:
    a) O homem representa o Evangelho de Mateus, pois neste, o escritor centraliza sua mensagem na natureza humana de Cristo, bem como sua posição de “filho do homem” e descendente da linhagem de Davi;
    b) O leão representa o Evangelho de Marcos, pois neste, o escritor inicia sua abordagem cristológica por meio da proclamação de João, filho de Zacarias no deserto, bradando a entrada do Messias no mundo.
    c) O touro representa o Evangelho de Lucas, pois o início da narrativa se centraliza no templo, onde o sacerdote Zacarias prestava serviço, com o templo estando associado ao arranjo sacrificial dos animais para a expiação de pecados.
    d) A águia representa o Evangelho de João. Aqui se dá pelo fato de que a águia foi usada sempre como símbolo de sabedoria, perspicácia, sendo um animal “das alturas”, podia ver longe. O quarto evangelho é o único que inicia seu relato com a cronologia centrada na eternidade, introduzindo Jesus como a Palavra (gr.: logos) que estava ao lado de Deus por inúmeros eons.
    O número quatro está presente historicamente em diversos mitos ao redor do mundo. Na mitologia nórdica, grega, chinesa e principalmente na egípcia, com Hórus e seus 4 filhos, estes eram quatro deuses na religião egípcia que eram essencialmente as quatro personificações feitas em jarros com vísceras, que acompanhavam os corpos mumificados. São eles:
    Imsety de forma humana, que protegia o figado e era protegido por Ísis.
    Hapi que é em forma de um babuíno, protegia os pulmões e era protegido por Néftis.
    Duamutef em forma de chacal, protegia o estômago e era protegido por Neith.
    Qebehsenuef era em forma de falcão, protegia o intestine largo e era protegido por Serket.
    Não só o conteúdo literário do Novo Testamento tem como fonte primeira elementos míticos, mas a própria estrutura desses livros tem como base o tema do mito universal. A existência de quatro evangelhos se dá, não porque Deus escolheu quatro testemunhas, para que tivéssemos material sobre a vida de Jesus, mas pelo fato básico de que esse era o arquétipo mitológico desde tempos idos. Assim, temos quatro evangelhos pelo simples fato de que, na estruturação oficial da doutrina cristã, no século IV, houve a necessidade de padronizar o sistema de crenças da religião oficial. Os diversos evangelhos que existiam – conhecidos hoje (mas não naquela época) como evangelhos apócrifos – não poderiam continuar circulando, pois fariam o Cristianismo apresentar mais contradições. Só para concluir o raciocínio, citarei Irineu, um dos principais Pais Apostólicos e o cabeça atrás da definição do cânon:
    Os Evangelhos não poderiam ser mais ou em menos em número do que eles são. Uma vez que existem quatro zonas do mundo em que vivemos, e quatro ventos principais, enquanto a Igreja está espalhada por toda a terra, e a coluna e o fundamento da Igreja é o Evangelho, e o Espírito de vida, dignamente tem quatro pilares, em toda parte expirando incorruptibilidade e homens revigorantes. A partir disso, fica claro que a Palavra, o artífice de todas as coisas, sendo manifestada aos homens nos deu o evangelho, quatro vezes mais na forma, mas unidas por um só Espírito. Como David disse, ao pedir sua vinda, ‘Ó aquele que senta sob os querubins, mostra-te’. Pois os querubins têm quatro faces, e os seus rostos são imagens da atividade do Filho de Deus. Pois a primeira criatura viva, diz, era como um leão, significando seu caráter ativo e principesco e real, o segundo era como um boi, mostrando sua ordem sacrificial e sacerdotal, o terceiro tinha o rosto de um homem, indicando claramente a sua vinda em forma humana, e o quarto animal era semelhante a uma águia voando, deixando claro a doação do Espírito que paira sobre a Igreja. Agora, os Evangelhos, em que Cristo está entronizado, são como estes.
    O que Irineu explicou, tem a mesma base mítica dos quatro cantos da terra, cuja base se encontra também nos mitos pagãos, que combina com os quatro filhos de Hórus e os quatro animais angélicos de Ezequiel e Apocalipse, todos apontam para uma denominador comum, a ideia do mito universal.

  126. Gentio

    Não ficou claro se você professa alguma religião, por isso preciso dizer que sou ateia; esclareço isso para que você leve em conta que o que escrevo não tem a intenção de ofender, é minha forma de pensar.
    O link serviu exatamente para demonstrar um ponto que sustento, ao qual sua pergunta se liga.
    Muitos crentes, tentando contradizer os ateus, dizem que estes não podem afirmar que sabem que Deus não existe. A lógica aqui é a da inversão, se eles não podem provar que Deus existe, igualmente nós não podemos provar que ele não existe.
    Mas o fato é que podemos. Deus não existe porque é impossível que ele exista segundo os próprios termos que o descrevem. Ou, se preferir, é impossível que ele exista devido aos próprios atributos que, afirmam os teólogos, o constituem.
    Por exemplo:

    ” SABEDORIA: A inteligência infinitamente perfeita de Deus gera a sabedoria absoluta que O faz empregar os meios mais eficazes para os fins mais dignos. Deus Tudo governa com inteligência, segurança e ordem.”

    Olhando a nossa volta, tempo passado e tempo presente, alguém em sã consciência pode dizer que existe algum governo regido em eficiência, dignidade, inteligência e ordem?

    “BONDADE: Deus é amor infinito e perfeito. Deus é bom em si mesmo; absolutamente nada lhe pode ser acrescentado ou melhorado, pois ele não é incompleto ou defeituoso. Ele é o Sumo bem para suas criaturas; a fonte de todo bem. Sua bondade se manifesta para todas as suas criaturas, pois é a perfeição que o leva a tratar benévolo e generosamente todas as suas criaturas. Este atributo de Deus implica que Ele é o parâmetro definitivo do que é bom, e tudo o que Ele é e faz é digno de aprovação.”

    Aí está descrito um ser que é onipotente, e não apenas possui a qualidade da bondade, ele “é” a bondade, mas é indiferente a todo sofrimento por que tem passado aqueles que ele criou, já que não age para obstar esse sofrimento, nem mesmo por quem é totalmente indefeso.

    “JUSTIÇA: Sendo em grau infinito, inteligente, sábio e bom, Deus é justo. Possuindo santidade absoluta que é ordem do amor, Ele age com justiça infinitamente perfeita. Por isso, pune o mal e recompensa o bem. Deus sempre age segundo o que é justo.”

    Num mundo supostamente criado por um ser que “é” a justiça, o que menos se vê é justiça.

    “SOBERANIA OU SUPREMACIA: Deus o supremo criador do universo não pode e jamais será influenciado por qualquer atitude humana ou evento de sua criação. Deus a tudo controla e tem o domínio eternamente sobre a vontade dos homens, dos seres celestiais e sobre todo o restante de sua criação.”

    “Benevolência: É a bondade de Deus para com Suas criaturas em geral. E’ a perfeição de Deus que O leva a tratar benévola e generosamente todas as Suas criaturas . Thiessen define benevolência como a afeição que Deus sente e manifesta para com Suas criaturas sensíveis e racionais. Ela resulta do fato de que a criatura é obra Sua; Ele não pode odiar qualquer coisa que tenha feito mas apenas àquilo que foi acrescentado à Sua obra, que é o pecado.

    Uma contradição gritante. Deus não pode ser o supremo ser, com controle sobre tudo e ao mesmo tempo não ter controle, já que “foi acrescentado” à sua obra o que quer que seja, no caso, o pecado.
    Se assim for, ele não será sabedoria, nem supremacia.

    Mas frise-se que “Deus a tudo controla e tem o domínio eternamente sobre a vontade dos homens, dos seres celestiais e sobre todo o restante de sua criação.”

    Se tem controle total, permitiu que algo ou alguém introduzisse o pecado, à revelia daqueles que iriam sofrer as consequências desse ato, que trouxe dor, sofrimento, injustiça, desamor, ódio.

    Então, não haverá bondade nesse ser, nem justiça, nem, muito menos ele “será” bondade e justiça.

  127. Continuando, Day:
    “Quanto a Jesus ter tido momentos de fúria, também nada vejo de contraditório. O filósofo ex-ateu e agora cristão,Tassos Lycurg demonstra como é fácil entender a Trindade (que compõe Deus, que se chama “Senhor dos Exércitos”, e que diz ter seus momentos de ira, ainda que dure pouco)”
    R- Bem, eu não vejo relação entre o Deus do Livro das Recordações e Jesus, são “pessoas” diferentes AO MEU VER. Não debaterei sobre isso. Vejo mais diferenças de vontade entre Jesus e Javé do que similaridades.
    “Deus é único e são três seres, o Pai, Jesus e o Espírito Santo, formando uma trindade única. Muita gente não entende isto, então cito o exemplo. Você junta à melodia, a harmonia e o ritmo e tem uma única música, com três elementos. O elétron, o neutro e o próton, formam o átomo, três elementos formando um só, assim se entende o Deus”.
    R- Apenas sobre os exemplos, quanto a música(que existem vários tipos, cada sistema de composição determina um estilo diferente na música), os componentes variam, podem ser harmonia, melodia, timbre e forma.(fonte:http://www.ehow.com.br/componentes-famosos-musica-classica-info_42360/), podem ser os três elementos fundamentais da música que você citou: a melodia, a harmonia e o ritmo e também podem ser os elementos formais da música como densidade, timbre, intensidade, altura e duração(fonte:http://www.arte.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=136). Quanto a Cada átomo(que são inúmeros), ele possui vários prótons, elétrons e nêutrons. Então, fazendo a analogia ao seu exemplo, é como se vários Pais(Prótons), Filhos(elétrons) e Espíritos Santos(prótons) formassem cada Deus(átomo) existente no universo.

  128. Os exemplos que dei acima servem para demonstrar que Deus não pode existir como é descrito. E servem também para dizer que os teólogos sabem muito bem. que estão diante de um abismo intransponível. Buscando meios de contornar esse abismo,decidiram “interpretar” Deus, alegando o livre arbítrio e usando a Hermenêutica.
    Assim, se sofremos e se outros são objeto de ações prejudiciais, é devido ao livre arbítrio, com o qual Deus generosamente nos dotou, numa prova de seu amor. Só não explicam onde estaria a justiça e o amor divinos quando alguém é alvo do exercício de livre arbítrio de outro, estando ou sendo esse alguém impossibilitado de exercer o seu próprio. Por exemplo, um bebê que é estuprado, ou espancado até a morte. O autor desse ato esteve exercendo seu livre arbítrio, mas o bebê nunca teve a chance de exercer o seu.

    Ou, no exemplo do caso das espadas. É, como você aponta, intrinsecamente contraditório. Praticamente tudo que supostamente Deus inspirou ou ditou, na Bíblia, é continuamente interpretado e contextualizado, pois não pode ser assumido ipsis litteris.

  129. Ainda, Day…
    “Quando Jesus veio, não existiam apenas os fariseus, mas várias seitas político-religiosas, todas voltadas para interesses próprios e afastadas da Torá, tais como os Escribas, Saduceus, Essênios, Herodianos, os Zelotes (fanáticos), Publicanos (mexiam com impostos), e os Samaritanos. Não foi nada fácil para Jesus ‘enfrentar’ essa massa rebelada; então, se pensarmos que eram muitos inimigos, sem contar com os Romanos, dá para vislumbrar um Jesus pacífico.”
    R- E como podemos saber se Jesus não fazia parte de uma dessas seitas? Ou se uniram várias estórias e criaram um Jesus teológico diferente do Jesus histórico?
    Se as seitas usavam as espadas na guerra, entro no ponto de Jesus pedir espadas…
    “Quanto a ser chamado de Príncipe da Paz, creio que seja uma paz mais profunda, não a circunstancial, a paz do mundo que entendemos como ausência de guerra.
    Mas veja bem: não tenho a menor intenção de “evangelizar” ninguém aqui, até porque o blog é ateu hehe.
    Foi só mesmo para responder a ti. Depois vou ler com mais calma suas colocações. :)”
    R- OK, entendo seu ponto de vista. Eu também não desejo fazer proselitismo de ordem alguma.

  130. SSRodrigues, grato pela resposta.

    Compreendo seu texto sobre a impossibilidade dessa forma de Deus.
    Fico feliz em encontrar pessoas que sabem e se importam em debater pacificamente e sem partir pro “Ad hominem”.
    Eu não possuo religião hoje em dia, apenas sou um pesquisador.
    Abraço a todos.

  131. Mas o crente sempre vai ter a última carta na manga para essas questões bizarras e insondáveis do mal que “eventualmente” persegue a todos. Com a cara de vencedor da conversa e de fomentador das desculpas de Deus, o crente esperto vai dizer que ” tudo ” começou porque o homem O desobedeceu e merecia ser expulso do paraíso já que o Criador é justo. Aí começou toda a merda toda …

    Assim Deus vai misteriosamente, descarregando sua ira em praticamente todas as criaturas desde o início dos tempos. Sadica e eternamente vingativo ? Acredite meu irmão, Ele é apenas justo.

    Agora vemos como se torna fácil imputar culpa depois que um infeliz acredita numa estória dessas . Mas antes mesmo, assim que nasce o desgraçado já tem o tal pecado original. A não ser que aconteça um milagre, o cara está fudido pelo resto da vida.

  132. Fernando

    Mas quem afirmar isso vai tornar a bater com a cara nas mesmas paredes, pois se Deus é supremacia e “a tudo controla e tem o domínio eternamente sobre a vontade dos homens, dos seres celestiais e sobre todo o restante de sua criação,” ele não poderia fazer outra coisa que não fosse impedir a desobediência, já que ” A inteligência infinitamente perfeita de Deus gera a sabedoria absoluta que O faz empregar os meios mais eficazes para os fins mais dignos. Deus Tudo governa com inteligência, segurança e ordem”, além do quê “é a perfeição de Deus que O leva a tratar benévola e generosamente todas as Suas criaturas .
    Se Deus “age segundo o que é justo”, sendo sua justiça “infinitamente perfeita”, ele só poderia punir a si próprio.

  133. Para Shirley:

    A coisa mais fácil que há no mundo das ideias, e que os neoateus se agarram desesperadamente, é a interpretação de Deus de forma humanamente sábia, quer dizer, agem exatamente como conta a Bíblia, querem pensar sozinhos, se forma ‘racional’, ignorando a Deus, não fazendo citações de versículos, não investigando.

    Para homens assim Deus, muito antes de eles existirem já os classificara como tolos. Tudo que a Shirley escreveu acima é fruto da intelectualidade humana, não tem vigor e nem força comprovatória de nada. Um argumento deplorável e infantil é sugerir que Deus deveria ser o Presidente do Brasil e do mundo, abstendo-se assim das responsabilidades a nós atribuídas. O discurso neoateu é sempre o mesmo: falaciosamente inventam contradições sobre algo que não conhecem. Se eu pegar um livro religioso para ler, já com certeza que não é de Deus, meu cérebro, automaticamente, distorcerá até as verdades e as coerências ali contidas.

    Esse discurso dela a expõe como neoateia (sem estudos litúrgicos e sem profundidade espiritual), e não ateia. Nota-se sempre ser muito fácil refutar o que ela escreve aqui; fora do espaço não passa do primeiro round.

    Não é possível compreender o espiritual com olhos materias. A partir do momento em que a pessoa nega a existência do espírito, da alma, e das experiências do outro (como a minha descrita e matematicamente improvável), ela mesmo se rebaixou intelectualmente e limitou-se a enxergar e sentir apenas o que seus sentidos lhe dão como ‘real’. A não compreensão dos fenômenos sobrenaturais não quer dizer que eles não existam, e negar isso é falência intelectual.

    E esse é o probleminha de nossa amiga: ela sempre acha que aqui é sua casa e que pode ensinar, ou melhor, impor que Deus não existe. Como sabemos que nem a Ciência se posiciona a esse respeito, só devo concluir que exista algo sombrio em pessoas assim, e assustador. Pode ser ligado ao espírito ou à sanidade mental.

    A não ser que ela esteja prestes a ganhar o Nobel, provando ao mundo que Deus não existe, que o tudo foi feito pelo nada, revolucionando a Física, Astronomia, Matemática, e a Ciência humana em geral. Isso é loucura, com todo respeito, é loucura.

    Educação nem sempre é pedir ‘por favor’ e ‘obrigada’. Pode ser muito educado não apontar o dedo no rosto do outro, dizendo-lhe que a verdade é dela, e somente dela. Cada um pode ter sua verdade, e isso deve ser respeitado, e não impugnado de forma tão grosseira para o mundo das ideias.

  134. Pérola de exemplo:

    “Se Deus “age segundo o que é justo”, sendo sua justiça “infinitamente perfeita”, ele só poderia punir a si próprio.”

    A irracionalidade é gritante (para não dizer ignorância). Em nehuma pesquisa teológica, em nehuma religião ou mesmo seita, Deus sugere poder se “auto-punir”. Como é uma tentativa de mudar algo ou criar algo novo no discurso teológico, faz com que o Neoatéismo seja uma provável nova religião, reiventando valores para Deus numa tentativa de neutralizá-lO. Se isso não for fanatismo religioso, o que mais será?

  135. Gentio,

    Noto que você tem vasto estudo do Cristianismo, e considero salutar e excitante fazer comparações mitológicas universais com a Bíblia. A fé, como você mesmo disse, ela é algo subjetivo. Sendo 4 Evangelhos ou não, 50 ou não, eu percebo (empiricamente) que Deus, como um Ser Infinito em sabedoria, não cabe em nenhuma teoria, escritura e nem em nenhuma religião específica. Pode ser anticristão de minha parte para muitos teólogos, mas eu entendo que Deus, como força criadora do Universo, não pode se limitar. As dissências de pensamentos no Cristianismo são a prova dessa infinita existência. Por isso também sou estudiosa e não mais religiosa.

    Com relação à Trindade, existem estudos a respeito da importância do número 3; bem como a força do número 12 (as 12 tribos de Israel, os 12 apóstolos, etc,). A matemática é uma constante nas coisas de Deus. Os cálculos do Universo espantam cientistas e os encorajam a continuarem pesquisando, buscando respostas e explicações.

    Esses seus questionamentos quanto aos evangelhos apócrifos, exigem explicações espirituais, então, de fato, não temos como discorrer. Há quem acredite que o próprio Deus orientou na escolha dos 4, mas Deus estaria envolvido tanto assim na ‘política’ da época, quando Constantino se ‘aliou’ ao Bispado? Ele realmente ganhou a guerra (que já estava perdida para ele) porque teve a visão da Cruz? Questão de fé…

    Querido, somos tão-somente homens, e homens com brilhante imaginação. Não sou do tipo que busco muito a religião certa, a ‘verdade verdadeira’, ou confrontar Lutero com a Igreja Romana, enfim… Entendo Deus como um Ser Aboluto, o que me faz desanimar diante da prolixa investigação do homem nesse campo, onde somos limitados pela carne.

    Entendo que a Bíblia seja um Livro onde podemos conhecer a Deus revelado, de forma natural e sobrenatural. é o que chama-se de “Inspiração” e “Revelação”.

    Segundo Lutero a Inspiração se dá por intermédio do Espírito Santo, que é o próprio sopro de Deus. É quando o homem é ‘usado’ por Ele. (1 Co 2.13; Atos 28.25).

    Já a Revelação é quando Deus fala com os homens. Mas a revelação plena de Deus se dá em Jesus Cristo, que é o Verbo, ou seja, a Palavra. Pode-se, assim, ver a Deus vendo Jesus curando, perdoando e amando as pessoas. (Jo 1.1; Cl 1.15; Cl 2.9).

    Por isso entendo o ateísmo como ausência de experiências espirituais, daí tendo a compreender tal grupo.

    Historicamente tivemos as guerras santas, por falsas interpretações litúrgicas e conflitos políticos; porém tais guerras não neutralizaram a ideologia de Jesus sobre amor e paz em todo o mundo.

    Prefiro o ‘simplismo’, como a ideia que gosto sobre serem 4 os Evangelhos. Façamos a comparação da figuração animal com o objetivo dos 4 Evangelhos para o entendimento de todos os povos, por exemplo.

    Evangelho de Mateus:

    – Falava diretamente aos pobres, o povo judeu. E Jesus era apresentado como o Messias;

    Evangelho de Marcos:

    – Era direcionado ao Romanos (classe rica). Jesus era apresentado como O Grande Rei;

    Evangelho de Lucas:

    – Falava aos Gregos (classe média). Explicava um Jesus Filho do Homem.

    E, finalmente, o Evangelho de João:

    – Foi direcionado às igrejas espiritualizadas. Jesus então, era concebido como O Filho de Deus.

    E foi assim que começou a evangelização mundial, a conscientização cristã em toda parte do planeta.

    Por isso me coloco no ‘simplismo’ da cristandade. Nada contra a erudição apostólica romana, ao Papado. Nada contra a nenhuma teologia cristã, ou mitologia universal.

    Meu dom e meu talento estão a serviço da humildade da ideia de Cristo. Tentar fazer o bem a todos, ignorar inimigos, perdoá-los. Amar a Deus como Criador de todas as coisas. Aceitar as ideias contrárias a Deus (ateísmo, por exemplo).

    Bom dia, amigo. Obrigada por dividir comigo esses conehcimentos. :)

  136. Fernando,

    Por mais que você tenha uma visão tão exageradamente pessimista e derrotista da vida e do mundo (talvez até de si mesmo), não significa que não existam MUITAS pessoas felizes, que não se sentem castigadas e nem cheias de pecados originais. Há bilhões de pessoas
    felizes e que vivem em paz. Essa ótica mortífica da vida é, sem dúvidas, pessoal. Enquanto você escreve isso aí, posso garantir que teístas, cristãos ou não, estão vivendo suas vidas tranquilamente, sem nem mesmo pensarem que existem pessoas assim como você, tão negativas. É pessoal, é seu modo de ver, é sua experiência, e é seu o problema. Tenha certeza de que muitos outros não compactuam com sua visão de mundo e de Deus. ;) Não adianta querer ‘abrir’ os olhos do outro, se o exemplo que se dá é de amargura e revolta. Ninguém quer ser assim.

    Nunca houve um radical bem sucedido…

  137. Gentio,

    Você questiona:

    ” E como podemos saber se Jesus não fazia parte de uma dessas seitas? Ou se uniram várias estórias e criaram um Jesus teológico diferente do Jesus histórico?
    Se as seitas usavam as espadas na guerra, entro no ponto de Jesus pedir espadas…”

    Como sabermos se Jesus não fazia parte de uma dessas seitas? Pela lógica. Todos esses judeus eram afastados da fé. De Deus. Com exceção dos Zelotes que, fanáticos, intencionavam sempre punir pecadores, e fazer valer as Escrituras na base da espada! E a espada cortava pessoas ‘pecadoras’ e ‘desobedientes’ à Lei de Moisés. Os Zelotes descendiam de Judas de Gâmala; eles incitaram uma revolta contra Roma em 6 a.C. Eram também chamados de “Sicários”, que deriva da arma ‘sica’, arma romana que usavam para manter a Lei de Mosaica. Foram degenerando até se tornarem um pequeno grupo de bandidos e salteadores. (AGRADE – História de Israel).

    É só um exemplo de que Jesus não poderia pertencer a quaisquer dessas seitas vigentes.

    Outro exemplo, os Publicanos, que era uma classe imposta pelos dominadores romanos com a missão de lhes coletarem impostos. Sabemos a visão de Jesus com relação ao dinheiro ser o mal do mundo. Logo, é impossivel haver possibilidade de uma parceria d’Ele com tal seita.

    Os Samaritanos eram a classe odiada pelos judeus. Sargão, rei da Assíria, levou cativos os judeus do Norte e, para Samaria, levou o povo estrangeiro (2 Rs 17. 24-41). Era um povo pagão e idólatra. Jesus não estava envolvido. Ele até ensinou com a parábola do bom samaritano, a fim de ensinar aos orgulhosos judeus, mas não era um estrangeiro.

    Enfim, todas as 8 seitas eram contrárias aos ensinamentos do Cristo.

    Espero ter ajudado, mostrando como Jesus não poderia pertencer a essas seitas que, inclusive já existiam antes de Sua chegada.

    E é por isso que a leviandade de muitos ao falarem do que não sabem (não digo você), sustenta movimentos desembasados, como o Neoateísmo. Por outro lado, a apostasia dessas pessoas muito me ajudam, pois me obrigam a rever minha fé. O que não significa que eu decline ao ateísmo; acho muito precoce negar o que ainda não se tem conhecimento suficiente.

    Abraço..

  138. Não falei de todas as seitas para não encher o blog do Barros. Mas ainda deu vontade de explicar quem eram os Essênios.

    Depois dos Fariseus, os Essênios eram os mais numerosos entre os judeus. Eram separatistas e formavam uma verdadeira congregação distinta do judaísmo, bem como das outras seitas vigentes. Não são mencionados no N.T.; habitavam a região ocidental do Mar Morto e eram ascetas e místicos. Impossível relacionar Jesus ao misticismo e ascetismo ou asceticismo, doutrina radical que proibia assuntos mundanos, bem como sua prática. Absolutamente machista. Ora, Jesus não só fazia amizade com mulheres (mesmo prostitutas), quanto andava e ensinava aos marginais, ladrões, etc. Jesus não era, decididamente, místico.

    Pararei por aqui. Como disse, o Barros deve estar louco hehehe.

    Obrigada, Barreto, por fazer desse espaço um lugar realmente democrático.

    Abraços a todos..

  139. E Gentio,

    Com relação à analogia da Trinadade com a música, creio eu que ele se referia à música clássica. Essencialmente a música é melodia, harmonia e ritmo. Meu avô era maestro e compositor, músico instrumentista (trombone), e eu sempre ouvia ele dizer exatamente isso. Mas vou ler os links, depois comento. Obrigada.

  140. Shirley,

    Deus é tão bondoso que, mesmo com a qualidade dividosa do seu post, os comentários fluíram hehe. O importante é polemizar.

    Parabéns.

  141. E, amigos todos, Feliz Dia dos Namorados! Tive um café da manhã perfeito. Pão com manteiga de verdade e vitamina de morangos.

    Desejo que todos estejam tão felizes quanto eu!!!!! :)

  142. Day,
    Agradeço por seus comentários.
    Também acho difícil provar a existência de Deus(não me refiro ao Deus Abraâmico). Quanto a sua inexistência, bem como disse SSRodrigues, o ônus cabe a quem alega, mas para quem acredita, provas não são necessárias, então…
    Quanto a Deus, hoje não acho que ele se encontra em livros escritos, reescritos, acrescentados e modificados ao longo dos tempos e sempre com propósitos distintos do original(que também reflete o pensamento da época e lugar).Em verdade, em verdade, eu digo, não saberia nem expor o que ou quem seria Deus…
    1- Se Deus seria um ser que fica em um Céu místico que controla o mundo e as pessoas;
    2- Se Deus seria um ser afastado da humanidade, recolhido aos seus recônditos, deixando que nós escolhamos nossos caminhos através da inteligência e observação;
    3- Se Deus não é um ser, é apenas um nome que damos as regras imutáveis, que nunca tiveram inicio e que não é consciente, apenas o é;
    4- Se Deus não é um ser, é apenas um ideia para explicar o que ainda não se é explicado;
    5- Se Deus não é um ser, é apenas nossa natureza benéfica, em luta com nossa consciência egoística;
    6- Se são vários Deuses, cada um com suas peculiaridades influenciando no Mundo;
    7- Se são vários Deuses representando atributos que damos nomes como Justiça, Amor, Paciência,…;
    8- Se Deus não existe, o que existe são interações entre matérias, não-matérias e energias que ainda não conhecemos por completo(e nem sei se um dia conheceremos) que permitem através de sua sincronia a condição necessária para a origem, meio e fim da vida. E o resto seria apenas a forma como cada um vê o mundo e percebe essas experiências em sua vida.
    Ainda tenho um longo caminho para pesquisar e tirar minhas conclusões e mesmo assim, seriam apenas as minhas conclusões e não a verdade absoluta!
    Abraço a todos!

  143. Gentio,

    Acredito nesse longo percorrer de caminho; e é longo porque a humanidade teria que se desvencilhar, antes, da Bíblia que é o guia da maioria das pessoas e estudiosos. Mas o Cristianismo avança cada vez mais, entrando em países antes insondáveis. Sabemos que o Ateísmo também cresce, bem como o Islamismo (principalmente na Europa). Matematicamente analisando, dessa forma o Cristianismo e a Bíblia estarão sempre em primeiro lugar. Pela estatística, a tendência é a Bíblia continuar sendo o livro mais lido do planeta. E é esse mistério que não me deixa desvencilhar-me. Isso cria uma dependência absoluta da Ciência nessa era de pós-modernidade. Os ateus são os desistentes, os cristãos (e teístas) os pacientes, e os estudiosos os inquietos.

  144. Day, sobre Jesus não poder pertencer a seitas,
    O problema que vejo é não sabermos o quanto dos manuscritos antigos foram alterados (o que se sabe é que houveram no mínimo 400 mil alterações, vide o livro O que Jesus disse, o que Jesus não disse de Bart D. Ehrrman) mesmo assim, você só está considerando os Evangelhos canônicos. Se analisarmos os apócrifos, veremos que Cristo ou Chrestus(aí é que está minha dúvida) pode ter pertencido SIM a alguma delas.
    Jesus pelo que li apenas no Cânone aceito hoje, se enquadra em pelo menos 2 grupos(que consegui enxergar), Zelotes(mandando comprar armas e chicoteando vendilhões nos templos, atitudes fanáticas) e Essênios(Ascetismo ao deixar família e viver dormindo e pregando nas ruas e místico, transmutando matéria, assumindo aparências diferentes), o ponto é que nós mudamos constantemente, Jesus pode ter pertencido em momentos diferentes da vida a alguma seita, pode apenas ter simpatizado e adotado algumas práticas ou juntaram relatos sobre pessoas diferentes e construíram o Jesus Cristo em cima do Jesus histórico(esse não vejo dúvidas de existência).

  145. Onde tem houveram, leia-se houve… ¬¬

  146. Gentio,

    Mas aí você está levantando hipóteses. Não vejo lógica nisso porque, caso Jesus – histórico ou não – precisasse de um grupo seleto Ele criaria sua própria seita, pois, ideologicamente falando Ele não se enquandraria em nenhuma delas, e as seitas já existiam. Se Ele entrasse em algumas perderia a soberania de ‘mestre’ e, certamente, não teria conseguido permanecer para sempre. Acreditar em Jesus como o Messias tão anunciado no A.T. demanda, não somente fé, mas um estudo mais profundo.

    Eu me atenho aos evangelhos canônicos porque muito antes de mim, homens leram, pensaram, filosofaram e chegaram à conclusão de que eram esses os livros ‘inspirados’. A palavra “Cânon” é usada em referência aos livros reconhecidos como componentes da Bíblia. O termo vem do grego “Kanon” e significa “vara”, dando a ideia de uma vara reta que era usada para medir a retidão de projetos.

    A canonização dos livros das Escrituras foi sucedendo aos poucos. Os líderes religiosos foram reconhecendo a inspiração dos livros até completar o cânon. E não foi tarefa fácil para que desconstruamos todo o trabalho “de Hércules”. Afinal a Bíblia foi escrita num período de 1.600 anos, em três línguas diferentes (grego, hebraico e aramaico), por muitos autores diferentes.

    Esse desejo que temos hoje em desconstruir o cânone, é um fenômeno da pós-modernidade; isso significa que em muitas outras vertentes da humanidade tal desconstrução toma vida: nas artes plásticas, no cinema, no comportamento humano. Não por acaso, a homoafetividade é a bandeira da pós-modernidade, segundo estudiosos. Então, se a palavra de ordem é a desconstrução de cãnones, não seria diferente com a Bíblia. Muitos autores querem esmiuçá-la, tirar sua autoridade, e fazer caírem conceitos e valores.

    Não sei até onde isso poderá ir, e talvez essa seja a oportunidade de uma grande mudança no Cristianismo: se o homem pós-moderno conseguir desconstruir o cãnone bíblico, estaremos diante de uma nova era, sem dúvidas. O jeito é esperar para vermos se, em sendo a Bíblia um livro sagrado, o homem poderá mexer e transformar, ou anulá-la perante a humanidade.

  147. Day,
    “Mas aí você está levantando hipóteses. Não vejo lógica nisso porque, caso Jesus – histórico ou não – precisasse de um grupo seleto Ele criaria sua própria seita, pois, ideologicamente falando Ele não se enquandraria em nenhuma delas, e as seitas já existiam. Se Ele entrasse em algumas perderia a soberania de ‘mestre’ e, certamente, não teria conseguido permanecer para sempre. Acreditar em Jesus como o Messias tão anunciado no A.T. demanda, não somente fé, mas um estudo mais profundo.”
    R- Bem, acredito que hipóteses são levantadas quando se encontram vestígios para tanto. Não sei se Jesus criou uma seita, alguns dizem que os gnósticos são uma seita com ensinamentos de Jesus, quem sabe? E sobre perder soberania de mestre, quem disse que esse era o foco dele? Ser mestre… E se ele só quis orientar? Dar uma visão diferente do que se tinha no momento? E as pessoas a sua volta o idolatraram e o elevaram a um nível sobre-humano? Grande parte das pessoas tem uma necessidade de colocar suas expectativas em outro, ao invés de tentar se descobrir e se aperfeiçoar. Talvez Jesus tenha dado esse ensinamento e foi deturpado com o tempo, não sei…
    “Jesus permaneceu para sempre”…se isso significasse alguma verdade absoluta, então Krishna(3 mil anos antes de Cristo); Lao Tse(1.300 a.C.); Buda(600 anos a.C.); Confúcio(550 anos a.C.);Sócrates(469 a.C.); e até mesmo Maomé(570 depois de Cristo) significaria alguma verdade também absoluta, mesmo que se contradissessem entre si em alguns pontos e concordassem em outros, devo assumir que a verdade são as congruências entre eles?
    Quanto a Jesus ser o messias do AT, tenho pouca convicção nisso hoje em dia. Eu precisaria rever algumas literaturas para expor os motivos aqui.
    No mais, tento a máxima: viva e deixe viver!
    Abraço.

  148. Essa é a ideia. ;)

  149. Ainda, Day
    “Eu me atenho aos evangelhos canônicos porque muito antes de mim, homens leram, pensaram, filosofaram e chegaram à conclusão de que eram esses os livros ‘inspirados’. A palavra “Cânon” é usada em referência aos livros reconhecidos como componentes da Bíblia.”
    R- Sobre inspiração vou comentar um “pouco”…
    Quando eu era religioso, lia e seguia os ensinamentos bíblicos em toda a plenitude que eu entendia e me sentia inspirado. Entretanto, isso não é um ponto em comum entre os que creem nas Escrituras. As várias religiões cristãs[Catolicismo, Protestantismo, Ortodoxos, Anglicanismo, Igrejas não-Calcedonianas, Nestorianismo, Anabatistas, Batistas, Congregacionais, Pentecostais, Luteranos, Metodistas, Presbiterianos, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias(a qual fiz parte), Testemunhas de Jeová, Unitarianismo, Igreja Adventista do Sétimo Dia, Espiritismo, Gnósticos e até Judeus Messiânicos(que não entendo como podem se dizer judeus e crerem em Jesus!)] dizem sedimentar seus ensinos na Bíblia, mas concomitantemente, cada uma tem uma interpretação diferente para o que “a Bíblia diz”. Fora que cada uma dessas religiões desenvolveu um conceito sobre o que se deve entender por “inspirada por Deus.”
    Fui um cristão sectarista, assim, acreditava que cada trecho, versículo, letra e preposição tinha sido inspirado pelo Espírito Santo de Deus.
    Diversas pessoas criaram uma dependência psicológica desse livro, ao ponto de se fecharem para qualquer conceito científico, humanístico ou histórico. Acho que você já deve ter ouvido nas igrejas o discurso: Se te perguntarem se “você realmente acredita que a baleia engoliu Jonas, responda: “eu acredito em tudo que a Bíblia diz, até mesmo se ela dissesse que Jonas engoliu a baleia!” Parece até engraçado, né?Mas isso esconde um problema seríssimo que cria inúmeros outros em nossa sociedade. Voltando ao cerne, vou me ater a teopneustia:
    A Bíblia diz em 2 Timóteo 3:16: “Toda Escritura é inspirada por Deus… Decerto, uma declaração magnânima! Imagine a importância que seria termos uma literatura em que o próprio Criador de todas as coisas é o Autor! Sem dúvidas que esse deveria ser o livro que todo e qualquer ser humano deveria ler! Quem escreveu a segunda carta a Timóteo, empregou em grego theopneustos para se referir a natureza dos livros bíblicos. Todavia esta palavra encontra-se apenas uma vez na Bíblia em referência aos escritos, ela é importante e cheia de profundo significado. De fato, para teologia, esse vocábulo é de extrema importância e significação, porém, reverso ao que a grande maioria pensa, inexiste até mesmo um consenso entre os cristãos do que se quer dizer com o termo “inspiração”. E me refiro ao conceito epistemológico e não o lexical. Neste último, no entanto, podemos ter um vislumbre de seu conceito epistêmico: A palavra “inspiração” provem do grego como já dito, de duas palavras compostas (theos) que significa Deus e (pnéo) que significar soprar, exalar, produzir um sopro, respirar, viver. A palavra composta (theopneustos) significa exalado pela Divindade. O “pulo do gato” está aí. Escreverei sobre as principais linhas doutrinárias a cerca da inspiração.
    1-Infalibilidade: Nessa linha, temos dois pensamentos:
    “A infalibilidade e a autoridade divina das Escrituras se devem ao fato de serem a palavra de Deus; e elas são a palavra de Deus em virtude de terem sido dadas pela inspiração do Espírito Santo. […] a inspiração foi uma influência do Espírito Santo sobre a mente de determinados homens seletos, fazendo deles instrumentos de Deus para a comunicação infalível de sua mente e vontade. Eles foram, em tal sentido, órgãos de Deus, de sorte que o que eles disseram foi o que Deus disse.”(fonte: Teologia Sistemática de Charles Hodge, p. 115)
    e
    “A infalibilidade bíblica é a crença de que o que a Bíblia diz sobre as questões de fé e prática cristã é totalmente útil e verdadeiro. É a crença de “que a Bíblia é completamente confiável como um guia para a salvação e a vida de fé e não deixará de cumprir sua finalidade.” (fonte:Wikipédia: Biblical infallibility)
    Segundo essa linha teológica-cristã, as Escrituras Sagradas são infalíveis somente em questões referentes a fé e a moral. Ela pode conter erros históricos, cronológicos, gramaticais e culturais, pois Deus inspirou Sua Palavra para guiar os humanos nos campos da fé e moral e não da ciência.
    Fora as interpretações das interpretações como em:
    “O estado de ser incapaz de erro. Que a revelação de Deus em Jesus Cristo é infalível, em sentido geral, que apresenta a humanidade com o caminho infalível da salvação, seria aceita por todos os cristãos, mas o assunto da infalibilidade é uma questão controvertida.”(fonte:Evangelical Dictionary of Theology de Walter A. Elwell, Baker Book House Company, p. 605, 2001.)
    Em outras palavras, a própria linha teológica da infalibilidade bíblica tem suas ramificações divergentes!
    2-Inspiração Natural ou Teoria da Intuição: Ela nega completamente o tom sobrenatural nas Escrituras. Ela sustenta que os escribas Bíblicos eram somente homens de gênio religioso que possuíam discernimento espiritual ímpar. Sua literatura sobre a verdade moral e espiritual estavam à frente de seus contemporâneos. Logo, eles escreveram os manuscritos da Bíblia da mesma forma como qualquer outro livro foi escrito. As ideias vieram de suas próprias concepções religiosas e não do próprio Deus.
    “De acordo com a teoria da intuição, a inspiração é a capacidade de perceber ou de intuir as verdades espirituais. Segundo essa visão, os profetas e apóstolos que escreveram a Bíblia tinham mais dons religiosos, à semelhança de algumas pessoas que têm mais dons para música ou para as artes.” (fonte: Manual Bíblico Nova Vida de David S. Dockery, Nova Vida, p. 30, 2010.)
    e
    “Alguns dizem que [a Bíblia] é inspirada no mesmo sentido que grandes literaturas são inspiradas, como as peças de Shakespeare ou os poemas de Tennyson e Brownning são inspiradas. Tais pessoas às vezes dizem: “Eu sei que a Bíblia é inspirada porque ela me inspira.” O que eles realmente querem dizer é que a Bíblia não é a infalível Palavra de Deus, mas um livro bom e inspirador, mesmo tendo erros.” (fonte: Verbal Inspiration of the Bible and Its Scientific Accuracy, de John R. Rice, Sword of the Lord Publishers, p. 3, 1943.)
    Ainda sobre esse tipo de inspiração natural, temos:
    “O Dr. Schleiermacher, Dr. De Wette e muitos outros teólogos alemães, rejeitaram toda inspiração miraculosa e concederam aos escritores sacros o que Cícero atribui aos poetas, afflatum spiritus divini, “uma ação divina da natureza, um poder inerente, se assemelhando a outros agentes vitais na natureza.”” (fonte: Theopneustia: The Plenary Inspiration of the Holy Scriptures, por François Samuel R. Louis Gaussen p. 27)
    Outro exemplo de cristãos que aceitam a infalibilidade, mas não a inerrância, achamos na biografia do tradutor da Bíblia J.B. Phillips:
    “À medida que os anos se passaram – e agora é de vinte e cinco anos desde que comecei a traduzir as ‘Epístolas’ – a minha convicção tem crescido de que o Novo Testamento é, em um sentido muito especial, inspirado. Não é mágico, nem é impecável: os seres humanos escreveram. […] embora eu acredite na verdadeira inspiração do Novo Testamento e seu poder óbvio para mudar vidas humanas neste ou em qualquer outro século, gostaria de deixar bem claro que eu não poderia sustentar a extrema posição “fundamentalista” da chamada ‘inspiração verbal’.”
    e
    “Uma crença comum da neo-ortodoxia é a sua opinião sobre a transcendência absoluta de Deus. Isto é, Deus é tão completamente diferente e separado de nós que não podemos compreendê-lo além de sua revelação para nós (o que implica uma rejeição da teologia natural). O problema aparece quando a neo-ortodoxia é comparada ao protestantismo em relação ao que o título de “Palavra de Deus” significa. Os defensores da neo-ortodoxia alegam que a Palavra de Deus é o próprio Deus e, assim, a Bíblia é um testemunho da Palavra de Deus. Como testemunha, a Bíblia não pode ser a Palavra de Deus (isto é, Deus não é a Bíblia), mas a Bíblia continua a ser um mediador da Palavra de Deus de alguma maneira. Porque os escritores eram finitos e pecadores, eles eram capazes de erro em seus escritos. Assim, enquanto os escritores do Antigo e Novo Testamento registraram suas experiências e testemunho da revelação, seus escritos puderam conter erros.” (fonte: Theopedia.com: Inspiration of the Bible)
    3- Teoria da Iluminação: Essa teoria é deveras similar com a teoria da inspiração natural, contudo, há uma diferença essencial:
    “Ela vê a obra do Espírito Santo na inspiração dos servos de Deus para escreverem as Escrituras como uma intensificação ou estimulação da capacidade natural de cada escritor e não como a comunicação de alguma verdade que ainda não conhecem.” (fonte: Manual Bíblico Nova Vida de David S. Dockery, Nova Vida, p. 30, 2010.)
    Essa teoria é uma aglutinação da teoria Natural com a Infalibilidade, unindo a aptidão natural do escritor bíblico com a influência infalível do Espírito Santo.
    4- Inspiração Verbal Plenária: A crença em uma Bíblia integralmente inspirada é o princípio fundamental da fé cristã de acordo com alguns segmentos teológicos. A inspiração verbal das Escrituras é uma doutrina de essencial importância para muitos grupos cristãos, pois se a Bíblia não foi divinamente inspirada (e, com isso, infalível), a fonte do que conhecemos sobre Deus e Suas relações com os homens seriam desconfiáveis. Se não pudéssemos, com total confiança quanto à sua origem e produção divina, voltar-nos para as páginas da Bíblia como a Palavra oficial de Deus, em todas as suas partes, então estaríamos totalmente incapazes de realizar qualquer progresso em direção à iluminação certa da verdade nas coisas espirituais e em questões inerentes à salvação.
    “A teoria verbal sustenta que a inspiração divina garantiu até mesmo que o escritor usaria exatamente as palavras que Deus quis que ele usasse, mas sem passar por um processo de ditado do texto.” (fonte: Manual Bíblico Nova Vida de David S. Dockery, Nova Vida, p. 30, 2010.)
    e
    “A palavra plenária significa “cheio” ou “completa”. Portanto, a inspiração verbal plenária afirma que Deus inspirou o(s) texto(s) completo(s) da Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse, incluindo tanto detalhes históricos e doutrinários. A palavra verbal afirma a ideia de que a inspiração se estende às próprias palavras dos escritores escolhidos. Por exemplo, em Atos 1:16 o apóstolo Pedro diz que “o Espírito Santo falou pela boca de Davi” (KJV). Paulo chama todas as Escrituras “inspirada por Deus”, em 2 Timóteo 3:16 (referindo-se ao Antigo Testamento). Assim, o Espírito Santo guiou os escritores (cf. 2 Pedro 1:20-21), permitindo a sua própria personalidade e liberdade produzir a Bíblia que temos hoje. Esta visão reconhece e afirma tanto o elemento humano e divino nas Escrituras. Esse entendimento tem sido por vezes comparados e contrastados com o entendimento das duas naturezas de Jesus.”(fonte: Theopedia: Inspiration of the Bible.)
    5-Teoria do Ditado: Essa é pra mim a mais fantasiosa e até mesmo infantil. Na época em que fiz parte da Igreja, até me explicavam como funcionava:
    Imagine que você é um empresário de suma importância e quer redigir uma carta para alguém também importante. Tendo à disposição um secretário, você dita as palavras e o funcionário escreve. No final, de quem seria a carta? Sua ou do secretário? Lógico que sua, pois ele foi apenas usado, as ideias eram totalmente suas!
    “A teoria do ditado, Deus realmente prescreveu as palavras aos autores, à semelhança de alguém que dita uma carta a uma secretária.” (fonte: Manual Bíblico Nova Vida de David S. Dockery, Nova Vida, p. 30, 2010)
    e
    “Apesar de não ser popular, a teoria do ditado é prevalente em alguns círculos cristãos conservadores. Esta visão expressa a crença de que Deus simplesmente ditou o que ele queria que fosse escrito. Portanto, tudo que o autor fez foi escrever como lhe foi dito da parte de Deus e o produto final é a Palavra de Deus. Embora as Escrituras não retratam essa ideia (Jer 26:2; Ap 2:1,8), esta não é a forma como ela foi escrita. Em outros momentos, os autores expressaram suas próprias personalidades (Gl 1:6, 3:1; Fil 1:3, 4, 8) e o Espírito Santo ainda assegurou que os escritos refletissem o resultado desejado de Deus.” (fonte:Theopedia: Inspiration of the Bible)
    É óbvio que nenhuma dessas definições prova a inspiração bíblica. Vendo todas essas teorias, cheguei a uma conclusão: A própria doutrina da inspiração bíblica é uma mistura de conceitos teológicos insatisfatórios – para mim -.
    Se tudo veio de Deus por meio de ditado, qual a necessidade de “Lucas” fazer uma pesquisa antes de escrever o seu evangelho? (Lucas 1:1-3) Ou por que Salomão “ponderou e fez uma investigação cabal, a fim de pôr em ordem muitos provérbios?” (Eclesiastes 12:9, 10) Por que seria necessário o Espírito Santo lembrar João dos ensinamentos de Jesus? (João 14:26) Esses textos, com suas respectivas interrogações, mostram esclarecidamente que eles pesquisavam, meditavam e buscavam se lembrar das ideias porque eram meros homens escrevendo livros, como ocorria com qualquer outro escritor, não há um ínfimo traço de intervenção divina.
    Sendo a Bíblia infalível, em se tratando de fé e moral, então significa mesmo que os homossexuais vão para o inferno? Que os genocídios do AT são moralmente corretos, já que foram ordenados por Deus? Que é aceitável Deus pedir que um pai assassine seu próprio filho apenas para testar sua lealdade? (Gênesis cap. 22) Que era justo obliterar milhares de idosos, crianças e mulheres, todos afogados no dilúvio, só porque eles não seguiam o credo de Noé? (Gênesis cap. 6)
    Acredito que tirando o folclore e a mitologia, há muitos versículos bíblicos extremamente inspiradores à uma vida reta. Seria para mim apenas afflatum spiritus divini, como mencionado no início. Seria apenas literatura inspiradora, como Shakespeare, com a exceção de que, em Shakespeare, inexiste exortações para se assassinar os filhos rebeldes, como em Deuteronômio 21.18-21.
    Com esse post, encerro hoje minha participação, pois ele exigiu pesquisas e tempo, o que fiz com muito gosto! Mas cansa um pouco!
    Abraço.

  150. Day

    Sobre versículos e capítulos, eu parto do princípio de que todo crente conhece sua bíblia de trás para frente, da esquerda para a direita, de cima para baixo então me dispenso da chatice.
    Pensar sozinha, ignorando Deus, é exatamente minha meta e meu propósito, ou eu não seria ateia ou essa variante aí, neoateia.
    Zero a zero, Deus me chama de tola, eu o chamaria de tolo, se ele existisse. Tudo que escrevi acima é fruto da intelectualidade humana, ainda bem, seria estranho ter sido escrito pela intelectualidade felina, porcina, canídea, sei lá, mas nem vou tentar entender como você concluiu que eu sugeri que Deus devesse ser presidente do Brasil ou do mundo, bem como eu ter dito que há escrito, em algum lugar, que Deus pode se autopunir.

    De fato, não é possível entender experiências espirituais com olhos materiais pois só pode ser entendido, ou ser passível de entendimento, coisas que existem; espírito, espiritual, alma, não estão nessa categoria.
    Da sua experiência só temos sua palavra.
    Não acho que aqui é minha casa, não quero ensinar nada a ninguém.
    Mas tenho plena certeza de ter o direito de me expressar sem precisar do aval de ninguém que não seja o Barros, aqui neste espaço.
    Dado que não tenho espírito, porque isso não existe, fique à vontade para concluir pela segunda opção, insanidade.

    Em tempo: todas as definições dos atributos divinos foram retirados do trabalho de teólogos, o que eu fiz foi contrapor senão a lógica, um mínimo de bom senso ao que é afirmado por eles.

  151. Gentio,

    Gostaria de comentar, mas não hoje. Espero que você continue aqui, mas vou logo avisando que há muitas coisas aí com as quais não concordo e vou falar. Será bom para os dois.

    Abraço..

  152. Shirley,

    A intelectualidade também é algo sutil, tanto quanto alma e espírito. A intelectualidade não pode ser exercida senão por vários fatores imateriais, mesmo que, antes, tenha que passar pelos sentidos.

    Estudiosos e profissionais da área têm desenvolvido estudos sobre a intelectualidade humana. Bem, uso o ‘humana’ porque sei e sinto que há cérebro maior que o nosso, até porque o nosso deixa a desejar em pleno terceiro milênio. Mas, por definição, devo estar errada, uma vez que Deus não é intelectual, pelo menos não como nós.

    O professor universitário Marclei Barbosa Santiago, erudito nessa área, faz um breviário sobre a intelectualidade:

    “Intelectualidade deve ser entendida como a capacidade desenvolvida pelo espírito, de compreensão universalista do todo, promovida e sustentada no espírito pela maestria da espiritualidade nele presente. Intelectualidade não é academicismo, ou seja, o aprendizado das áreas do conhecimento que tão bem as instituições de ensino, sérias, nos instruem. Nem mesmo o aprendizado dessas áreas através da via autodidata.

    Intelectualidade significa, exatamente, desenvolver as faculdades da inteligência, ou instrumentos, ou aparelhos do intelecto como a razão, a consciência, a compreensão, a percepção, a concepção, a imaginação, a memória, a lógica, o raciocínio dedutivo e indutivo.”

    Por isso, ainda que o indivíduo seja ateu, ele não pode afirmar que a intelectualidade é física, porque não é.

    Você só se porta neoateia quando quer. Sei e conheço sua capacidade de argumentar e raciocinar, só não valorizo seu radicalismo que, graças a Deus, nem sempre está presente.

    E sim, você sugeriu a autopunição de Deus. (sem hífen né?)

    Você disse:

    “Se Deus “age segundo o que é justo”, sendo sua justiça “infinitamente perfeita”, ele só poderia punir a si próprio.”

    Mas não vem ao caso agora, quem sabe foi uma força de expressão, afinal, como ateia, esse pensamento nem fica tão absurdo assim.

    Disse você:

    “De fato, não é possível entender experiências espirituais com olhos materiais pois só pode ser entendido, ou ser passível de entendimento coisas que existem; espírito, espiritual, alma, não estão nessa categoria.”

    De novo: como explicar a intelectualidade, o pensamento, e tudo que é sutil e incorpóreo, e que não é parte dos sentidos, mas que apenas passa por eles?

    “Da sua experiência só temos sua palavra.”

    Se fosse somente eu ou meia dúzia, poderia até ser considerado mentira, mas são muitas experiências que fogem à nossa compreensão racional. Mas entendo você, um dia eu duvidei dessas ‘coisas’ também.

    Claro que não sugeri nenhuma incoveniência a respeito de sua presença no blog, até acho que ela traz um peso legal por aqui. Eu me referi à sua tão notória radicalidade, mas deve ser seu jeito, um dia me acostumo (talvez).

    E, finalmente, diz você que fez pesquisas com teólogos, mas confrontar com o que está escrito na Bíblia seria bastante razoável, ou pelo menos citar fontes e nomes desses teólogos. Dessa forma seu texto ganhará mais credibilidade. Nem os maiores pensadores se abstiveram de auxílio de outros. ;)

    Pareceu-me que você ironizou a expressão “inteleto humano”, mas saiba que na opinião do cientista alemão Koehler, o pensamento é o intelecto, mesmo com ausência de linguagem, e para isso exemplificou e estudou os chimpanzés.

    Há pouco tempo (depois dou mais detalhes), cientistas descobriram que as aves têm sentimentos. Por esta razão eu me posiciono na retaguarda, não podemos dar um passo à frente da Ciência, isso é radicalismo

    Quando você diz: “Como espírito não existe…” você passa uma imagem de gente atrasada, de gente que não vive nas esferas intelectuais, gente que não lê sobre ciência, pesquisas de campo, etc.

    Quado eu disse que parece estar em casa, é por isso, você não se importa de estar sendo aborrecida para algumas pessoas. Sei que é um blog ateu, ou neoateu, mas todos sabemos que nesses espaços há frequência de toda sorte de pessoas, com variadas percepções e convicções. Daí, você se torna deselegante e chata.

    Desculpe a sinceridade. É que não gosto de ficar de ‘picuinha’ com as pessoas. E você pode ser bem mais interessante se quiser. Pode ser uma pessoa melhor nas discussões.

    Seu segundo texto está bem melhor, você escreve muito bem. Mas o radicalismo sem base comprovatória empobrece o ser humano e tudo que ele faz. Mas você é mais do que aparenta, só está envolvida com as necessidades neoateístas de autoafirmação.

    Boa noite. :)

  153. “Jesus permaneceu para sempre”…se isso significasse alguma verdade absoluta, então Krishna(3 mil anos antes de Cristo); Lao Tse(1.300 a.C.); Buda(600 anos a.C.); Confúcio(550 anos a.C.);Sócrates(469 a.C.); e até mesmo Maomé(570 depois de Cristo) significaria alguma verdade também absoluta, mesmo que se contradissessem entre si em alguns pontos e concordassem em outros, devo assumir que a verdade são as congruências entre eles?”

    É uma pergunta retórica?

  154. Day,

    antes de tudo uma sugestão de exercício de fé para você : que tal você discorrer sobre algumas passagens bíblicas tidas como pesadas e “desconfortáveis” ? Talvez Deuteronômio ou Levítico, sei lá.

    Uma parte do seu discurso é marcada por uma presunção muito grande.Além de “inocência”… Você escreveu :

    “Esse discurso dela a expõe como neoateia (sem estudos litúrgicos e sem profundidade espiritual), e não ateia. Nota-se sempre ser muito fácil refutar o que ela escreve aqui; fora do espaço não passa do primeiro”.

    Pra quê diabos vão servir para um ateu o estudo litúrgico e a profundidade espiritual ? Qual a diferença entre ateu e neoateu ? Parece que o que te desagrada mesmo é o linguajar dos novos. Muito moderno, talvez ?

    Se não é possível compreender o espiritual com olhos materiais, qual é a regra ? Basta ter fé e acreditar que “essas coisas” existem e começar a se comunicar com elas mesmo que seja um monólogo ? É muito difícil saber como se pode dar alguma importância para toda essa questão que você julga tão grandiosa. Não são as palavras doces ou a fala inflamada que vão tornar essas crenças verdades incontestáveis. Embora eu reconheça que cada um cria e vive suas próprias…

    Penso que a tal bandeira bélica dos neoateus seja fruto principalmente justamente da tolerância e da diversidade religiosa. Claro que os tempos recentes cheios de liberdade de expressão favorecem todas as formas de expor as idéias. Veja pelo lado bom para vocês; sempre que se oferenderem, vocês podem chorar e dizer que estão sendo perseguidos. Só não dá pra contar com a justiça divina nessas horas. Porque sera ?

  155. Day

    Ok, fontes.
    J.I.Parker, citando Anselmo da Cantuaria, John Bunyan, Arhut W. Pink e textos e mais textos da bíblia.
    Pr. Antonio Junior citando Berkhof, Charles Hodges, Colin Brown,Lewis Sperry Chafer, Myer Perlman; e diversos textos da biblia: Reis,Romanos,Timoteo,Salmos, Gênese, Marcos, Deuteronomio,Lucas,João, Tiago,Jó, e outros.
    Dr. Bruce Milner, citando quase tudo da bíblia.

    Eu entendo que a intelectualidade está a priori de fatores imateriais, origina-se das percepções de nossos sentidos. Um recém-nascido não tem os atributos do intelecto senão potenciais, ele os desenvolve conforme experimenta o mundo com seus sentidos.
    A definição que você cita primeiro dá um aspecto místico ao tema em questão, depois expõe seus elementos. Ocorre que esses elementos necessitam, para serem desenvolvidos, da vivência e da convivência, as quais dependem dos sentidos.
    Sobre esse meu “radicalismo”.
    Imagine que você está diante de um objeto que todos os seus sentidos identificam como sendo um copo de água.
    Você sabe que se trata de água, a sua sede te diz que é água, seus olhos te dizem que é água.
    Mas alguém afirma convictamente que trata-se na verdade de uma tigela contendo óleo.
    É assim que funciona para mim a coisa de deus criador e o resto.
    É tão cristalina, tão auto-evidente a não existência disso tudo, que me causa impaciência ver outros afirmando que trata-se de realidade ; eu não consigo, nunca consegui perceber qualquer possibilidade nesse sentido.
    Acho então que é por esse motivo que pareço tão incisiva.
    Não estou em busca de auto-afirmação. Sou suficientemente segura das coisas que fazem sentido para mim e um Deus criador seguramente não está entre elas.
    Desculpe, mas não tem valor algum para mim que alguém me considere “atrasada” porque não consigo acreditar que haja coisas como espíritos e almas. Quem quiser acreditar nessas coisas, que fique á vontade.
    Eu considero que outras espécies têm sim algum nível de intelecto, mas como nenhuma delas desenvolveu a capacidade de expressá-lo por meio da escrita, fica redundante dizer “intelectualidade humana” em se tratando de textos.

    Sobre parecer aborrecida para algumas pessoas, oras. Não sou do tipo que se preocupa em agradar se para isso tiver que fazer de conta que não penso como penso. Prefiro soar rude a soar falsa.

  156. Ei, Fernando,

    ““Esse discurso dela a expõe como neoateia (sem estudos litúrgicos e sem profundidade espiritual), e não ateia. Nota-se sempre ser muito fácil refutar o que ela escreve aqui; fora do espaço não passa do primeiro”.

    Pra quê diabos vão servir para um ateu o estudo litúrgico e a profundidade espiritual ? Qual a diferença entre ateu e neoateu ? Parece que o que te desagrada mesmo é o linguajar dos novos. Muito moderno, talvez ?”

    Decididamente eu devo ter problemas para me expressar.

    Eu não digo que o ateu tenha que estudar teologia, ao contrário! Sinto mais veracidade quando um ateu já estudou (antes de ser ateu) e leu muito a respeito, e que tenha experiências para compartilhar. Aí que entra a intelectualidade, ou seja, o ateu afirmar que chegou à conclusão de que não há um Deus, da boca para fora e, ao invés de argumentar, apenas usar da liberdade de expressão para achincalhar a fé alheia não pode ser algo positivo.

    “Se não é possível compreender o espiritual com olhos materiais, qual é a regra ? Basta ter fé e acreditar que “essas coisas” existem e começar a se comunicar com elas mesmo que seja um monólogo ? ”

    Fernando, qando coloco as questões não é do ponto de vista de uma ‘crente inocente’, já disse que sou mais estudiosa do que religiosa, aliás não sou religiosa. Enquanto vocês tentam eliminar possibilidades outras fora do ateísmo, cientistas (ainda) estudam os mistérios da espiritualidade.

    Exemplo: Nesse seminário esse assunto foi discutido, como acontece em toda parte do mundo.

    CIÊNCIA, ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UM ENCONTRO POSSÍVEL?

    “O psiquiatra americano Dr. Harold Koenig da Universidade de Duke, foi palestrante em nosso seminário em Porto Alegre. Ele trabalha há 28 anos na busca da resposta à pergunta que intitula este artigo. Na mesma linha, ele publicou neste ano seu quadragésimo livro e tem mais de 300 artigos divulgados em revistas científicas de renome. Reeditou neste ano seu “Religion and Health” um livro-texto utilizado na disciplina “Religiosidade e espiritualidade para médicos” que hoje a quase totalidade das Faculdades de Medicina americanas apresentam em seu currículo. Reúne mais de 1200 estudos sobre o tema, desde o século 19, procurando correlacionar religião e saúde. O surpreendente é que nos últimos dez anos o número de trabalhos científicos publicados simplesmente triplicou em comparação com a totalidade que existia até o ano 2000. Ou seja, o tema está vivo, está no foco dos pesquisadores, e os resultados dos estudos são progressivamente mais consistentes. Fica claro que ninguém está propondo utilizar religião ou espiritualidade como tratamento, mas conhecer as necessidades espirituais do paciente contribue muito para a sua recuperação.”

    http://www.espiritualidadeesaude.com.br/

    Não se trata de religiosidade, mas de pesquisa de campo, investigação. Atualíssimo! Existe, de fato, uma parte de nosso ser que não é material. Tudo bem que tudo que aprendemos e entendemos passa pelos sentidos, mas não podemos descartar a Intuição.

    A Ciência, a psicologia e outras fontes de pesquisa não chegaram ainda a uma conclusão do que seja, de fato, a Intuição. Sabe-se que o raciocínio que se usa para chegar à conclusão sobre algo é ‘puramente inconsciente’. Há muitas teorias, mas nenhuma é considerada definitiva.

    Einstein define a Intuição de forma brilhante:

    “Não existe nenhum caminho lógico para a descoberta das leis do Universo – o único caminho é a intuição” – frase atribuída a Albert Einstein (1879-1955)”

    Como vemos, há muita coisa ainda a ser descoberta. A fé pode encontrar grandes confrontos pela Ciência e eu não me preocupo, eu quero a verdade comprovada cientificamente para toda a humanidade. Ateus ou não. O resto é Intuição…

    ps – Não choro e não me sinto perseguida, e mesmo se assim me sentisse, eu saberia, por Intuição, ou pela fé, que Deus não desceria o braço em um ateu para fazer justiça a uma pessoa que talvez até seja mais cética que o referido ateu. Já disse, discurso assim não me afetam. ;)

  157. Shirley,

    Calma kkkkk! Quando digo fontes, é no decorrer de seus escritos, aff.

    Vocêr diz:

    “Sobre esse meu “radicalismo”.
    Imagine que você está diante de um objeto que todos os seus sentidos identificam como sendo um copo de água.
    Você sabe que se trata de água, a sua sede te diz que é água, seus olhos te dizem que é água.
    Mas alguém afirma convictamente que trata-se na verdade de uma tigela contendo óleo.”

    Isso significa que você atribui todo o seu conhecimento aos sentidos, ou seja, optou por uma existência totalmente materialista, mas não a critico, por outro lado, eu penso que o materialismo inibe a Razão e a Intuição (falei acima com Fernando).

    Quando se fala de Razão, estamos dizendo que o homem cria tudo a partir de sua consciência (razão). Somos criadores de obras como a ciência, tecnologia; e até mesmo a religião é fruto da razão humana. É onde entra a Intuição. Mas, para tanto, é necessário que não sejamos tão humanistas ou absolutamente materialistas. A Ciência está caminhando em direção a essas particularidades do ser humano, peculiaridades de um “não ver” mas “intuir” que existe em nossa consciência.

    “Não estou em busca de auto-afirmação. Sou suficientemente segura das coisas que fazem sentido para mim ”

    Quando você diz “para mim” é totalmente correto. Eu, por exemplo não consigo ser assim como você, seja por limitação, seja por eu ter tido outras experiências. O importante é frizarmos que as experiências são nossas. E apenas nossas. Parabéns.

    “Desculpe, mas não tem valor algum para mim que alguém me considere “atrasada” porque não consigo acreditar que haja coisas como espíritos e almas. Quem quiser acreditar nessas coisas, que fique á vontade.”

    Então, amiga, para você fica pouco razoável acreditar, mas para a Ciência não.(vide link no Fernando acima). Daí, você enfatizar “para mim” ficou mais suave, e eu, automaticamente, me interessei mais pela sua visão. É assim que deve funcionar. Chamá-la de neoateia era birra mesmo, mas como você deu de ombros, perdeu a graça hehehe. Mas às vezes você escorrega no humorzinho babaca do neo.

    “sobre parecer aborrecida para algumas pessoas, oras. Não sou do tipo que se preocupa em agradar se para isso tiver que fazer de conta que não penso como penso. Prefiro soar rude a soar falsa.”

    Bem, nisso concordamos em gênero, número e grau. A diferença é que não sou amante do radicalismo, tanto que encontrei esse blog e não saí mais daqui. Sem radicalismos a amizade entre as pessoas tende a ser mais suave e verdadeira, mesmo que virtualmente, afinal, atrás da tela do computador bate um coração.

    Bom dia.

    ps – Obrigada pelas fontes, vou dar umas olhadas por aí.

  158. E Fernando,

    ” Qual a diferença entre ateu e neoateu ? Parece que o que te desagrada mesmo é o linguajar dos novos. Muito moderno, talvez ?”

    A diferença entre ateu e neoateu eu já disse várias vezes. Se você não lê o que escrevo, boia. O linguajar do novo só me encanta, amo a novidade, tanto que estudo Pós-modernidade, desde que a socióloga argentina Sylvia Oroz, especialista em Pós-modernidade foi minha professora em um semestre. Nada me oprime ou surpreende, pode ter certeza. Mas você há de convir que tratar uma mulher, virtualmente ou não, da forma como você e Greg me trataram, nem tem nada de novo, mas de velho, pois sempre houve esse lado ‘moleque’ nos homens machistas.

    Foi só para responder, por mim está tudo esquecido e devidamente perdoado. ;)

  159. Gentio gentil,

    Li tudo acima, com gosto e interesse, mas gostaria de lhe pedir um favor: caso queira apreciar um comentário meu, uma opinião, vá postando aos poucos para não me deixar confusa. Estou à disposição. Quanto mais aprendo mais tenho bagagem para tomar decisões. :)

  160. Fernando, ainda…

    “antes de tudo uma sugestão de exercício de fé para você : que tal você discorrer sobre algumas passagens bíblicas tidas como pesadas e “desconfortáveis” ? Talvez Deuteronômio ou Levítico, sei lá. ”

    Sim, para muitos são bem desconfortáveis. Eu já ‘pirei’ com essas particularidades da Bíblia.

    Então comecei pelo racional. Homens eruditos (e até políticos) tiveram a chance de retirar essa parte ‘pesada’ da Bíblia canonizada, mas não o fizeram. Por quê? Foi minha primeira pergunta. Não seria mais fácil suprimir tais passagens?

    Simplesmente a razão me levou à lógica: Esses homens não se importaram com a possível perseguição do agnóstico, ou dos povos vindouros. Não somente em Israel, mas em todo o mundo conhecido havia leis parecidas. Eram homens rudimentares,e a morte era o limite para um comportamento social que começava e se organizar. Não vejo um Deus tirano aí, mas vejo um homem assassino por genética tentando se conter. Conter a natureza perniciosa que trazemos em nós desde sempre. Ou não discutimos a pena de morte até hoje?

    Não sou hipócrita, sei que é complicado conceber um Deus que ‘não conseguiu’ ensinar de outra forma. Mas estamos falando dos hebreus, um povo ‘carne de pescoço’ ao extremo. E por que Deus começaria Sua obra por aí?

    Mais uma vez a lógica me disse que, suponha um Ser poderoso e que atribui a Si a confeção do Universo; e que este Ser resolve se apresentar à humanidade, se impor como um pai rígido, mas preocupado com o futuro dos filhos. Bem, eu como mãe não hesito em descer a vara em minha cria, sabendo que quero apenas seu bem e sua felicidade.

    Mas você pode, ainda, questionar: “Por que teve que ser assim? Por que esse Deus louco e egoísta não nos colocou em um lindo jardim eterno e não ficou nos mimando para sempre?”

    Eu responderia: “Essa relação seria aquém de nossas capacidades! Tanto de Deus quanto nossa. Seríamos animaizinhos fofos para mimo do Criador? Acho que não. Se eu quiser entender um Ser poderoso que resolveu criar o homem, e se eu fosse esse ser, certamente eu faria o homem da mesma forma. Com inteligência e livre arbítrio, pois se eu criasse ‘ursinhos fofos’ ou robôs, eu seria um Deus sem poderes e não poderia convencer de que eu tenho poderes para fazer com que o homem, minha criação, levasse toda a sua existência, me buscando, mesmo quando me nega.”

    É quando entramos na ‘bifurcação’ do entendimento espiritual do Criador. Se não posso acreditar no lado espiritual de Deus, de Seu desafeto com Lúcifer num céu distante, toda a minha capacidade de entender a Deus cai por terra. Então, naturalmente, eu desisto.

    Isso não quer dizer que o crente sabe tudo, e que gosta de tudo. Quem disser isso está mentindo. Se existe esse Ser, Ele está olhando para todos (como está na Bíblia); e faz muito sentido, uma vez que o pai não rejeita nenhum filho, mesmo o mais ingrato. Daí a analogia ‘pai/filho’.

    Querido, se essas questões já estivessem resolvidas pelo homem, não teríamos mais a religião, a filosofia, o ateísmo, e a ciência.

    O que temos no planeta são algumas pistas e nada mais…

  161. Olá a todos, Bom dia!
    Day,
    Peço desculpas por meus textos longos, tentarei dividí-los e organizá-los para uma melhor visualização.
    Quanto a você discordar do conteúdo de meus post, DISCORDE! Assim eu terei a oportunidade de contemplar o mesmo assunto por um ângulo diferente! Com isso adiciono mais conhecimento. Por isso faço estudo comparado das religiões e também do ateísmo, com sua visão “nua e crua das coisas”, assim crio meu próprio entendimento e faço meu caminho. Com o racionalismo cético dos ateus corto as arestas da superstição e o “cabresto” imposto por dogmas religiosos e com a intuição e a visualização aprendidas nas religiões, abro possibilidades para analisar e por em prática.

  162. Gentio,

    Ok. Aguardando. Mas seu texto não está longo e nem complexo; sou eu quem tenho dificuldades mesmo. :)

    Bom dia!

  163. Ei Fernando
    Vc perguntou qual a diferença entre Ateu & NeoAteu, certo?
    R – NEnhuma – os dois continuam negando a existencia de deuses e seres sobrenaturais. A nomenclatura Neo apareceu simplesmente pelo fato de outros ateus terem surgido na midia e fizeram sucesso, so isso, nao mudou nada, isso é mais uma forma de rotular as pessoas, pra tentar inferiorizar. E novos argumentos surgem contra Deus, desde que o mundo é mundo.,

    E Fernando , vc mesmo sabe que perguntando a Day nada de sincero é util vai surgir, so um monte de blá, bla, bla
    Se ela continuar escrevendo essa quantidade de coisas, em pouco tempo vai ultrapassar o Barros em numero de palavras escritas e ideias. Como todo bom crente ela foge pela tangente e tenta PREGAR o tempo todo. Sinceramente eu nao sei como voce e a Shirley estao tendo saco de ler inumeras linhas de coisas que tentam primeiramente auto-convence-la.
    Eu quase nao leio, nao dá, prefiro ler um novo post ou um outro que nao li ainda!!
    Agora existe diferença entre Neocrente & Crente, essa sim tem diferenças, respondi sobre isso em outra oportunidade, nao lembro onde está agora!! Se vc quiser depois ate respondo de novo.
    Parece que a Day vive em prol disso agora tentar converter as pessoas aqui, acho que ocupa mais tempo aqui do que o proprio Barros, como ela gosta de dizer!! UI Ai ; como é facil refutar, AI – HUM – Acabei com a Shirley refutei , sou foda, olha, olha, como sou foda, a rainha da refutação: Sò que entre refutar e provar há anos luz de distancia! E com certeza nao esclareceu e convenceu ninguem aqui com o minimo de massa cefalica!!

  164. Gentio,

    Andei pensando, e em todo o seu texto acima, o que mais me chamou a atenção, foi saber que você fez parte dessa “igreja” de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

    Desde que começamos a conversar eu fiquei curiosa com o que você escrevia. Não conseguia indentificar a origem de sua fé.

    Agora que sei de onde voccê veio hehe, devo dizer que me deixou estimulada, uma vez que me interesso pelo tema – dissidências e seitas.

    Achei irresponsável você, como uma amiga nossa, colocar no mesmo saco o Cristianismo com seitas derivadas de.

    Por exemplo, “Testemunhas de Jeová”, nada mais é que uma seita apenas baseada na Bíblia, repleta de novas ideias e visões estrambólicas de Cristo e Deus. (E posso exemplicar sem economia).

    Os T.J. tem certas particularidas na interpretação bíblica que não deixam dúvidas quanto a serem uma seita, sem contar com as alterações do texto original grego.

    Vejamos o que significa “seita”, em primeiro lugar:

    “Seita é um termo que deriva do latim “secta” cujo significado é seguidor. O termo é utilizado para designar um grupo numeroso de uma determinada corrente religiosa, filosófica ou política que se destaca da doutrina principal.”

    E ainda:

    “Sectário é um termo que designa o indivíduo que faz parte de uma seita. Uma seita pode também ser considerada uma “divisão”, “partido” ou “facção”.

    Essa é a definição universal de seita. É o que ela é, portanto, falar de ‘denominações’ de igrejas é uma coisa, e de seitas é outra.

    Testemunhas de Jeová, dentre tantas outras, é considerada seita por esta razão, ou seja, seus líderes usam uma base já existente de filosofia (no caso a Bíblia) e reinventam uma nova ideia, religião, A origem da palavra seita não deixa dúvidas quanto à sua credibilidade.

    “A palavra seita vem da mesma palavra grega que a palavra ‘heresia’. Essa palavra é ‘háiresis’, que em grego significa escolha, tomar partido, corrente de pensamento, escola, etc. Quando a palavra ‘háiresis’ passou para latim, transformou-se em secta.”

    http://www.significados.com.br/seita/

    Com todo respeito, a seita da qual você fez parte, compararei alguns pontos discrepantes da igreja orinal de Paulo, as quais temos acesso por suas Cartas – Aos Coríntios, Aos Efésios, Timóteo, Aos Romanos…

    A “Igreja de Jesus Cristo dos Santos do ùltimo Dia”, também conhecida como “Igreja Mórmon” – que conheci há um tempo, quando três americanos iam à casa de minha avó -, foi fundada por Joseph Smith Júnior que nasceu em 23 de dezembro de 1805, no Estado de Vermont.

    Ele foi criado como qualquer outra criança pobre de seu tempo, em ambiente de ignorância e superstição. Ainda menino, alegava ter visões de anjos e demônios com revelações especiais para ele.

    Aos 15 anos Smith foi assistir uma cruzada evangélica quando sua família tornou-se membro da igreja Presbiteriana, mas o rapaz não estava convencido de sua orientação religiosa.

    Foi quando esse falso profeta, depois de ‘orar’ num bosque, e perguntar a Deus a qual igreja deveria pertencer, ‘apareceram-lhe, em uma magnífica visão, Deus e Jesus’.

    Ao perguntar sobre qual denominação pertencer, “Jesus”, devidamente apresentado como filho pelo próprio Deus, respondeu que todas as congregações estavam desviadas, e que ele não se unisse a nenhuma porque, em breve, Jesus restauraria seus ensinamentos. (!!!)

    Só com essas informações já se pode entender que trata-se de um falso profeta que, dando as costas para toda as instituições eclesiásticas existentes na época, dentre elas, a Igreja Católica, a Presbiteriana, Metodista, Batista, e tantas outras que existem até hoje, oriundas da Reforma Protestante, pretendeu fundar uma doutrina a partir de si mesmo – loucura ou esquizofrenia?.

    Portanto, meu querido, lamento dizer que você foi vítima de um falso profeta e seus seguidores. Normalmente eu falo do que já vivi (empirismo), e nesse caso, eu acompanhei por um mês as reuniões de Mórmons na casa de minha avó.

    Eles têm sua própria “Bíblia”, livro este que, infelizmente, eu perdi. Seu Deus e profeta é Joseph Smith Júnior, um falso Cristo, um falso profeta tão veementemente anunciado (profetizado) na Bíblia grega e original, e nas traduções oficiais, como a Almeida Revisada.

    O que me impressiona é saber que você, mesmo afastado, ainda me parece confuso demais. Caso queira falar sobre sua experiência, serei toda ‘ouvidos’. :)

    Abraços..

  165. Gentio, sou eu, a DAY. Entrou como Anônimo.

  166. Gentio,

    Continuando…

    Smith, aos 18 anos, teve uma outra visão, na qual um anjo chamado Moroni lhe falou que Deus tinha um trabalho para ele. e que o rapaz esperasse dois anos, e então fosse procurar um livro com lâminas de ouro, enterrado lá perto, o qual continha histórias dos antigos moradores do Continente Americano e a plenitude do Evangelho eterno, tal como teria sido entregue aos habitantes daquela terra pelas mãos do próprio Jesus após Sua ressurreição. (!)

    Joseph Smith afirmava que, no dia 22 de setembro de 1827, além de achar o tal livro, bem como dois aros de prata presos a um peitoral, ele também encontrou uma preciosidade: o Urim e o Turim, as pedras sagradas usadas pelo sumo sacerdote, Arão, no tabernáculo do deserto, e, por meio desses dois objetos, traduziu as lâminas de ouro.

    Na verdade, os primeiros discípulos do falso profeta jamais afirmaram terem visto tais lâminas. O que aconteceu é que todos os primeiros seguidores de Smith o abandonaram tempos depois. Alguns declararam publicamente a farsa, outros preferiram calar-se.

    Dentre sua doutrina, destaco:

    “Cremos ser a Bíblia a Palavra de Deus, desde que esteja traduzida corretamente; também cremos ser “O livro de mórmon” a Palavra de Deus.”

    Se compararmos, os Mórmons têm doutrinas escatológicas semelhantes aos Adventistas do Sétimo Dia, e das Testemunhas de Jeová.

    E neste caso, então, poderemos colocá-los no mesmo fole (ou saco).

  167. Na realidade, os Mórmons nem precisam de Bíblia. Só a usam para atrair os cristãos à sua fé.

    Suas doutrinas não são retiradas das Sagradas Escrituras, mas dos escritos e inspirações de Joseph, um dos falsos profetas mais perigosos e bem sucedidos em sua mentirosa revelação ao mundo.

  168. Caso ache necessário, posso citar várias fontes de pesquisa, ok? :)

  169. Olá, Day, tudo bem?
    Dei uma passada rápida só para dizer que no momento estou sem tempo para postar aqui, mas a noite eu comento. Agradeço por suas palavras atenciosas. Fique na paz.

  170. Assim que eu puder, comento.
    Boa noite.

  171. Fique à vontade. Não se apresse. ;)

  172. Gentio, bom dia!

    A virtualidade às vezes nos prega peças. Posso estar errada, mas senti que você não gostou muito do que escrevi, e gostaria de dizer que pode ficar à vontade para refutar.

    Eu fui fundo porque você mesmo disse que eu poderia…

    “Quanto a você discordar do conteúdo de meus post, DISCORDE! Assim eu terei a oportunidade de contemplar o mesmo assunto por um ângulo diferente!”

    Por fim, gostaria de dizer que eu não defendo a Bíblia da ótica protestante, nem por nenhuma via ideológica. Por outro lado, eu trabalho com o que chamo de “Teoria da Eliminação”, ou seja, antes de chegar à Bíblia original grega, a canonizada, para tentar desconstruí-la (e não sei se é isso que desejo), eu preciso percorrer um longuíssimo caminho, pois são muitos os obstáculos a serem eliminados, que são justamente as seitas e dissidências da Igreja Original ou Primitiva.

    Escrituras que precisaram de 1.600 anos para ficar prontas, não será, evidentemente, em alguns anos ou décadas que um ser humano (falso profeta ou teórico) derrubará o “muro de pedra”. Minha ‘britadeira da desconstrução ideológica’ não tem poderes para tanto se, antes, eu não tentar derrubar os pequenos obstáculos – as seitas e o ateísmo -, com lógica e bom senso. Isso me parece bem racional.

    Estou curtindo falar de seitas, portanto, porque aí eu me encontro em minha zona de conforto, uma vez que me pareça tão acessível e elementar discernir a seita da religião. E das dissidências.

    Da lista supracitada que você chamou de “várias religiões cristãs”, o equívoco é muito provável, hajavista que a maioria é considerada seita por motivos já citados.

    Mais um exemplo, além de Testemunahs de Jeová e Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a chamada “Nestorianismo” é, sem dúvidas, uma seita!

    “Recebeu o nome de nestorianismo uma seita cristã de certa importância no séc. V. Os nestorianos seguiam os ensinamentos de Nestório, bispo de Constantinopla, que em seus estudos sob a tutela de Teodoro de Mopsuéstia, na escola de Antioquia (uma das grandes escolas de exegese e teologia bíblica durante o final da Antiguidade), foi decisivamente influenciado por esta, e em especial pela figura de Paulo de Samosata.

    Nestório, ao tornar-se patriarca de Constantinopla tentou impor sua teologia à cristandade. Não se pode ignorar que, além de seus interesses teológicos, já haviam disputas de poder e influência dentro das várias instituições eclesiásticas, e a sua visão da natureza de Jesus Cristo logo entrou em conflito com outros líderes, em especial Cirilo de Alexandria.”

    Ler mais aqui: http://www.infoescola.com/religiao/nestorianismo/

    Achei curioso você imprimir esta seita na lista, logo esta que em 451, no Primeiro Concílio de Macedônia – o Nestorianismo – foi definitivamente considerado heresia (seita). Ainda em 431, no Primeiro Concílio de Éfeso, Nestório já havia sido condenado.

    Sua lista – como toda regra tem exceção – traz algumas religiões cristãs fidedignas,e algumas dissidências, tais como:

    – Catolicismo

    – Igreja Ortodoxa

    – Protestantismo

    A “Igreja Ortodoxa”, que não reconhece o Papado e nem a infabilidade do Papa, pode ser considerada uma ‘dissidência’, pois apenas discorda de fatos de natureza exegética, como a virgindade de Maria após o nascimento de Jesus.

    A “Igreja Anglicana” também pode ser considerada uma dissidência. Esta doutrina une aspectos tanto do catolicismo como do protestantismo, logo livra-se do rótulo ‘seita’.

    A “Anabatista” é a ala mais radical do Protestantismo. Na ocasião da Reforma, eles implantaram o ‘re-batismo’ no adulto, renegando o batismo da Igreja Romana. Não pode ser considerada dissidência, mas um ‘alvará’ do re-batismo no adulto que ocorre até os dias de hoje na Igrejas Protestantes.

    “Igreja não-Calcedonianas” são as chamadas Igrejas ortodoxas orientais. Também dissidente da única Igreja da época que, depois do ‘grande cisma’, deu origem às Igrejas Católica e Ortodoxa. Não é seita, em suma.

    O “Unitarianismo” é seita, sem dúvidas! Ao lado dos “Unitários Universalistas”, negam a Trindade, Trindade esta absolutamente descrita nas Escrituras Sagradas, principalmente no N.T. quando as três pessoas de Deus se reúnem por ocasião do batismo de Jesus. (Mateus 3. 13-17).

    Quanto ao “Espiritismo” e ao “Agnosticismo”, creio não haver necessidade de conceituar, uma vez que fogem aos padrões cristãos, portanto não se enquandram nem como seita, nem dissidência,

    Já os “Judeus Messiânicos” não deixam de ser uma dissidência, mas em favor da assunção de Jesus, O Cristo.

    “O Moderno Judaísmo Messiânico é um movimento surgido no século XX nos EUA, originado do Hebreu-Cristianismo nascido na Inglaterra no século XIX. A grande maioria dos modernos judeus messiânicos aceita as diversas tradições do Judaísmo, julgando-as, no entanto, incompletas em seu significado, de certa maneira. O significado completo, segundo eles, só pode ser obtido a partir do entendimento e aceitação de Yeshua como sendo o Messias.”

    Fontes: Escola de Teologia AGRADE; Wikipédia; Bibliografias diversas de Teologia.

    Se a questão que você colocou for sobre “Inspiração”, temos muitas ferramentas para detecetar o que é inspirado e o que é visão de homem político-carnal.

    Não quero parecre radical protestante, embora seja o Protestantismo a origem de minha fé. Como disse,amigo, estou trilhando este caminho que chamo de “Teoria da Eliminação”. Mais fácil eliminar o que podemos provar dos erros, do que especularmos o que ainda nos parece um grande pilar de pedras idestrutíveis – “O grande Cânon”.

    Forte abraço! :)

  173. Desculpe-me os erros – faço mil coisas ao mesmo tempo.

  174. E Barros, fio,

    Estou explanando ainda porque não é mais a página principal, espero que não se importe.

    Obrigada meeeesmo..

  175. Day

    “… você atribui todo o seu conhecimento aos sentidos, ou seja, optou por uma existência totalmente materialista…”

    Sim, atribuo e nem poderia ser diferente, nem para mim nem para mais ninguém já que a substância de tudo é material, tudo deriva da forma como apreendemos as coisas do mundo por meio de nossos sentidos.

    Não há significado nesse dualismo matéria vs ideias.
    Ideias em si mesmas não têm qualquer relevância.
    Veja Nietzsche, por exemplo. Se ele tivesse se limitado a apenas pensar, teria sido mais um na multidão, não teria tido qualquer importância na ordem geral das coisas, não teria influenciado ninguém.
    É só a partir do momento em que ele materializa suas ideias que as mesmas adquirem significado.
    Até seu Deus, Day, se existisse de fato teria que ser materializado.
    Se cada indivíduo já nascido na face da Terra tivesse vindo com a ideia Deus “nativa do sistema”, se automaticamente soubesse o que se esperava dele, ainda assim teria que materializar Deus por meio de seus atos de obediência e desobediência.
    Até nossos sentimentos só têm substância porque se materializam, já que nossas ações são ditadas pela forma como nos sentimos.
    O que é material em nós pode existir sem a ideia, mas esta não pode existir concretamente sem ser materializada.

  176. Shirley, oi! :)

    Deixa ver se eu entendi: a plenitude da ideia só se dá quando há percepção de matéria como resultado final. Mas, então, a matéria não é auto-suficiente, uma vez que depende de uma ‘pré-concepção não-corpórea’. Neste caso, a ideia não seria a parte essencial de todas as coisas conhecidas?

    Quando diz que Nietzsche materializou suas ideias, fala de livros? Se sim, pergunto: Os livros são considerados ‘matéria’, ou apenas um artefato de papel para o homem exibir suas ideias? Lembrando que nem sempre tivemos livros, e mesmo na época dos pergaminhos, era a ‘oralidade’ que servia ao mundo, ou seja, as ideias eram passadas ‘boca-a-boca’. As ideias flutuavam e viajavam no vento.

    “Até seu Deus, Day, se existisse de fato teria que ser materializado.”

    Não sei quanto a outras religiões e crenças, mas na Bíblia podemos vislumbrar a Deus atravérs de Seu filho ‘materializado’, Jesus Cristo. Isso preencheria tal teoria.

    “O que é material em nós pode existir sem a ideia, mas esta não pode existir concretamente sem ser materializada.”

    Essa é uma ‘ideia’ ateísta, portanto foge um pouco à lógica e até às leis da física (causa e efeito).

  177. Day

    A concretização, não plenitude, da ideia só é possível pela materialização, seja falando, seja escrevendo, seja pintando, fazendo filmes, etc. E não pode haver “‘pré-concepção não-corpórea”. Usamos nosso cérebro para pensar, nossas reações emocionais decorrem de atividades neuroquímicas, a capacidade de escrever vem do cérebro, idem falar.
    A respeito da materialização de Deus, quis dizer que ele só existiria pela manifestação material do indivíduo, por meio de seus atos. A interpretação do Jesus encarnando Deus fica por sua conta.

    E sobre ““O que é material em nós pode existir sem a ideia, mas esta não pode existir concretamente sem ser materializada.”
    Por exemplo,uma pessoa em coma profundo existe materialmente, independente das ideias, então não entendo o que lógica e causa e efeito tem a ver.

  178. Começando pelo final:

    “Por exemplo,uma pessoa em coma profundo existe materialmente, independente das ideias, então não entendo o que lógica e causa e efeito tem a ver.”

    Uma pessoa em coma profundo, ou com morte cerebral está inapta a pensar, logo não conta né.

    Mas olha um exemplo também, já que a bifurcação é ‘quem depende de quem para existir’:

    Outro dia assisti a uma matéria na TV, mostrando um japonês que há uns 8 anos teve uma ideia. Ele imaginou um veículo que fosse prático como uma motocicleta, mas com a segurança de um carro. Então surgiu o protótipo de tal veículo com uma incrível espécie de aerodinâmica, sei lá, uma tecnologia que, apesar do ‘carro-moto’ ter apenas duas rodas como das motos, ele não caía, um eixo em forma de peão que rodava todo o tempo não permitia que isso acontecesse.

    Aí eu pergunto:

    O que foi necessário para este veículo existir? Primeiro a ideia original dele; depois passar a ideia para os engenheiros, e aí então partir para a fabricação do veículo que vi na TV. Diga lá, esse veículo se faria sozinho? Foi ou não foi imprescindível haver, antes, a ideia não-material? A não ser que você considere as imagens de nossa imaginação algo palpável.

    Quanto à lei da causa e efeito, neste caso, o carro, como efeito não existiria sem a causa da ideia – esta que não é material e pode sim, existir sem a materialização.. No caso, o japonês ficou 8 anos sem concretizar a ideia, mas ela estava lá, todo o tempo.

  179. E, mesmo assim, o exemplo do estado de coma não é tão certo, pois no mundo todo há relatos de gente que ficou nesta condição até por anos, e tiveram experiências sobrenaturais, onde os cientistas se infiltram para descobrir este fenômeno, mas ainda nada se tem de conclusivo, apenas teorias e os depoimentos das pessoas que voltaram do coma.

  180. Day

    “Uma pessoa em coma profundo, ou com morte cerebral está inapta a pensar, logo não conta né.”

    Pois é, sem cérebro, ou atividade cerebral, sem ideias.
    O japonês poderia ter ficado duzentos anos só pensando no artefato; nada teria resultado daí. Só quando ele e os engenheiros puseram mãos a obra (materializaram) é que a ideia passou a ter significado.
    A matéria pode existir sem a ideia, mas ideia não existe sem a matéria.
    As tais experiências em estado de coma resultam de atividade cerebral em algum nível. A questão toda é que nem demos conta de entender por completo o cérebro, mas há quem saia por aí procurando pelo em ovo, cientistas inclusos. Sempre a mesma coisa de procurar respostas fáceis para questões difíceis.
    A menos que se possa apresentar alguém sem cérebro mas vivenciando e transmitindo ideias e ideais, você está andando em círculos para voltar ao meu ponto.

  181. Shirley,

    É fato que os cientistas, filósofos e psicólogos queimam seus neurônios para entender o que é o ‘pensamento’; a ideia, portanto. Você falar em química não esclarece totalmente. Afinal, no meio de toda essa eletricidade e processos químicos do cérebro, onde ficam os pensamentos? – pergunta o filósofo australiano David Chalmers que afirma (e com coro) ser a consciência o que temos de mais íntimo, porém ela é a mais difícil de explicar. Sabemos muita coisa a respeito de nosso cérebro, mas não sabemos, cientificamente, como o pensamento (ideia) é processado. Se tiver algo de novo nessa área me passa.

  182. “A matéria pode existir sem a ideia, mas ideia não existe sem a matéria.”

    No caso, o japonês via o carro em sua mente, o descrevia para os engenheiros, mas esse carro não existia só porquer não fora para a oficina ser fabricado?!

    Você não pode admitir que isso é irreal e impraticável porque irá ferir sua crença ateísta, claro. Se admitirmos que antes de toda existência – seja do que for – existiu uma causa primária, uma ideia pré-concebida do objeto, chegaremos à questão de quem ‘nos’ idealizou, e aí pimba! Cai por terra sua teoria ateista. Mas não há necessidade de exageros, a menos que você me dê um exemplo de alguma coia que existe sem ter tido uma primeira causa, será você a estar dando voltas ao redor do óbvio.

    Se bem que, a partir do momento em que você se coloca acima da Ciência, fica difícil mesmo, e então, quem está dando voltas é você, Shirley, querendo evitar um confronto sério com ela.

  183. Day

    Crença e ateísmo são mutuamente excludentes.
    O que venho dizendo esse tempo todo é que a ideia em si mesma, apenas na forma de ideia, não tem relevância alguma enquanto não é posta em prática. O artefato do japonês, enquanto não foi materializado, existiu apenas na mente dele. Só depois que a ideia foi posta em prática é que ela adquiriu substância. Além do que, se o japonês pode ter a ideia, é porque de saída ele dispunha da matéria: o cérebro.
    Eu não estou me pondo acima da ciência, apenas me reservo o direito de ficar ao lado dos cientistas que lidam com fatos, não aqueles que acabam optando por um viés místico.
    Consciência, pensamento, ideias, repito, só existem porque existe um cérebro.
    Exemplo de misticismo, não de ciência, é aceitar a suposição de “ideia pré-concebida do objeto, chegando á questão de quem nos ‘idealizou’ e aí pimba!”
    Se vamos nos ater à ciência, onde está o fato comprovado da “primeira causa” de estarmos aqui?

  184. Shirley,

    Ateísmo e crença são excludentes quando o ateísmo flerta com o ceticismo, deixando em aberto toda e qualquer manifestação de evidências científicas. Foi o que quis dizer. Tudo em que acreditamos ‘com certeza absoluta’ e sem comprovação é religioso.

    E com relação à causa primária, não é um simples biólogo que pode convencer o mundo de que as coisas simplesmente surgiram (vida).

    Refiro-me aos cientistas ‘do céu’, ou seja, astrônomos, e aos que calculam, como os físicos e matemáticos.

    E esse aí não é exemplo de misticismo, é exemplo de fé mesmo. Jamais fui mística, diga-se de passagem.

    Tá vendo, você nem consegue ver a diferença entre espiritualidade e misticismo!

    E, francamente, dividir a ciência em duas vias é complicado, hein. Se, os ditos materialistas e céticos estivesses certos, não estaríamos aqui e agora falando a respeito de causa e efeito. E Galileu Galilei teria sido obsoleto ao invadir o céu e matematizar a ciência; como também a física seria algo desnecessário ao homem.

    Mas, ainda não me respondeu: o que é a consciência, do ponto de vista científico-que-você-acredita? Porque existe uma infindável lista de cientistas que decretam que estamos longe de conhecermos a fundo a origem da consciência que, inclusive, não se prova estar ligada ao cérebro, até porque o cérebro não seria apenas o principal órgão e centro do sistema nervoso em todos os animais vertebrados? E esses todos animais pensam e têm ideias como nós, humanos? Algum animal poderia iventar a tal moto-carro do futuro?

    Ele (o cérebro) se presta muito aos sensores que identificam o paladar, olfato, etc. É físico até certo ponto. E não físico também quando acolhe as sensações etéreas.

    O cérebro seria como o nosso computador, apenas uma caixa onde arquivamos as ideias. Assim como o computador, o cérebro tem banco de dados, memória, etc. Mas é o que fazemos desse órgão é que conta. São as ideias que permeiam o cérebro é que são como o ar; não podemos pegar com a mão a consciência, os sentimentos, as ideias, ainda que estejamos pegando o cérebro com sua massa encefálica entre os dedos. Então, comparando, claro que sem o cérebro não temos veículo para o pensamento e tudo o mais, contudo, com o computador também é assim. Porém, se jogarmos fora o computador por um motivo ou outro, ainda teremos nosso pensamento, daí, se o cérebro sofre dano (morre) para onde irão os pensamentos e as ideias, juntamente com a consciência?

    Não desejo insinuar que suas ideias sejam inválidas (quem sou eu!), mas há muito que descobrir ainda. Somos bebês da Via Láctea. E, Shirley, quando converso sobre esses assuntos, não é no afã de provar Deus pela Ciência não. Porque crer em Deus é questão de fé. Só acho que a Ciência pode e deve ser últil a todos, independente de se ter fé ou não.

    Não leve a mal o aluguel, mas é que, como autodidata, quando estou sem professor, faço uso dos amigos.

  185. Day

    Meu ponto é simples de todo: apresente-me alguém sem cérebro mas com consciência, capacidade de pensar e de transmitir ideias e a questão está encerrada.

  186. Como disse isso é impossível, mas não prova nada do que você falou. E então, você já sabe o que é a Consciência?

  187. Day

    Pode-se dizer que é a faculdade humana de perceber o mundo ao nosso redor. Gosto também da definição de uma pesquisadora de Oxford, Susan Greenfield, que resumindo diz o seguinte: a consciência é um contínuo de conexões neurais começando desde o nascimento.

  188. Oi, Day e demais participantes do blog.
    Pode ficar em paz, Day, não me irritei com o que você escreveu, apenas estava REALMENTE sem tempo! :)
    Vamos lá:
    Eu achei interessante o site que você colocou http://www.significados.com.br/ e resolvi ver o que ele diz de religião e de Cristianismo.

    Religião é uma fé, uma devoção a tudo que é considerado sagrado. É um culto que aproxima o homem das entidades a quem são atribuídas poderes sobrenaturais. É uma crença em que as pessoas buscam a satisfação nas práticas religiosas ou na fé, para superar o sofrimento e alcançar a felicidade.
    Religião é também um conjunto de princípios, crenças e práticas de doutrinas religiosas, baseadas em livros sagrados, que unem seus seguidores numa mesma comunidade moral, chamada Igreja. Todos os tipos de religião têm seus fundamentos, algumas se baseiam em diversas análises filosóficas, que explicam o que somos e porque viemos ao mundo. Outras se sobressaem pela fé e outras em extensos ensinamentos éticos

    Bem, por essas definições, vejo que TJ, SUD, Adventistas, Espíritas,… Podem ser consideradas religiões(mas também se enquadram em seitas como você postou!)

    Cristianismo vem da palavra Cristo, que significa Messias, pessoa esperada, o redentor. É uma doutrina que acredita que Deus é o criador do universo e de toda a vida do planeta. O Cristianismo é um desdobramento do Judaísmo. Todas as formas de cristianismo obedecem às mesmas escrituras, veneram o Deus de Israel e consideram Jesus como o Cristo, Filho de Deus e Salvador da humanidade.

    Interessante ele dizer que Cristianismo é um desdobramento do Judaísmo, vejamos novamente o conceito de seita pelo mesmo site:
    Seita é um termo que deriva do latim “secta” cujo significado é seguidor. O termo é utilizado para designar um grupo numeroso de uma determinada corrente religiosa, filosófica ou política que se destaca da doutrina principal. Eu até poderia ter entendido errado em julgar Cristianismo como uma seita advinda do Judaísmo, já que em maioria os apóstolos de Cristo (e o próprio!) eram judeus! mas um pouco mais abaixo ainda na mesma definição de Cristianismo tem:
    Em muitos casos, a palavra “seita” serve para descrever uma divisão ocorrida no cristianismo. No entanto, como seita designa um conjunto de seguidores, pode ser que existam boas doutrinas e cristãos genuínos, porque o conceito de seita é ambíguo. Aquilo que hoje é considerado como seita, amanhã pode ser considerado como a corrente religiosa principal, e vice-versa.
    Com isso confirmo que Catolicismo, Protestantismo e Ortodoxos só são hoje “religiões” porque são maioria, mas amanhã podem virar(ou voltar a ser) seita! E aí pra concluir meu pensamento todo baseado nesse site que você postou, segue-se o final da matéria:

    O cristianismo tem na Bíblia o livro sagrado dos cristãos e na Igreja o local da pregação dos ensinamentos de Cristo, através de seus Sacerdotes. As principais religiões ligadas ao Cristianismo são o Catolicismo, a Ortodoxa e o Protestantismo
    Esclarecedor perceber que ele diz: As PRINCIPAIS RELIGIÕES(grifo meu) ligadas ao Cristianismo são o Catolicismo, a Ortodoxa e o Protestantismo! Ou seja, as outras são religiões também e professam a Cristo como representante de Deus, a diferença fica na interpretação da Bíblia(lembrando que os livros mudam de seita para seita ou religião para religião, como preferir, mas pregam a Cristo, vide a Bíblia Católica, diferente da Evangélica, diferente da Gnóstica,…E dependendo da época e do local de pregação, diferente até mesmo entre uma religião “X” e a própria religião “X”), em suas liturgias e na visão de quem é Jesus para elas, se ele é o próprio Deus(Javé), se é o filho de Deus(Javé), se são os dois ao mesmo tempo mais o Espírito Santo, se é um Deus assim como o Deus Pai e o Deus Espírito Santo, se é apenas um Profeta de Deus, se é um homem normal com a Sabedoria(Sophia) de Deus encarnada nele,…

    Bem, agora voltando pra mim, quando eu citei as várias Religiões Cristãs anteriormente, foi no sentido de que todas (em suas visões particulares) através de Jesus Cristo religam-se com Deus. Estando célebres teólogos dizendo A ou B sobre quem é religião ou seita, foi naquele sentido que falei e apenas isso.

    Os textos que você colocou sobre Joseph Smith, são conhecidos por mim, já li muuuuita literatura antimormon, assim como sites e livros apologéticos… Sendo de seu interesse, podemos conversar. Isso contribuiu para minha “apostasia SUD” junto com as coisas que vi por lá, não sentia paz, então saí.

    Creio que abordei os temas centrais de seus posts-respostas. Estou solícito para conversar e repito, não estou com raiva! Esse assunto pra mim ficou no passado e “quem vive de passado é museu”! Hoje estou numa nova fase, procurando meu caminho e vivendo da forma mais digna que concebo, com meus erros e acertos, mas tentando sempre aperfeiçoar! :)
    Abraço

  189. Shirley,

    “Pode-se dizer que é a faculdade humana de perceber o mundo ao nosso redor. Gosto também da definição de uma pesquisadora de Oxford, Susan Greenfield, que resumindo diz o seguinte: a consciência é um contínuo de conexões neurais começando desde o nascimento.”

    Mas isso são apenas teorias ateístas, certo? Enquanto vivermos teremos sempre essa dualidade.

  190. Gentio, olá! :)

    Esses sites são muito imparciais e buscam o significado mais literal da coisa. E quando é filosofia, eles pesquisam e postam o resumo. Mas sempre ajudam bastante para desenvolvermos nosso raciocínio.

    Por exemplo, quando dizem que o Cristianismo é um desdobramento do Judaísmo, é uma conclusão fria da história, porque, na realidade, acredita-se que Cristo foi a realização da profecia.

    “Com isso confirmo que Catolicismo, Protestantismo e Ortodoxos só são hoje “religiões” porque são maioria, mas amanhã podem virar(ou voltar a ser) seita! E aí pra concluir meu pensamento todo baseado nesse site que você postou, segue-se o final da matéria:”

    Eu vejo tudo muito simples: se mexerem nas Escrituras, como Mórmons e T.J., etc. perdem a credibilidade, melhor criar uma outra corrente filosófica, ou pertencer a religiões fora do Cristianismo, como o Budismo, por exemplo.

    Mas no fundo, seja religião, seja seita, nenhuma traz a perfeição. Todas têm ‘homens humanos’ puxando as rédeas. Eu também não vou mais à igreja, aliás ir para a igreja foi uma novidade na minha vida de cética. Fiquei uns 4 anos e saí. Gosto de pensar que a liberdade é nosso maior tesouro; e a paz também. Não me considero cristã no sentido de santidade e separação do mundo, mas Jesus eu amo. Dzem alguns teóricos que ele nem existiu, mas nada se prova. É questão de fé, uma loucura.

    Gostei do seu raciocínio e agradeço por trazr essa visão, eu também gosto muito de ver o assunto em pauta sendo visto por vários ângulos. Você é inteligente, a pessoa perfeita para um bom papo.

    Abração..

    ps – Esou sem computador, escrevo em uma antiga máquina aqui que não configura facebook, MSN e nem word (onde escrevo ficção literária), mas já estou providenciando, então poderemos conversar à vontade, sem precisar alugar o espaço do Barros (às vezes acho que abuso hehe).

  191. Day e demais participantes do blog.
    Agradeço as palavras, a paciência e principalmente algo muito escasso nos dias de hoje, o respeito.

  192. Gentio

    Estive lendo seus comentários e os achei muito interessantes, principalmente isso:

    “Se Deus não é um ser, é apenas um nome que damos as regras imutáveis, que nunca tiveram inicio e que não é consciente, apenas o é;”

    “- Se Deus não existe, o que existe são interações entre matérias, não-matérias e energias que ainda não conhecemos por completo(e nem sei se um dia conheceremos) que permitem através de sua sincronia a condição necessária para a origem, meio e fim da vida. E o resto seria apenas a forma como cada um vê o mundo e percebe essas experiências em sua vida.”

    Acho interessante esse pensamento; deixa espaço para a especulação, para as perguntas; não encerra uma verdade definitiva.
    Penso que seria bem mais “arejado” o pensamento da pessoa crente, tendendo a uma maior honestidade, se houvesse um reconhecimento de que a pessoa crê por precisar de algum conforto, de alguma perspectiva diante dos medos e aflições da vida. Isso eu posso compreender. Quando se para e pensa na nossa fragilidade e transitoriedade, nas batalhas contínuas, nas perdas, nem todos temos a força necessaria para encarar tanta coisa sem algum tipo de esteio.
    O que realmente incomoda é a imposição dos objetos da crença como verdades absolutas, irrecorríveis e obrigatoriamente extensivos a todos.
    Enfim, a crença e os valores dela decorrentes deveriam ser de caráter pessoal.

  193. Olá, SSRodrigues, agradeço por compartilhar sua opinião. Seus comentários são muito interessantes para mim também.

    Eu concordo com você, todos nós precisamos em vários momentos de nossa vidas de um suporte. Uns buscam internamente, outros externamente, mas buscam. Como buscam e onde buscam é de fórum íntimo de cada um, então não cabe a mim discutí-los.

    Quanto a imposição de crenças – onde apoio suas palavras ao dizer que deveríam ser de cunho pessoal – infiro que uma das causas é a forma como é ensinada em algumas doutrinas, ao invés de agregar, segregam.

    Entristece-me ver pessoas desrespeitando outras apenas por discordar de suas ideias, vejo hoje uma tendência muito forte em querer “vencer” um debate, ao invés de querer somar conhecimento dentro do que os interlocutores argumentam.

    Como já disse antes, adoro ver outros pontos de vista, isso me faz pensar em coisas que nunca cogitei! Ver a mesma coisa de ângulos diferentes é fascinante!

    Nós aprendemos e ensinamos o tempo todo, de forma consciente ou não dos frutos de nossas experiências. Pelo menos, assim eu penso!

    Até mais e bom dia a todos!

  194. Shirley e Gentio:

    “Quando se para e pensa na nossa fragilidade e transitoriedade, nas batalhas contínuas, nas perdas, nem todos temos a força necessaria para encarar tanta coisa sem algum tipo de esteio.”

    Isso quer dizer, em outras palavras, que o ateu é forte e o que crê é o fraco (falácia desparatada). Se isso não for uma conclusão de cunho absolutista, nada mais o é. E sendo que essa teoria não pode ser aplicada porque, ao longo da História, o que mais tivemos e temos, são pessoas muito fortes e decididas, ao contrário do ateísmo que somente se fez assumir depois do advento da internet, o que ainda o faz, grosseiramente falando, um covarde. Há um pensamento – não lembro de quem agora – que diz que ‘o maior covarde é aquele que fala no escuro’ (hoje seria a virtualidadee); enquanto toda a forma de religião, principalmente o Cristianismo jamais se acovardou em assumir-se como fé. Essa é uma questão de lógica, basta raciocinar imparcialmente, que veremos que essa teoria não procede. A última coisa que o cristão é, é um fraco ou covarde. É fato.

    Bom dia..

  195. Gentio, já ia me esquecendo o que realmente queria falar com você:

    É um convite para você ter mais ângulos de pesquisa e raciocínio. Se quiser conhecer o blog do Luciano Ayan, voltei a escrever por lá. Como você é inteligente, irá gostar do ritmo de pensar do blog. Ele é ateu tradicional, ou seja, não faz campanha anti-igreja, e ainda por cima analisa politicamente as manobras esquerdistas que resgatam minorias como o neoateísmo e os gays para confrontarem a Igreja. É muito interessante. Convite feito. :)

    Segue o link

    http://lucianoayan.com/2013/06/14/daniela-mercury-converte-se-ao-humanismo-e-dispara-estado-laico-tem-que-proibir-a-presenca-de-evangelicos-na-tv/#comment-17317

  196. Aproveitando para deixar minha impressão de que eu, pessoalmente, não considero o ateu um covarde, ao contrário, munido de inteligência e bom senso, ele sabe que toda minoria que resolve ‘confrontar’ a situação estabelecida (status quo), seja de fé ou não, toma ares de revolução. E, inteligentemente pensando, o ateu sabe que uma revolução precisa de sólidas bases, senão é apenas um movimento fadado ao fracasso. O pensamento de que ‘os covardes falam no escuro’ aplica-se melhor nessa era de virtualidade, penso eu.

    Vê se aparece, vou indicá-lo ao blog, pois o Luciano é obrigado a ser seletivo, para que não haja desconfortos como acontece aqui comigo. E, em tempo, gosto de conversar com o Barros e algumas pessoas aqui, mas geralmente espaços muito liberais atraem pessoas que não querem discutir, mas trollar e mudar o rumo do debate, transformando o espaço num circo dos horrores.

    Beijo e paz! :)

  197. Eia, Criaturo!!!! hehehe! Quanto tempo amigão! Aproveita e manda aí o link do seu blog também, eu não favoritei e perdi.

  198. SS

    Seria hipócrita afirmar uma existência divina sem ter como provar,mas podemos acreditar por nossas evidências pessoais.
    da mesma forma voce pode ter fé que um remédio ira te curar, caso isso não ocorra na praticavoce perderá esta fé na ciência, ou então poderá acreditando que o remédio produza resultados diferentes em pessoas tambem diferentes.
    na pratica podemos viver das experiências alheias apenas pela fé, ou então de acordo com a nossas experiências próprias.
    todos são obrigados pela ignorância própria a terem fé na sabedoria alheia, do tipo se um medico te indicar um veneno afirmando ser este o remedio para uma doença, fatalmente voce tomará por estar condicionada a a ter fé na ciência alheia.
    Se um cientista disser ter descoberto um novo planeta e que o hubble tenha tirado fotos dele a maioria dos crentes ignorantes da ciência própria aceitaram isso numa boa e facilmente adotaram e passarão a defender isso como se fosse uma ciência por eles conhecida, como crianças da pre escola da vida. dificilmente irão pesquisar tal veracidade.

    sds

  199. Mas nós, crentes ignorantes da ciência alheia, temos motivos de sobra para acreditar, para ter fé na ciência dos outros. Diferentemente de vocês, nós vemos comprovada a cada instante, em cada esquina, que essa fé se justifica. Vocês não têm justificativa nenhuma para terem fé. Nada do que vocês atribuem a Deus se confirma. Nada justifica a crença, além da sua própria teimosia em querer continuar acreditando.

    Se um crente orasse a Deus por proteção e, de fato, fosse protegido, seria um motivo evidente de que a fé é justificada. Mas isso não faz parte d realidade. O que faz parte da realidade, pegando aí o exemplo, é o crente orar por proteção e fazer exatamente tudo o que o ateu, que não tem Deus nenhum por ele, também faz.

    Como a fé em Deus não se justifica, o crente precisa de um arsenal de desculpas para não parecer idiota diante dos seus pares, reforçando sua fé e a dos outros mais com as desculpas do que com seu próprio Deus.

    E tentar incluir “experiência pessoal” é desespero intelectual. É como se um bêbado me achasse um idiota por eu não andar cambaleando…

  200. Verei o Blog, Day.
    Bom dia a todos.

  201. Barros, se nossas experiências pessoais não contam, a de vocês, desiludidos, também não. E não usamos nossas experiências pessoais num blog na internet para criar polêmicas ou afrontar o neoateísmo ou ateísmo, porque a religião se propaga naturalmente, encontrando eco nas pessoas que também têm suas experiências com o sobrenatural. A grande dificuldade do neoateísmo, é que ele pretende se impor sem argumentos lógicos ou científicos; ele sim, o neoateísmo, se mantém única e exclusivamente em bases pessoais. E essa prática da rotina de inversão de valores, é a única arma que, aparentemente, faz a coisa funcionar. O neoateísmo, como minoria absoluta, não deveria confrontar o que já está estabelecido na raça humana, ou seja, a fé. E é por essas e outras que este movimento é risível e desqualificado para qualquer fim social.

  202. A grande dificuldade do neoateísmo, é que ele pretende se impor sem argumentos lógicos ou científicos; ele sim, o neoateísmo, se mantém única e exclusivamente em bases pessoais

    Hahahahaa! Eu tenho certeza de que alguém vai logo, logo aparecer com argumentos lógicos e científicos que justificam a crença em Deus…

    Mas tudo bem. Ninguém vai queimar ninguém aqui por roubar a definição dos outros…

  203. Barros disse lá no começo:

    “Eu achei o texto dela “irrespondível”.”

    kkkkkkkkkkkkkk! Deus até record de comentários. Não existe resposta absoluta, querido…

    “Hahahahaa! Eu tenho certeza de que alguém vai logo, logo aparecer com argumentos lógicos e científicos que justificam a crença em Deus…”

    Fé X Ciência – Essa é a melhor parte para deixá-los confundidos em sua própria arrogância sábia.

    ps – Já aprontei o ‘relatório’, deixa o Luciano publicar, aí você traz para cá se quiser, mas, por favor, poste na íntegra, ok?

    Besos..

  204. sE A PESSOA discute aqui e tem que publicar algo, porque ela posta em outro lugar e o Barros tem a obrigação de ir lá buscar???
    Gadernalllllllllllllllllll – cade voce???

  205. Criaturo

    A sua comparação não procede, sob qualquer forma.
    Imaginemos uma pessoa crente normal que adoeça.
    Por normal entenda-se a pessoa comum, que é a maioria das pessoas. Ficam de fora os tipos fanáticos e os “alternativos’.
    Duas outras se aproximam e fazem propostas diferentes. A 1ª diz que o dr. fulano de tal é bom médico e propõe levar nossa pessoa crente e adoecida a ele.
    A segunda pessoa relata uma experiência pessoal em que viu Deus, ou sentiu, ou teve um milagre em sua vida, enfim; e diz para o doente confiar em Deus e esperar que ele irá curá-lo.
    O que a pessoa adoecida fará?
    O mesmo que dez em dez pessoas, crentes ou ateias fariam, irá ao médico.
    Irá porque a Medicina já deu sobejas provas de que é muito mais seguro confiar em médicos e remédios do que em atos divinos.
    Irá porque quando se trata da própria sobrevivência instintivamente até, o ser humano confia é em outros seres humanos.
    Terminei a pouco um livro bem interessante, “A Ordem Negra” de James Rollins, ficção, e no fim a gente fica sabendo que a razão das peripécias na história está nas descobertas que um cientista teria feito na área da Física Quântica.
    Fiquei interessada e fui dar uma pesquisada ligeira. Não entendi praticamente nada, óbvio, mas vi que uma das coisas que intrigam os pesquisadores é o comportamento do fóton, que dependendo da medição se apresenta como onda ou partícula. Faz anos que pesquisadores quebram a cabeça tentando entender esse comportamento mas ainda não chegaram a uma conclusão definitiva.
    Mas vão continuar tentando. No processo é grande a possibilidade de que descubram funções e aplicações até inesperadas para várias coisas.

    O que isso tem a ver com sua proposição? Tudo.
    A maioria das pessoas, diante do comportamento do fóton, que é uma coisa mas se comporta como duas, teria pelo menos uma ou mais das seguintes reações:
    – dariam de ombros e diriam que é mais um dos mistérios da natureza;
    – diriam: olha que interessante;
    – diriam que é um dos mistérios de Deus;
    – diriam que os homens querem muitas vezes tomar o lugar de Deus.

    Algumas poucas no entanto querem saber e vão procurar respostas até encontrá-las. Mesmo que tenham que dizer eureka separando as sílabas, um dia chegam lá.

    É nessa capacidade de perscrutar o desconhecido, de eventualmente encontrar respostas, que todos os seres humanos realmente confiam, pela simples razão de que é isso que dá resultados e que contribui efetivamente para melhorar nossa vida.
    É por confiar nessa capacidade que a maioria das pessoas tem as reações descritas acima, porque sabem que sempre haverá alguém procurando as possíveis respostas.
    Porque sabem, sem nem mesmo precisar pensar a respeito, que desde que estamos zanzando aqui no planeta, as coisas essenciais foram feitas por aqueles que não se contentam com respostas fáceis ou entregam ás esferas divinas os mistérios das coisas.
    É por isso que Deus é um acessório, nada mais.

  206. È gente tem hora que este negocio de Face em que as pessoas postam qualquer coisa dá raiva. Normalmente o Face parece um grande BBB , nada de util se aproveita, mas nestes dias ele foi e está sendo usado para esta comoção nacional.
    Pessoas marcaram e combinaram esses protestos, estao fazendo divulgaçao e exercendo direitos politicos! – reclamando, protestando, opinando e hoje estou vendo até pedidos de greve geral. So que……….
    tem gente que nem nestes momentos naonpara de fazer propaganda religiosa desnecessaria e imbecil. A cada 10 minutos aparece uma, com trechos do Evangelho e tal e um monte de gloria a Deus ali em baixo curtindo. Nem nestes momentos a pessoa entra de cabeça no mundo real e dialoga com os outros sinceramente. Deixe a porra do culto pra hora do culto, nao amola. O triste é que tem gente pedindo a Deus para que tudo termine bem e as pessoas nao lutem e deixe com Deus que ele resolve!!
    mAS SE ELE NAO RESOLVEU ate agora e teve que chegar o confronto, onde esta Jesus, em outro planeta??? Pessoas com esta doença chamada religiao sao cagonas e esperam um milagre que nunca acontece: OS POLITICOS SEREM HONESTOS E BOA GENTE!
    pORRA! se Jesus nao fez nada ate agora com os politicos, nao consigo imaginar que tem gente que diz que é dotado de uma coisinha chamada cérebro e espera a atuação do divino em prol deste pais!!
    As pessoas misturam religiao com politica com tanta facilidade que se perdem e deixa pessoas que tem massa cefálica pra pensar revoltado e puto da vida.
    Tem um cara aqui na minha cidade dono de farmacia que esta igual a viciado em crack com a religiao dele, poluindo o face de hora em hora com salmos, Capetículos e Testiculos. Nem nestes momentos dao folga para o brasileiro de politizar e se organizar. Nao querem o povo inflamado, so querem aquele ALELUIA, AMEN, GLORIA A DEUS no fim dos comentarios! —————– Vai TOMAR do CÙ —————————-
    Reza na sua casa e na sua igreja, deixa as pessoas lutarem e clamarem os seus direitos e usar essa merda de Face pra algo Util
    Pra finalizar esse cara postou uma foto com a fala de um outro viciado no seu DeusCrack! assim: um velhote tipo Malafaia cheio de si dizendo algo que me enojou: Preparen-se::::::::
    A BIBLIA É TAO, MAS TAO ATUAL QUE ELA É MAIS ATUAL DO QUE O JORNAL DE AMANHÃ!!!
    dEPOIS DESSA, TENHO MEDO DE QUE ESTA PORRA NAO DE EM NADA E DE QUE ESTE PAÍS VÁ A MERDA MESMO!!
    É MUITA HIPOCRISIA , FALTA DE DISCERNIMENTO E INTELIGENCIA PARA UM POVO SÓ!!! —- nOS TEMOS UM ABISMO DE DIFERENÇA PARA OS POVOS DESENVOLVIDOS!!! ——dESABAFEI______———
    vIVA AO Brasil ; Foda-se & Morra essa JesusCracia!!!!!!

  207. Gadernalllllllllllllllllll – cade voce???

    A PROCURA TA GRANDE ….HE..HE..HE..HE

  208. Não trago as pérolas, mas dou o caminho. Barros, eis o ‘relatório’ que você julgou tão importante, como fosse um grito desesperado da treva pela luz.

    http://lucianoayan.com/2012/12/29/rotina-neo-ateista-a-biblia-defendia-a-escravidao/

    Lembrando que não aceito postagem em fragmentos. Ou posta (mesmo na caixa de comentários) o texto na íntegra, ou comenta lá mesmo. Estou à disposição. As opiniões são sempre bem vindas.

    Abraço..

  209. Estamos vivendo um paradoxo temporal?
    Eu vi esse texto na época em que andei por lá. E se lembro, o nome do autor é o do Lu mesmo.

  210. SS

    A sua comparação não procede, sob qualquer forma.
    Imaginemos uma pessoa crente normal que adoeça.
    Por normal entenda-se a pessoa comum, que é a maioria das pessoas. Ficam de fora os tipos fanáticos e os “alternativos’.

    r: fiquei em duvida se me encontro entre os fanaticos ou os alternativos ?

    Irá porque quando se trata da própria sobrevivência instintivamente até, o ser humano confia é em outros seres humanos.

    R: naturalmente Deus criou uma vida social partir do nascimento , voce ainda não percebeu que a morte existe para sustentar a vida ?
    é por isso que morrendo é que se vive .

    mas vi que uma das coisas que intrigam os pesquisadores é o comportamento do fóton, que dependendo da medição se apresenta como onda ou partícula. Faz anos que pesquisadores quebram a cabeça tentando entender esse comportamento mas ainda não chegaram a uma conclusão definitiva.

    R: quando um atomo perde ou ganha energia ele alguns eletrons mudam de orbita por consequência gera se um fóton de luz

    Algumas poucas no entanto querem saber e vão procurar respostas até encontrá-las. Mesmo que tenham que dizer eureka separando as sílabas, um dia chegam lá.

    R: então um dia perceberão que esse caminho não possui um fim,
    para alguns isto será motivo de desanimo para outros de alegria em querer continuar trabalhando e descobrindo mais Deus.

    É nessa capacidade de perscrutar o desconhecido, de eventualmente encontrar respostas, que todos os seres humanos realmente confiam, pela simples razão de que é isso que dá resultados e que contribui efetivamente para melhorar nossa vida.

    R: sim , melhorar sempre

    É por confiar nessa capacidade que a maioria das pessoas tem as reações descritas acima, porque sabem que sempre haverá alguém procurando as possíveis respostas.

    R: confiamos no conhecimento dos outros quando assumirmos nossa própria ignorância e as vezes pagamos por ela com a própria vida.
    pense no comercio de remédios de consumo, muitos deles possuem mais efeitos negativos do que positivos,mas os inventores deles não iriam fazer propaganda disso não é mesmo ?
    quem receita tais remédios tambem o faz por ignorância, incompetência ou por fazer parte do cartel dos laboratórios.
    Meu Bebê passou por uma medica especialista em neo natal, que receitou um tal de naldecon, a criança passou muito mal , coincidentemente o tal remédio rapidamente entrou para a lista dos remédios cassados pela anvisa, retirado do mercado.

    Porque sabem, sem nem mesmo precisar pensar a respeito, que desde que estamos zanzando aqui no planeta, as coisas essenciais foram feitas por aqueles que não se contentam com respostas fáceis ou entregam ás esferas divinas os mistérios das coisas.

    R: o mundo não passa de uma massinha divina No1 lembra ?
    e os seres humanos são crianças brincando de ser deuses no jardim de infância da vida, é natural o descobrimento e a manipulação , porem lembre-se sempre de quem criou esta massinha, alias a massinha não foi entregue cru, ela é muito mais didática que isto, tipo olhem o pássaro voando, isto é possível Santos Dumont!
    olhem e aprendam com os naturais exemplos divinos.

    É por isso que Deus é um acessório, nada mais.

    R: a fé não nasce apenas da carência humana,mas das experiências observando fatos que evidenciam inteligencia fora da matéria.
    isso não seria um acessório e sim um complemento para o entendimento

  211. 1 – que o barros nem ninguem aqui pediu texto ou relatorio de nada, apenas resposta sim ou nao – e sobre as apariçoes na biblia
    2 – o que tem a ver o texto sobre escravidao??/ ninguem estava falando nisso! – o Gadernal já possuiu a Day faz tempo!
    Qual o problema que as pessoas tem em dizer que nao tem RESPOSTA E QUE NAO HÁ como se dar uma RESPOSTA PARA O QUE ESTÁ ESCRITO no seu papel higiênico sagrado!!

  212. Não estava me referindo a você, estava falando de alguns tipos específicos de pessoas.

    Estou tentando estabelecer uma conexão entre “naturalmente Deus criou uma vida social partir do nascimento” com “voce ainda não percebeu que a morte existe para sustentar a vida ?
    é por isso que morrendo é que se vive .” Não vejo absolutamente o nexo, tanto de uma parte com a outra quanto com o que escrevi.

    Você não entendeu nada sobre o comportamento do fóton; não estou falando sobre a origem dele. Aliás, eu escrevi preto no branco: pesquisadores têm quebrado a cabeça à anos. A origem do fóton é conhecida velha, acho que desde a década de vinte do século passado.

    Também escrevi, preto no branco, que é mais seguro confiar na Medicina, não que é totalmente seguro.
    E devo supor então que a partir do incidente com o Naldecon você passou a confiar a saúde do seu bebê à providência divina?

    Que experiências observando fatos que evidenciam inteligência além da matéria?

  213. Eu acho que o texto récorde de comentários é esse sobre o Inferno, com 526 comentários.

    Quanto à sua resposta sobre a contradição bíblica de Deus ser visto e não ser visto, eu desisti de esperar. Já vi que desse mato não sai Coelho. Eu insisti porque você disse que era tão fácil explicar que não havia contradição nenhuma, que eu quase acreditei que você ia mesmo explicar… Mas como dizia o papa João XIX: “Inocuum concuspicium fenetum erum. Interditatis vostrus contenti in parlarum circulorum, ditamus victor per desistenti interlocutori afobatus”

  214. Greg

    Acabei de seguir o link, é mesmo um texto antigo do Ayan, última atualização em dezembro do ano passado.
    Olha, se a coisa já chegou nesse ponto, acho que é melhor deixar esse assunto pra lá. A gente precisa ter um pouco de sensibilidade, as vezes.

  215. Eu ia até quebrar teu galho e ir ver o link que você deixou, mas aí lembrei das sábias palavras do papa Pio VI: “Partirum ramus arvoredum simianus obesum est”, ou seja, “quem quebra galho é macaco gordo”.

  216. Barros & Shirley

    A Ignorancia é uma benção!!
    Descobri que nao somos abençoados; – na verdade estamos amaldiçoados até o fim pelo fato de usarmos o cérebro.
    Acho que no Eden Garden a Arvore do conhecimento era um grande pé de “cerebro” que a Eva foi e colocou dentro do cranio dela e viu que era bom, depois ela levou aquilo ate o Adao e ele colocou e tambem viu que era bom!
    Moral da historia: Deus foi o unico que viu que nao era bom, e disse: Tira essa porra agora! – Tira essa porra agora! e pede pra sair, pede pra sair!! tapa na cara e tudo mais e Adao e Eva sairam pelo mundo fudidos e pensaram: È , era melhor nao ter colocado aquilo dentro da cabeça, como vamos chamar aquilo?? R – Vamos chamar de inteligencia mesmo, que coisa desgraçada essa, fudeu com a gente!

  217. Greg

    E pensar que eu aporrinhei tanto a professora de catecismo querendo saber o que era a tal árvore do conhecimento…
    Era um pé de cérebros!
    Deus Capitão Nascimento só podia ter ficado puto mesmo!

  218. Shirley,

    Porque você é a representação da puta subdesenvolvida, e até Jesus falou sobre vocês, através do marido. Você é a pior das piranhas. Meu marido sabe de tudo que eu escrevo. Mas, você, puta enrustida, nem,fala do seu esposo.

    Uma puta como você, que ri das sacanagens do promíscuo amiguinho seu, só pode ser considerada uma sem-vergonha que trepa com macacos, e entendam por macacos, o vizinho que a pega nas horas em que o corno do seu marido dorme tranquilo, esperando em Deus, ter uma mulher que não seja tão fria e ruim de cama, porque sua vida é tão ruim que nem sexo a atrai.

    Como um cactus fêmea, jogado ao léu, que vive o tesão virtual com um merda que, certamente, não tem uma mulher decente. Você, ao se relacionar com um nojo humano, deixou claro que, ou está se vingando do maridão, ou o maridão a deixou entregue à sorte dos devassos da internet. Antes de qualquer coisa, eu, a Day, reconheço uma puta de longe.

    DESAFIO: TRAGO MEU MARIDO AQUI, SE VOCÊ TROUXER O SEU MARIDO. Quero saber a opinião de um homem que tem você como mulher, que se mistuira com um pervertido, achando que a impunidade continuará lambendo a mente dos bichos estranhos, como você que, nem a cobra se daria ao apelo de uma correlação. Para mim, você é a puta disfarçada de inteligente. Uma puta velha que, ao invés de amar o marido cristão, e amar os filhos, prefere fazer parte de uma lama nojenta, deixando o esposo de lado.

    Você é uma puta porque jamais vimos um filho seu concordar com a mãe.

    Você, Shirley, invadiu uma rede social, com traumas de uma mulher velha que não tem mais amor de homem em sua cama.

    Saiba que não tenho medo de falar de sexo! Encaro tudo, menos uma velha tarada que não tem o pênis do marido como amor.

    Chamá-la de piranha virtual, poderia ser exagero, porém sua vagina velha deveria dar respaldo a uma boa discussão.

    Eu a desafio, puta, para uma discussão, onde meu marido possa conversar com o seu marido.

    Aguardando.

    ps – Desde ontem , meu marido passou a ler “isso”. e ele mesmo a defendeu, dizendo que uma “P” como você jamais traria o marido aqui.

    Mas o meu marido pode vir, porque ele jamais me verá conivente com um troço que merece a pena de morte, seu amiguinho Greg.

    Eu a desafio, promíscua, piranha virtual, a deixar seu marido participar do ‘clube’.

    Meu marido já topou.

  219. Duvido que seu marido. cracatoa, participe de um blog onde a muher dele seja conivente com um safado filho da “P” que destila sacanagem para uma pessoa (eu) que não dei confiança a um merda como esse troço que vem aqui, Você nem poderá dizer que não entendeu. Puta safada, mostrou que nós, a maioria, estaremos de olho em gentinha como você. Vá fazer cocadinha, e, se puder, leva o Greg, esse que subiu aos céus graças a você, safada sem noção!

    Meu marido topou, como dsse. Quero saber do SEU marido, piranha.

  220. Essa é a prova de que todos somos quedados ao pecado. Ou você acha que o ódio do Pedro que arrancou a orelha do soldado romano, bem como “meu” Jesus que desceu o chicote sobre as pessoas ateístas como você, naquele momento no Templo, seriam passagens de um livrinho bobo? O mistério permanece, mas só para os que não respeitam a Deus.

  221. Tem gente que está tomando Gardenal vencido…

  222. Você, Fernando nunca me enganou. Vc começou isso tudo. E ainda diz que é casado e tem mulher. Imoral, ensinou aquele merdinha a ser tão devasso quanto vc. A Dilma vai cair, e aí veremos se continuarão nessa festa de bacanal neoateísta-brasileira-de-merda!

  223. ss

    entendi que os cientista ainda desconhecem o porque do fóton hora se comportar como partícula hora como uma onda, talvez eu não tenha entendido a relação com o seu texto, eu acho que deveria te-lo lido na integra. he..he.he.he

    o incidente do naldecon só fortaleu a idéia que a maioria dos remédios mais prejudicam do que ajudam, ha muito anos que eu evito tomar remédios só tomo na beira da morte, minha família segue o exemplo e mantemos uma vida naturalmente saudável.

    As evidências seriam previsão do futuro, transmissão de pensamento, sonhos lúcidos, visões, pedidos atendidos na hora, todas essas coisas vivenciadas por mim, assim para mim fica muito difícil não ter fé, quando vi ouvi e senti .

  224. Fernando –
    Tem gente tomando Gadernal com pinga!!! e cheirando pó junto!!!
    Crenteocólatra!!

  225. Se a Dilma cair, quem vai assumir ? Jesus?
    Pior , talvez o Feliciano – será o primeiro regime Evangelhocrata do mundo! ao inves de pagarmos impostos, pagaremos dizimos! Seremos obrigados a tirar encosto toda a semana e pagando é claro!
    e podemos imaginar muitas coisas boas ainda! – e só terá emprego aquele que declarar jesus seu salvador! Amém

  226. Gente, o que é isso?
    Comecei vendo uma pergunta: “onde está a coroa pornográfica”, vim seguindo os comentários e é só ladeira abaixo! Que horror!
    Respondendo sua pergunta, estava fazendo o que faço de terça a sábado, sair de casa às 06:00 para fazer uma coisa exótica, se chama trabalhar, mas não parece que você possa entender o conceito.

    Li que o Barros pensa que você é doente; confesso que já pensei assim, logo que tive o desprazer de encontrar você aqui nas primeiras vezes.
    Mas acabei vendo que não. Você é uma folgada, mal educada cuja maior característica é não ter respeito algum por ninguém.

    Isso já tinha ficado claro quando você tentou se passar por outra pessoa e quando foi pega reagiu como se fazer isso fosse a coisa mais natural do mundo.
    Mas essa palhaçada com o post do Ayan é que mostra por inteiro o seu desrespeito. E a desenvoltura com que você tentou fazer isso mostra também que está acostumada a fazer trambiques.
    Desrespeito com o Barros, em primeiro lugar, tentando induzi-lo a publicar um texto do outro aqui sem o conhecimento e permissão dele.
    Você deve ter pensado que como o Barros não leva o Ayan muito a sério, não iria se dar o trabalho de comentar lá no blog dele e que diria para você mesma copiar e colar aqui.
    Como ficaria a situação quando o Luciano descobrisse? Você não se importou com isso.
    Desrespeito com a “gentinha” que segue o Barros, pois achou que ninguém teria se dado ao trabalho de ler o blog do Luciano e engoliria fácil a sua mentira e que seríamos incapazes de diferenciar os estilos.
    Pro seu azar eu li praticamente tudo naquele blog. E esse texto ficou na minha memória por conter um baita de um sofisma.
    Desrespeito com o leitor que vindo até esse blog, lesse o texto sem saber que era resultado de uma pilantragem.
    E desrespeito com o próprio Luciano Ayan, por ter tentado se apropriar de um texto da autoria dele.

    Como todo trambiqueiro, assim que foi pega começou esse estardalhaço, tentando desviar a atenção do seu ato, voltando o foco para outra pessoa.

    Não foi o Fernando quem inaugurou a baixaria de maloca aqui, foi você. Quem se comporta como maloqueira sinaliza que pode ser tratada como tal.
    Eu se fosse o Greg e o Fernando, na eventualidade de ter que falar com você, me absteria de qualquer palavrão, qualquer tipo de linguagem que você usa. Pois é disso que você realmente gosta, arrastar os outros para a sua lama. Mas isso é com eles.
    Quanto a mim, é a última vez que me dou o trabalho de te responder algo.

  227. O blog está pegando fogo hein…

    Acho que tudo isso é tática de guerrilha crente, desviando o foco não é necessário rebater nenhum argumento de forma clara e inequívoca…

    Acho engraçado alguém ainda mencionar o blog do ateu de verdade por aqui… agora o mais engraçado mesmo para não dizer surreal é alguém ainda visitá-lo…

    Fora que não duvido nada que ele a a day sejam a mesma pessoa… sabemos que nisso ele é mestre…

    De qualquer forma, o script é sempre o mesmo… o barros lança a pergunta, e o crente passa pelos seguintes estágios:

    1ª Tenta evangelizar
    2ª Posta pseudo evidências
    3ª Parte para a agressão verbal
    4ª Amaldiçoa e fica um tempo sem aparecer….

    E claro, alguns sabem fazer isso com um estilo próprio, se é que me entendem….

    De qualquer modo continuo me entretendo com as pérolas como bom porco ateu que sou…

    Abraço
    Cristiano

  228. Que porra é essa d’eu pegar post do Lu?!! EU escrevi, e ninguém será capaz de refutar, menos ainda neoateuzitos brazilis. E, se não trabalho, que coisa… Trabalho exatamente aqui, no conforto de minha house. Não me orgulho do meu status e nem da grana que cai na minha conta todo mês, e que me permite ficar na net, lendo, escrevendo e acabando com gente como você. Não é pessoal, mas vc representa o que há de mais odioso no mundo. Mantenha sua ‘fé’, e deixe as críticas fluirem.
    MEU TEXTO. Que coisa vc dizer que teve essas impressões a respeito de mim. Eu, igualmente, não tive boas energias através de vc. Até porque não entenderei jamais uma neoateia ser casada com um bom homem cristão. Aí tem. Quanto à minha pessoa, nem viajando pelo mundo, ou para aqui vc teria capacidade para entender-me. Vazia, sem alma, sem espírito, sem noção, nonsense, sem Deus, sem deuses, sem amor. Sobra o quê? Uma nuvem na net, uma mentira, uma primata.

  229. Meu texto, porque meu talento é meu. Nunca serei o q vc acha quer as mulheres deveriam ser.

    http://lucianoayan.com/2012/12/29/rotina-neo-ateista-a-biblia-defendia-a-escravidao/

  230. Primata Shirley,

    “Li que o Barros pensa que você é doente; confesso que já pensei assim, logo que tive o desprazer de encontrar você aqui nas primeiras vezes.”
    – Mas isso é fácil de entender. Basta olhar para mim e para você.
    “Mas acabei vendo que não. Você é uma folgada, mal educada cuja maior característica é não ter respeito algum por ninguém.”
    – Na verdade uso essa minha ‘característica’ com gente como vc. Uma ignorante que se acha a linda poderosa sem se tocar que está velha demais para parecer neoateia.
    “Isso já tinha ficado claro quando você tentou se passar por outra pessoa e quando foi pega reagiu como se fazer isso fosse a coisa mais natural do mundo.”
    – Não seja invejosa. Sou dramaturga (quer ver meus diplomas, meu release?); eu crio coisas, ambientes, personagens. Só não sei ainda como dramatizar uma primata cheia de dentes pontiagudos. Se vc fosse realmente inteligente, buscaria, no mínimo, minhas credenciais na internet, antes de me julgar. Boba… Banana ou abacaxi?
    “Pro seu azar eu li praticamente tudo naquele blog. E esse texto ficou na minha memória por conter um baita de um sofisma.
    Desrespeito com o leitor que vindo até esse blog, lesse o texto sem saber que era resultado de uma pilantragem.
    E desrespeito com o próprio Luciano Ayan, por ter tentado se apropriar de um texto da autoria dele.”
    – Retardada! Mais uma vez sua inveja chega até aqui. Imbecil, eu escrevi tudo ontem, em DUAS horas, porque, além d’eu escrever bem, tenho a certeza do que penso e sei. Mas vou levar essa sua cogitação ao Luciano e ele publicará que vc é uma imbecil. Dou minha alma, meu pescoço, e minha vida pelo meu trabalho de escrever. É banana da terra, ou d’água?
    “Como ficaria a situação quando o Luciano descobrisse? Você não se importou com isso.”
    – Na verdade não seriam bananas, mas capim. Burra, mesmo se eu precisasse copiar, seria logo do Lu, e no blog dele? Burra, vá pastar!
    “Como todo trambiqueiro, assim que foi pega começou esse estardalhaço, tentando desviar a atenção do seu ato, voltando o foco para outra pessoa.”
    -kkkkkkkk! Patética. Seu pano caiu, porque eu não minto, por isso sei que você não presta! Está tentando trapacear minha conduta. Sou inteligente e deixei bem claro quando acabei com vc. Mandarei o link da resposta do Lu quanto à sua acusação. E, quando ele se pronunciar, irei catá-la até o fim. Você já perdeu, falsária de internet. Fez uma acusação, terá que provar, ignorante.
    “Não foi o Fernando quem inaugurou a baixaria de maloca aqui, foi você. Quem se comporta como maloqueira sinaliza que pode ser tratada como tal.”
    – Um pouco difícil entender seu dialeto, mas, certamente, vc é pornográfica, mentirosa e escrota. Ninguém a mandou tomar ‘lá’ porque é o seu reduto. Mentirosa, sabe que o Fernando baixou o nível sim! E, eu ter brincado aqui, foi apenas brincadeira mesmo. Então entendo o quão primata e interiorana és. E, já não gosto mais do seu marido cristão; ele não é cristão, caso fosse não aguentaria um minuto sentindo seu hálito podre de mentira.
    “Desrespeito com a “gentinha” que segue o Barros, pois achou que ninguém teria se dado ao trabalho de ler o blog do Luciano e engoliria fácil a sua mentira e que seríamos incapazes de diferenciar os estilos.”
    – Invejosa delinquente da humanidade, de novo digo: Quando o Lu a desmascarar, não sobrará nada! Essa está sendo a maior acusação que já sofri na net. Eu esbanjo criatividade, ao contrário de vc que se repete como uma macaca de imitação. Macaca mentirosa.
    “Quanto a mim, é a última vez que me dou o trabalho de te responder algo.”
    – Deve ser menopausa kkkkk! Está escrito tudo que você falou! Dizer que o texto não é meu, parece mesmo um bicho falando. Olha aqui, primata, os palavrões dos neo não me atingiram. Eu apenas vivifiquei a imoralidade de vcs. E, de todas as imoralidades, a sua foi a pior. Sem perdão, irresponsável! Uma gurila sair da Bahia para insinuar, me acusar de plagiadora. Quero ver um mínimo de moral de sua parte quando o Luciano testemunhar que o texto foi escrito e publicado ontem. Anelo por esse momento, quando depois de vencê-la, vencê-la outra vez.

  231. Apenas para esclarecer.
    Ontem quando segui o link não vi que o texto estava nas respostas.
    Cometi esse erro, peço desculpas e retiro o que disse a respeito de plágio.

    Não vou retrucar a nada mais vindo de você daqui em diante, Até porque não preciso. Seu comportamento e seu linguajar deixam claras as diferenças entre o que você é e o que eu sou.

  232. Pronto. Já passei suas acusações para o Luciano Ayan. Morra, mas morra bem, mas de inveja. Criminosa!

  233. “Apenas para esclarecer.
    Ontem quando segui o link não vi que o texto estava nas respostas.
    Cometi esse erro, peço desculpas e retiro o que disse a respeito de plágio.”

    – Mexer com minha arte me deixa assim. Aceito seu pedido de desculpas. Peço desculpas também. Ainda que fosse minha mãe a me acusar de plágio, eu reagiria assim. E meu linguajar seguiu o do seu parceiro. Gostaria que acreditasse que não sou ‘isso’ aí.

    Boa noite (e me deculpe, por favor, perdão).

  234. Shirley, pela última vez…

    “Não vou retrucar a nada mais vindo de você daqui em diante, Até porque não preciso. Seu comportamento e seu linguajar deixam claras as diferenças entre o que você é e o que eu sou.”

    – Também percebo que nada mais temos para discutir, e nisso concordamos. Aliás, nem é pessoal – “você e eu”, mas o neoateísmo e eu, de um modo geral.

    Nossos egos nos cegam. Essa ‘diferença’ entre você eu, com certeza posso vê-la de uma outra ótica. E vou dar um exemplo bem prático de como somos diferentes, e não julgo qual de nós é melhor ou pior, mas apenas diferentes. Tratam-se de visões morais distintas somente.

    Eu e uns amigos temos uma página no facebook chamada “Literatura e Filosofia”, onde sou uma das editoras. Há sempre fóruns de discussões, mas a coisa se dá civilizadamente, mesmo meu parceiro lá sendo ateu, e uma outra amiga sendo ateia (por isso sei a diferença entre ateu e neoateu).

    Um dia, essa amiga Lyane Lopes (cientista de psiquiatria multi-diplomada) publicou um ensaio sobre a religiosidade do homem, alcunhando o crente de ‘primitivo’. Outro amigo – judeu messiânico – não gostou e partimos para o debate. Em determinada altura, o rapaz judeu se alterou e ofendeu a minha amiga, chamando-a de “burra”, o que, para o nível da página já é considerado ofensa.

    Mesmo eu acreditando nas mesmas cosas que o meu amigo judeu, e discordando totalmente do texto da amiga ateia, eu a defendi, pedi para que o rapaz parasse de agredí-la, ou seja, fiquei do lado certo e que achei justo, mesmo não sendo ateia.

    Eis a diferença entre nós, que levou-nos a esse lamenável ponto de intolerância.

    Pela sua moral e lógica, se o seu amiguinho me xinga, maltrata ofende – gratuitamente! – você dá risadas e chega mesmo a assumir que o defende. A partir desse momento – não sei se notou – eu não consegui mais respeitá-la, pois eu jamais ficaria do lado de uma pessoa tão suja e pornográfica, mesmo se tivéssemos ideologias em comum.

    Eu fiquei do lado da amiga ateia e contra o amigo cristão, por simples razão de moral e justiça.

    E, ok, não há necessidade de responder. Espero também que essa seja a última vez que precisei mostrar como você pode estar errada. Claro que é questão de educação e modos, mas não mudarei de opinião: quen legitima a imoralidade imoral é. Como dizia minha avó, “farinha do mesmo saco” ou “diga-me com quem andas e dir-te-ei quem tu és.”

    Pediu-me desculpas por me acusar de plagiadora, mas como todo o seu estudo sobre mim foi baseado no suposto plágio ao Luciano Ayan, você, educadamente, deveria retirar todas as coisas que falou de mim levianamente, sem provas e sem conhecimento de causa… Mas aí já é esperar demais de você.

    Boa vida e adeus.

    ps – Não sei se interessa saber, mas xingar você para sentires na pele o que eu passei e você encorajou a continuar acontecendo, não me fez bem. Estou arrependida, mui sinceramente, pois essa sujeira pornográfica não combina comigo.

  235. Cristiano, meigo Cristiano,

    Obrigada por pensar que eu seja o Luciano Ayan. Isso, para mim, é um super elogio. Agora, amigão, diga lá! O desafio do Barros foi eu mostrar que não há contradições bíblicas no que tange às afirmações de o homem ter visto ou não a Deus. Engraçado que todos que me cobraram (até o analfabetinho funcional), nenhum comentou mais nada hehehe. Eu provei, literariamente, que a Bíblia não se contradisse e não se contradiz.

    http://lucianoayan.com/2012/12/29/rotina-neo-ateista-a-biblia-defendia-a-escravidao/#comments
    (Está nos comentários)

  236. Cristiano, você merece mais atenção!

    “De qualquer forma, o script é sempre o mesmo… o barros lança a pergunta, e o crente passa pelos seguintes estágios:

    1ª Tenta evangelizar
    2ª Posta pseudo evidências
    3ª Parte para a agressão verbal
    4ª Amaldiçoa e fica um tempo sem aparecer….”

    1 – Filho, eu não evangelizo nem a mim; sou insubordinada por natureza.

    2 – Esse termo é auto-paradoxal, logo, ou é evidência ou não é. E na verdade, ambos os lados têm algumas evidências, por isso nos dividimos naturalmente.

    3 – Êpa! Como assim?! Acho que você não acompanhou a saga verbatória e pornográfica a que fui submetida. Se bem que há pessoas que têm o ‘talento’ de ofender a outra sem precisar xingar, apenas distorcendo nossa moral e personalidade. Mas esse já é outro filme.

    4 – No meu caso, até hoje, não consegui desaparecer (e isso me assusta). As vezes que ‘sumi’, ou estava fora da net, ou entrei, lá no começo, com um nick diferente, quando inclusive uma pessoa ‘muito sabida’ folgou em me ‘desmascarar’.

    Não compreendo por que insistem em me rotular, não tenho padrão cristão (e isso me assusta mais ainda), só acho que Deus existe.

    Abraço (continue meigo).

  237. Primata Shirley,

    ha…ha..ha..ha.ha
    bem me quer…mal me quer…..oh vida cruel !

  238. A Day é o primeiro caso de transtorno “tripolar” do mundo!!

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: