De onde vem a fé

Segundo o dicionário Houaiss (lê-se “uáis”), na sua acepção mais comum, “dogma” é o ponto fundamental de uma doutrina religiosa, apresentado como certo e indiscutível, cuja verdade se espera que as pessoas aceitem sem questionar. São assuntos sagrados, imexíveis, imutáveis e inquestionáveis: “Aceite e ponto. Você não precisa ― nem deve!!! ―  pensar a respeito”.

A fé religiosa se apoia numa parte do cérebro humano de onde a razão teve de ser extirpada. Mas esse processo é demorado, portanto precisa começar bem cedo. Quando somos crianças, nossos pais, nossa família e a sociedade na qual calhamos de nascer nos enfiam sistemática e ininterruptamente goela abaixo ― seria melhor dizer: cérebro adentro ―, uma série de “certezas” que a nossa mente indefesa e honesta inevitavelmente acaba por absorver. Quanto mais o tempo passa, mais essas certezas são discutidas, rezadas, encenadas, lidas, catequizadas a ponto de ficarmos fascinados por elas e vê-las, por fim, como coisas que fazem parte do mundo real. Além do mais — nós pensamos — , todas aquelas pessoas, para nós revestidas de enorme autoridade, não poderiam estar erradas. Não ao mesmo tempo. Não durante tanto tempo.

E a fé então se instala. Não importa o que foi dito à criança, ela irá acreditar. E os dogmas vão dar ponto e servir para manter incólume tudo o que ela aprendeu, mesmo (e principalmente) ante as futuras e previsíveis investidas da razão.

As pessoas acreditam no que acreditam porque foram doutrinadas para isso. Todas as outras pessoas que elas conheceram, amaram, respeitaram e em quem acreditaram durante os seus primeiros anos de vida diziam que as coisas eram assim, e que elas deveriam acreditar também. Claro que, em algum momento da nossa infância, de um jeito ou de outro, fomos informados de que o Saci-Pererê e o Papai Noel não eram reais. Mas ninguém veio nos dizer que Deus também não era.

Anúncios

16 Respostas

  1. Exatamente isso. Correto em todas as letras.

  2. se a fé for a certeza que ti guia nao mudará as coisas nunca . e ter a certeza de tudo nao deixara voce a aprender mais nada . mas a fé nao tem nada haver com ser seguidor de crenças religiosa , mas a fé é melhor do que a crença , pois a crença é quando alguem pensa por voce .

  3. “… fomos informados de que o Saci-Pererê e o Papai Noel não eram reais. Mas ninguém veio nos dizer que Deus também não era.”

    Por que será?

  4. Porque acreditar na existência do Saci e do Papai Noel não vai permitir a ninguém viver na ilusão de que há uma outra vida pra viver após a própria morte.

  5. Além disso Deus ( ou os deuses ) foi concebido ao longo de muito mais tempo. Assim foi possível e necessário atribuir a ele a criação de absolutamente tudo, inclusive de si mesmo… E isso não é pouco pois dessa forma só mesmo o criador, ou pai, tem então a legitimadade para fazer o que bem entende com suas criaturas. Até mesmo demonstrar seu suposto amor das maneiras mais questionáveis possíveis.

  6. Amém, meninos. Só expliquem por que o homem SEMPRE sentiu não estar só no universo. ;)

  7. Antes você tem que explicar de onde tirou aí esse “SEMPRE”. Como você sabe se os nossos ancestrais pré-históricos tinham esse “sentimento” de não estarem sós no universo? Certamente eles sequer tinham noção do que seria um universo.

    A ilusão de “deuses” é, porém, muitíssimo mais fácil de explicar, porque ela tem origem na ignorância acerca da origem e funcionamento das coisas, aliada à inata necessidade do nosso cérebro de entender como as coisas se originam e funcionam. Quando ele não consegue uma resposta conveniente, tende a inventar uma, digamos, para pôr no lugar daquele vazio. Deus é um tapa-buracos.

    Espero voltar a escrever mais sobre isso na continuação da minha série Jesus Abominável…

  8. SEMPRE – em toda parte conhecida do mundo antigo há evidências da adoração do homem a deuses que vinham do céu, inclusive acabei de assistir mais um episódio da série. Índia, Egito, o que hoje é América do Sul, enfim, há muitas evidências de nossos ancestrais se comunicarem (ou viajarem) com seres (deuses) fora da terra. Foi o que quis dizer. E estou falando de milhares de anos antes da história bíblica. Mas se você é tão irredutível, explique por que tantas gravuras, esculturas e pictogramas milenares, com conceitos de deuses celestiais.

  9. E no princípio era o animismo primitivo; veio então a passagem do Paleolítico ao Neolítico e na transição a figura da Mulher representa o objeto de culto por excelência (vide as várias Vênus esculpidas em pedra).
    Portanto, se é para se ater ás evidências arqueológicas, rigorosamente, não se pode dizer SEMPRE os seres humanos tiveram como referência a adoração a “deuses que vinham do céu”.
    Na verdade, sob a perspectiva histórica, esse Deus-Jeová-Jesus é relativamente recente.

  10. De fato, é recente nesse sentido, Shirley. Mas as evidências são as descrições que vários povos faziam de ‘deuses’ que chegavam de cima, com fogo, do céu. Claro que ainda são teorias, mas repletas de evidências. Eu não posso acreditar que estamos sozinhos no universo. Além de egoísta, me parece absurdo.

  11. Em tempo: gostei de sua foto, lembra muito uma parenta minha. És bonita.

  12. A discussão do meu texto não era sobre estarmos ou não sozinhos no universo. Você se confundiu e acabou me levando junto. Essa dúvida sobre se estamos ou não no único lugar do cosmos onde há vida não tem nada a ver com a crença em deuses.

    Eu considero que é bastante improvável sermos o único planeta habitado no universo. Mesmo que não se trate necessariamente de vida inteligente, muito menos mais inteligente que nós.

    Carl Sagan pedia que você pensasse numa chance bem improvável de vida em outro planeta. Aí você dizia algo como

    “As chances de haver vida em outro planeta devem ser de 0,000000000000000000000000000001 %”.

    Que legal! Muito improvável mesmo. Mas quando você multiplicar essa sua estimativa pelo total de planetas vai descobrir que você está admitindo haver vida em cerca de algumas centenas de planetas.

  13. Tem razão, Barros. Mas não acho que saí tanto do contexto, afinal, só em acreditarmos na possibilidade de vida (mais) inteligente, explica um pouco de onde vem a fé: de experiências passadas… Bem lá atrás. Quanto a Carl Sagan, bem… Ele é meio visionário às avessas rsrs.

  14. kkkk , BARROS vc errou em resposta a DAy , todos planeta, dimensoes e mundos paralelos , EXISTEM VIDAS , só que infelizmente nao sao captados (nao podem ser visto) pelo nossos olhos físico , assim como os , microbios,fungos,viirus, bacterias e os micros organismos ,que convivem diariamente 24 horas por dia ao nosso redor e ate dentro de nós e nao vimos e nem percebermos , mas convivemos bem com todos eles e ainda bem que nao vemos né . estude sobre esses seres do mundo “invisiveis”

  15. O mundo é mais ateu do que se pensa. Há quem nunca tenha falado de Deus a seus filhos. E depois há os frequentadores das igrejas que nem por isso transmitem melhores valores aos descendentes. No quotidiano comportam-se como qualquer um que é do mundo. Não é preciso dizer que Deus não existe. As pessoas no dia-a-dia mostram isso com frequência. A indiferença, as relações tensas entre colegas de trabalho, a miséria social e económica, tudo isso demonstra que a sociedade não crê em Deus mesmo que haja igrejas espalhadas em todas as cidades.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: