O que é Religião? [Republicação]

Muito frequentemente nós somos enganados pelos nossos sentidos. E muito frequentemente, também, nós nos deliciamos com isso, a ponto de pagarmos para sermos vítimas de uma ilusão. Dos truques de mágica à indústria cinematográfica, esse aspecto da nossa condição humana nos tem feito enriquecer, ao longo dos séculos, aqueles que descobriram como nos fazer bem ao nos iludir. A religião, porém, é um exemplo claro de como uma ilusão pode se tornar danosa. 

Danosa, obviamente, para o lado que não está ficando milionário com a fé alheia. 

Pessoas religiosas costumam argumentar, baseadas em pesquisas científicas, que a crença em uma divindade é algo bastante benéfico para o indivíduo; seja para sua vida social ou para sua saúde física e emocional, por exemplo. Essa declaração, apesar de correta, não torna a fé religiosa menos prejudicial à nossa sociedade, à nossa civilização, e mesmo até à nossa espécie. Se for para analisar os prós e os contras, pode-se acabar chegando à conclusão de que é possível se adquirir, por outros meios, os mesmos benefícios atribuídos à crença em deuses, sem precisar trazer a reboque tudo de ruim que está, sempre esteve, e sempre estará vinculado à Religião. Tentar negar essa proposição é uma reação natural, fruto de um afundamento excessivamente longo dentro de uma sociedade doutrinada a pensar exatamente isso: que acreditar em deuses faz bem, sob todos os pontos de vista. Mas isso depende. E depende muito. E essa dependência é demasiadamente perigosa. 

Se, acometidos de uma mesma e gravíssima enfermidade, um crente e um ateu são submetidos a idênticos cuidados médicos, os resultados dessa atenção devem ser semelhantes. Entretanto, se por motivos diversos (e, na esmagadora maioria dos casos, perfeitamente explicáveis), o tratamento surtir efeito apenas em um deles, e o outro vier a morrer, a mente religiosa irá se apegar a uma das duas seguintes conjecturas, para sua própria conveniência. A primeira, se morrer o ateu, que a fé salvou o crente. A segunda, se morrer o crente, que foi a vontade de Deus, e devemos todos nos conformar com ela. 

Nos dois casos, o religioso está aplicando em si mesmo a ilusão que lhe rende aqueles supostos benefícios, e que engorda as contas bancárias daqueles que lhe incentivam a continuar acreditando que ele está se beneficiando de alguma coisa.

Acreditar que o ser supremo que criou todo o universo está tão preocupado com você a ponto de “auxiliar” na sua recuperação durante um tratamento médico intenso pode, sim, de alguma forma, contribuir para sua melhora, uma vez que, provavelmente, vai deixar você mais otimista, mais calmo, etc. Mas acreditar que o Todo-Poderoso vai curar você sem ajuda extra pode te levar à morte. Tão longe que estamos dos tempos bíblicos, Deus hoje só cura através de um bom plano de saúde.

O mais que passa nos shows de horrores dos programas religiosos que você assiste na tevê, e a que tantos olhos chorosos e desesperados veem como milagre divino, é tão somente um engodo; um embuste amalamanhado, quase sempre tão mal feito que só mesmo a vontade de ser iludido pra justificar a crença numa coisa tão explicitamente forjada.

Mas, no fim das contas, religião é apenas isso mesmo: a consumação de uma fraude aliada ao desejo de ser enganado por ela.

.   

Anúncios

56 Respostas

  1. A religião seria talvez aceitável se os seus seguidores a utilizassem na sua vida sem querer impor essa irracionalidade na vida dos que não compactuam com seus delírios.

  2. Barros,

    Os programinhas a la “Fala que eu te chupo” da IURD só fazem sucesso no Brasil, América Latrina, África, e com hispanos nos EUA. Ou seja, você está falando do povinho que frequentava terreiro, agora frequenta a IURD. E se um dia a UIRD fechar, vão achar outro lugar tão ruim quanto para frequentar. Esse povo só quer saber de milagre e solução fácil. Não tem solução.

    Porém, vá na Alemanha ou Inglaterra e verá que lá tem sim igrejas, tem religião, mas não tem esse lixo que temos no Brasil. Portanto, a sua crítica é sobre o que se passa no Brasil. A sua crítica não alcança a questão no cerne: há ou não um criador, ele se importa conosco ou não, há vida após a morte…
    Em outras palavras, se para um Zé Mané religião é dar o dízimo esperando que Deus dê um carro novo, o problema aí está no Zé Mané, e não na religião, e a prova é que em outros lugares, com pessoas mais cultas, a religião existe sem esse “toma lá, dá cá”.

  3. Issaí Barros, toma-lá-da-cá com Deus, é só a ralé, o zé-povinho latino, essa cambada de subdesenvolvidos Hemisfério Sul abaixo.
    Noble and sophisticated european,adoram Deus sem interesse algum.
    Of course, Deus, I mean, God, do alto do seu sagrado e empinado nariz reconhece essa adoração desinteressada e retribui. Será por isso que o Hemisfério Norte é tão mais rico e avançado que o Sul?
    Mas, espera, e o Japão budista, tão rico? E os países do Leste Europeu, bem mais pobres e atrasados?
    Oh well, os mistérios de Deus a Deus pertencem.

  4. Barros:

    Pois é, tem gente que não aceita que seja possível louvar a Deus sem “toma lá da cá”, mas a psicolgia explica…

    Europeu na média é evidentemente mais educado que o brasileiro mediano, e eles não caem nesses truquinhos fajutos que a IURD põe na TV todas as noites.

    E eu que nunca disse que o hemisfério norte é mais avançado do que o sul por bondade de Deus, mas tem gente que achou que eu disse e veio falando de Japão budista… podemos até falar, mas o assunto mudou.

    Sobre o leste atrasado, é mais uma prova que a questão não é dinheiro, mas sim cultura e educação. A Polônia é um exemplo de povo que resistiu ao comunismo ateu e não perdeu a sua religiosidade durante os tristes e violentos anos de governo ateu.

  5. E por falar dos tipos de religiosos e de religiões, Deus neste momento deve estar comendo tacos no México, de férias dessa aborrecida gente que ele criou lá pelas bandas do Oriente Médio, que não sei se ele, Deus, acha mais ou menos sophistiqué e desinteressados que os europeus. Parece que, à maneira de Pôncio Pilatos, lavou as mãos. Entre cristãos, muçulmanos e judeus, a matança segue animada.Uns morrendo em nome dele, outros matando em nome dele.

  6. Ter ar-condicionado, andar de carro do ano, usar maquiagem e bolsas da moda, tudo isso são besteiras materialistas do mundo. A verdadeira felicidade está no interior de cada um, portanto, Deus não necessariamente está punindo os povos do Oriente Médio e abençoando o povo americano ou europeu, essa vida de 70-80 anos não é nada no plano divino e universal de Deus.

  7. Eu não discuto mais com o André Lopes porque ele, a seu bel-prazer, toma de empréstimo o Deus bíblico, um Deus além-Bíblia que só ele conhece, e o deus Jesus Cristo de forma a não vestir a saia justa que a gente dá pra ele experimentar, usando cada um dos três de acordo com a conveniência.

    Sabe aquele personagem do X-Man, o Notívago? Pois é: você tenta dar um soco nele, mas ele não está mais lá.

  8. Barros,

    Que feio, mais um ateu fugindo do debate comigo? Eu achei que era crente que saia correndo quando alguém questionava suas crenças.

    Veja o meu comentário acima e compare com a sua resposa, não tem nada a ver. A minha colocação segue sem resposta, e pelo jeito vai ficar sem resposta pois o debatedor ‘saiu pela direita’. Aliás, não foi esse o título de um artigo seu?

  9. Ermãos!

    Nada a ver ! Se ao menos vocês dessem chance e estudassem os milagres da Igreja Católica ! Ficam cheios de mimimi e se esquivando. Isso cada vez mais confirma que Deus existe e que o Andre ganhou o debate. O Barros, coitado, depois de levar uma surra moral, intelectual e espiritual ainda não vê que fracassou e resiste diabolicamente a aceitar a verdade.

  10. Não, o Barros não levou surra nenhuma. Somente não respondeu uma colocação muito simples minha: o artigo dele fala dos evangélicos tipo IURD, que até eu, teísta, acho-os duro de engolir. Mais uma vez ele chuta cachorro morto. A religião, como praticada por pessoas de cultura, educação e intelectualidade não foi atingida pelo artigo.

    Aproveito para parabenizar o Barros por deixar o espaço aberto a pessoas contra sua ideologia, como eu, para expressar suas opiniões. Acho que o blog ficaria muito chato se fosse unissono, imagine que debate sangrento seria a SS Burrides enfrentando a Ana Judas. Ia ser tão emocionante quanto assistir a um jogo de xadrez em camera lenta.

  11. André

    Acho que o Barros chegou a sentir uma fisgada lá nas coisas dele, depois dessa bajulada. E por que raios eu iria “enfrentar” a Ana? Caso viéssemos a debater sobre algum assunto, seria bem possível que o caso se assemelhasse a uma partida de xadrez, não pela suposta modorra que você atribui ao jogo, mas pelas reais características dele, a elegância e o uso do intelecto.

    A religião, como praticada por pessoas de cultura, educação e intelectualidade não foi atingida pelo artigo.

    Essa vai para minha coleção de “pérolas” da militância crente.

  12. PAUL

    A religião seria talvez aceitável se os seus seguidores a utilizassem na sua vida sem querer impor essa irracionalidade na vida dos que não compactuam com seus delírios.
    democracia sempre,mas não é o ateísmo que se diz fruto da irracionalidade ?

  13. A religião, como praticada por pessoas de cultura, educação e intelectualidade não foi atingida pelo artigo.

    Tá bom: Deus agora só vai salvar os intelectuais. Ou seja, ainda assim eu vou pro Inferno.

  14. democracia sempre,mas não é o ateísmo que se diz fruto da irracionalidade ?

    Errado.

    O ateísmo é, obrigatoriamente, fruto da racionalidade. A irracionalidade é a mãe da fé.

  15. tá vendo, o Barros é um bom menino, foi só dar uma afagadinha e ele já voltou a me responder.

    O que eu não entendo é que eu expliquei bem a diferença entre os crentes da IURD e os cristãos da igreja anglicana, ou dos católicos e luteranos alemães. E disse que o artigo do Barros se referia ao tipo “IURD”.

    Como resposta, recebo:

    Tá bom: Deus agora só vai salvar os intelectuais. Ou seja, ainda assim eu vou pro Inferno.

    Acho que essa foi uma resposta para alguma pergunta, mas não a minha. A propósito, eu não sei quem Deus vai salvar, isso cabe somente a ele, mas suspeito que o principal quesito de salvação não é dinheiro ou uma inteligência cartesiana impecável. Me parece que o principal é o amor, seja amar o próximo, a família, amar a Deus, ajudar aos outros, evitar os pecados capitais… claro que a patota desse blog vai discordar, eu já sei.

  16. Na minha terra não há essas demonstrações de «fé» como o mostra a fotografia. Por duas vezes, «gente bem intencionada» tentou abrir aqui uma igreja nos moldes brasileiros alugando o mesmo espaço mas os clientes não vieram. Só restam as cadeiras e o nome da igreja, muito bonito, por sinal, com cheirinho a neo-pentecostal. Aqui, religião não vinga. Será por estar na Europa?

  17. O ateísmo é, obrigatoriamente, fruto da racionalidade. A irracionalidade é a mãe da fé.

    pensei que vocês se consideravam filhos da irracionalidade casada com o acaso.

  18. Maria,

    Como eu disse, em lugar de pessoas de melhor cultura e educação, igrejas sem doutrina, com pastor formado por correspondência, bem típica dos rincões do Brasil, essas não vingam mesmo. Mas a Europa está repleta de igrejas, das mais lindas por sinal, porém são as sérias: Católica, Anglicana, Luterana, etc.

  19. Criaturo:

    pensei que vocês se consideravam filhos da irracionalidade casada com o acaso.

    boa, esse drible entortou os ateus… estão até agora procurando onde está a bola.

    É muito interessante essa deles de achar que a irracionalidade cria a racionalidade.

  20. Barros, para o complexo de vira-latas do André, é muito menos uma questão de intelectualidade e muito mais uma questão de pedigree.
    Segundo ele, quando um europeu (das partes certas da Europa, claro), ouve a palavra “leilão”, pensa na Sotheby’s, não no “quem dá mais” das iurds da vida.
    Ainda segundo ele,esses europeus com pedigree amam, louvam adoram Deus, sem interesse nenhum, diferentemente da ralé de origem latina.
    Nisso tudo me fica uma dúvida. E ele, André? Se é latino, ama/louva/idolatra o deus dele com segundas e terceiras intenções e está admitindo que faz isso. Ou será que ele foi vítima de alguma brasileira rastaquera que o sequestrou na maternidade, de seus país dinamarqueses e alemães?

  21. Shirley, em vários comentários anteriores o AL tirou onda da minha cara por estar, eu, supostamente falando mal de um Deus bíblico que só existia na imaginação de uns tantos tolos que o conceberam. Para ele, o AL (Uau!), Deus estava para muito além da Bíblia e aquele um lá descrito não tinha nada a ver com ele.

    Pois não é que eu (fazendo vista grossa para a desonestidade intelectual que mantém viva a fé do crente) resolvi perguntar ao dito cujo, como diabos é que ele tinha tomado consciência desse Deus-Além-Bíblia, de seus desejos, vontades, doutrina, etc.! E pensa que ele respondeu? Claro que não! E nem podia!

    Mas o que ficou claro para mim é que o AL não compartilhava da fé católica, nem da cristã, nem judia, nem islâmica, nem protestante, nem anglicana, nem de nenhuma outra que tivesse, de algum modo, embasamento bíblico.

    E não é que, do nada, a criatura toca a falar do Deus da Bíblia como se fosse o próprio Bento 16!!

    Eu deveria perguntar, mas não vou: o Deus-Além-Bíblia está na Bíblia?

    Para casar com a irracionalidade do pensamento religioso, a resposta, obviamente, tem que ser SIM!!!

  22. Por duas vezes, «gente bem intencionada» tentou abrir aqui uma igreja nos moldes brasileiros alugando o mesmo espaço mas os clientes não vieram.

    Maria, esse tipo de gente bem intencionada prefere instalar suas bocas de culto em áreas de gente menos abastada, porque, quando falta dinheiro, sobra fé.

    Talvez os que tentaram abrir suas bocas de culto aí pelas suas paragens tenham se esquecido disso, cegos que ficaram pela perspectiva de um dízimo mais gordo!

    Antes eu até tinha pena desses pobres iludidos, mas eu acho que uma pessoa que se dispõe a acreditar que pode obter favores de uma criatura superpoderosa, perfeita e eterna através da doação mensal de um décimo de seu salário merece mesmo ser enganado! Na verdade, está pedindo por isso. Então, que se faça a sua vontade.

  23. Ô Barros , desapega contribuindo com o dizimo voce estará ajudando outras pessoas, alem do mais se acredita que em breve deixara de existir , por que iludir-se apegando-se a bem efêmeros.

  24. Barros, esse nhenhenhém do AL sobre o deus da bíblia, ele pegou de empréstimo ao Criaturo. É uma maneira boboca de tentar se dissociar dos absurdos bíblicos, aquela coisa da hermenêutica, exegese, contextualização, o escambau, por que, convenhamos, em pleno século 21 pega mal à beça aparentar que leva aquele troço a sério de fio a pavio, isso é coisa de botocudo que frequenta as iurds da vida, não é para crentes “esclarecidos”.O Criaturo customizou o deus da bíblia, o AL atira para todos os lados, mas na hora “H” eles não resistem e correm a defender o único deus em que de fato creem, que é nada mais nada menos que o bom e velho Javé travestido de Jesus.
    O mais engraçado nisso tudo é que eles parecem pensar que essas contorções passam despercebidas.

  25. vocês limitam-se ao ateísmo bíblico apenas pela vaidade de estarem sendo contra a maioria, sem falar do trauma de sentirem-se constrangidos a manterem-se no anonimato.
    então aproveitem este pequeno espaço para chorarem suas lagrimas, desabafe “fala que eu te chuto” é um programa de crentes.

  26. SS

    vamos falar sério!

    voce prefere viver em um mundo com a opção do mal, ou preferia inexistir sem essa opção?

  27. Criaturo

    (…) sem falar do trauma de sentirem-se constrangidos a manterem-se no anonimato.

    É só saber apertar no lugar certo e o crente mostra toda a “caridade” e “tolerância” cristãs. A mesquinharia é tão maior que a “caridade” e a “tolerância” que o cristão nem se dá conta da precariedade do raciocínio…
    O fato de ateus se sentirem constrangidos ao anonimato depõe contra e não a favor do cristão, Criaturo, seu…cristão!
    Huáhuáhuá!

  28. voce prefere viver em um mundo com a opção do mal, ou preferia inexistir sem essa opção?

    Hã…Criaturo, inexistir sem a opção do mal é o cúmulo da redundância…huáhuáhuá!

  29. esse nhenhenhém do AL sobre o deus da bíblia, ele pegou de empréstimo ao Criaturo. É uma maneira boboca de tentar se dissociar dos absurdos bíblicos

    Depois do deus católico, temos agora o deus criatúlico.
    E aparentemente este deus já conta com um messias e ao menos um seguidor.

  30. André, eu não sei se as pessoas aqui no meu sítio têm melhor cultura ou educação. Não temos favelas (bairros de lata» mas quando eu era miúda e andava na escola primária havia um bairro de lata que mais tarde foi substituído por prédios. Bom, isso foi depois da queda da ditadura. Começou a haver mais consideração pelas pessoas de classe económica desfavorecida.
    O facto de não haver essas igrejas tipo IURD (embora exista um centro de ajuda espiritual que é a iurd disfarçada com este nome) é que as pessoas talvez vivam um pouco melhor economicamente e acham que não precisam de se encontrar com a divindade. No Verão há muito turismo estrangeiro e as pessoas vivem disso. Cultura, o que é a cultura? Ninguém consegue ter grandes doses de conhecimento. É impossível ao cérebro humano. E para viajar e conhecer outros ambientes é preciso ser rico. Uns podem, outros não.
    E as pessoas são criadas sem ninguém lhes falar em Deus. Eu fui criada assim. Só tive contacto com uma bíblia aos vinte anos de idade e não percebia grande coisa do assunto. Agora, já li e refleti. Não esquecer que a Internet ajuda a formar opiniões. Não é por acaso que assumi a posição de ateia. Não foi por mim mesma, foi por influência dos sites e de alguns livros. Mas gosto de ler tudo o que diz respeito à religião. Por curiosidade. Por interesse em compreender as mentalidades de outros tempos, de agora…

  31. Ô Barros , desapega contribuindo com o dizimo voce estará ajudando outras pessoas, alem do mais se acredita que em breve deixara de existir , por que iludir-se apegando-se a bem efêmeros.

    Essa é boa! Só porque eu vou morrer, eu devo entregar meu dinheiro pro ladrão!

    Se bem que, entre o ladrão e o pastor, eu preferiria perder pro ladrão, porque o ladrão toma o teu dinheiro baseado no fato de estar com uma arma, enquanto o pastor toma baseado no fato de que você é um idiota.

  32. Barros, as pessoas da minha cidade não estão propriamente desesperadas. É por isso que esta igreja assim como a anterior que tentaram estabelecer com outro nome ficaram às moscas. Quando a vida corre bem ou mais ou menos, as pessoas descartam Deus. Eu queria ver se houvesse aqui um período de seca grande. Não haveria mãos a medir com procissões, até pastores pregariam nas igrejas católicas e padres nas evangélicas.

  33. Maria

    As igrejas neo pentecostais estão se espalhando por todo canto como baratas desenfreadas por algum inseticida e os dirigentes dessas igrejas vão atraídos por problemas desencadeados pela crise financeira do país, é ali que os oportunistas encontram campo propício. Tenho informações de que em Portugal já existem mais de 20 templos instalados em algumas das principais cidades portuguesas. Só em Lisboa já conta com 28 igrejas, apesar de que em Portugal 80% da população é católica fervorosa.
    A Igreja Universal construiu um templo milionário em Vila Nova de Gaia de valor 12 milhões de euros.

    Aqui num culto informal com uma pastora, senhoras orando.

    Nos outros links o “cheirinho da IURD” e mais algumas neopentecostais em Portugal.

    http://www.publico.pt/portugal/jornal/igrejas-neopentecostais-ja-sao-mais-de-20-em-portugal-20316245

    http://blog.opovo.com.br/portugalsempassaporte/igrejas-brasileiras-espalham-se-de-norte-a-sul-de-portugal-ninguem-sai-sem-entregar-o-dizimo-10-do-que-ganham/

    http://portugues.christianpost.com/news/igreja-universal-constroi-templo-milionario-em-portugal-13805/

    http://m.arcauniversal.com/mundocristao/estudos-biblicos/frio-morno-ou-quente-17385.html

    Abraço.

  34. Se se esgotassem todas as alternativas ao Barros, que faria? Não é uma crítica pois não tenho razões para isso. Mas curiosidade de saber se você não conversaria com algum deus. Imagine-se numa grande dificuldade, sem amigos, sem parentes que quisessem saber de si…não se ajoelharia, não suplicaria? Eu percebo que você condene as atitudes dos crédulos de mais mas, e se fosse consigo?Já entrei numa igreja católica, já me sentei num banco, já orei, conversei intimamente com algo que o faria rir mas…eu precisava de o fazer. E se você passasse fome todos os dias, se andasse subnutrido durante vários anos, se fosse gozado por colegas de escola que não viam o seu rosto faminto de fome e de ternura, se só olhassem para as suas roupas desengraçadas, que faria você? Mas o Barros não consegue pôr-se dentro de outra pessoa. Por isso não vai responder. Só me responderá se já passou por situação igual. Se pedisse a Deus à noite para não o deixar morrer de fome e passados trinta anos você permanecer vivo, sabendo que pode almoçar e jantar, como não agradecer a algo? e ficar na dúvida?

  35. Se religião significa religar ou ligar o homem a Deus; então, somente Deus poderia fundar uma religião verdadeira.

    A grande maioria das religiões, embora a maioria prega o bem e tem alguns elementos de verdade, são o resultado da busca do homem por Deus. Porém, a religião cristã é o resultado da busca de Deus pelo homem e de sua revelação pública na pessoa de Jesus Cristo.

    Portanto, se tem alguma religião com chance de ser verdadeira, essa religião só pode ser a religião cristã e, em especial, a Igreja Católica; pois, todas as demais foram fundadas por homens comuns.

    E, por incrível que pareça, somente nela acontece milagres autênticos (muitos dos quais, comprovados pela própria Ciência); que são como que a assinatura de Deus para confirmar sua existência, sua Igreja e sua verdadeira doutrina.

    Eu sei que, para quem nasceu em outra religião, é difícil ouvir isso ou ouvir dos ateus que toda religião é falsa. Mas, devemos buscar a VERDADE, doa o que doer e custe o que custar, seja ela qual for!

    E, acreditemos ou não e gostemos ou não, as evidências filosóficas, históricas e científicas apontam para a existência do Deus judaico/cristão e não para a inexistência de Deus ou para a existência dos deuses das demais religiões.

    Principalmente, pelo fato das profecias bíblicas sobre o Messias contidas no Antigo Testamento (cuja descoberta dos Manuscritos do Mar Morto comprovou que foram realmente escritas antes do nascimento de Cristo) terem se cumprido integralmente na pessoa de Jesus Cristo e pelo fato dos inúmeros milagres permanentes existentes apenas na Igreja fundada por esse tal Jesus que afirmava ser filho de Deus vivo e verdadeiro.

    Não é à toa que o grande Rui Barbosa, antes de morrer, afirmou:
    “Estudei todas as religiões do mundo e cheguei a seguinte conclusão: religião, ou a católica ou nenhuma!”.

    Eis a RAZÃO da minha FÉ!

    Por isso, insisto:

    QUEREM SABER SE DEUS EXISTE E QUAL A RELIGIÃO VERDADEIRA?:

    – Estudem os grandes milagres da Igreja Católica e comparem com os supostos milagres das demais religiões do mundo!

  36. Olá, Ana Júdice. Eu estou só me referindo ao lugar onde vivo e ele não é muito propício ao fanatismo. Não há templos neo-pentecostais. Isso deve ser em cidades grandes ou próximas das capitais das regiões. Mas obrigada pela informação. Até já entrei numa igreja batista num outro ponto do país onde havia apenas 9 membros. Uma igreja católica estava a abarrotar quase à mesma hora.

  37. SS
    O fato de ateus se sentirem constrangidos ao anonimato depõe contra e não a favor do cristão, Criaturo, seu…cristão!
    pode depor contra os que se intitulam cristão , mas não contra o cristo que respeitava Tomé e ensinava a tolerância aos que não o seguiam.

    Hã…Criaturo, inexistir sem a opção do mal é o cúmulo da redundância…huáhuáhuá!

    ok! existir no mundo da forma que ele é, ou inexistir ?

  38. Maria, vou te responder sim. Aguarde e confie.

  39. Maria

    E se você passasse fome todos os dias, se andasse subnutrido durante vários anos, se fosse gozado por colegas de escola que não viam o seu rosto faminto de fome e de ternura, se só olhassem para as suas roupas desengraçadas, que faria você?

    Eu passei por tudo isso e mais algumas coisas, que foram diminuindo conforme eu crescia e resolvia os problemas por mim mesma. Porque nunca, nem mesmo quando era muito criança, me pareceu que “pedir” o que fosse a algum deus resolvia nada. Cresci vendo minha mãe às voltas com o deus dela, o católico, a vizinhança, igualmente miserável, às voltas com isso. Minha mãe saiu da miséria porque eu e meus irmãos confiamos em nós, porque entendemos que as coisas acontecem às pessoas, ou elas provocam essas coisas e que para mudar a situação dependemos de nós mesmos.
    E ora veja, nunca “pedi” nada a deus nenhum, mas faz décadas que não passo privações, abusos e humilhações. Consegui mudar minha situação por mim mesma, acreditando em mim.
    Crença em qualquer deus é desistência, é admissão de fracasso, é se comprazer na autopiedade, é se achar merecedor/a de mais do que se faz por obter. É julgar-se injustiçado pela vida, só que a vida não está nem aí para “justiça”.
    Sempre que vejo alguém se lamentando pelas coisas que lhe acontecem, pedindo que algum deus resolva a situação, penso no quão egoísta é essa pessoa. Nunca passa pela cabeça, parece, que pode haver, e há, pessoas em situação muito pior. Sofrimentos e privações não são exclusividade de ninguém. O que você faz ou tenta fazer para resolver isso é que conta.

  40. Criaturo

    ok! existir no mundo da forma que ele é, ou inexistir ?

    Eu quero esta vida Criaturo, com tudo que ela tem, de bom e de mal.
    As coisas boas fazem a vida valer a pena, as coisa más me fortalecem, se as puder vencer e quando não posso, me ensinam.

  41. O que é Religião?

    As religiões são todas iguais – fundadas sobre fábulas e mitologias.
    ―Thomas Jefferson

  42. Maria,

    Se se esgotassem todas as alternativas ao Barros, que faria? (…) Imagine-se numa grande dificuldade, sem amigos, sem parentes que quisessem saber de si…não se ajoelharia, não suplicaria?

    Esta linha de argumentação não é favorável à crença. Ela é similar ao argumento de que “não existe ateu em um avião em queda”.

    Isto sugere que a tendência à crença é preponderante quando se está em um estado de desespero tão alto que prejudica a capacidade de raciocínio.

  43. Parabéns Shirley

    Crença em qualquer deus é desistência, é admissão de fracasso, é se comprazer na autopiedade, é se achar merecedor/a de mais do que se faz por obter. É julgar-se injustiçado pela vida, só que a vida não está nem aí para “justiça”.

    Você vale por si mesma sem a necessidade de um Deus porque acredita na sua força, nos seus valores, nada de encostar ou estar implorando uma “ajudinha” de seres invisíveis. Deixou a preguiça de lado, foi a luta e não precisou perder seu tempo implorando ao vento, olhando a ausência, o nada.

    Parabéns, como é bom sentir-se capaz.

    Abç

  44. Essa é boa! Só porque eu vou morrer, eu devo entregar meu dinheiro pro ladrão!
    Se bem que, entre o ladrão e o pastor, eu preferiria perder pro ladrão, porque o ladrão toma o teu dinheiro baseado no fato de estar com uma arma, enquanto o pastor toma baseado no fato de que você é um idiota.

    afirmar que não haverá um amanhã tira todo o sentido do hoje.

  45. Marcos

    Depois do deus católico, temos agora o deus criatúlico.
    E aparentemente este deus já conta com um messias e ao menos um seguidor.

    A sua sabedoria é bem vinda, estamos a procura de ovelhas perdidas

  46. SS

    E se você passasse fome todos os dias, se andasse subnutrido durante vários anos, se fosse gozado por colegas de escola que não viam o seu rosto faminto de fome e de ternura, se só olhassem para as suas roupas desengraçadas, que faria você?
    Eu passei por tudo isso e mais algumas coisas, que foram diminuindo conforme eu crescia e resolvia os problemas por mim mesma. Porque nunca, nem mesmo quando era muito criança, me pareceu que “pedir” o que fosse a algum deus resolvia nada. Cresci vendo minha mãe às voltas com o deus dela, o católico, a vizinhança, igualmente miserável, às voltas com isso. Minha mãe saiu da miséria porque eu e meus irmãos confiamos em nós, porque entendemos que as coisas acontecem às pessoas, ou elas provocam essas coisas e que para mudar a situação dependemos de nós mesmos.

    Também tive uma infância muito carente por isso posso afirmar que as dificuldades ensinam a valorizar o que nos falta.
    Não posso acreditar que você ja nasceu descrente e sim que foram as dificuldades que te tornaram materialista. muito provavelmente também ja foi uma inocente criança mendiga da fé,mas as dificuldades impostas pela vida te tornaram ateia do gênio da lampada que te fez ouvidos moucos, será? Será que a sua situação atual não teve nenhuma ajuda anônima?
    pois bem venci na vida a duras penas,mas com certeza pedi e talvez não tenha sido atendido na forma nem no tempo o qual desejava,mas tenho certeza que fui atendido da melhor forma possível e por essa ajuda anonima sou grato.
    Naturalmente somos todos seres sociais , não nascemos formados para o mundo,então deveríamos ser gratos pelas ferramentas a qual ja trazemos na bagagens.

    essa parábola humorada representa bem a origem dos ateus:
    http://religiaodeuslivre.wordpress.com/2010/08/29/ateu-o-homem-que-matou-o-papai-noel-inicio-i/

  47. Isto sugere que a tendência à crença é preponderante quando se está em um estado de desespero tão alto que prejudica a capacidade de raciocínio.
    esgotada todas possibilidade de raciocínio só nos restará crer que não estamos sozinhos,mas para o ateu só restará a falta de razão.
    podemos encontrar soluções para problemas sem fazer uso da razão, pelo menos da nossa, veja as proezas que o instinto animal consegue fazer.

  48. SS
    Eu quero esta vida Criaturo, com tudo que ela tem, de bom e de mal.
    As coisas boas fazem a vida valer a pena, as coisa más me fortalecem, se as puder vencer e quando não posso, me ensinam.

    Judiação! acreditar-se efêmera tira todo o seu sentido.

  49. Criaturo

    Não posso acreditar que você ja nasceu descrente e sim que foram as dificuldades que te tornaram materialista. muito provavelmente também ja foi uma inocente criança mendiga da fé,mas as dificuldades impostas pela vida te tornaram ateia

    Ninguém nasce acreditando seja no que for e quero ver você provar o contrário.
    Mas foi exatamente por ver a inutilidade da crença que nunca perdi meu tempo com ela. E não, nunca fui “uma criança mendiga da fé”; antes de começar o catecismo, aos dez anos, quando a crença não me irritava, me parecia um faz de conta que as pessoas faziam de conta que era de verdade. No catecismo a crença e todos os penduricalhos me pareceram coisa ainda mais fictícia que as histórias da Marvel que eu lia, com a diferença que estas eram muito mais divertidas.

    Saber-me efêmera é que dá sentido à minha vida e a torna tão importante.

  50. Criaturo

    Você superou seus problemas por meio de ações concretas. Sua crença e seus pedidos funcionaram como placebo psicológico.

  51. ss

    No catecismo a crença e todos os penduricalhos me pareceram coisa ainda mais fictícia que as histórias da Marvel

    Coitadinha! não teve infância isto justifica sua rabuchisse!

    Saber-me efêmera é que dá sentido à minha vida e a torna tão importante.
    se de fato realmente acreditasse que ela é efêmera não daria tanta importância a ela, pois é o acreditar no futuro que te impulsiona o presente.

    Você superou seus problemas por meio de ações concretas. Sua crença e seus pedidos funcionaram como placebo psicológico.
    de fato a crença mesma que pessoal , pode mover montanhas.
    mas se somos senhores de nós mesmos , então por que não podemos controlar nosso coração ?
    Bem se vê que vivemos por uma razão maior que a nossa, e dizer que ela não existe é não saber reconhecer a si mesma.

  52. Olá, SSrodrigues. Não me importo com o pragmatismo das suas palavras; compreendo-as contudo. Mas como todo o ser humano tem reações diferentes ao mesmo estímulo ou acontecimento, nós as duas posicionamo-nos na vida com atitudes diferentes. Deus não impede que as coisas más nos aconteçam como não as provoca de propósito. Deus, que é um sentimento, vamos lá, para além das narrativas bíblicas, dá-nos alento, coragem para prosseguirmos até ao ponto do não retorno. Não posso dizer que venci, que superei, que conquistei alguma coisa só pelos meus próprios méritos até porque a vida ainda não acabou e muita infelicidade poderá acontecer até lá. Somos criaturas frágeis, uma carta de jogar ao sabor da sorte; se não conseguimos por nós mesmos precisamos de pedir ajuda. Isso não é sinal de fracasso. Quem está doente recorre ao médico; quem foi assaltado, chama a polícia; quem está perdido numa cidade pede orientação a alguém que passe; quem está aflito recorre à divindade que conhece melhor, a da sua cultura. Em desespero de causa vale tudo menos prejudicar o próximo. Depois da tempestade passar até podemos pensar que foi uma consequência natural das nossas ações mas… e o pedido que nós fizemos? Obtivemos ou não resposta? Batei e abrir-se-vos-à, não é assim que está escrito? E quando não houve ações da nossa parte porque era impossível havê-las ( a ss há-de dizer que fomos derrotistas), e Deus olhou por nós?
    Então, o que se segue é um sentimento de gratidão e um relembrar constante de que só por Ele é que estamos vivos. Mas continuamos a viver normalmente, sem dúvida. E se Deus não nos abandona porque nós não nos desligamos dele o que devemos fazer a seguir é sermos o Deus que Ele quer que nós sejamos para com alguém que é desprotegido e carente. A ss pode substituir isto por solidariedade, eu sei.
    Bom, eu não estou aqui para convencer ninguém. Nem sequer tenho religião.

  53. “Se bem que, entre o ladrão e o pastor, eu preferiria perder pro ladrão, porque o ladrão toma o teu dinheiro baseado no fato de estar com uma arma, enquanto o pastor toma baseado no fato de que você é um idiota.”
    – Caraca!!! A frase do ano!!! Parabéns, barros. Vou imprimir e emoldurar aqui no meu escritório, ao lado de certas “frases bíblicas” que somos obrigados a tolerar exatamente por sermos “CONSTRANGIDOS AO ANONIMATO”. (Certas pessoas precisam ler isso)

  54. Obrigado, Edilberto. E você me deu uma boa ideia… Rsrsrss

  55. […] leitora Maria me escreveu um comentário fazendo as seguintes […]

  56. Paul Muadib, on 30/06/2014 at 14:36 said:
    A religião seria talvez aceitável se os seus seguidores a utilizassem na sua vida sem querer impor essa irracionalidade na vida dos que não compactuam com seus delírios.

    Mas esta é a diferença entre religiosos e fanáticos. Aliás é interessante ver como hoje existe até ateu fanático.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: